THE PORTUGUESE RECTORS ON THE EUROPEAN SCIENCE FOUNDATION EVALUATION

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Visita Guiada à Aula da Esfera por Henrique Leitão

Visita Guiada

REUNIÃO INTERNACIONAL DE MATEMÁTICA NO PORTO

Informação recebida da SPM:
Á
AMS-EMS-SPM International Meeting

As inscrições para o encontro internacional AMS-EMS-SPM 2015 podem ser efetuadas a um preço reduzido até 30 de abril. Além desta redução, há ainda um desconto especial para estudantes e sócios das sociedades organizadoras. Consulte a tabela com as taxas de inscrição aqui.

O programa do encontro, que se realiza na cidade do Porto entre 10 e 13 de junho, será composto por nove sessões plenárias, 53 sessões especiais sobre os mais recentes desenvolvimentos em diversos campos e uma sessão de papers. Dez de fevereiro é a data limite para a submissão de resumos para as sessões especiais e para a sessão de papers.

Além da componente científica, o encontro privilegiará também a vertente social, estando programado um jantar para a noite de 13 de junho, e uma palestra de Marcus du Sautoy aberta ao público, que será seguida de um concerto na Casa da Música.

No âmbito deste encontro foi estabelecido um protocolo com a TAP, que oferece condições especiais aos participantes. Consulte os detalhes.

Mais informações sobre o encontro em http://aep-math2015.spm.pt.

O BOSÃO DO JOÂO

Informaçºão sobre o livro "O Bosão do João" (org. Rui Malho) recebida da By the Book:




THE DIGITAL EINSTEIN PAPERS


Informação recebida sobre os Digital Einstein papers:

THE DIGITAL EINSTEIN PAPERS is a publicly available website of the collected and translated papers of Albert Einstein that allows readers to explore the writings of the world’s most famous scientist as never before.

Princeton, NJ – December 5, 2014 – Princeton University Press, in partnership with Tizra, Hebrew University of Jerusalem, and California Institute of Technology, announces the launch of THE DIGITAL EINSTEIN PAPERS (http://einsteinpapers.press.princeton.edu). This unique, authoritative resource provides full public access to the translated and annotated writings of the most influential scientist of the twentieth century: Albert Einstein.

“Princeton University Press has a long history of publishing books by and about Albert Einstein, including the incredible work found in The Collected Papers of Albert Einstein,” said Peter Dougherty, director of Princeton University Press. “We are delighted to make these texts openly available to a global audience of researchers, scientists, historians, and students keen to learn more about Albert Einstein. This project not only furthers the mission of the press to publish works that contribute to discussions that have the power to change our world, but also illustrates our commitment to pursuing excellence in all forms of publishing—print and digital.”

THE DIGITAL EINSTEIN PAPERS website presents the complete contents of The Collected Papers of Albert Einstein, and, upon its launch, the website—http://einsteinpapers.press.princeton.edu—will contain 5,000 documents covering the first forty-four years of Einstein’s life, up to and including the award of the Nobel Prize in Physics and his long voyage to the Far East. Additional material will be available on the website approximately eighteen months after the print publication of new volumes of The Collected Papers. Eventually, the website will provide access to all of Einstein’s writings and correspondence, accompanied by scholarly annotation and apparatus.

What sorts of gems will users discover in THE DIGITAL EINSTEIN PAPERS? According to Diana L. Kormos-Buchwald, director of the Einstein Papers Project, “This material has been carefully researched and annotated over the last twenty-five years and contains all of Einstein’s scientific and popular writings, drafts, lecture notes, and diaries, and his professional and personal correspondence up to his forty-fourth birthday—so users will discover major scientific articles on the general theory of relativity, gravitation, and quantum theory alongside his love letters to his first wife, correspondence with his children, and his intense exchanges with other notable scientists, philosophers, mathematicians, and political personalities of the early twentieth century.”

Buchwald also noted that THE DIGITAL EINSTEIN PAPERS will introduce current and future generations to important ideas and moments in history, saying, “It is exciting to think that thanks to the careful application of new technology, this work will now reach a much broader audience and stand as the authoritative digital source for Einstein’s written legacy.”

THE DIGITAL EINSTEIN PAPERS enables readers to experience the writings of Albert Einstein in unprecedented ways. Advance search technology improves discoverability by allowing users to perform keyword searches across volumes of Einstein’s writing and, with a single click, navigate between the original languages in which the texts were written and their English translations. Further exploration is encouraged by extensive explanatory footnotes, introductory essays, and links to the Einstein Archives Online, where there are thousands of high-quality digital images of Einstein’s writings.

The Tizra platform was selected for this project, according to Kenneth Reed, manager of digital production for Princeton University Press, because of its highly flexible, open, and intuitive content delivery approach, and its strong reputation for reliability. Equally important was creating a user-friendly reading experience.

“One of the reasons we chose Tizra is that we wanted to preserve the look and feel of the volumes,” said Reed. “You’ll see the pages as they appear in the print volumes, with added functionality such as linking between the documentary edition and translation, as well as linking to the Einstein Archives Online, and the ability to search across all the volumes in English and German.”

THE DIGITAL EINSTEIN PAPERS is an unprecedented scholarly collaboration that highlights what is possible when technology, important content, and a commitment to global scholarly communication are brought together. We hope you will join us in celebrating this achievement and invite you to explore Einstein’s writings with the links below. 

Work on THE DIGITAL EINSTEIN PAPERS was supported by the Harold W. McGraw, Jr. endowment, the California Institute of Technology, the National Science Foundation, the National Endowment for the Humanities, and the Arcadia Fund, U.K.

A Sampling of Documents Found in THE DIGITAL EINSTEIN PAPERS
“My Projects for the Future” — In this high school French essay, a seventeen-year-old Einstein describes his future plans, writing that “young people especially like to contemplate bold projects.”

