terça-feira, 30 de outubro de 2007

Os espantalhos criacionistas


A falácia do espantalho, uma das mais utilizadas pelos que que não conseguem sequer compreender os temas em debate, basicamente consiste em desviar a discussão para assuntos laterais, fugindo assim à discussão do que está em causa com um ou mais argumentos sem nada a ver, com especial predilecção por aqueles que podem ser interpretados tendenciosamente por uma faixa larga do público alvo. Assim, passam a imagem de que os argumentos do oponente foram rebatidos quando na realidade nem sequer os abordam.

Os criacionistas nacionais de serviço ao De Rerum Natura, que têm uma certa dificuldade em perceber que o espaço de debate de um blog de ciência não é exactamente o mais apropriado para despejarem o seu lixo absurdo e obscurantista, resolveram debitar no anonimato que os caracteriza um exemplo perfeito desta falácia.

No post «Eco-motas: o transporte citadino do futuro?», o anónimo que todos conhecemos debitou uma versão pouco inteligente da falácia criacionista mais comum. Esta reza que se desfizermos um relógio e colocarmos as peças num campo, estas nunca reconstituirão um relógio a não ser que o relojoeiro «repare» o relógio. A falácia assenta no argumento teleológico de William Paley, um teólogo inglês do século XVIII, que se pode resumir em cinco pontos:

1) Os artefactos humanos são produtos de desenho inteligente;
2) O Universo assemelha-se a artefactos humanos;
3) Então o Universo é um produto de desenho inteligente;
4) Mas o Universo é complexo e enorme em comparação com os artefactos humanos;
5) Assim, existe um designer poderoso e inteligente que criou o Universo.

Para Paley (cinquenta anos antes da publicação do livro de Darwin «A Origem das Espécies»), tal como um relógio pressupõe um relojoeiro, a complexidade dos organismos vivos era uma evidência da existência de um criador, um argumento que poderia fazer sentido à luz do conhecimento do século XVIII mas é completamente atávico no século XXI.

A desmontagem magistral deste argumento esteve na base do best-seller de Richard Dawkins, «O Relojoeiro Cego», publicado entre nós pela Gradiva. Como afirmou John Maynard Smith à New Scientist na altura do lançamento:

«O segredo de um bom livro de divulgação científica é fazer-nos compreender as ideias expostas: a boa escrita tem por detrás um pensamento claro. Ao ler O Relojoeiro Cego, senti-me frequentemente atónito com a clareza com que Dawkins vê os problemas. É evidente, contudo, que Dawkins não perdeu o sentido do fascínio com o mundo natural ao ampliar a sua compreensão intelectual deste. Quem me dera saber escrever assim.»

Pensar-se-ia que hoje em dia o conhecimento científico acumulado mostraria a puerilidade da falácia do relógio, nomeadamente considerando que as partes de um relógio são inanimadas e não se alteram ou evoluem. Aliás, esta falácia faz-me lembrar aqueloutras que assentam na total incompreensão do que seja a entropia, também abundantemente debitadas pelos referidos anónimos criacionistas, que confundem entropia com desordem macroscópica e perda de «informação», o que quer que queiram dizer com este dislate.

Em relação ao espantalho do relógio, este vídeo de 9 minutos desmonta de forma muito didáctica as patetadas criacionistas, nomeadamente ilustra o ponto que passa ao lado de todos os criacionistas: o evolucionismo não pretende explicar a abiogénese - a formação da primeira molécula com capacidade de auto-replicação a partir de material não biológico -, apenas a evolução (incontestável) das espécies.

Assim, a objecção criacionista é falaciosa uma vez que o evolucionismo é independente de qualquer hipótese abiogénica, ou seja, apenas explica a evolução das espécies a partir de ancestrais comuns sem propor qualquer teoria sobre como esses ancestrais surgiram. Isto é, se o evolucionismo não trata da abiogénese é apenas natural que não tenha respostas para ela. Nem a mecânica quântica nem a teoria da relatividade têm respostas para a abiogénese e isso não é equivalente a dizer que estão «erradas» e que se deve oferecer como alternativa a ambas uma qualquer explicação religiosa assente na fé e não em factos!

Como refere PZ Myers em relação a este vídeo, que mostra como se pode «evoluir» um relógio, existem exemplos biológicos de organismos que evoluiram relógios celulares, na realidade a maioria dos organismos do planeta parece ter múltiplos relógios, o mais simples dos quais, encontrado nas cianobactérias, já foi abordado no De Rerum Natura. Na realidade, considerando que se pensa que estes procariontes tenham sido os ancestrais de todas as formas de vida na Terra, é muito provável que os relógios celulares actuais tenham evoluído do relógio molecular das cianobactérias primitivas.

139 comentários:

  1. "Na realidade, considerando que se pensa que estes procariontes tenham sido os ancestrais de todas as formas de vida na Terra, é muito provável que os relógios celulares actuais tenham evoluído do relógio molecular das cianobactérias primitivas."

    Pensa-se... é provável..., ou seja especula-se.

    ResponderEliminar
  2. "o evolucionismo não pretende explicar a abiogénese - a formação da primeira molécula com capacidade de auto-replicação a partir de material não biológico -, apenas a evolução (incontestável) das espécies."

    O evolucionismo não consegue explicar a abiogénese. Nenhum mecanismo naturalista consegue. Só o design inteligente consegue.

    Quanto à evolução (incontestável) das espécies, a mesma está neste momento a ser fortemente contestada. Na verdade, nunca foi contestada com tanta intensidade desde o tempo de Charles Darwin.

    Gostariamos de ver aqui exemplos de provas "incontestáveis" da evolução para as discutirmos na especialidade de demonstrarmos que não apenas são contestáveis como são totalmente absurdas.

    Querem um exemplo? Pensemos nos Neandertais. Muitas vezes apresentados como uma evidência "incontestável" da evolução. Sucede que eles estão a ser neste momento fortemente contestados.

    Os Neandertais são mais um exemplo da forma fantasiosa como os evolucionistas, a partir das suas premissas e da sua própria filosofia evolucionista da origem do Universo e da vida e da marcha da história reconstroem o “passado profundo”, não observado e registado por ninguém.

    É completamente inacreditável, do ponto de vista racional, que os Neandertais tenham vivido neste planeta pelo menos 120 000, ou mesmo 370 000 anos, sem inventarem coisas tão básicas como as corridas de cavalos, barcos, balões de ar, sistemas de irrigação, etc.

    Isto, tanto mais quanto em apenas pouco mais de um século nós, por sinal com cérebros mais pequenos, progredimos da agricultura e das carroças até aos aviões e ao vai-e-vem espacial.

    Se os Neandertais, como a evidência indica, eram agricultores, músicos, dotados de sentimentos religiosos (sepultavam os seus mortos), portadores de técnicas mais sofisticadas de sobrevivência e possivelmente mais inteligentes e hábeis do que nós (os últimos estudos atestam a sua capacidade para falar), será razoável pensar que os mesmos não fizeram mais nada do que caçar para comer nas suas cavernas durante centenas de milhares de anos?

    Neste momento o mito dos Neandertais está a esboroar-se.

    Uma avaliação racional das evidências, despida de fantasias darwinistas, permite concluir que a classificação Neandertal é, essencialmente, uma construção evolucionista, baseada na necessidade desesperada que esta teoria tem de recrutar (por vezes fabricando) todos os fósseis e ossos (de macacos ou seres humanos) para construir os necessários “elos” da cadeia evolutiva.

    A verdade é que os Neandertais se encontram perfeitamente dentro dos limites da variabilidade da categoria normalmente designada Homo sapiens sapiens, que pode abarcar seres tão distintos como os pigmeus, o Homo Floriensis, os esquimós, os zulus ou os aborígenes.

    Se se olhar para diferentes esqueletos de seres humanos nos extremos da variabilidade moderna, os mesmos parecem quase de diferentes espécies.

    Este entendimento aponta claramente para a necessidade de se operar uma revisão em baixa da cronologia da história humana. Esta, uma vez depurada das reconstruções imaginativas dos evolucionistas (baseadas exclusivamente no modo como as suas premissas erradas os levam a interpretar erroneamente as evidências), aponta claramente para uma história de escassos milhares de anos e não centenas de milhares. Se não fosse assim, teríamos todo o direito de esperar um muito anterior avanço da civilização e da história registada.

    Esta tem cerca de 4,500 anos, adequando-se perfeitamente à cronologia bíblica da criação, queda, dilúvio, Babel e dispersão. Sendo assim, a ocorrência do dilúvio implica o abandono do uniformitarismo de Lyell, a rejeição da coluna geológica (largamente artificial) e a adesão ao catastrofismo (com abundantes evidências físicas).

    ResponderEliminar
  3. É realmente triste que um professor universitário, okay de direito, regurgite disparates deste calibre, especialmente num blog de ciência lido por gente que tem um pouquinho mais de cultura científica que os analfabetos científicos que leêm o portal evangélico.

    Algo está podre no reino da Dinamarca quando isto acontece!

    Não sou tão pessimista como o professor Alcácer no post dos limites da ciência, mas acho que se ficarmos de braços cruzados perante as investidas dos fundamentalistas que querem impor os disparates da sua fé a todos
    É provável, diria mesmo, quase certo, que a ciência, tal como a conhecemos, venha, mais tarde ou mais cedo, a dar lugar a uma nova época de obscurantismo.

    Bem hajam Palmira e restantes colaboradores do DRN pelo esforço que fazem em impedir que haja uma regressão para uma nova época de obscurantismo!

    Excelente post! Adorei o vídeo, venham mais para as pessoas perceberam as anormalidades de fanáticos como o Jónatas!

    ResponderEliminar
  4. "Ao ler O Relojoeiro Cego, senti-me frequentemente atónito com a clareza com que Dawkins vê os problemas."

    Esta afirmação é, no mínimo discutível. Ela denuncia alguma falta de clareza e de espírito crítico no leitor de Dawkins.

    Vejamos, nos seus vários livros Dawkins reconhece:

    1) a extrema complexidade da vida;
    2) a precisa sintonia do Universo;
    3) a radical improbabilidade da vida;
    4) a esmagadora aparência de design na natureza.

    No entanto, ele não acredita em Deus. Porquê? Apenas porque pensa que Deus teria que ser mais complexo do que o Universo, e por isso mais improvável. Este é o cerne do seu argumento no livro "The God Delusion".

    Qual é o vício deste raciocínio que o impede de ver com clareza?

    Richard Dawkins projecta em Deus as propriades físicas do cosmos (que tornam o Universo e a vida tão improváveis). Mas a Bíblia avisa que Deus é Espírito e Eterno. Ele não evoluiu naturalisticamente como Dawkins chega a especular. Ele apresenta-se na Bíblia como "Eu Sou".

    Podemos observar as propriedades do Universo e discernir a respectiva sintonia precisa (como Dawkins e os criacionistas fazem). Podemos analisar o DNA e perceber que se trata do mais sofisticado mecanismo de armazenamento de informação (como Dawkins e os criacionistas fazem).

    Mas não podemos supor (sem fundamento) que Deus tem uma estrutura natural e pode ser entendido naturalmente (como Dawkins faz).

    O Universo é o efeito. Deus é a causa.

    Um universo com um princípio necessita de uma causa. Um Deus eterno, por definição, não.

    Tal como Dawkins, os criacionistas reconhecem:

    1) a extrema complexidade da vida;
    2) a precisa sintonia do Universo;
    3) a radical improbabilidade da vida;
    4) a esmagadora aparência de design na natureza.

    No entanto, para os criacionistas isso é evidência mais do que suficiente para corroborar a existência do Deus Criador, Eterno, Omnipotente e Omnisciente que se revela na Bíblia e na história humana, através de Jesus Cristo.

    ResponderEliminar
  5. "Pensar-se-ia que hoje em dia, o conhecimento científico acumulado mostraria a puerilidade da falácia do relógio, nomeadamente considerando que as partes de um relógio são inanimadas e não se alteram ou evoluem."

    Esta afirmação só corrobora o criacionismo.

    Se um relógio com partes inanimadas necessita de um relojoeiro, partes animadas (cuja origem se desconhece e é exactamente o que está em causa), com quantidades infindas de informação que lhes permite construirem estruturas e funções extremamente complexas (muito mais complexas e especificadas do que um relógio), por maioria de razão necessitam de um Criador pleno de inteligência e informação.

    É só lógico!

    Será que um engenheiro com um maçarico e um conjunto de peças conseguiria construir uma eco-mota abanando uma caixa cheia de metal durante milhões de anos? Pelos vistos a Palmira acredita que sim.

    ResponderEliminar
  6. "Aliás, esta falácia faz-me lembrar aqueloutras que assentam na total incompreensão do que seja a entropia, também abundantemente debitadas pelos referidos anónimos criacionistas, que confundem entropia com desordem macroscópica e perda de «informação», o que quer que queiram dizer com este dislate."

    Sobre a entropia poderemos falar adiante, bem como sobre perdas de informação.

    A lei da conservação da energia diz-nos que o Universo não se pode criar a ele próprio. Ele teve que ter uma causa.

    A lei da entropia diz-nos que o Universo não pode ser infinito, porque senão já teria morrido de uma "morte de calor".

    Ou seja, o Universo, tendo tido um princípio e não se podendo causar a ele próprio, necessita de uma causa que lhe seja extrema: Deus.