Letter to Mileva Marić — The first volume of The Collected Papers of Albert Einstein revealed that the young Einstein had fathered an illegitimate daughter. In this letter to his sweetheart and future wife, Einstein, age twenty-two, expresses his happiness at the birth of his daughter Lieserl, and asks about her health and feeding.

Einstein’s first job offer — Einstein graduated from university in 1900, but had great difficulty finding academic employment. He received this notice of his appointment as a technical clerk at the Swiss Patent Office in June 1902 and would later describe his time there as happy and productive.

“On the Electrodynamics of Moving Bodies” — Einstein’s 1905 paper on the special theory of relativity is a landmark in the development of modern physics.

“On a Heuristic Point of View Concerning the Production and Transformation of Light” — Einstein received the Nobel Prize in Physics for this paper on the hypothesis of energy quanta.

The telegram informing that Einstein he has won the Nobel Prize — Einstein was traveling in the Far East when he officially learned via telegram that he had been awarded the prize. However, he had long been expecting the prize, as evidenced by a clause regarding its disposition in a preliminary divorce agreement from Mileva in 1918.

“The Field Equations of Gravitation” — Einstein spent a decade developing the general theory of relativity and published this article in late 1915.

To his mother Pauline Einstein — Einstein writes to his ailing mother to share the happy news that his prediction of gravitational light bending was confirmed by a British eclipse expedition in 1919.

To Heinrich Zangger, on the mercurial nature of fame — Having been propelled to world fame, Einstein writes to his friend about the difficulties of being “worshipped today, scorned or even crucified tomorrow.”

To Max Planck, on receiving credible death threats — Einstein writes that he cannot attend the Scientist’s Convention in Berlin because he is “supposedly among the group of persons being targeted by nationalist assassins.”

Four Lectures on the Theory of Relativity, held at Princeton University in May 1921 — On his first trip to the United States, Einstein famously delivered these lectures on the theory of relativity.

About The Collected Papers of Albert Einstein
The Collected Papers of Albert Einstein is one of the most ambitious publishing ventures ever undertaken in the documentation of the history of science. Selected from among more than 40,000 documents contained in Einstein’s personal collection, and 15,000 Einstein and Einstein-related documents discovered by the editors since the beginning of the Einstein Project, The Collected Papers provides the first complete picture of a massive written legacy. When completed, the series will contain more than 14,000 documents as full text and will fill thirty volumes. The volumes are published by Princeton University Press, sponsored by the Hebrew University of Jerusalem, and supported by the California Institute of Technology.


JOAQUIM NAMORADO NO MUSEU DO NEOREALISMO


ATIREM-SE AO AR

Informação recebida do Teatro Experimental de Cascais:

ATIREM-SE AO AR, de António Torrado

O Teatro Experimental de Cascais estreia no próximo dia 20 de Dezembro ATIREM-SE AO AR, uma divertida comédia sobre a travessia aérea do Atlântico por Sacadura Cabral e Gago Coutinho.

Escrita em 2003, ATIREM-SE AO AR é uma peça de António Torrado que recria a célebre viagem de hidroavião que Gago Coutinho e Sacadura Cabral efectuaram em 1922, um dos mais importantes feitos na história da aviação mundial. Misturando factos históricos com ficção, criando vilões e colocando uma anacrónica Beatriz Costa no enredo, o texto foi escrito a pensar no público mais jovem, como é apanágio do autor, um dos mais celebrados escritores de literatura infantil teatral no nosso país.
O dramaturgo Miguel Graça criou agora, a partir do original, a sua versão de ATIREM-SE AO AR, com novas personagens e um outro olhar sobre a peça de Torrado, salientando-se a meta-teatralidade e o carácter didáctico da peça, mas mantendo o lado cómico e irreverente da peça.

O espectáculo conta com a participação de jovens actores formados pela Escola Profissional de Teatro de Cascais (EPTC), nomeadamente de David Esteves e Raquel Oliveira, e conta ainda com a participação do experiente actor do TEC, Sérgio Silva. A encenação é de Pedro Caeiro, também formado pela EPTC, que assina a sua segunda encenação profissional, depois de CASSIOPEIA de Miguel Graça.

Esta nova abordagem de ATIREM-SE AO AR é tanto para os mais novos como para os mais velhos, uma vez que o espectáculo se centra não apenas na viagem histórica de Gago Coutinho e Sacadura Cabral, mas também nas complexas relações teatrais entre actor, personagem e meta-personagem.

 

ATIREM-SE AO AR estará em cena até ao final de 2014,
retomará depois em 2015, até 18 de Janeiro

ATIREM-SE AO AR de António Torrado - estreou a 20 Dezembro

versão cénica Miguel Graça
encenação Pedro Caeiro
cenário | figurinos Fernando Alvarez
música | som Gonçalo Alegria
desenho de luz Pedro Caeiro
assistência de ensaios Gonçalo Romão | Jorge Saraiva
Interpretação Bruno Ambrósio | Bruno Bernardo | David Esteves | Filipe Abreu | Gonçalo Alegria | João Cachola | José Condessa | Marta Correia | Raquel Oliveira | Sérgio Silva

 
Teatro Municipal Mirita Casimiro, Estoril | ESTREOU A 20 DEZEMBRO 
Dezembro: dias 20, 21, 27 e 28 | Sábado e Domingo - sempre às 16h00
Janeiro: dias de 3 a 18 | Sexta às 21h30 | Sábado às 16h00 e 21h30 | Domingo às 16h00

Preços
Normal 10€
Reduzido 7,5€ (séniores | jovens | estudantes)
Reduzido 5€ (grupos de mais de 10 pessoas | profissionais do espectáculo | estudantes de teatro)
À venda lojas Fnac | ticketline 1820

M/6

100 anos de Orpheu

Informação recebida da Comissão Organizadora do Congresso sobre os Cem Anos da revista Orpheu:

Está a ser preparado um dos maiores congresso internacionais de sempre sobre a revista Orpheu e o universo cultural, social e mental do tempo Fernando Pessoa. Este grande evento reúne os maiores especialistas internacionais e decorrerá em três prestigiadíssimas instituições: Fundação Calouste Gulbenkian em Lisboa, na Fundação Eng. António de Almeida no Porto e na Universidade de São Paulo.

Estão neste momento abertas as inscrições para apresentação de comunicação e para participação livre: www.100orpheu.com

Todos os interessados neste evento serão muito bem-vindos.
  

domingo, 21 de dezembro de 2014

PRIMOS GÉMEOS, TRIÂNGULOS CURVOS

Meu texto na contracapa do último livro de Jorge Buescu:

Os leitores da Ciência Aberta gostam tanto das estupendas crónicas de Jorge Buescu sobre Matemática
que esta já é o quinto volume delas nessa colecção. Depois do Mistério do Bilhete de Identidade, da Falsificação dos Euros do Fim do Mundo e dos Casamentos e outros Desencontros, os admiradores do autor, entre os quais me incluo, não vão perder outra colecção de grandes textos que levam a matemática, mesmo a mais avançada, a toda a gente.

Jorge Buescu já é o autor português com mais livros (cinco!). na Ciência Aberta, sendo o último tão estimulante como os anteriores. Obrigado Jorge e "venham mais cinco"!

sábado, 20 de dezembro de 2014

Três novas publicações de Classica Digitalia

Os Classica Digitalia têm o gosto de anunciar 3 novas publicações, com chancela editorial da Imprensa da Universidade de Coimbra e da Annablume (São Paulo).

Todos os volumes dos Classica Digitalia são editados em formato tradicional de papel e também na biblioteca digital. O eBook correspondente (cujo endereço direto é dado nesta mensagem) encontra-se disponível em acesso livre.

Série “Autores Gregos e Latinos” [Textos]

- Maria de Fátima Silva: Teofrasto. Caracteres. Tradução do grego, introdução e comentário (Coimbra e São Paulo, IUC e Annablume, 2014). 141 p.
URL: https://bdigital.sib.uc.pt/jspui/handle/123456789/176
DOI: http://dx.doi.org/10.14195/978-989-26-0900-3
PVP: 12 € / Estudantes: 9 €

- Reina Marisol Troca Pereira: Plauto. A Comédia do Fantasma (‘Mostellaria’). Tradução do latim, introdução e comentário (Coimbra e São Paulo, IUC e Annablume, 2014). 137 p.
URL: https://bdigital.sib.uc.pt/jspui/handle/123456789/177
DOI: http://dx.doi.org/10.14195/978-989-26-0896-9
PVP: 12 € / Estudantes: 9 €

- Reina Marisol Troca Pereira: Plauto. As três moedas ('Trinummus'). Tradução do latim, introdução e comentário (Coimbra e São Paulo, IUC e Annablume, 2014). 121 p.
URL: https://bdigital.sib.uc.pt/jspui/handle/123456789/178
DOI: http://dx.doi.org/10.14195/978-989-26-0898-3
PVP: 12 € / Estudantes: 9 €

Em nome da equipa editorial, a todos desejo excelentes festividades natalícias e promissoras entradas em 2015.

Delfim Leão
(Classica Digitalia)

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Céptico positivo na TEDxFCTUNL

A minha intervenção na TEDxFCTUNL:

A CRISE DA CIÊNCIA É O FACTO DO ANO NESTA ÁREA PARA O EXPRESSO



A crise na ciência em 2014 começou com os cortes brutais nas bolsas (cerca de 30%) e continuou com cortes ainda mais brutais nas unidades de investigação (cerca de 50%)

Ver http://leitor.expresso.pt/#library/expressodiario/18-12-2014/caderno-1/temas-principais/03_TP-REvista-do-Ano-Ciencia

Na foto: bolseiros em protesto. .

O DONO DISTO TUDO


Leia-se hoje no Público artigo de Teresa Firmino sobre o absurdo das quotas da FCT na "avaliação" das unidades de ciência nacionais: aqui.

Quando saírem as classificações, a maioria dos investigadores portugueses, quer tenham ou não sido devidamente reconhecidos neste simulacro de avaliação, não perdoarão ao ministro da Educação pelo défice de investimento na ciência: a actual gestão da FCT pretende diminuir de forma drástica a ciência nacional. Nuno Crato, com o alto patrocínio de Pedro Passos Coelho, mandou executar a "poda" de António Coutinho, que nos meios científicos já é conhecido, justa ou injustamente, por "o dono disto tudo".

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Parabéns Professor Galopim!


Parabéns ao nosso companheiro de blogue António Galopim de Carvalho, que acaba de receber mais uma homenagem: a atribuição do seu nome a uma escola básica de Évora: ler aqui.

UMA CONVERSA SOBRE DIPLOMACIA CIENTÍFICA

Uma conversa que tive com Sónia Arroz, que completou há dias a sua tese de mestrado sobre Diplomacia Científica, no ISEG- Lisboa:

P- Que importância atribuir à Diplomacia Científica na visão tecnológica e inovadora para o seu país e para a instituição onde desenvolve o seu trabalho?