    Deus, porque é Deus, não teve um princípio nem necessita de uma causa.

    ResponderEliminar
  7. Ó anónimo Jónatas Machado:

    Toda a gente já se apercebeu da sua infinita ignorância de ciência, mas escusava de confirmar com os comentários acima.

    Não percebeu nem o vídeo nem o Relojoeiro Cego. Fique lá com as suas verdades absolutas da fé mas não chateie. Fé e ciência são totalmente incompatíveis; quem tem os neurónios anestesiados pela fé não consegue perceber o que é ciência nem o pensamento científico!

    Irra, porque razão os fanáticos cristãos não largam o DRN e estragam com os seus vómitos obscurantistas o espaço de debate do melhor blog de ciência em português?

    ResponderEliminar
  8. A cadeirita de Química que tivemos na licenciatura é suficiente para morrer a rir com as afirmações do Jónatas sobre termodinâmica :)

    A lei da entropia, se eu bem me lembro a 3ª lei, diz que a entropia de um cristal a 0K é O. Não percebo muito bem como o Jónatas passa daí para a morte por calor :))))

    As outras leis dizem que motores perpétuos são impossíveis logo extrapoladas para religião diriam que Deus é impossível :)

    Ultrapassa-me como um completo ignorante tem a arrogância de criticar gente como o Dawkins, que sabe mais de ciência a dormir que todos os evangélicos nacionais em conjunto possa regurgitar lixo deste calibre sem problemas!

    Presunção e água benta!

    ResponderEliminar
  9. "A lei da entropia, se eu bem me lembro a 3ª lei, diz que a entropia de um cristal a 0K é O."

    Ninguém estava a falar da entropia de um cristal. Já são 10 horas da manhã!

    "As outras leis dizem que motores perpétuos são impossíveis logo extrapoladas para religião diriam que Deus é impossível :)"

    Os motores são artefactos físicos, construídos pelo homem, compostos de diferentes peças, necessitando de uma fonte de energia externa.

    O Deus revelado na Bíblia é Eterno, Espiritual e Omnipotente. Ele não tem nenhuma das propriedades físicas de um motor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desculpe, mas.......Eterno, espiritual, e omnipotente, e omniciente, e omnipresente.....eerrhrhhhh como testamos isso CIENTIFICAMENTE mesmo!!??!!
      Por isso o criacionismo nao é levado a sério!!!!!

      Eliminar
  10. "Ultrapassa-me como um completo ignorante tem a arrogância de criticar gente como o Dawkins"

    O mal dos evolucionistas é que, não aceitando literalmente a revelação de Deus, aceitam literal e acriticamente as especulações de Richard Dawkins.

    ResponderEliminar
  11. "quem tem os neurónios anestesiados pela fé não consegue perceber o que é ciência nem o pensamento científico!"

    O pensamento científico funciona bem diante de eventos observáveis, repetíveis e reproduzíveis em laboratório.

    A origem do Universo, da Vida, do Homem não foram observados por ninguém a não ser Deus.

    A evolução de uma espécie para outra totalmente nova e mais complexa também não foi observada por nenhum cientista.

    Daí que seja cientificamente irresponsável e insustentável discorrer sobre as origens descartando a priori a existência de Deus.

    ResponderEliminar
  12. Não entendo a razão pela qual o creacionismo defende tanto a história do relógio de Paley. Se na Bíblia não há evolução, também não há relógios.

    ResponderEliminar
  13. Na Bíblia há design inteligente. Os relógios não são o produto da evolução aleatória. São o produto de design inteligente.

    Qual é realmente a dúvida?

    ResponderEliminar
  14. O fanatismo do Jónatas Machado mostra bem o que acontecerá se não se contiver a tempo o fundamentalismo!

    Em primeiro lugar, contrariamente oas crentes, especialmente os fundamentalistas, as pessoas normais que dão uso ao neurónios não aceitam acriticamente nada, é para isso que evoluímos neurónios: para pensar!

    Dawkins não é nem um deus nem um profeta, é simplesmente um cientista com uma fantástica capacidade de traduzir em livro o seu conhecimento. Posso discordar da opinião pessoal de Dawkins em muitas coisas mas em ciência ele é fabuloso!

    Depois acho inacreditável que tantos anos depois da Inquisição e do reconhecimento dos direitos do Homem, do direito de crença ou não crença entre eles, venha um anormal fundamentalista como o Jónatas Machado dizer que é "cientificamente irresponsável e insustentável" descartar deus à priori!

    Primeiro ciência e Deus são completamente incompatíveis: a ciência explca fenómenos naturais com leis naturais. Invenções sobrenaturais não são precisas para nada nem explicam nada.

    O Jónatas está calmamente a regurgitar anormalidades usando os produtos das explicações naturais dos cientistas: nem o computador nem coisa nenhuma foi desenvolvida com base em sobrenaturalidas nem desenhado por revelação divina!

    Depois, o que quer dizer o Jónatas com o irresponsável? Mandar-nos para a fogueira?

    Como éque é possível que séculos de civilização passem ao lado dos fundamentalistas para eles chamarem irresponsáveis aos que não acreditam nos mitos deles?

    A regressão civilizacional de que falava o Luís Alcácer está evidente em pessoas como o Jónatas que pensa que está na Idade Média!

    ResponderEliminar
  15. Se a Joana quer falar da entropia zero dos cristais, então falemos.

    O que é que um cristal tem que ver com a vida? Também zero.

    O crescimento de um cristal envolve regularidade. Se partirmos um cristal de sal obtemos cristais de sal mais pequenos.

    Diferentemente, se partirmos a molécula de uma proteína biológica (v.g. insulina) não obtemos insulina em quantidades mais reduzidas.

    Deixamos de ter insulina porque destruímos a informação contendo as sequências especificamente codificadoras da insulina.

    A formação de um cristal envolve a assunção, por parte das moléculas, de um padrão pré-determinado, sem qualquer aumento de informação e complexidade.

    No que diz especificamente às máquinas, as mesmas vencem a entropia graças à informação dos engenheiros que as programam, informação essa que dirige a energia de forma precisa e especificada, no sentido de manter ou aumentar a complexidade.

    Mas aí, a redução da entropia necessita de duas coisas: a existência de informação, por um lado, e a presença de um sistema de conversão da energia, por outro.

    Na falta destes elementos, a mera existência de energia não garante o aumento da complexidade.

    Os seres vivos adquirem complexidade, durante o seu processo de formação, graças à existência de um código com informação pré-existente (v.g. DNA), contendo as instruções complexas e especificadas para a criação da vida e sistemas altamente precisos de conversão da energia (v.g. fotosíntese, digestão, respiração, circulação sanguínea), também ele codificado no DNA.

    Em todo o caso, esses sistemas não protegem dos raios solares, especialmente quando a camada de ozono, desenhada para nos proteger dos raios ultra-violeta, está a ser destruída!

    Se nos deixarmos estar ao Sol durante muito tempo, o mais provável é ganharmos um cancro na pele, destruindo o nosso corpo e a informação nele contida.

    Uma exposição prolongada ao Sol não irá permitir a aquisição de novas estruturas e funções mais complexas.

    Ela irá causar mutações e estas irão destruir a informação do genoma.

    Na verdade, nem as mutações nem a selecção natural acrescentam informação ao genoma, sendo que a informação só existe significativamente num contexto inteligente.

    ResponderEliminar
  16. "Primeiro ciência e Deus são completamente incompatíveis: a ciência explca fenómenos naturais com leis naturais"

    Trata-se aqui de uma afirmação ideológica, não científica. A mesma nunca foi testada em laboratório. O que está em causa é a própria origem das leis naturais. De onde elas vieram? Será que a sua origem se baseia noutras leis?

    Porque é que um universo supostamente acidental, caótico e desordenado se rege por leis?

    "Invenções sobrenaturais não são precisas para nada nem explicam nada."

    Mais uma vez estamos aqui perante a ideologia do naturalismo.

    O problema é que não existe nenhuma explicação natural para a origem da matéria, da energia, da vida, do homem, da linguagem, da consciência, etc.

    Assim é, porque a sua causa não é natural. É sobrenatural.

    O Universo e a Vida são fenómenos naturais. As suas causas não são naturais. São sobrenaturais.

    ResponderEliminar
  17. Gostaria de deixar uma palavra ao anónimo que anda por aí. Ele sugere, quando fala nos Neandertais, que a cadeia de evolução destes animais é interrompida quando se podem classificar dentro do género homo sapiens sapiens. Será que isto altera alguma verdade sobre o evolucionismo como ele sugere? Não. Por sermos homo sapiens deixamos de estar forçosamente sobre o controlo das leis evolucionistas? Também não. Eu pergunto a este anónimo se ele sabe quem é António Damásio e o que ele provou e desmentiu? É que me parece cada vez mais, que o Dualismo cartesiano está de volta e a fazer das suas sem provas, a não ser uma mistura de alguns factos científicos com fé, e que resulta no criacionismo, e isso não é ciência, é dogmatismo, como concluir que o dilúvio aconteceu e que há provas disso. Eu ainda não as vi, e se existe alguma coisa, só pode existir dentro da cabeça dos criacionistas da qual se parte sempre dum ponto de vista dogmático para tentar chegar falsamente a um ponto de vista racional. Como disse, uma vez mais, isso não é ciência, é dogmatismo.

    ResponderEliminar
  18. "nem o computador nem coisa nenhuma foi desenvolvida com base em sobrenaturalidas nem desenhado por revelação divina"

    O computador é um produto da conjugação de informação e inteligência.

    A vida, muito mais complexa do que um computador, por maioria de razão.

    ResponderEliminar
  19. Bom dia.
    É interessante ver que os argumentos apresentados podem-se encaixar dentro de um sistema de crenças e pressuposições que realmente procuram encontrar respostas científicas para as várias questões que nos inquietam. Todos nós procuramos essas respostas. No entanto, por vezes, somos capazes de ter as respostas às nossas perguntas e que, por causa do nosso sistema de crença e pressuposições que defendemos, estas respostas poderão não ser entendidas como tal. Interessante ver que é possivel um dos lados da questão entender o outro. Mas isso já não se passa com esse outro lado da questão entender o primeiro. Estou a falar de posições em que não é somente o reconhecimento (ou não) de Deus Criador a questão principal, mas sim de todo o propósito que Ele teve para a humanidade. Somente ver que Deus criou não serve somente como resposta para tudo o que podemos ver na nossa vida. Afinal de contas, há um propósito ainda maior que Deus definiu quando criou. Se por exemplo a questão de Deus criar não está bem definida, é importante ver que outras mais e particularmente o seu propósito maior para a humanidade está muito bem definida. Falo no Seu propósito de enviar o Seu Filho, Jesus Cristo para morrer por todos os pecadores e retirar-lhes tão grande carga sobre os que confessam que Jesus é o seu Salvador. Agora, esta questão pode ser considerada religiosa e não ter nada a ver com ciência e realmente posso ver que assim seja, no entanto, gostaria de convidar aqueles que procuram respostas científicas para as questões prementes da vida a verificar não somente a questão primordial da criação, mas também todo o propósito de Deus quando criou. Como eu disse, é possivel observar um dos lados da questão ver o que o outro diz, mas não está a ser possivel esse outro lado ver o primeiro. Talvez porque para este segundo lado, lhe pareça que o primeiro esteja "fugindo assim à discussão do que está em causa com um ou mais argumentos sem nada a ver". A questão é estes argumentos podem ter a ver com a discussão, mas que, se não houver nenhum esforço para querer ver os argumentos, então, estaremos continuamente a bater no ceguinho pedindo-lhe que veja a questão que lhe apresentamos. O ceguinho até pode "ver" a versão apresentada, mas concerteza nos vai dar uma resposta à medida do que ele "vê" e não à medida do que vemos.

    Quando lemos um livro ou vemos um filme, não lemos ou vemos somente o inicio. Podemos faze-lo, mas geralmente queremos ver ou ler até ao fim. Porque razão nesta questão, somente o inicio está tão dificil de ser entendido? Talvez porque não estamos a ler ou ver o resto. É possivel que haja um esforço para entender todo o resto de modo a entender o inicio?

    Cumprimentos,

    ResponderEliminar
  20. As evidências são as mesmas, para evolucionistas e criacionistas. O modo como vemos o mundo é que condiona a maneira como observamos, seleccionamos e interpretamos as evidências.

    Os fósseis e as rochas não falam por si. As pessoas é que falam por eles.

    Lyell interpretou as rochas de acordo com premissas (indemonstráveis) de uniformitarismo. Para ele, "o presente é a chave do passado".

    Hoje, muitos cientistas aderem ao catastrofismo, o que é pelo menos um passo na direcção correcta.

    Mas a explicação correcta é a que é dada pelo próprio Deus.

    O que a Bíblia diz é relevante para a maneira como olhamos para a realidade.