 R- Confesso não conhecer bem o conceito. Mas, sendo a ciência e a tecnologia empreendimentos internacionais, funcionando elas através de redes internacionais, parece-me óbvio que as relações entre os países devem incorporar essa componente. Os governos, de uma maneira ou de outra, já o fazem. Agora parece-me também óbvio que o podem fazer muito mais. O nosso governo, para quem a ciência não me parece ser uma prioridade, pode em particular fazê-lo muito mais. Os ministérios da Educação e Ciência e dos Negócios Estrangeiros podem trabalhar muito mais em conjunto do que fazem hoje. A este respeito lembro que o Palácio das Necessidades, sede dos Negócios Estrangeiros, já foi uma moderna escola de ciências, a meio do século XVIII, quando estava ocupada pelos Oratorianos. Mas ouço falar de atrasos no pagamento de quotas de instituições internacionais em que Portugal participa. E, para além disso, da falta de suficiente apoio nacional nesses processos de cooperação. O sistema científico nacional alargou-se muito nas últimas décadas, internacionalizando-se em larga escala, e esse é um caminho em que não deveria haver recuos. Infelizmente há recuos

 No que respeita à minha instituição – a Universidade de Coimbra – ela está bastante internacionalizada, em particular na Europa e no Brasil. O seu nome é bem conhecido lá fora, até devido ao seu longo passado. Tem um importante número de alunos estrangeiros, muitos em cursos de ciência e tecnologia, que pretende agora aumentar através do Estatuto do Aluno Estrangeiro, dirigindo-se em particular ao Brasil e à China. O Ministério dos Negócios Estrangeiros bem poderia diligenciar no sentido de promover esta e outras Universidades nacionais, atraindo alunos. Estaria com isso a atrair o que poderíamos chamar “investimento estrangeiro” em Portugal. Faço notar, no entanto, que o Ensino Superior e a Ciência estão desligados, afectos como estão a duas Secretarias de Estado que não comunicam bem uma com a outra. As Universidades portuguesas vêem os seus centros de investigação tutelados pela Fundação para a Ciência e Tecnologia – FCT com evidente prejuízo da noção de autonomia universitária. Diria até que que a FCT tem uma ingerência intolerável na vida universitária portuguesa. Sendo assim, os esforços de “diplomacia científica” da Universidade parecem correr ao lado e não estar em sintonia com os esforços do mesmo tipo do governo. É uma pena que não haja a necessária convergência.

P-  Que objetivos normalmente se associam à ação da Diplomacia Científica?

R-  O objectivo de qualquer esforço diplomático consiste em promover relações de cooperação internacional, evitando e minimizando as tensões que sempre existem entre países diferentes. A ciência só pode ajudar a esse processo. Lembro, por exemplo, que em grandes instituições internacionais como o CERN, Laboratório Europeu de Pesquisas Nucleares, vemos cientistas de diferentes nacionalidades e culturas que estão irmanados nos processos de descoberta científica. A ciência é sempre um esforço cooperativo, que sempre se mostrou capaz de ultrapassar conflitos potenciais ou reais. Vejo a ligação entre ciência e de diplomacia de modo biunívoco: a ciência pode informar e ajudar a diplomacia, ao passo que a diplomacia pode informar e ajudar a ciência. Direi até que nos tempos modernos dificilmente se poderão imaginar ciência e diplomacia uma sem a outra.

P-. Identifique casos de sucesso e insucesso de Diplomacia Científica que conheça.

R-  Já referi o CERN, que resultou no pós-guerra de um processo em que a UNESCO e, portanto, as Nações Unidas intervieram. Mas pode-se referir a cooperação espacial internacional: as missões conjuntas dos EUA e da Rússia, como a Estação Espacial Internacional, com grande impacto mediático. Na Europa fala-se muito do Espaço Europeu de Ciência, mas penso que ainda não se atingiu um nível desejável de cooperação. O problema da Europa é a falta de união política, que se reflecte nos vários sectores da actividade europeia. No que respeita a Portugal parece-me que muito há a fazer, através da diplomacia científica, na cooperação com os PALOPS. Mais uma vez trata-se de uma união politicamente frágil, no qual o papel português é relativamente apagado, como mostrou a recente adesão da Guiné Equatorial. ´

P- Em Portugal quando, como e quem, exerce Diplomacia Científica?


R-  A diplomacia científica ainda é uma expressão pouco usada. Basta ir à Wikipédia e ver que não há tradução no nosso idioma do verbete em inglês. Mas, como disse, esse papel deveria caber conjuntamente aos Ministérios da Educação e Ciência e dos Negócios Estrangeiros, com uma palavra também do Ministério da Economia, que tem procurado e tido algum protagonismo na atracção de investimento estrangeiro.

P- Quem deverá exercer essa função? Um diplomata, um cientista, outro…? ´


P- Diplomatas que saibam ou aprendam alguma coisa de ciência. Ou cientistas que saibam ou aprendam alguma coisa de diplomacia. Faz aqui falta o aprofundamento da cultura científica, isto é, a ligação da ciência com a sociedade. A ciência não é uma ilha: relaciona-se com a educação, a economia, a saúde, a justiça, etc. Mas também com o que tradicionalmente se chama Negócios Estrangeiros. Foi no século XVIII, no tempo da Royal Society, dos Oratorianos e dos Jesuitas, que a ciência, através das sociedades científicas e das ordens religiosas, se tornou um empreendimento à escala internacional como é hoje. E foi nessa época do Iluminismo que a noção de cultura científica ganhou consistência. Lembro só que cerca de metade dos sócios portugueses do Royal Society foram homens de Estado e diplomatas (entre eles o Marquês de Pombal, mas também o Duque de Lafões, membro da família real, que viria a fundar a Academia das Ciências de Lisboa)

P-  Que competências e/ou orientações deverão ter um ator de Diplomacia Científica, para uma ação mais eficiente?

R-  Julgo que tem de saber de relações internacionais e ter a noção de ciência ue a cultura científica proporciona. E, claro, a experiência ajuda.

P-  Que paralelo encontra entre a sua atividade profissional e a ação de um “diplomata de ciência”?

R-  Já nem falo da minha actividade científica, que tem uma componente internacional. As relações de intercâmbio no plano da ciência são sempre enriquecedoras não só para os directamente envolvidos, mas também para os países que estão em jogo. Falo antes de uma parte da minha actividade profissional que tem sido a promoção a cultura científica. A FCT acabou com a área de “promoção da ciência”, minimizando a cultura científica. Mas a Agência Ciência Viva, com a qual colaboro, tem sabido promover a ciência e a tecnologia, com uma grande ligação internacional (bem visível na actual Presidência do ECSITE). Aceitei ser o coordenador em Portugal pelo Ano Internacional da Luz 2015 – uma iniciativa das Nações Unidas, com o apoio da Ciência Viva, que vai, em torno de um tema unificador, ligar países de todo o mundo. Vamos, metaforicamente claro, tentar trazer mais alguma luz ao mundo...


UNIVERSO VAZIO, COELHOS BRANCOS E OUTRAS HISTÓRIAS DE CIÊNCIA

O Observador anunciou com o título de cima  o último livro de António Piedade, "Íris Científica 2": aqui.

Transcrevo declarações que fiz aquele jornal que não chegaram a tempo de serem publicadas na pelça.
1. Como descreve António Piedade enquanto comunicador de ciência?

António Piedade é um excelente comunicador de ciência. Bioquímico de formação tem-se dedicado a essa actividade praticamente a tempo inteiro, dando o melhor de si, quer através de artigos, quer  de livros quer ainda de palestras. Destaco o seu papel na escrita de artigos de ciência para a imprensa regional, numa iniciativa do Ciência Viva, uma das actividades mais inovadores de divulgação científica entre nós. Muitos jornais regionais, por vezes paroquiais mesmo,  têm publicado os seus sempre oportunos contributos.  O António tem colaborado comigo na difusão da ciência: pertence ao colectivo do De Rerum Natura, o blogue português de ciência e cultura científica, com mais de 2500 leitores diários e, no Rómulo - Centro Ciência Viva da Universidade de Coimbra, tem organizado ciclos de palestras de outros divulgadores, como aconteceu com um recente em que entre outros Jorge Buescu e David Marçal foram convidados.
2. Qual a sua opinião sobre este livro em particular?

Depois do êxito de "Íris Científica 1", que tem sido utilizado por muitas escolas, o "Íris Científica 2" reúne algumas das melhores crónicas sobre ciência do António. A sua escrita está cheia de analogias que ajudam a prender o leitor. Aqui e ali chega a ter um tom poético, mostrando  que ciência e arte se podem cruzar com proveito para ambas as partes. Vou apresentar esse livro com todo o gosto no Rómulo. O livrinho é uma bela e barata  prenda de Natal para quem gosta de ciência.

           3-  Este tipo de livros contribuem para o aumento da literacia científica? Porquê?

Portugal continua a  ter um défice de cultura científica, apesar da maior atenção prestada à ciência pelos media nas últimas duas ou três décadas. A cultura científica passa completamente ao lado do actual governo, o que não pode deixar de ser estranhado uma vez que o ministro Nuno Crato cultivou essa actividade no passado. Quem o viu e quem o vê... A cultura científica tal como a história da ciência foram das primeiras áreas a ser cortadas neste insensato abandono da ciência. O ministro já soube mas esqueceu-se que não pode haver ciência sem apoio da sociedade à ciência e esse apoio exige uma maior literacia  da população. Livros como os do António Piedade contribuem decerto para isso.

Nota: O autor envia livros autografados pelo correio. Para isso solicite o seu exemplar pelo email apiedade@ci.uc.pt

Ciência e Inovação em Portugal

Meu artigo saído hoje no jornal I:


A ciência é, hoje em dia, indissociável da inovação, isto é, da transformação da sociedade. Ela tem impacto nas nossas vidas através de descobertas e invenções que ficam à disposição de todos. Na nossa civilização global, a ciência está por todo o lado: na saúde (a longevidade hoje é maior graças a avanços científicos), nas comunicações, nos transportes, na energia, etc. O impacto da ciência nas nossas vidas está, porém, longe de se restringir a aspectos materiais: a ciência é, primeiro que tudo, saber e, portanto, cultura.

Em Portugal, que beneficia da ciência que é feita por todo o mundo, também se faz ciência e inovação. Mas o esforço nesse sentido numa escala razoável é recente. Só desde há vinte ou trinta anos é que cresceu substancialmente o número de investigadores e o número de artigos científicos e protótipos tecnológicos. E só desde então cresceu a cultura científica, sem a qual a ciência dificilmente pode existir. A entrada da ciência nas empresas é ainda mais recente, apesar de haver alguns bons exemplos anteriores. Foi o estabelecimento de políticas públicas favoráveis à ciência e tecnologia que permitiu colocar Portugal no mapa da ciência. O nosso país subiu extraordinariamente nos rankings da ciência e tecnologia, tendo abandonado a cauda da Europa. Hoje, olhando para uma série de parâmetros, não estamos ainda na média europeia, mas estamos bem mais perto do que estávamos quando entrámos na União Europeia. De facto, foi a ajuda europeia que possibilitou essa escalada. Mas houve também a visão política de mobilizar uma parte ainda que diminuta dos financiamentos europeus em favor da ciência.

Estamos, sem dúvida, melhor do que estávamos. Mas devemos ter a ambição de querer mais, quer dizer, de atingir e até ultrapassar a média europeia. Impõe-se, por isso, uma reflexão sobre o estado da nossa Ciência e Inovação, assim como uma tentativa de prospectiva. Questões actuais são a avaliação do sistema científico-tecnológico, a ligação da ciência ao ensino superior, a ligação da ciência à economia (ligada de perto à questão do emprego científico) e a cultura científica. Subsistem problemas em todos essas vertentes: a recente avaliação da FCT está longe de ser perfeita, o ensino superior precisa de renovação, as empresas nacionais não albergam suficiente ciência (até porque empregam poucos cientistas) e a cultura científica deixa entre nós a desejar.

A Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS) tem por missão estudar Portugal, em particular a sua evolução recente com base em indicadores, como os que estão reunidos na PORDATA. A FFMS vai em breve anunciar o do estudo Ciência e Tecnologia em Portugal, 1995-2011: métricas e impactos, que mostra comparações internacionais em complemento de A Ciência em Portugal, um dos ensaios da Fundação. Aprofundando o debate em torno da ciência, a FFMS continuará em 2015 o seu ciclo de Conferências  de Ciência na sequência das que organizou na Universidade do Porto em 2013 e na Universidade de Lisboa em 2014, respectivamente com o Prémio Príncipe de Astúrias Pedro Echenique e o Presidente da Royal Society Paul Nurse. Interessa também à FFMS analisar a transferência de conhecimento científico para as empresas, para o que apoiará projectos nessa linha. Como entra a inovação nas empresas? Empresas inovadoras são, de facto, empresas mais bem sucedidas do ponto de vista económico? Como é a dinâmica, em casos exemplares, entre ciência e cconomia? Sendo também pertinente estudar a cultura científica da população, está já em curso um mini-estudo sobre esse tema: Que níveis de cultura científica existem em Portugal em comparação com outros países? Onde obtêm os cidadãos informação sobre assuntos científicos?  Por último, a FFMS gostaria de congregar numa plataforma os cientistas portugueses espalhados pelo mundo e de os convidar ao debate sobre o futuro da ciência e do país. Não é só a ciência que nos salva, mas sem o apoio constante da ciência estaremos perdidos.

Carlos Fiolhais

 Responsável pela área do Conhecimento na Fundação Francisco Manuel dos Santos

Cérebro e Leitura de Teresa Silveira – 2ª edição


Texto recebido do nosso leitor Augusto Kuettner de Magalhães:
Já saiu a segunda edição  do livro de Teresa Silveira, Cérebro e Leitura (Bloco Editora), muito necessária até por ter havido problemas com a primeira edição. É mais um dos livros que devem ser lidos neste tempo em que há tão pouca leitura, pelo menos completa, de livros.
O livro reflecte  sobre  a necessidade que todos termos de continuar a ler livros, ou começar a fazê-lo de modo regular caso ainda o não façamos. Decerto em casa, em família ou sozinhos, em vez de ver reality shows. O Cérebro a Leitura  de Teresa Silveira ajuda a:
 - Compreender os fundamentos neurocognitivos para compreender o comportamento do leitor no processo educativo.
- Reflectir, recorrendo a dados vindos das neurociências, sobre as potencialidades, mas também algumas limitações, da intenção de “educar” o gosto da leitura.
Assim, este livro de uma jovem autora ensina como se lê, abrindo o apetite à leitura.  O cérebro "trabalha" quando se está a ler.
Leia-se, além deste Cérebro e Leitura, por poderem ser de grande ajuda para as nossas vidas, dois livros de psiquiatras: de Daniel Sampaio O Tribunal é o réu - as questões do divórcio e de José Gameiro Até que consigas voar. E leiam-se outros livros, para podermos pensar melhor.
Augusto Küttner de Magalhães

CRATO, NOGUEIRA E A GREVE DE AMANHÃ



Nuno Crato desceu em pouco tempo de ministro mais amado para ministro mais detestado. Ele próprio foi o responsável por essa descida ao defraudar as expectativas nele depositadas. Lembre-se que ele foi levado aos ombros ao ministério pelos professores que agora, pasme-se, até já o comparam desfavoravelmente com Maria de Lurdes Rodrigues. O ministro da Educação (ele desistiu de ser ministro da Ciência e não merece esse nome) insiste todos os dias em descer mais baixo no apreço dos eleitores. Muito mal acolitado no ministério, insiste agora na realização de uma prova para professores que é inútil.  Sou dos que pensam que deve existir um processo de selecção dos melhores professores, o que hoje não é feito, mas a prova que o ministro inventou, com a cumplicidade executiva do IAVE (ex-GAVE, mas idêntico ao GAVE, só mudou o nome), não passa de um teste psicotécnico rudimentar que se destina a eliminar dos concursos uma meia dúzia de jovens. Também há uma redacção, além do referido teste, mas a ideia de eliminar pessoas com base no não cumprimento do acordo ortográfico é ignomiosa.

Um jornal económico nacional já colocou nas setas para baixo Nuno Crato e Mário Nogueira, um ao lado do outro. Amanhã provavelmente vão estar de novo equivalentes.  E assim vai a educação nacional, ignorando os verdadeiros problemas.

A LINHA DA LOUSÃ E O METRO DE COIMBRA


Há dias o primeiro-ministro Passos Coelho esteve em Miranda do Corvo e disse algo confuso sobre a possibilidade de ressuscitar a linha da Lousã, cujos carris foram em boa parte arrancados para serem vendidos a um sucateiro qualquer. Ninguém o levou a sério, pois em Miranda do Corvo e na Lousã já ninguém leva a sério promessas de políticos. O que se passou - a subtracção de um serviço público que funcionava - pode ser considerado um crime. Mas Passos Coelho acrescentou logo, que com ele não haveria  a concretização do programado metro de superfície de Coimbra, ligado à linha da Lousã (note-se que Passos Coelho é natural de Coimbra, mas, ao contrário de outros políticos, não quer saber da sua terra natal). Também em Coimbra já ninguém leva a sério promessas de políticos: havendo agora  fundos europeus e existindo projectos em carteira que poderiam modernizar áreas urbanas e suburbanas muito povoadas,  por que não se cumprem as promessas feitas?