    Se alguém quiser estudar as evidências do diluvio, eis algumas pistas:

    1) deriva dos continentes;
    2) biliões de fósseis nos cinco continentes, incluindo fósseis de moluscos no cume do Evereste;
    3) Idade do Gelo;
    4) deposição de sedimentos em larga escala;
    5) origem dos oceanos;
    6) elevação das montanhas;
    7) origem do carvão e do petróleo;
    8) evidência de catastrofismo nas rochas;
    9) presença de lagos subterrâneos a mais de 700 kms de profundidade;
    10) formação rápida de canyons, rochas metamórficas, etc.
    11) existência de cemitérios com dezenas de dinossauros abruptamente fossilizados;
    12) presença de hemoglobina e tecidos moles em ossos de dinossauro não fossilizados;
    13) Centenas de relatos de um dilúvio global nas culturas da antiguidade;
    14) proliferação de fósseis vivos;
    15)proliferação de fósseis supostamente muito antigos, mas muito bem preservados
    16) existência de rochas recentes datadas de milhões de anos;
    17) falibilidade e selectividade dos métodos de datação por isótopos;

    Mais informação na enciclpédia criacionista on line:

    www.creationwiki.org

    ResponderEliminar
  21. Seria mais engraçado se o Jónatas Machado tirasse um cursozito (numa Universidade normal) de ciência... por exemplo, cosmologia, física... sei lá. Apenas para cmpreender o que são leis naturais e como funcionam.

    Se uma pedra cai a 10 metros terá de ter sido lançada a uma determinada velocidade e ângulo, isto é física e nada a pode contrariar. Se formos mais a fundo na questão encontraremos uma corrente tão forte de causas e efeitos que, se alterássemos algo tudo tenderia a ser diferente.

    Ao seguir esta cadeia chegaremos à verdade constrangedora de que a mão de Deus é, na realidade uma física. A diferença está no nome. "Deus criou tudo"; "A Física criou tudo". Enfim, uma questão de semântica que os cristão não compreendem.

    As pessoas que não têm capacidade em compreender a ciencia complicada tendem a ir para o mais simples das respostas: "foi assim.... porque.... porque sim (...) porque foi Deus". Não será mais normal encontrar respostas sérias e normais? "Uma pedra cai a 10 metros porque Deus permitiu" O que tiro daqui?? NADA. "Uma pedra caiu a 10 metros porque tinha uma velocidade inicial x e um ângulo alpha. O atrito do ar era "u", etc." Acho que ganha quem tem respostas mais óbvias e esclarecedoras.

    ResponderEliminar
  22. De onde cai a predra?
    Para onde cai a pedra?
    Onde é que ela se movimenta ela cai?
    Como é que ela surgiu?
    De que materiais é composta a pedra?
    De onde vieram os materiais?
    O que é que a fez cair?


    Não é correndo os problemas à pedrada que se resolvem as questões fundamentais.

    Tanto mais quanto é certo que o Universo e a Vida estão longe de se reduzir a uma simples pedra.

    ResponderEliminar
  23. "Quando lemos um livro ou vemos um filme, não lemos ou vemos somente o inicio."

    Sim, mas não é muito agradável começar a ler um livro ou a ver um filme a partir do meio.

    É por isso que o livro de Génesis é importante. Ele diz-nos o que é que aconteceu no princípio, para podermos compreender o que está a acontecer agora e o que vai acontecer no fim.

    ResponderEliminar
  24. "O fanatismo do Jónatas Machado mostra bem o que acontecerá se não se contiver a tempo o fundamentalismo!"

    O que é que pode acontecer? Apenas uma boa discussão!

    ResponderEliminar
  25. Eu disse!! Amigo... chama-se Física, é uma ciência que estuda os movimentos de partículas e corpos e a sua composição. Já que não há nada sério para perguntar perguntas de onde vem a pedra... da minha mão obviamente, isso é completamente descabido! O que a fez caír? o seu peso, o atrito e a força gravítica.
    De onde vieram os materiais? Das estrelas amigo. Le o meu post(http://o-outro-universo.blogspot.com/2006/09/desde-quase-o-incio-evoluo-biolgica.html; http://o-outro-universo.blogspot.com/2006/09/desde-quase-o-incio-fase-planetria.html;
    http://o-outro-universo.blogspot.com/2006/09/desde-quase-o-incio-fase-interestelar.html;
    http://o-outro-universo.blogspot.com/2006/09/desde-quase-o-incio-fase-estelar.html
    http://o-outro-universo.blogspot.com/2006/09/desde-quase-o-incio-fase-csmica.html
    http://o-outro-universo.blogspot.com/2006/09/desde-quase-o-incio-intro.html)
    Está numa linguagem simples para TODA a gente compreender... se quiser. Melhor que isto só "gu gu dá dá.. diz olá, diz p-á-p.á.."

    As coisas têm uma lógica e uma sequência de acontecimentos. Vamos do "hoje" até ao início e veremos de onde vieram as coisas: dum ponto.

    ResponderEliminar
  26. Para o anonimo:

    Compreendo quao dificil deve ser para si viver com a realidade. Acho mesmo que deveria procurar ajuda psicologica, porque ha obsessoes que tomam conta de nos e nao nos deixam raciocinar. Seria facil provar a nao existencia de Deus, se optasse por teorias "extremistas", como seria facil encontrar erros graves na biblia ou em qualquer outro livro impresso. Mas como cientista sabemos que nao devemos entrar no campo da fe, por todas as razoes, sendo que a principal e isso nao trazer qualquer beneficio ao conhecimento cientifico. De qualquer maneira, para concluir, nem voce nem eu somos perfeitos, e pensar que o somos e o principal caminho para o nosso fim. A possibilidade de um Deus faz mais sentido no fisica que na biologia.

    B.

    ResponderEliminar
  27. Na Bíblia há design inteligente. Os relógios não são o produto da evolução aleatória. São o produto de design inteligente.

    Qual é realmente a dúvida?


    Por este raciocínio, e por redução ao absurdo, a descoberta da evolução, tal como os relógios, também é fruto do design inteligente. Nesse caso, a única dúvida está em escolher entre duas coisas fruto do design inteligente: a evolução e o design inteligente. Por razões de fé, até religiosas, pode-se perfeitamente escolher a evolução, como opção religiosa.

    ResponderEliminar
  28. "Das estrelas amigo."


    E de onde é que vieram as estrelas? Isso mostra exactamente que o exemplo da pedra não nos afasta das questões fundamentais. Só nos confronta novamente com elas.

    E as coisas são bem mais complexas do que realmente parecem.

    Já agora, qual é precisamente seu mecanismo para a formação das estrelas? Os cientistas gostariam de saber. É que:

    “Precisely how a section of an interstellar cloud collapses gravitationally into a star … is still a challenging theoretical problem… Astronomers have yet to find an interstellar cloud in the actual process of collapse.”


    Fred Whipple, The Mystery of Comets, (Washington, D.C.: Smithsonian Institute Press, 1985), pp. 211, 213.



    Do mesmo modo,


    “Stars are formed by the gravitational collapse of cool dense gas and dust clouds….
    There are problems, however, in initiating the collapse of a gas cloud. It resists collapse because of firstly its internal motions and the heating effects of nearby stars, secondly the centrifugal support due to rotation, and thirdly the magnetic field pressure…."


    The Facts on File Dictionary of Astronomy, 1994, p. 434.

    ResponderEliminar
  29. A Bíblia afirma que foi Deus, e não o acaso, que criou as estrelas.

    ResponderEliminar
  30. E então? Tenho mais de 10 livros que dizem o contrario... ganhei?

    Aconselho vivamente a ler alguma coisa... sei lá, artigos da scientiic american, livros bons do Stephen Hawking ou Brian Greene para entenderes o que é a física e de onde vieram as coisas. Está lá.... Isso é preguiça? Até dei os links... e ainda por cima o texto está super resumido...

    ResponderEliminar
  31. A falta de conhecimentos dos cientistas sobre a formação de estrelas é tanto mais misteriorsa se se pensar que existem (numa estimativa muoto por baixo) cerca de 100 biliões de galáxias (10^11) e cerca de 200 biliões de estrelas por galáxia (2x10^11), e se se suposer que o Universo tem cerca de 20 biliões de anos (2x10^10), o que significa que deveríamos razoavelmente poder esperar assitir à formação de 1 trilião de estrelas por ano, 2.7 biliões de estrelas por dia e 31,700 estrelas por segundo.

    ResponderEliminar
  32. Considero que o conteúdo do De Rerum Natura é dos mais interessantes e instrutivos que encontrei na internet. Contudo os comentários produzidos pelos criacionistas "anónimos" (curioso não?) é demasiado "ad hominem" para serem considerados como tentativas de esclarecimento por argumentação lógica. Isto leva-me a ser tentado a citar uma passagem bíblica, igualmente no estilo "ad hominen" e anónimo: Bem-aventurados os pobres de espírito porque para eles está reservado o reino dos céus.

    ResponderEliminar
  33. Stephen Hawking? Aquele que em sucessivas obras aponta a formação das estrelas e das faláxias como o maior mistério que a teoria do Big Bang não resolve?

    Já encontraram as supostas estrelas da população III?


    Onde estava Stephen Hawking quanto Deus criou as estrelas e as galáxias?

    “Despite numerous efforts, we have yet to directly observe the process of stellar formation…. The origin of stars represents one of the fundamental unsolved problems of contemporary astrophysics.”

    Charles Lada and Frank Shu “The Formation of Sunlike Stars,” Science, 1990, p. 572.


    “The truth is that we don’t understand star formation at a fundamental level.”


    Abraham Loeb, (Harvard Center for Astrophysics), citado por Marcus Chown, “Let there be Light”, New Scientist, Feb 7, 1998,

    ResponderEliminar
  34. Contudo os comentários produzidos pelos criacionistas "anónimos" (curioso não?) é demasiado "ad hominem".


    Como assim? Discutem-se ideias, e não pessoas. Ele há cada uma! E os insultos dirigidos aos criacionistas são o quê?

    ResponderEliminar
  35. «Se alguém quiser estudar as evidências do diluvio, eis algumas pistas:

    1) deriva dos continentes;
    2) biliões de fósseis nos cinco continentes, incluindo fósseis de moluscos no cume do Evereste;
    3) Idade do Gelo;
    4) deposição de sedimentos em larga escala;
    5) origem dos oceanos;
    6) elevação das montanhas;
    7) origem do carvão e do petróleo;
    8) evidência de catastrofismo nas rochas;
    9) presença de lagos subterrâneos a mais de 700 kms de profundidade;
    10) formação rápida de canyons, rochas metamórficas, etc.
    11) existência de cemitérios com dezenas de dinossauros abruptamente fossilizados;
    12) presença de hemoglobina e tecidos moles em ossos de dinossauro não fossilizados;
    13) Centenas de relatos de um dilúvio global nas culturas da antiguidade;
    14) proliferação de fósseis vivos;
    15)proliferação de fósseis supostamente muito antigos, mas muito bem preservados
    16) existência de rochas recentes datadas de milhões de anos;
    17) falibilidade e selectividade dos métodos de datação por isótopos»

    à excepção do último ponto, o nosso anónimo preferido fez um catálogo perfeito das razões que levaram a ciência a evoluir para lá das certezas religiosas... :)

    O anónimo é, aliás, a maior prova da falácia do design inteligente. Alguém que seja inteligente não escolheria este anónimo como seu defensor...

    ResponderEliminar
  36. A Palmira diz:

    "Os criacionistas nacionais de serviço ao De Rerum Natura, que têm uma certa dificuldade em perceber que o espaço de debate de um blog de ciência não é exactamente o mais apropriado para despejarem o seu lixo absurdo e obscurantista, resolveram debitar no anonimato que os caracteriza um exemplo perfeito desta falácia."

    Este blog é que começou por insultar os criacionistas. A Palmira já ouvu falar em direito de resposta?

    Preferia certamente falar ex catedra, sem qualquer contestação. Só que as coisas são manifestamente mais complexas do que a Palmira supõe.

    Já agora, o que a perturba no anonimato? Os criacionistas estão a apresentar denuncias caluniosas? Estão a difamar alguém? Estão a violar o direito à honra e ao bom nome de alguém?

    O mais importante na doutrina da bíblica da criação é a mensagem. Os mensageiros são meramente instrumentais.

    Concentremo-nos na mensagem!

    ResponderEliminar
  37. Gostei muito das evidências do dilúvio. Principalmente aquela dos lagos a mais de 700 kms de profundidade :)

    Isto é ilariante. Um perfeita anedota :)

    ResponderEliminar
  38. "O anónimo é, aliás, a maior prova da falácia do design inteligente. Alguém que seja inteligente não escolheria este anónimo como seu defensor..."


    Mais uma evidência do rigor, da objectividade, da isenção, do método, da imparcialidade com que os evolucionistas, à falta de argumentos, vão arrastando a discussão.


    A verdade é que estão todos a tentar responder ao anónimo!!

    Os leitores tirarão as suas conclusões sobre o bem fundado dessas respostas.

    ResponderEliminar
  39. A Bíblia diz que Deus, e não processos físicos aleatórios, criou as estrelas. E na verdade, as galáxias conhecidas são inteiramente maduras, estando agrupadas de forma ordenada e quantizada. Tudo, contrariado os modelos de "evolução" cósmica aleatória.

    Na verdade, isso é reconhecido pelos especialistas:


    “There shouldn’t be galaxies out there at all, and even if there are galaxies,…
    The problem of explaining the existence of galaxies has proved to be one of the thorniest in cosmology.”


    James Trefil,The Dark Side of the Universe, 1988, p. 3 & 55.

    ResponderEliminar
  40. Caro anónimo por acaso sabe o que é o lixo? Vá deitar a sua diarreia cerebral para outro lado.