POR UMA RTP PÚBLICA E DE QUALIDADE


Em Portugal deve existir uma televisão pública, tal como existe em Espanha, no Reino Unido, na França, na Alemanha, na Itália, etc. Seria uma singularidade lusitana a privatização da RTP. Repare-se no nome: é a Radiotelevisão de Portugal. E uma televisão é uma grande arma, talvez a maior, de defesa da língua, que é uma das coisas mais preciosa que temos. Concordo com  a desgovernntalização da RTP, o que se pode fazer com um Conselho Geral Independente. O actual Presidente da RTP foi nomeado pelo governo e o actual Conselho Geral da RTP não quer a continuação do Presidente, entre outras razões porque não gostou do modo como foi tratada a aquisição de direitos de futebol internacional (Champions League). Eu não sei se o governo passou uma rasteira ao Presidente, mas não me admiraria pois o actual governo não é sério. Sei que o Conselho Independente, composto por pessoas sérias, é sério. E não me importo nada que o Presidente actual seja destituído, em primeiro lugar por que não faz sentido nenhum a aquisição de direitos de futebol com dinheiros públicos (o circo de futebol não é serviço público!) e, em segundo lugar, porque a actual programação da RTP deixa muito, em qualidade, a desejar.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

CONFERÊNCIAS DO SOLSTÍCIO: CHEMTRAILS: UMA NUVEM SOBRE AS NOSSAS CABEÇAS

Informação recebida da Comunidade Céptica Portuguesa (COMCEPT):




O orador convidado é o engenheiro Jorge Pinto, engenheiro ambiental com vários anos de experiência no sector da aviação. Actualmente, é funcionário numa organização europeia de aviação, onde trabalha com questões ligadas aos impactos ambientais do sector da aviação.

O tema dos chamados chemtrails, na verdade contrails (ou rastos de condensação), já foi várias vezes abordado no site da COMCEPT e desperta geralmente muitos comentários e polémica. Esperamos com esta conferência, seguida de debate, poder contribuir para o esclarecimento de dúvidas e aclaração os factos acerca dos rastos que observamos no céu.

NÃO À PRIVATIZAÇÃO DA TAP

Já assinei o documento contra a privatização da TAP, promovido por António Pedro Vasconcelos e outros. Também eu me insurjo contra a entrega a privados do que devia ser considerado património nacional ou meio indispensável à afirmação desse património. É o mesmo governo que, na ciência, quer dar boa parte dos recursos públicos a entidades privadas, que se prepara para entregar a TAP a particulares. O actual governo não tem uma réstia de patriotismo, que é algo que não é de direita nem de esquerda, mas sim a afirmação da nossa identidade.

ÍRIS CIENTÍFICA 2 - UM NOVO OLHAR SOBRE A CIÊNCIA

Com a devida vénia e agradecimento, transcrevo a recensão crítica que o Biólogo e Comunicador de Ciência João Lourenço Monteiro fez do meu novo livro.




Foi recentemente publicado o livro Íris Científica 2. Trata-se de um novo livro de divulgação de ciência, da autoria do bioquímico António Piedade.

O autor baseou-se nas crónicas de ciência que tem escrito para a imprensa e editou-as de modo a se adaptarem ao formato de livro. Parece redundante dizer isto mas o autor começa pelo princípio, isto é, pelo início da formação do Universo e pelo vazio, para logo de seguida falar da matéria e do tempo. De seguida, dedica uns capítulos à saúde humana, permitindo-nos revisitar temas científicos atuais e que tanto interesse suscitam, disponibilizando interessantes explicações sobre cromossomas, diabetes, bactérias, vírus, reprodução e a estrutura do cérebro.

Outro tema caro ao autor, e que tem destaque neste livro, é a astronomia, assunto que também merece a atenção ao longo de vários capítulos. Aqui, podemos ler sobre a pesquisa de exoplanetas, área de pesquisa em que equipas portuguesas têm dado cartas, investigação espacial e fenómenos astronómicos como as chuvas de estrelas.

Do espaço, o autor retorna à Terra para voltar a falar de biologia e de temas relacionados com estratégias de sobrevivência e de adaptação à natureza: formigas que estreitam relações com acácias, rãs que sobrevivem a temperaturas negativas e o percurso evolutivo dos coelhos europeus.

O livro termina com um final emotivo, com texto de homenagem a Marie Curie e dois textos inspirados em poemas de António Gedeão, pseudónimo do professor Rómulo de Carvalho que foi um homem do conhecimento ligado à divulgação de ciência – no dia do seu aniversário, celebra-se o Dia Nacional da Cultura Científica.

Este é mais do que um livro sobre ciência, é uma obra que é um serviço público, pois o António Piedade foi basear-se em artigos científicos, aos quais geralmente apenas os académicos têm acesso, e transformou esse conhecimento em textos compreensíveis para o cidadão comum. Muitos desses artigos refletem a pesquisa de ponta que se faz no nosso país e, por isso, está também a divulgar o melhor da investigação nacional. Neste sentido, e apenas a título de exemplo, saliento a pesquisa realizada por Miguel Carneiro do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO-InBIO), e restante equipa, sobre o processo de domesticação do coelho-bravo e cujos resultados foram publicados em prestigiadas revistas internacionais como a Molecular Biology and Evolution.

Através deste livro, o autor pretende dar continuidade a um projeto que iniciou em 2005, com o primeiro volume de Íris Científica e que terá continuidade no futuro, como revela na introdução. Com este, já são quatro os livros de divulgação publicados por António Piedade. Pois, que venham mais.

João Lourenço Monteiro (Biólogo e Comunicador de Ciência)


NOTA: Envio livros devidamente autografados pelo correio desde que me sejam solicitados (apiedade@ci.uc.pt). 