    Anónimo, o Verdadeiro

    ResponderEliminar
  41. Acho incrível todo este discurso dos anónimos que por aqui passam a defender o criacionismo. Pegam em informação científica solta e sem qualquer preparação para a compreender dão-lhe uma interpretação diferente da aceite.

    Por exemplo o argumento do Neandertal, que se deveria ter desenvolvido muito mais já que teve bastante tempo para isso, e que o H. sapiens o fez apenas em 4500 anos, se bem entendi.
    O H. sapiens não evoluiu a partir do H. neanderthalensis, ou seja, durante o tempo que o último existiu também o primeiro já estava presente. E se é verdade que o H. sapiens desenvolveu melhor a sua "tecnologia" (que lhe permitiu até eliminar a concorrência), isso passa por armas feitas de pedras e paus mais complexas, e não por invenções como as "corridas de cavalos". Portanto demorou também à nossa espécie muito mais que 4500 anos a chegar ao ponto em que estamos hoje.

    Os argumentos criacionistas não passam muitas vezes de retórica, jogar com as palavras, tentando convencer os que têm menos bases para entender a evolução, ou os que simplesmente não se interessam por ciência e preferem confundi-la com a sua fé.
    Já pensaram porque será que as milhares de pessoas que estudaram a fundo este assunto, os que têm bases nas ciências biologicas, livres de dizerem o que quiserem, acabam por chegar à mesma conclusão? Se existe debate nunca é evolução vs criacionismo. Mas provavelmente ao dizer que se debate entre cientistas alguns dos mecanismos de evolução, chega para ai encontrarem imediatamente uma fraqueza na teoria. No entanto permitir o debate é sem dúvida um dos pontos fortes, e não uma fraqueza, da ciência.

    P.S. falar de catastrofismo, é algo curioso, apesar da sua completa desactualização, já que esta teoria, que aceita a extinção de espécies, acabou por ser depois uma ajuda importante para os evolucionistas dessa época se explicarem.

    André

    ResponderEliminar
  42. Para que fique esclarecido, Eu não criei o Universo.

    Deus

    ResponderEliminar
  43. No post sobre Sagan, explica Ann Druyan, "para quem o verdadeiro antagonismo não se estabelece entre a ciência e a religião, mas sim entre aquela e o fundamentalismo.

    "Não creio que esta possa coexistir com o fundamentalismo", sublinha.

    Não vale pena tentar entrar em diálogo com fundamentalistas por que eles pura e simplesmente não pensam e recusam-se a questionar as suas crenças, por mais absurdas que elas sejam.

    O absurdo das declarações do anónimo que identificaram como o Jónatas Machado e pelo discurso da coisa que está no Portal Evangélico é mesmo é suficiente para qualquer pessoa se aperceber do perigo dos fundamentalismos.

    É assustador confirmar como é cega, surda e muda a fé desta gente que fecha o cérebro à razão e os olhos à realidade.

    ResponderEliminar
  44. E agora caro Jonátas, vai duvidar da palavra de Deus?

    ResponderEliminar
  45. perdão, em vez de muda infelizmente a fé destes fundamentalistas é exactamente o contrário. O parágrafo final deve ler:

    É assustador confirmar como é cega, surda mas tonitruante a fé desta gente que fecha o cérebro à razão e os olhos à realidade.

    ResponderEliminar
  46. Alguém disse:

    "Já pensaram porque será que as milhares de pessoas que estudaram a fundo este assunto, os que têm bases nas ciências biologicas, livres de dizerem o que quiserem, acabam por chegar à mesma conclusão?"

    Quem faz esta pergunta só pode ignorar as acesas discussões que hoje se travam entre "saltacionistas" e "gradualistas", "out-of Africa v. out of Asia", "Big Bang v. Steady State", criacionistas, evolucionistas e intelligent design,etc.

    ResponderEliminar
  47. "Permitir o debate é sem dúvida um dos pontos fortes, e não uma fraqueza, da ciência."


    É graças ao debate que o evolucionismo se mostrou despido de fundamento empírico.

    ResponderEliminar
  48. "Se existe debate nunca é evolução vs criacionismo."

    Aqui está mais uma afirmação destituída de fundamento empírico.

    ResponderEliminar
  49. Anónimo, o Verdadeiro


    "Caro anónimo por acaso sab
    e o que é o lixo? Vá deitar a sua diarreia cerebral para outro lado.

    Eis mais uma pérola da rigorosa e fundamentada argumentação evolucionista. Como pode ver-se a partir deste argumento, a evolução é mesmo um facto inconstestável!!

    ResponderEliminar
  50. Os Criacionistas não estão aqui para ajudar! Estão aqui para lutar pora não perderem o poder conquistado pela icar.
    Até posso admitir a hipótese da existência Divina. O que não posso admitir é que essa existência esteja substânciada na biblia. Quando se começa a misturar Deus com Religião é porque se perdeu completamente o Norte.
    Os Anónimos (todos pró criacionistas) apresentam argumentos que nada têm que ver com a discussão, são os tais argumentos espantalhos. Não sei como não se sentem envergonhados por subescreverem a idade da formação da terra expressa na Biblia. De tão ignorantes que são representam um perigo para a civilização, pois detêm muito poder, fazem-me lembrar putos a brincar com armas.

    ResponderEliminar
  51. Mais uma vez a tirar frases do contexto o que aliás é comum nestes debates..

    "Se existe debate nunca é evolução vs criacionismo." - no debate entre cientistas com bases de ciências biológicas

    "..."saltacionistas" e "gradualistas", "out-of Africa v. out of Asia"..." - exacto, discussões sobre os mecanismos e não sobre a evolução em si

    André

    ResponderEliminar
  52. O Cyber disse: "O que não posso admitir é que essa existência esteja substânciada na biblia."

    Porém,muitas outras pessoas admitem e com boas razões. Afinal, é o livro mais influente na história da humanidade. A Bíblia apresenta-se como revelação de Deus. Hoje, como sempre, uns acreditam outros não.

    Cada um fala daquilo em que acredita.

    "Quando se começa a misturar Deus com Religião é porque se perdeu completamente o Norte."


    Curiosamente, um dos argumentos fortes de Richard Dawkins no seu livro The God Delusion, é precisamente a ideia de que tudo tem que ver com tudo, e que a religião e a ciência fazem afirmações mutuamente excludentes.


    Será que Dawkins também perdeu o norte?

    A ideia que que a religião e a ciência são coisas separadas (non-overlapping magisteria) é apenas uma das várias opiniões possíveis acerca das relações entre ciência e religião.


    Se Deus criou efectivamente o mundo, de forma sobrenatural e intencional, então o mundo não pode efectivamente ser compreendido sem Deus, como se tivesse sido o resultado de processos naturaísticos aleatórios.

    ResponderEliminar
  53. "Não sei como não se sentem envergonhados por subescreverem a idade da formação da terra expressa na Biblia."

    Claro que não. Alguém estava lá para ver quando é que a Terra foi criada? Só Deus. Só ele é que pode dar a certidão de nascimento da Terra.

    "De tão ignorantes que são representam um perigo para a civilização, pois detêm muito poder".


    Só se for o poder dos argumentos. A partida não estou a ver mais nada. Pode elaborar mais sobre isso?

    ResponderEliminar
  54. Contínuo à espera que o anónimo- creio que se chama Jonatas- que aqui defende desde o início o criacionismo respondesse à questão que coloquei: Ele sugere, quando fala nos Neandertais, que a cadeia de evolução destes animais é interrompida ou pelo menos pode ser negada, quando se podem classificar dentro do género homo sapiens sapiens. Será que isto altera alguma verdade sobre o evolucionismo como ele sugere? Não. Por sermos homo sapiens deixamos de estar forçosamente sobre o controlo das leis evolucionistas? Também não. Eu pergunto a este anónimo se ele sabe quem é António Damásio e o que ele provou e desmentiu?- Querem ver? Vai dizer que o Damásio também não percebe nada disto (Ele sabe mais e os criacionsitas)- É que me parece cada vez mais, que o Dualismo cartesiano está de volta e a fazer das suas sem provas, a não ser uma mistura de alguns factos científicos com fé, e que resulta no criacionismo, e isso não é ciência, é dogmatismo, como concluir que o dilúvio aconteceu e que há provas disso. Eu ainda não as vi, e se existe alguma coisa, só pode existir dentro da cabeça dos criacionistas da qual se parte sempre dum ponto de vista dogmático para tentar chegar falsamente a um ponto de vista racional. Como disse, uma vez mais, isso não é ciência, é dogmatismo.

    ResponderEliminar
  55. "Gostei muito das evidências do dilúvio. Principalmente aquela dos lagos a mais de 700 kms de profundidade :)"


    Eu por acaso também achei muito interessante.

    A notícia está acessivel:


    "One of the most dramatic features in the Wysession et. al global mantle shear-wave attenuation model is a very high-attenuation anomaly at the top of the lower mantle beneath eastern Asia. This anomaly is believed due to water that has been pumped into the lower mantle via the long history of the subduction of oceanic lithosphere — crust and upper mantle — in this region.

    The left figure is a slice through the earth, showing the attenuation anomalies within the mantle. The location of the slice — red line in the upper right figure — is a map of the seismic attenuation at a depth of roughly 620 miles."

    Credit: Washington University in St. Louis


    É realmente intessante, não é João Moedas? Ainda acha que é anedota?

    ResponderEliminar
  56. Ou ainda, para o João Moedas:

    "A seismologist at Washington University in St. Louis has made the first 3-D model of seismic wave damping — diminishing — deep in the Earth's mantle and has revealed the existence of an underground water reservoir at least the volume of the Arctic Ocean.

    It is the first evidence for water existing in the Earth's deep mantle."

    PhysOrg.com
    A notícia é de 4 de Fevereiro de 2007

    ResponderEliminar
  57. Realmente falar em lagos foi um "understatement" a notícia fala de uma quantidade de água pelo menos com o volume do oceano Ártico.

    Assim pelo menos o João Moedas não morreu a rir antes de conhecer a notícia.

    Agora reparem como o sorriso do João Moedas vai ficando amarelo.

    ResponderEliminar
  58. Isto esta' divertidissimo. :O)

    O anonimo (que dizem ser o Jonatas Machado) vai buscar citacoes descontextualizadas que nem ele proprio entende, anda por aqui a provocar, no gozo, so' diz disparates atras de disparates, e o pessoal ainda lhe responde e lhe passa cartao.

    Ele deve divertir-se imenso com este jogo. Vista a reaccao dos outros comentadores, e' evidente que compensa ao anonimo vir para aqui disparatar. Tem imensa audiencia. :O))

    ResponderEliminar
  59. Agora o mais interessante é que quando a Bíblia fala do dilúvio diz que se abriram as profundezas dos abismos.

    Não deixa de ser interessante, à luz da notícia apresentada.

    ResponderEliminar
  60. "O anonimo (que dizem ser o Jonatas Machado) vai buscar citacoes descontextualizadas que nem ele proprio entende, anda por aqui a provocar, no gozo, so' diz disparates atras de disparates, e o pessoal ainda lhe responde e lhe passa cartao."

    Mais outro. Há certamente mais evolucionistas do que argumentos a favor da evolução. Os primeiros abundam. Os segundos estão por encontrar.


    Na impossibilidade de transcrever todos os artigos e livros referidos, há que citar apenas as partes mais sugestivas. Algum problema com isso?


    O contexto das obras referidas nada acrescenta ao ponto fundamental: os cientistas não dispõem de uma explicação naturalista funcional para a existência de estrelas e galáxias.

    ResponderEliminar
  61. E eu que pensava que o diluvio tinha resultado de umas grandes chuvadas e alteracoes climaticas... :(

    Ver "Valerian e a cidade das aguas movedicas" - publicacao algures no final dos anos 60, inicio dos 70.

    ResponderEliminar
  62. Alguém disse:

    "Isto esta' divertidissimo. :O)"

    Vá lá. Nem tudo é mau.

    ResponderEliminar
  63. "E eu que pensava que o diluvio tinha resultado de umas grandes chuvadas e alteracoes climaticas... :("


    Isso só revela que tem muito que estudar. Pode começar a obter mais informações em:


    www.biblicalgeology.org
    www.globalflood.org

    ResponderEliminar
  64. "os cientistas não dispõem de uma explicação naturalista funcional para a existência de estrelas e galáxias."

    eu diria mais: os cientistas nem sequer sabem como e' que o gas nas partes exteriores da galaxia se move em movimento circular com velocidades tao elevadas. teeem de recorrer 'a materia negra. Algures na Biblia deve estar a explicacao. \

    Alem do mais, tendo em conta que a explicacao naturalista diz que o periodo orbital do Sol em torno do centro da galaxia e' de aproximadamente 250 milhoes de anos, que e' muito mais do que o tempo que passou desde a Criacao, so' se pode concluir que nao so' os naturalistas nao dispoem de explicacao fundamental, como tambem se pode perceber que a propria existencia de galaxias carece de explicacao convincente. que nao pode ser naturalista pelo que foi atras exposto. qed. ;-)

    ResponderEliminar
  65. O João Moedas já foi. Se tivesse mais bem informado teria uma saída mais airosa.

    ResponderEliminar
  66. Deixa-me adivinhar... A água estava sob presão debaixo da Terra... e "não sei o que e como (mais propriamente designado por Deus)" fez com que a água "explodisse" e subisse não sei quantos quilómetros e caísse sob forma de chuva.

    É interessate, principalmente quando se sabe que ao saír da atmosfera a água evapora e perde-se no espaço.

    ResponderEliminar
  67. "A explicacao naturalista diz que o periodo orbital do Sol em torno do centro da galaxia é de aproximadamente 250 milhoes de anos"


    Diz bem. Trata-se de uma explicação naturalista que não consegue explicar nada.

    Os 250 milhões de anos não foram observados por ninguém. Como é que se sabe que foram 250 milhões de anos? Alguém estava lá para ver?

    Em todo o caso, muitass cosmologias criacionistas incluem "buracos brancos" e dilatação gravitacional do tempo, realidade plenamente consistente com a teoria da relatividade geral (que diz que o tempo não é constante), com as observações empíricas e e com o relato bíblico.

    ResponderEliminar
  68. O anónimo, que parece chamar-se Jonatas Machado- que anda para aqui a dizer disparates e que diz que sabe muito, e que despacha os outros com uma «perna às costas» e que dá a entender que os evolucionistas são um grupo de aldrabões que não percebem nada- ele é que percebe e os criacionistas- e que falou sobre o homo de Neandertal, contínua sem responder ao meu comentário. Terá medo? Talvez os seus argumentos pseudo-cientificos não sejam suficientemente sólidos para responderem a questões deste tipo.

    ResponderEliminar
  69. "muitass cosmologias criacionistas incluem "buracos brancos" e dilatação gravitacional do tempo, realidade plenamente consistente com a teoria da relatividade geral (que diz que o tempo não é constante), com as observações empíricas e e com o relato bíblico."

    Bem visto, bem visto! Aplicando a relatividade geral e, em particular, a dilatacao gravitacional do tempo, queria dizer, a contraccao do tempo neste caso, consegue-se colapsar os 250 milhoes de anos (validos no referencial divino, que nao esta' constrangido por limites temporais) em alguns milhares de anos (no referencial humano - limitado e ilusorio) totalmentee consistentes com os limites temporais descritos na Biblia.

    ResponderEliminar
  70. Se tiveres razão a física está errada desde Newton. O Sol tem um periodo de quanto tempo etão?? Se tiveres razão talvez ganhes o Nobel! Irás deitar a baixo 300 anos de ciência observacional! Incrível.

    Por algum motivo te escondes por detrás de um "anónimo"... enfim, receios...

    ResponderEliminar
  71. dario, entao nao percebe que e' tudo relativo? e' uma questao de referencial... so' que existem uns referenciais que sao mais do que outros... e' uma velha historia...
    :O))

    ResponderEliminar
  72. Explica lá, então, o teu referencial.
    Mas bem explicado, com princípo, meio e fim. Vá, uma coisa séria agora.

    ResponderEliminar
  73. dario, se e' para ser uma explicacao a serio, isso ja' e' demasiada areia para a minha camioneta... ;-)

    ResponderEliminar
  74. O FCP ganhou mais um jogo... por 3-0.
    Ou então não...
    Será que o anónimo estava lá para ver?
    Provavelmente é mais uma maquinação destes evolucionistas... o que quer dizer que o Pinto da Costa é evolucionista... ou então não...

    Cristo existiu... porque o anónimo esteve lá a ver... porque se não esteve, então está a falar do que não viu, o que, de acordo com a sua própria lógica, é atirar areia para os olhos destes incautos que por cá andam e que não viram nada daquilo que defendem...

    ResponderEliminar
  75. "Explica lá, então, o teu referencial.Mas bem explicado, com princípo, meio e fim. Vá, uma coisa séria agora."

    Uma boa explicação inicial pode ver-se no livro Starlight and Time, do físico norte-americano Russell Humphreys.

    Se não quiseres ler o livro, vai ao google com este nome.

    Particularmente sugestivas, neste context, são as palavras do astrofísico George Ellis, que tem trabalhado com Stephen Hawking, sobre a questão:


    "...um Deus benevolente poderia, com facilidade, organizar a criação do Universo... de tal maneira que radiação suficiente pudesse viajar em nossa direcção, das extremidadas do Universo, para nos dar a ilusão de um universo imenso, antigo e em expansão.

    Seria impossível a qualquer outro cientista na Terra refutar essa visão do universo de forma experimental ou observacional.

    Tudo o que ele poderia fazer é discordar da premissa cosmológica do autor".


    Cosmology and Verifiability, QJRAS, 1975, 16, 246.

    ResponderEliminar
  76. "Cristo existiu... porque o anónimo esteve lá a ver... porque se não esteve, então está a falar do que não viu"


    Nós temos relatos fidedignos,circunstanciados e credíveis de que Cristo existiu. Também temos um relato fidedigno, circunstanciado e credível de que Deus criou o Universo.


    Só nos falta alguém que tenha observado o Universo a explodir do nada por acaso e a vida a surgir de químicos inorgânicos ou um dinossauro a transformar-se em ave há 100 milhões de anos atrás.

    ResponderEliminar
  77. AH! AH! Este anónimo é mesmo de mais!
    «Os 250 milhões de anos não foram observados por ninguém. Como é que se sabe que foram 250 milhões de anos? Alguém estava lá para ver?

    Em todo o caso, muitass cosmologias criacionistas incluem "buracos brancos" e dilatação gravitacional do tempo, realidade plenamente consistente com a teoria da relatividade geral (que diz que o tempo não é constante), com as observações empíricas e e com o relato bíblico»
    Ah quer dizer porque não tiveram lá para ver os 250 milhões de anos, os cientistas já não o conseguem calcular. E portanto o que vocês dizem, ou melhor inventam, é mais válido. E portanto a única hipótese é recorrer à bíblia. Depois vem falar em cosmologias criacionistas e que é plenamente consistente com a teoria da relatividade geral com as observações empíricas e com o relato bíblico. Eu tenho a sensação que se o Einsteim viesse ao mundo e ouvisse isto caia e batia logo com a cabeça no chão ao saber até que ponto, a cultura científica que ele próprio utilizou com tanto sucesso, estava a chegar por obra e graça do criacionismo, e o modo como as suas descobertas podem justificar disparates. Talvez aí, sim, acredito que quando ele acordasse da pancada que levou, concordasse com vocês e metade do mundo lhe desse ouvidos. Mas isso era porque ele tinha ficado «passado» e vocês tinham feito um milagre.Só há uma coisa que não entendo no meio do embuste que é o criacionismo. Como é que vocês vão convencer o mundo todo, que a vossa palavra é a única verdadeira, quando vêem de lá, por exemplo, os budistas, e apresentam o mundo de uma visão diferente? Depois eles próprios também irão buscar factos observáveis que darão razão a eles, mas não à bíblia. Depois virão os chineses com o confuncionismo, que apresentarão o mundo e alguns factos que o podem provar, à maneira deles, mas não da bíblia. Depois virão os hindus, farão o mesmo, depois virão outras outras religiões, e mais outras, todas apresentando os seus argumentos e algumas provas deles, mas não iguais às da bíblia, etc, etc. Vocês já viram a trapalhada em que se estão metendo, ou melhor, nos querem meter? E querem que nós acreditemos em vocês?(Risos)

    ResponderEliminar
  78. Física Bíblica:

    http://dererummundi.blogspot.com/2007/06/mecnica-quntica.html

    Merecem destaque ainda obras-primas de outros «cientistas» criacionistas, como seja o efeito «quântico» que confirma estar a Terra no Centro do Universo e a minha favorita, a cosmologia do buraco branco, extraída do livro «Starlight and Time» de Russell Humphreys. Como nos é explicado, «A teoria é que quando Deus criou a matéria existia um intenso campo magnético no centro desta matéria fazendo com que o tempo passasse mais devagar aí que nos limites do Universo à medida que Deus esticava os céus e nele colocava estrelas (...)

    ResponderEliminar
  79. .um Deus benevolente poderia, com facilidade, organizar a criação do Universo... de tal maneira que radiação suficiente pudesse viajar em nossa direcção, das extremidadas do Universo, para nos dar a ilusão de um universo imenso, antigo e em expansão.

    não me parece que este fosse um deus benevolente, antes um deus brincalhão (o que não condiz com a seriedade dos seus actos à luz das escrituras).

    Temos, então, um deus que decidiu enganar a sua criação de forma a levá-los a pensar (pelo menos os inteligentes) que a criação não decorreu da forma como realmente decorreu...
    Isto faz sentido? Pode ser dito de forma razoável sem nos escangalharmos a rir?

    ResponderEliminar
  80. Sim, Deus pode fazer tudo!
    O deus chnichniroufh tb pode. Sabias que a chuva é mandada por ele, as núvens são só para nos enganar, a Física tá toda errada pah! Ele tem poder.. bah bah bah. Ou acreditamos nas coisas sérias com provas e cálculos, ou os refutamos com provas sérias e cálculos, ou tornamo-nos uns tótós e dizemos que é possível o impossível porque gostamos da nossa maneira ilógica de ver as coisas. É improvável mas se colocarmos um "joker" na nossa mente tudo será possível. Porque fazer esforço em compreender o universo setudo o que quisermos que ele seja é possível graças à "nossa" mente unilateral?

    ResponderEliminar
  81. O anónimo vai ter de desculpar mas, realmente, contra os seus argumentos não há factos que resistam...

    Como é possível argumentar que algo é falso porque ninguém estava lá para ver e, de imediato, argumentar que algo é verdadeiro apesar de ninguém estar lá para ver?
    É o tipo de discussão em que, evidentemente, o SEU lado se encontra amputado de parte fundamental da capacidade cerebral, pelo que não adianta esgrimir argumentos. Todos serão "anulados" pela mesma pseudo-lógica" que impera em todo o (também) pseudo-raciocínio.

    ResponderEliminar
  82. O anónimo vai ter de desculpar mas, realmente, contra os seus argumentos não há factos que resistam...

    Como é possível argumentar que algo é falso porque ninguém estava lá para ver e, de imediato, argumentar que algo é verdadeiro apesar de ninguém estar lá para ver?
    É o tipo de discussão em que, evidentemente, o SEU lado se encontra amputado de parte fundamental da capacidade cerebral, pelo que não adianta esgrimir argumentos. Todos serão "anulados" pela mesma pseudo-lógica" que impera em todo o (também) pseudo-raciocínio.

    ResponderEliminar
  83. O anónimo vai ter de desculpar mas, realmente, contra os seus argumentos não há factos que resistam...

    Como é possível argumentar que algo é falso porque ninguém estava lá para ver e, de imediato, argumentar que algo é verdadeiro apesar de ninguém estar lá para ver?
    É o tipo de discussão em que, evidentemente, o SEU lado se encontra amputado de parte fundamental da capacidade cerebral, pelo que não adianta esgrimir argumentos. Todos serão "anulados" pela mesma pseudo-lógica" que impera em todo o (também) pseudo-raciocínio.

    ResponderEliminar
  84. Dário disse:

    "Sim, Deus pode fazer tudo!"

    É precisamente isso que a Bíblia diz.

    Foi ele que criou todas as coisas.

    As que compreendemos e as que não compreendemos.

    Sem Ele nada do que foi feito se fez. Daí que seja um erro pensar o Universo e a Vida como se eles se tivessem produzido a eles próprios.

    A ciência consiste em tentar compreender o que Deus fez e como Deus fez.

    Mas pelo menos começamos com a premissa bíblica de que um Deus racional criouum Universo racional de forma racional para ser compreendido racionalmente por seres racionais, porque criados à Sua imagem e semelhança.

    Para o criacionismo não há qualquer espaço para a irracionalidade.

    O mesmo já não se passa para quem acredite que tudo começou por acaso com uma grande explosão causada sabe-se lá porquê.

    ResponderEliminar
  85. O anónimo vai ter de desculpar mas, realmente, contra os seus argumentos não há factos que resistam...

    Como é possível argumentar que algo é falso porque ninguém estava lá para ver e, de imediato, argumentar que algo é verdadeiro apesar de ninguém estar lá para ver?
    É o tipo de discussão em que, evidentemente, o SEU lado se encontra amputado de parte fundamental da capacidade cerebral, pelo que não adianta esgrimir argumentos. Todos serão "anulados" pela mesma pseudo-lógica" que impera em todo o (também) pseudo-raciocínio.

    ResponderEliminar
  86. "Como é possível argumentar que algo é falso porque ninguém estava lá para ver e, de imediato, argumentar que algo é verdadeiro apesar de ninguém estar lá para ver?"


    Explique-se.


    Vejamos. Muitos viram Jesus Cristo e registaram a sua vida.


    Deus estava lá na criação do mundo e disse-nos como é que foi na Sua Palavra, a Bíblia, o livro que mais influenciou a história da humanidade e que ainda hoje é o maior best-seller.

    É de longe o livro mais criticado em toda a história, mas também o mais resistente.

    ResponderEliminar
  87. Devo apenas dizer que nesta discussão ainda ninguém apresentou qualquer argumento a favor da evolução.

    Como podem dizer que os criacionistas não aceitam os argumentos a favor da evolução se ainda não mobilizaram nenhum?


    Avancem com argumentos que eu terei todo o gosto em avançar com os contra-argumentos.

    ResponderEliminar
  88. Caro anónimo: Lamento informar, mas não concordo consigo quando diz de Eu fui feito à vossa imagem. Senão vejamos: Deus é amor, o homem é ódio; Deus é paz, o homem é guerra; Deus cultiva o bem, o homem cultiva o mal; Deus é saber, os homens são irracionalidade. Você ainda haja que entre nós há alguma coisa parecida? Isto para mim é uma ofensa dizerem que são feitos à minha imagem. E deixem de discutir se Eu existo ou deixo de existir, porque há coisas muito mais importantes ao qual vocês não dão o devido valor. Ainda há pouco estava aqui a comentar com o S. Pedro que estes humanos estão sempre discutindo e qualquer dia tiro-vos o poder e entrego-o aos macacos, pois já demonstraram ter mais inteligência do que vocês porque não perdem tempo a discutir coisas futeis. (Risos)

    ResponderEliminar
  89. Este anónimo dá mesmo vontade de rir. Contorna certos comentários e depois vem dizer que não apresentaram argumentos a favor da evolução. Vê-se logo que de ciência não percebe nada.

    ResponderEliminar
  90. O anónimo vai ter de desculpar mas, realmente, contra os seus argumentos não há factos que resistam...

    Como é possível argumentar que algo é falso porque ninguém estava lá para ver e, de imediato, argumentar que algo é verdadeiro apesar de ninguém estar lá para ver?
    É o tipo de discussão em que, evidentemente, o SEU lado se encontra amputado de parte fundamental da capacidade cerebral, pelo que não adianta esgrimir argumentos. Todos serão "anulados" pela mesma pseudo-lógica" que impera em todo o (também) pseudo-raciocínio.

    ResponderEliminar
  91. Se tem tanto gosto em avançar com contra-argumentos então pode começar por comentar os meus comentários. Mas se calhar é preferivel não o fazer, antes que saiam mais disparates e a gente ainda se ria mais. (Risos)

    ResponderEliminar
  92. O anónimo vai ter de desculpar mas, realmente, contra os seus argumentos não há factos que resistam...

    Como é possível argumentar que algo é falso porque ninguém estava lá para ver e, de imediato, argumentar que algo é verdadeiro apesar de ninguém estar lá para ver?
    É o tipo de discussão em que, evidentemente, o SEU lado se encontra amputado de parte fundamental da capacidade cerebral, pelo que não adianta esgrimir argumentos. Todos serão "anulados" pela mesma pseudo-lógica" que impera em todo o (também) pseudo-raciocínio.

    ResponderEliminar
  93. O anónimo vai ter de desculpar mas, realmente, contra os seus argumentos não há factos que resistam...

    Como é possível argumentar que algo é falso porque ninguém estava lá para ver e, de imediato, argumentar que algo é verdadeiro apesar de ninguém estar lá para ver?
    É o tipo de discussão em que, evidentemente, o SEU lado se encontra amputado de parte fundamental da capacidade cerebral, pelo que não adianta esgrimir argumentos. Todos serão "anulados" pela mesma pseudo-lógica" que impera em todo o (também) pseudo-raciocínio.

    ResponderEliminar
  94. anónimo disse: Deus estava lá na criação do mundo e disse-nos como é que foi na Sua Palavra,

    ah sim? isso está em MP3? ou será em vinil (um sinal bem evidente que a evolução não existe... :-)) ou estará gravado em algum fóssil (ah! desculpem, esqueci-me que os fósseis são algo criado pelo diabo para confundir as mentes dos pecaminosos...)

    ResponderEliminar
  95. peço desculpa se uma das minhas mensagens anteriores (pbrandao) aparecerem duplicadas (ou mais). Deixei a janela aberta e, ao que parece, os "refresh" automáticos fizeram o resto...

    ResponderEliminar
  96. "...Em todo o caso, muitass cosmologias criacionistas incluem "buracos brancos" e dilatação gravitacional do tempo, realidade plenamente consistente com a teoria da relatividade geral (que diz que o tempo não é constante), com as observações empíricas e e com o relato bíblico..."

    jónatas, mas enloqueceu? isto é de uma estupidez sem limites. sabe sequer o que quer dizer "cosmologia" ou "buraco branco" ou "relatividade"? porque se por acaso soubesse via que meter tudo na mesma frase é uma contradição. o que o leva a debitar parvoíces sem limite até à exaustão? algum trauma da juventude?

    ResponderEliminar
  97. Caro Jonatas esta a água presente no manto não se encontra no estado liquido e muito menos forma lagos (já corrigiu). A água (hidrogénio e oxigénio) está presente na estrutura de certos minerais, formando grupos hidroxilos (OH-) com estrutura cristalina.

    Esta água é introduzida no manto via zonas de subducção, onde os minerais dos sedimentos subductados apresentam fortemente hidratados.

    Conheço as fontes que citou, para o comprovar deixo a aqui o link de um post, de Março de 2007, onde divulguei essa mesma notícia (http://terraquegira.blogspot.com/2007/03/oceano-mantlico.html).

    A questão não era saber de onde vinha a água. O que foi notícia foi o facto de haver mais do que se pensava. Não vejo em que medida é que isto é um facto a favor do diluvio. Àquelas profundidades a temperatura é de cerca de 1200ºC. Como é que leva a água lá para baixo? Não creio que a água do diluvio tenha-se infiltrado no estado liquido através de 700 km de crusta e manto a temperaturas de mais de 1000ºC.

    Parece-me óbvio que ou ela sempre existiu lá ou então foi levada nos cristais dos minerais subductados através das zonas de subducção.

    Os criacionistas têm a infatil capacidade de pegar em notícias que não percebem muito bem e utilizá-las para defender ideias suas. Mas não têm a capacidade de as explicar, quando precisam vão buscar umas citações fora do contexto que bem manipuladas até parece que os defende.

    Há água no Manto! Estão a ver, foi o dilúvio. Nem tentam explicar porque é que e como é que o diluvio injectou tanta água no manto.

    É que esta observação também serve para defender a veracidade da Tectónica de Placas, muito mais que o diluvio. Pois a tectónica já há algum tempo que lida com as zonas de subducção e com vulcões gerados pela fusão de magma. Este magma funde exactamente porque é introduzida "água" no sistema, via subducção, baixando o ponto de fusão das rochas. Este magma ascende pela crusta e é extruido em vulcões situados imediatamente atrás das subducções.

    Este processo está a acontecer hoje (Exemplo Etna e subducção da Calábria). Não foi preciso a água do diluvio.

    E mais estes dados ao corroburarem a Teoria da Tectónica de placas estão a mostrar obviamente que a Terra tem alguns milhões de anos a mais do que pensa.

    ResponderEliminar
  98. E está aqui o link para outro post que explica um pouco este assunto de a água ter um papel importante na tectónica de placas:

    http://terraquegira.blogspot.com/2007/08/qual-o-lubrificante-e-tectnica-de.html

    ResponderEliminar
  99. Parece que saio cedo do trabalho... ou finalmente calaram-me?

    ResponderEliminar
  100. è claro que não há evolucionismo.
    Gerações sucessivas de Papas não conseguiram melhoramentos observáveis.

    ResponderEliminar
  101. Axo k vou começar a adorar este deus!!!~LOL

    ResponderEliminar
  102. "Os 250 milhões de anos não foram observados por ninguém. Como é que se sabe que foram 250 milhões de anos? Alguém estava lá para ver?"

    Esta afirmação seguida das perguntas mostra a total ignorância deste senhor.

    A matemática necessária para estes cálculos já existe deste os gregos. Nós, faz pouco tempo, lá conseguimos observar, graças à tecnologia dos telescópios modernos, o movimento de rotação de diferentes estrelas em diferentes distâncias ao centro da galáxia. Pega-se nesses dados, usa-se a tal matemática e calcula-se com uma exactidão (que o Anônimo nunca acreditará) formidável a massa do centro da galáxia. Daí pega-se novamente na matemática básica e faz-se mais umas contas e... voilá sabemos o tempo de revolução do Sol em torno da galáxia e muito mais (demasiado simplificado porque nem sequer se colocou aqui a massa de todas as estrelas mas é só mesmo para ver se o Anonimo ainda acha que é necessário lá estar).

    IGNORANCIA ao mais alto nível... de uma forma totalmente INFANTIL... de facto é tanta a ignorância que nem tem o conhecimento básico suficiente para se envergonhar com as barbaridades que diz! Tal qual uma criança...

    Façam-lhe um desconto nas respostas tal qual fariam a uma criança.

    ResponderEliminar
  103. "Ah e tal, lá estão a ofender só porque se tem opinião diferente e tudo e tal..."

    Não pega, não é ofensa, é REALIDADE!

    Vá estudar, cresça no dominio das ciências, depois verá que me dará razão e... finalmente... sentirá uma vergonha dolorosíssima do que um dia escreveu em público.


    Cumpts

    ResponderEliminar
  104. Muito bem dito!
    Não vês que, para o anónimo, só para o Universo não ter milhões de anos Deus fez a luz chegar muito mais depressa (só para no enganar tás a ver?) e só para a bíblia ter razão a luz do Sol foi criada anes do Sol! Sim, há uma teoria (absurda) crikacionista que diz que Deus colocou o Sol do sítio onde vinha a luz, porque ele criou primeiro a luz. LOL! Inventam cada coisa... Só falta dizer "eu não chumbei a matemática, nem física nem biologia.... os profesores é que estão errados!". São argumentos do tipo "não vai Maomé à montanha vai a montanha a Maomé"

    Anónimo, olha.... vai para os anónimos anónimos...

    ResponderEliminar
  105. Estas discussões tão apaixonadas deixam-me a pensar se algumas delas não serão declarações de fé em vez de argumentação lógica. Será que existe um Deus tão bom que se entretenha a ver os seus "filhos" a matarem-se uns aos outros, nomeadamente crianças inocentes?

    ResponderEliminar
  106. Mas é que nem se trata apenas do dominio da fisica e matemática.

    Pelo que sei o tal Anonimo é professor de Direito.
    Ora ponha-se então no lugar de um Juiz.

    "Ah sinto muito mas o arguido sairá em liberdade apesar do seu ADN estar por toda a casa da vitima, apesar de ser o dono da arma do disparo, apesar de ter vestigios de pólvora nas mãos, apesar de não ter alibi para a data do homicidio, apesar de ter em sua casa todas as joias da vitima, a verdade é que... niguém lá estava a ver!"

    Absurdo!

    O trabalho dos cientistas é um pouco o de detectives, com base em evidências (observações) tentam chegar a respostas usando ferramentas (física, matemática, lógica, etc - das quais o Anonimo mostra ser um inculto ignorante igual a quem nunca andou na escola) e essas observações e ferramentas permitem chegar a conclusões. Mas há mais, estas conclusões permitem até prever eventos futuros... ora se estes acontecem...
    Mais ainda, no caso do muito pequeno (base que permite explicar estrelas e até os primeiros segundos do universo), se as nossas teorias básicas tivessem erradas tudo cairia porterra... tudo até o big bang. Como encaixa tudo tão bem (observações), e como não há UMA que nao encaixe... deve estar certo, ora se está certo sabemos, pela propriedade de meia vida dos elementos radioactivos que a Terra tem mais que.. e sabemos muito muito muito mais!

    Se a terra tem os seis mil anos... então nao sabemos nada! E o disco rigido do pc onde estou a escrever deve ter sido concebido por mero acaso ou... por intervenção divina.

    Já agora respondo à pergunta das estrelas. As estrelas vieram do hidrogenio, elemento mais simples formado pelo big bang que só tem um protão e um electrão e por um pouco de hélio (dois protões...) que ainda teve tempo de se formar antes da fornalha/pressão arrefecer/aliviar, que se juntaram pela força da gravidade das "nuvens" que deles eram constituidos (certo, ainda nos escapa pormenores importantes mas isso nao quer dizer que tudo esta errado). Depois é só deixar a gravidade actuar... mais pressão.... mais pressão... mais calor... mais calor... e pum! A pressão é tanta que supera a força electromagnetica (impede os dois nucleos de hidrogenio de se juntarem) e "esmaga" (junta) dois nucleos de hidrogenio (é mais complicado do que isto) unidos pela força nuclear fraca. Acontece que a massa desses nucleos juntos é menos que a soma dos dois nucleos de hidrogenio separados e a que se "perdeu" foi transformada em energia. E o sr Einstein já nos ensinou a gama de grandeza dessa energia. Que Sol tão quentinho e brilhante.

    Sr anónimo, niguem está lá no Sol para ver isto contecer mas se não acontece-se assim... nunca teria acontecido as detonações de bombas de hidrogénio.

    Ora, se pensamos que sabemos como funciona o sol, se agarramos num pedaço de hidrogénio e arranjamos forma de o pressionar tanto que temos uma bomba de hidrogenio... então apesar de ninguém lá estar devemos estar certos (sempre a procurar saber mais detalhes) de como funcionam as estrelas não?

    Isto é ciência e na ciência ninguém precisa de estar lá para ver, só se precisa de OBSERVAR E PENSAR!



    BURRO!

    ResponderEliminar
  107. Quero dar os parabéns aos alunos de um obscuro e palavroso professor de Direito em Coimbra, em férias por causa do delírio do seu "professor" que hoje tirou o dia para dizer aldrabices.

    Será que não tem vergonha, caro Jónatas? Disse tantas asneiras num só dia que, se fosse católico, passava um dia no confessionário e outro a cumprir as penitências pelas mentiras, meias-verdades, aldrabices e tentativas de enganar os outros...

    ResponderEliminar
  108. dedicado ao jonatas:

    li a sua primeira posta, não tive paciencia para ler as 105 indignadas respostas às barbaridades que li, apenas lhe quero apontar uma imprecisão: a dada altura diz que o neanderthal em tanto rempo não criou balões nem outras tretas e que nós em cem anos chegamos ao espaço, isto é mentira.
    a evolução civilizacional e cientifica deu-se em pouco mais de 100 anos (podiamos discutir isto mas vamos acreditar que sim)mas APENAS numa infima parte do planeta, apenas umas poucas de nações foram responsáveis por toda a evolução . Partes do mundo (na realidade a maior parte) evoluiu muito mais devagar, em certas partes da Papua-Nova Guiné os homens ainda vivem como os neanderthais, e estão lá desde sabe-se lá quando. foi preciso um conjunto complexo de factores para produzir este corpo cientifico, o factor tempo por si só não é determinante. Espero me ter feito compreender, mas ...who am i fooling?? this is jonatas ...he'll never learn...

    atenciosamente, Satanucho

    ResponderEliminar
  109. Como o anónimo não está sempre em casa, não vê o amante da mulher a entra e sair.
    Claro que não é cornudo!

    ResponderEliminar
  110. Jonatas,

    por muito que lhe custe a ciência é assim...

    permite-nos saber as coisas sem as vermos! E não, não é milagre!!

    Olhe, veja o caso de Urbain Le Verrier que no sec. XIX previu por métodos puramente matemáticos, a existência do planeta Netuno!!!

    Não Jonatas, ele não o viu para saber que ele lá estava! Usou uma coisa que você desconhece e que se chama ciência!

    A ciência permite-nos saber que a Terra tem milhares de milhões de anos. Que o universo é ainda mais antigo... Não jonatas, não estava lá ninguem para ver!

    Deve ser chato para si, mas como lhe disse a ciência é assim!

    ResponderEliminar
  111. Já agora, do Blog Bandeira ao Vento, um post com uma ilustração deliciosa que prova que o Jónatas é famoso e faz escola:

    http://bandeiraaovento.blogspot.com/2007/10/curva-parva-direita.html

    ResponderEliminar
  112. "Esta tem cerca de 4,500 anos, adequando-se perfeitamente à cronologia bíblica da criação, queda, dilúvio, Babel e dispersão. Sendo assim, a ocorrência do dilúvio implica o abandono do uniformitarismo de Lyell, a rejeição da coluna geológica (largamente artificial) e a adesão ao catastrofismo (com abundantes evidências físicas)."

    "A Bíblia apresenta o único relato que, por vir do próprio Criador, é insubstituível. Ele conhece tudo o que há para conhecer. Vê tudo o que há para ver."


    - Sobre falsificações verificáveis

    Quem não se diverte com as "criativas" falsificações verificáveis no livro do Génesis ?

    The two contradictory creation accounts !

    The Garden of Eden

    "Tout ce qui est manifestement absurde ou ridicule dans la bible est à prendre au second degré. Tout le reste est vérité absolue et révélée"


    - Sobre falsificações verificáveis

    Elohim: nós, o deus majestático, sabendo o bem e o mal ...

    [Gén, 1:26] :

    26 - E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; ...

    [Gén, 3:22] :

    22 - Então, disse o SENHOR Deus: Eis que o homem é como um de nós, sabendo o bem e o mal; ora, pois, para que não estenda a sua mão, e tome também da árvore da vida, e coma, e viva eternamente,

    Mas quantos “deuses” existem no CALHAMAÇO DOS EMBUSTES BÍBLICOS ?


    - Sobre falsificações verificáveis

    Por falar em "histórias testemunhadas por muitos", é inevitável referir o "passeio" dos zombies em Jerusalém, relatado em :

    [Mat, 27:51-53] :

    51 - E eis que o véu do templo se rasgou em dois, de alto a baixo; e tremeu a terra, e fenderam-se as pedras.
    52 - E abriram-se os sepulcros, e muitos corpos de santos que dormiam foram ressuscitados;
    53 - E, saindo dos sepulcros, depois da ressurreição dele, entraram na Cidade Santa e apareceram a muitos.

    Dava um excelente guião para um filme que viesse a ser exibido no FANTASPORTO !


    - Sobre falsificações verificáveis

    Esteve Moisés face a face com deus ?

    [Êx, 33:11] :

    11 - E falava o SENHOR a Moisés face a face, como qualquer fala com o seu amigo; depois, tornava ao arraial; mas o moço Josué, filho de Num, seu servidor, nunca se apartava do meio da tenda.

    [Êx, 33:20-23] :

    20 - E disse mais: Não poderás ver a minha face, porquanto homem nenhum verá a minha face e viverá.
    21 - Disse mais o SENHOR: Eis aqui um lugar junto a mim; ali te porás sobre a penha.
    22 - E acontecerá que, quando a minha glória passar, te porei numa fenda da penha e te cobrirei com a minha mão, até que eu haja passado.
    23 - E, havendo eu tirado a minha mão, me verás pelas costas; mas a minha face não se verá.


    - Sobre falsificações verificáveis

    O criacionismo tem uma característica fundamental: não há criacionismo sem criador [o "invisível" ?] .

    Mas como superar a contradição letal do criacionismo, versão "embuste bíblico", o 3º. [Gén, 1:11-12] e o 4º. [Gén, 1:16] dias da criação ?

    11 - E disse Deus: Produza a terra erva verde, erva que dê semente, árvore frutífera que dê fruto segundo a sua espécie, cuja semente esteja nela sobre a terra. E assim foi.
    12 - E a terra produziu erva, erva dando semente conforme a sua espécie e árvore frutífera, cuja semente está nela conforme a sua espécie. E viu Deus que era bom.
    ...
    16 - E fez Deus os dois grandes luminares: o luminar maior para governar o dia, e o luminar menor para governar a noite; e fez as estrelas.

    Obviamente, quem "pensa" assim "nunca" ouviu falar em fotossíntese ... O girassol [3º.dia da "criação"] existia sem que o Sol se manifestasse ?

    E,convenhamos, a Lua não é um "luminar" .


    - Sobre falsificações verificáveis

    Just to mention a few other "problems" with the not so "inteligent designer" ...

    - As "bestas" foram "criadas" no 5ª.dia ... E as "plantas carnívoras" ?

    - Comportamento homossexual em animais que não o homem : livre-arbítrio de quem ?



    "Por isso, a minha atitude de crente face à ciência moderna é espantosamente simples: nenhuma contradição (NENHUMA) poderá alguma vez ser encontrada entre uma prova científica e uma verdade divinamente revelada ."

    ResponderEliminar
  113. O De Rerum Natura tem sido fértil em discussões a respeito do criacionismo da “Terra jovem”. Parece que os defensores desta tese não são muitos, mas merecem normalmente mais atenção do que quaisquer outros. E é pena que a discussão não se processe sempre em tom cordial, recorrendo mais aos insultos do que às explicações cientificamente possíveis.
    As ilhas são autênticos “laboratórios” da Terra “velha”. Pelo que nelas acontece facilmente se percebe a fragilidade dos argumentos criacionistas a respeito do dilúvio, sendo um deles a existência de fósseis em montanhas. Antes de mais, convém vincar o carácter simbólico do dilúvio na Bíblia, que aliás repete o que é tradição de muitas culturas, incluindo de índios americanos. E que, provavelmente, é o eco, passado de geração em geração, do final da última era glaciar, em que os próprios Grandes Lagos teriam estado gelados.
    À primeira vista, podemos pensar que o escritor bíblico cometeu um grave erro “científico” ao imaginar que era possível a água cobrir até as mais altas montanhas. Nada disso. Segundo crença de todos os povos da vasta região por onde se desenvolveu a cultura hebraica, havia dois “oceanos”: um na Terra, o que de facto existe, e outro no céu, de onde provinha a chuva. Esta mesma crença percebe-se facilmente na metáfora da Criação.
    Mas vejamos o que há a respeito dos fósseis. Nos Açores, a única ilha onde eles ocorrem, e até uma altitude de cerca de duzentos metros, é Santa Maria. Ora, se fossem resultado de um dilúvio, e estando as outras oito ilhas próximas daquela, também nelas deveriam ser encontrados fósseis. E, ao contrário do que muita gente ainda pensa, Santa Maria não é de formação sedimentar, mas tão vulcânica quanto as demais. Acontece é que a formação da placa mariense é muito mais antiga, de há uns oito milhões de anos, tendo estado submersa durante metade desse tempo. Quando se deu a elevação da placa, já existiam, pois, esses fósseis, além de grandes resíduos calcários. A partir daí, a parte alta da ilha foi construída com vulcões, tal como nas restantes. E note-se o facto de que, por razões óbvias, apenas se encontram fósseis em rochas que resultaram da elevação da crusta terrestre, incluindo montanhas, e nunca nas de origem vulcânica.
    A ilha dos Açores geologicamente mais jovem é a do Pico. O crescimento da montanha, que tem 2351 metros de altitude, está bem documentado, mesmo em tempos históricos. São cerca de dez metros em cada milénio, para uma idade de 250 000 anos. Quanto a São Jorge, é o resultado claramente perceptível, pela simples consulta de um mapa, da escoada de lavas pela fenda em que assenta.
    Outro tipo de ilhas das quais sem dificuldade se pode determinar a idade são as de coral. Basta verificar o ritmo de elevação dos bancos de coral, a partir da base, e facilmente se verifica que as Bermudas, por exemplo, não poderiam ter sido feitas em seis mil anos somente.
    Uma nota final. Creio que os responsáveis pelo De Rerum Natura deveriam prestar mais atenção aos comentários, porque alguns contêm erros grosseiros. E não me refiro aos baseados em concepções religiosas, mas aos que se pretendem científicos. Por exemplo no caso seguinte. Houve um comentador que deu a entender que a água não existe em estado líquido sob as placas oceânicas. Ora essas enormes profundidades funcionam como uma tremenda panela de pressão. Próximo dos Açores há fontes termais oceânicas em que a água jorra a temperaturas superiores aos trezentos graus centígrados.

    ResponderEliminar
  114. Caro Daniel Sá

    O que eu disse foi que a água não se pode infiltrar 700 km e manter-se liquida a 1200ºC, sem ser como parte fundente de um magma ou constituinte de um mineral mantélico. O unico mecanismo conhecido para levar água lá para baixo é através das zonas de subducção onde existe uma enorme anomalia do gadiente geotérmico na zona onde o "slab" se afunda, pois está muito mais frio que o manto envolvente. Está água vai provocar a fusão de magmas e volta para a superfície via vulcões orogénicos.

    No caso das fontes hidrotermais a água não se infiltra "sob" a crusta oceânica. A água infiltra-e na crusta, através de fracturas, e é aquecida atavés do calor transmitido das câmaras magmáticas que estão a cerca de 1200º. A água não se infiltra na câmara magmática. E note-se que nessas zonas existem gradientes geotérmicos muito específicos e por vezes nem existe ainda crusta oceânica, porque ainda não se formou, o manto pode estar exposto e podemos em alguns metros passar da temperatura ambiente para uns 1000ºC. E o que acontece à água? Vem para a superfície sob uma pressão brutal sendo de novo injectada no mar via "black smokers". Não fica no manto e maior parte das vezes nem consegue chegar perto dele. Quando chega reage com os minerais das rochas que os constituem (minerais ultamáficos) formando novos minerais. Este processo é conhecido por serpentinização. Os serpentinitos são uma rocha geralmente resultante da hidratação dos peridotios que constituem o manto.

    Se insinua que cometi um erro grosseiro, por favor diga-me qual foi e em que frase, de modo a eu a poder corrigir.

    ResponderEliminar
  115. Meu caro João Moedas
    A sua explicação, agora, está completa. Talvez por o ter feito à pressa, não ficara bem claro no comentário anterior. Valeu bem a pena eu não ter precebido, porque assim permitiu uma lição que agradeço, e talvez outros também.
    Um abraço.
    Daniel

    ResponderEliminar
  116. Sempre à disposição :)
    Um abraço
    João

    ResponderEliminar
  117. JoãoMoedas:

    Se eu tivesse uma moeda por cada vez que o Daniel de Sá acusa os outros (especialmente a Palmira...) de erros grosseiros em temas de que o Daniel de Sá não pesca nada estava rica :)

    Por um lado temos o Jónatas que nem sequer faz ideia do que está a falar e debita monstruosidades sobre todos os temas com a autoridade saloia da fé;

    Por outro temos o Daniel de Sá na mesma, noutros temas ...

    Não há mesmo dúvida que presunção e água benta são inseparáveis :)

    ResponderEliminar
  118. Paráfrase
    Se eu tivesse uma moeda por cada vez que a Joana me acusa de erros grosseiros em temas de que não pesca nada estava rico.

    Por um lado temos a mesma Joana que nem sequer faz ideia daquilo de que está a falar e debita monstruosidades sobre a religião;

    Por outro temos vários comentadores na mesma, noutros temas ...

    Não há mesmo dúvida de que presunção e ignorância são inseparáveis :)
    Nota fora da paráfrase - Ou a Joana explica que erros cometi no meu comentário, ou terei todo direito de lhe devolver o epíteto de ignorante.

    ResponderEliminar
  119. Mas esta beatada não se enxerga mesmo. Ainda por cima o Daniel de Sá parece um puto :)

    Escreveu ou não escreveu isto:

    Creio que os responsáveis pelo De Rerum Natura deveriam prestar mais atenção aos comentários, porque alguns contêm erros grosseiros. E não me refiro aos baseados em concepções religiosas, mas aos que se pretendem científicos. Por exemplo no caso seguinte. Houve um comentador que deu a entender que a água não existe em estado líquido sob as placas oceânicas.

    Quantas vezes é que já acusou os outros de cometerem erros grosseiros (quando afinal é o Daniel de Sá que não percebe nada do que se está a falar mas não se coibe de dar uma de chico esperto?)

    ResponderEliminar
  120. O João escreveu isto:
    "Àquelas profundidades a temperatura é de cerca de 1200ºC. Como é que leva a água lá para baixo? Não creio que a água do diluvio tenha-se infiltrado no estado liquido através de 700 km de crusta e manto a temperaturas de mais de 1000ºC.

    Parece-me óbvio que ou ela sempre existiu lá ou então foi levada nos cristais dos minerais subductados através das zonas de subducção."
    Pareceu-me que ele estava a negar a possibilidade de água em estado líquido a tais profundidades. De qualquer modo,não foi tão claro como na explicação dada depois do meu comentário. Posso ser acusado de ter lido mal (o que aceito, no meio de dezenas de comentários), o que é uma variante da ignôrância, mas não propriamente de ignorar a matéria.
    Sobre o assunto, e caso interesse, aqui deixo a indicação de um bom artigo:
    http://www.livescience.com/environment/070228_beijing_anomoly.html
    Por curiosidade: a crusta em Vila Franca do Campo é de apenas dois km. O fluido geotérmico na zona da lagoa do Fogo foi encontrado pela primeira vez a cerca de novecentos metros.

    ResponderEliminar
  121. Caro Daniel de Sá,

    Obrigado pelo link. Tinha lido várias notícias sobre esta descoberta, no entanto esta tem a particularidade de desmentir com clrareza a ideia inicial do Anónimo, saliento:

    "The water then rises up into the overlying region, which becomes saturated with water.“It would still look like solid rock to you,” Wysession told LiveScience. “You would have to put it in the lab to find the water in it.”
    Although they appear solid, the composition of some ocean floor rocks is up to 15 percent water. “The water molecules are actually stuck in the mineral structure of the rock,” Wysession explained. “As you heat this up, it eventually dehydrates. It’s like taking clay and firing it to get all the water out.”

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  122. Le souffle de vie des bactéries
    Enfouies dans un sous-sol gelé pendant plusieurs centaines de milliers d'années, des bactéries respirent encore et réparent régulièrement leur ADN.

    "Bien que piégées dans la glace depuis un demi-million d'années, des bactéries par viennent néanmoins à conserver un souffle de vie !

    La découverte d'une équipe internationale dirigée par Sarah Stewart Johnson, du Massachusetts Institute of Technology (Cambridge, Etats-Unis), remet en question nos connaissances sur ces micro-organismes fascinants.

    Jusque-là, l'hypothèse dominante était la suivante : dans un sous-sol gelé, les bactéries se mettent en dormance en s'enfermant dans des spores et en cessant toute activité métabolique pour survivre aux conditions extrêmes.

    De fait, plusieurs travaux antérieurs avaient permis de faire revenir à la vie des bactéries de plusieurs centaines de milliers d'années.

    Mais s'agissait-il vraiment de dormance pour des organismes aussi vieux ?

    Sarah Stewart Johnson n'y croyait pas pour la bonne raison que cet état «comateux» nuit à la bonne conservation de l'ADN.

    En effet, après quelques dizaines de milliers d'années, la molécule commence à se déliter en petits bouts, attaquée par des réactions chimiques destructrices telles que l'hydrolyse ou l'oxydation.

    Et, passé un certain temps, le génome est trop dégradé pour permettre à la bactérie de retrouver ses fonctions vitales.
    La dormance ne pouvait donc pas tout expliquer.

    Pour en avoir le coeur net, l'équipe a collecté des échantillons de bactéries enfermées dans du permafrost sédimentaire - sol perpétuellement gelé - dans le nord-est de la Sibérie, au nord- ouest du Canada, et en Antarctique.

    La biologie moléculaire a confirmé leurs pressentiments : ces bactéries cacochymes, jusqu'à 600 000 ans d'âge, présentent une molécule d'ADN intact.

    C'est donc que, durant leur «captivité», elles ont conservé une fonction de maintenance permettant de réparer leur matériel génomique.

    Cette activité métabolique a été confirmée par un second test : dans la glace, les vieilles cellules dégagent du CO2.

    Elles respirent donc toujours.

    Comme le souligne la chercheuse, cette étude permet de considérer d'un oeil nouveau les stratégies de vie extraterrestre étant donné que les conditions environnementales sur Mars ou sur Europa, un satellite de Jupiter, sont très similaires à celles du permafrost terrestre..."


    Sciences et Avenir, Octobre 2007

    ResponderEliminar
  123. Meu Caro João Moedas
    Eu penso que o primeiro cuidado que os comentadores deveriam ter, para além de uma aconselhável urbanidade, era dizerem algo que interessasse aos eventuais leitores ou que acrescentasse qualquer coisa ao escrito pelos autores do "blog". O João Moedas tem cumprido estes pressupostos e eu tentei também fazê-lo. Tal como o "ubíquo", apesar de o tema não ter propriamente que ver com o assunto. Mas gostei de ler, e por isso também a ele agradeço.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  124. Sciences et Avenir, Octobre 2007

    - Total transfert d'ADN

    - Pluie extraterrestre

    - Une nouvelle molécule synthétisée


    Sciences et Avenir, Novembre 2007

    ResponderEliminar
  125. http://www.discovery.org/scripts/viewDB/filesDB-download.php?command=download&id=660

    ResponderEliminar
  126. troco deus por uma cerveja1 de novembro de 2007 às 13:09

    Um relógio nao necessita que uma forma de vida inteligente o fabrique. Só necessita um observador.

    ResponderEliminar
  127. O vento não se vê mas sabemos que existe pela interacção no mundo à nossa volta. O mesmo acontece com os elementos físicos que constituem o Universo e os cálculos efectuados que nos mostram a idade, o aspecto, etc. do Cosmos.

    ResponderEliminar
  128. - Sobre falsificações verificáveis

    [Gén, 1:26] :


    26 - E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo réptil que se move sobre a terra.


    Nota: outras espécies animais povoaram a Terra milhões de anos antes de os primeiros humanos surgirem .

    Este versículo é usado por cristãos fundamentalistas para justificar :

    - o mau trato de outras espécies animais;
    - e desprezar o meio ambiente.

    Afinal de contas, estas alimárias acreditam piamente que deus criou as outras espécies animais apenas para "usufruto" da ganância dos humanos ...

    ResponderEliminar
  129. Primeiro ponto: ri-me até às lágrimas com este vídeo :')

    Segundo ponto: já leio este blog há muito tempo. Nunca tinha espreitado os comentários que, afinal, tanto entretenimento oferecem :)

    Terceiro ponto: regra geral não discuto muito com criacionistas bíblicos, e quando o faço nunca chego à parte da ciência. Ao primeiro argumento que levantam, pergunto-lhes porque terei de me acreditar mais naquele livro sagrado e menos noutro livro sagrado qualquer e as respostas nunca me convencem. Abandono imediatamente a discussão. Paciência: não é mania, é feitio.

    ResponderEliminar
  130. O que te faz correr Palmira?

    ResponderEliminar
  131. - Sobre falsificações verificáveis

    O TRex "aparece" no "Museu da Criação" !

    Mas foi "criado" em que dia ? No 5º.dia ou no 6º.dia, o da criação das "bestas" [Gén, 1:20-25] ?


    Suposição: o "gazeteiro dos seis dias" ter-se-á dado ao trabalho inútil de criar uma "besta" que viria a extinguir-se !

    Competência ? Clarividência ? Exibicionismo ? Ou talvez tique "voyeur" do "omnipresente" ?

    "O Museu da Criação foi desenvolvido por um diretor de um estúdio de cinema americano e traz cenários realistas, bonecos animados de pessoas e dinossauros em tamanho real e muitos efeitos especiais.

    Segundo os responsáveis pelo local, os visitantes poderão ver uma réplica do que seria a Arca de Noé e até animais que habitariam o mundo quando Adão e Eva foram expulsos do Jardim do Éden, histórias clássicas da Bíblia.

    De acordo com a direção, o Museu da Criação é um programa para toda a família e foi planejado com o objetivo de fazer mais pessoas acreditarem que Jesus Cristo existiu e deve ser considerado o criador da vida."

    "O museu tem o objetivo de apresentar o Gênesis - o primeiro livro da Bíblia - para todas as idades, e promover a crença de que a Terra tem menos de 10 mil anos de idade.

    Todos os que trabalham no museu precisam acreditar que a Terra foi criada em seis dias de 24 horas cada, rejeitando a convenção de que a vida evoluiu lentamente ao longo de milhões de anos - teoria aceita pela maioria dos cientistas.

    Para martelar essa idéia, duas crianças sorridentes, vestindo peles de animais, trabalham e brincam ao lado de um par de filhotes de Tyrannosaurus Rex.

    "Você vai a alguns dos maiores museus, e os dinossauros são os ícones de ensino deles", disse Looy. "Nós vamos inverter isso e usar dinossauros para mostrar que a Bíblia apresenta a história real do mundo. Nós temos pessoas e dinossauros juntos".

    Não há menção de dinossauros em nenhum lugar da Bíblia, mas para todo cético, há um cristão pronto para ouvir e rebater os argumentos.

    Ao lado do museu estão os escritórios e galpões da Respostas em Gênesis, que lembram qualquer outro complexo de escritórios de médio porte na região.

    Funcionários "qualificados"

    A organização Respostas em Gênesis se orgulha de ter muitos cientistas qualificados entre seus funcionários, incluindo Geórgia Purdom, uma geneticista formada em uma das principais universidades de Ohio.

    Ela está preocupada com o fato de que muitos cristãos não aceitam a versão literal da criação.

    "É uma coisa fundamental. Se você não pode acreditar em Gênesis, porque acreditar em outras partes da Bíblia"? "Você não pode escolher, dizer que essa parte está certa, e essa outra está errada", disse
    ."


    Mas que deus precisaria de 6 dias para criar este Mundo ?

    Que se saiba, continuam a surgir novos sistemas planetários ...



    Pluie extraterrestre

    "Le télescope spatial Spitzer a détecté pour la première fois de l'eau tombant sur un système planétaire en formation, à environ 1000 années-lumière de la Terre.

    Cette pluie de glace correspondant à cinq fois la totalité des océans terrestres s'est abattue à des vitesses supersoniques sur le disque protoplanétaire où elle s'est vaporisée.

    Les astronomes estiment à 23 fois la masse de la Terre la quantité d'eau qui s'abat chaque année sur ce système."


    Sciences et Avenir, Octobre 2007

    ResponderEliminar
  132. UBÍQUO disse...

    "Le télescope spatial Spitzer a détecté pour la première fois de l'eau tombant sur un système planétaire en formation, à environ 1000 années-lumière de la Terre..."


    MAS COMO É QUE SABEM QUE É ÁGUA? ALGUÉM LÁ ESTÁ PARA BEBER?
    (esta deve ser a pergunta que muitos criacionistas
    fazem ao coçar a nuca e a abanar a cabeça em estilo de desaprovação - vão estudar e perceber como a luz interage com os elementos e vice versa depois talvez percebam porque ninguém precisa de lá estar para provar a aguinha)


    ;)

    Cumpts

    ResponderEliminar
  133. Parece-me bem que discutir com fanáticos bíblicos é o mesmo que discutir com aquelas mulherzinhas de polichinelo que acreditam que os homens são todos iguais. Elas que fiquem lá com a sua razão. As pessoas acreditam nas ficções que bem entendem porque é muito mais confortável ser se preguiçoso a estudar com seriedade os temas.

    Estes comentários do pretenso Jónatas Machado são todos muito hilariantes, mas revelam um desprezo total pelo rigor e pela honestidade intelectual. É um paleio que encaixa bem no telejornal da TVI ou no "Tardes da Júlia" e daí eu passo a sugerir ao "anónimo" (Jónatas ou não) recrutar mais uns crentes nesses programas. Decerto que terá uma audiência à sua medida: canina e estulta.

    ResponderEliminar
  134. Discordando do que disse o azul neblina, pelo que me deu a ver pelos diversos comentários, se houve alguém que apresentou argumentos racionais, quer discordando deles ou não, foi o anónimo Jónatas. A grande maioria dos outros comentários basearam-se na ofensa pessoal como arma de arremesso em vez de discutirem os próprios argumentos em si.

    Sobre o post em questão, apenas concordo que foi inoportuno relacionar as eco-motas com o design inteligente.
    V.

    ResponderEliminar
  135. Desculpem lá, quando cheguei ao post que afirma que uma pedra cai a dez metros desisti de levar a sério quem diz perceber de fisica aqui. não sou doutorado em física, mas tirei uma licenciatura em engenharia (informática, mas inclui 3 cadeiras de física) mas nem precisava dela para dizer que "dez metros" não é uma medida de velocidade. "uma pedra cai a 10 metros" não é nada! qualquer um com o 12º ano ou menos sabe isso.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.