A INVESTIGAÇÃO E AS EMPRESAS, SEGUNDO PASSOS COELHO

Para além do imperativo eugénico, de escolha artificial de espécies a eliminar, em nome de uma mal-definida ideia de "excelência", o actual governo tem outro leit motiv na sua política de ciência. O do favorecimento, com dinheiros públicos, do sector privado. Está provado que o governo adora o privado (vide o caso recente da TAP). É uma escolha política, com certeza: nas próximas eleições será perguntado aos cidadãos se desejam que o dinheiro dos seus impostos continue a ser directa ou indirectamente entregue aos empresários. Na intervenção de Passos Coelho no Congresso dos Jotas em Braga, naquilo que o jornal Expresso chamou "Aviso à Investigação", a mensagem é muito clara, por uma vez sem erros de gramática (admito que a vírgula esteja certa, o que significa que Passos Coelho identifica Portugal com as empresas):

"Passos apontou ainda um destino para a investigação em Portugal."Essa investigação tem que estar ao serviço das empresas, de Portugal", referiu."

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/passos-lanca-aviso-a-investigacao-cientifica=f902615#ixzz3M9NttAWp


Portanto, mesmo as Unidades de Investigação que sobrevivam nesta "segunda fase" da "avaliação", já sabem o que as espera: colocarem-se ao serviço das empresas. Terão de parar os seus programas de investigação e ir perguntar aos empresários o que eles querem que elas façam. Terão, logo à partida, de abandonar a investigação fundamental e, Passos Coelho dixit com a sua voz possante (Portas e Pires de Lima cantam em coro), dedicar-se à investigação aplicada. A palavra "excelência" na boca do PSD e CDS significa dar aos privados não só o dinheiro do Orçamento do Estado mas a própria agenda da investigação.

A EUGENIA DO GOVERNO PSD-CDS NA CIÊNCIA


A bióloga Filipa Vala, num artigo no Le Monde Diplomatique, e  o economista, especialista em inovação e desenvolvimento, Ricardo Paes Mamede, no blogue O Ladrão de Bicicletas, usando uma metáfora de base científica, chamaram a atenção para um ponto muito interessante: O actual governo prefere a eugenia ao darwinismo no que respeita ao apoio público às unidades de investigação. Prefere fazer a selecção artificial daqueles que ele julga mais fortes (não se trata de selecção natural, pois para isso há leis próprias!) a permitir uma saudável biodiversidade, o ambiente donde, mostra toda a história natural, podem irromper surpresas criativas. É uma política errada, muito errada. Ainda por cima perpetrada por algumas pessoas que tinham obrigação de saber algo sobre Darwin.

Pode perguntar-se: Mas então não há uma "maioria PSD-CDS" e não pode essa maioria fazer o que quer, o que lhe dá na real gana? Não, o voto democrático não justifica tudo, porque a democracia tem regras. Uma primeira regra é que o Parlamento tem de aprovar explicitamente uma política geral do governo numa dada área, como é a da Ciência. E o PSD-CDS não ofereceram ao Parlamento a escolha entre eugenia e darwinismo. Ao invés, o governo resolveu esconder de toda a gente uma quota de 50% para eliminação pura e simples de metade das unidades de investigação nacionais. O governo escolheu a eugenia, mas teve vergonha da sua escolha. Fez tudo às escondidas até que foi apanhado pelos cientistas, pelos jornalistas e pela opinião pública. Depois houve outras violações graves das regras do Estado de Direito, indissociável do conceito de Estado Democrático. O governo atropelou a lei e os regulamentos criados por si próprio para atingir os seus sinistros objectivos. O Decreto-Lei 125/99 que regula a avaliação, obrigando a visitas a todas as unidades não foi respeitado. E os regulamentos criados ad-hoc pela própria FCT foram sucessivamente atropelados, pois o objectivo único era o cumprimento da quota eugénica: e foi assim que vimos poucos "avaliadores", não especialistas nas áreas que estavam a "avaliar", a servir de meros executores de uma política errada. O governo PSD-CDS serviu-se e está a servir-se da ESF para cumprir na prática o seu programa de exterminação da investigação.

Não há quem nos proteja num Estado de Direito? Sim, há, felizmente. Do ponto de vista político, as maiorias são temporárias e medidas extremas, como esta de eugenia, teriam de ter um consenso mais alargado do que a que tiveram para poderem ser eficazes. Assim, terão de ser revertidas pelo próximo governo. Aliás, o líder da oposição já anunciou atenção especial à ciência, em especial à criação de emprego científico, e nisso é seguido por outros partidos e até, tudo leva a crer, por alguns sectores dentro do PSD e do CDS que não se revêem na política eugénica de Passos Coelho e Portas para a ciência (não estou a isentar Crato de culpas, ele tem-as - toda a gente incluindo ele sabe que as tem - mas estou a falar do problema político e aí as responsabilidades maiores pertencem aos líderes partidários). Por outro lado, os tribunais, tenho confiança neles, tratarão, infelizmente num prazo que é mais lento do que o da política, de punir os responsáveis pelas irregularidades legais em todo este processo e de compensar os prejudicados pelos danos causados. Actos ilegais terão de ser declarados nulos, ressarcindo os prejudicados. Poder-se-á perguntar como é que se vão ressuscitar "espécies extintas" pela estúpida mão humana? Bem, a resposta é que a ciência em Portugal já é suficientemente forte para sobreviver à tempestade como foi aquela que se abateu sobre ela no ano de 2014 e que o PSD-CDS tentarão disfarçar de prenda de Natal, ao afirmarem que, extintos alguns centros numa "primeira fase", outros afinal ainda estão vivos e alguns até muito vivos. Em 2015 tudo será melhor, pois pior seria muito difícil.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

GRADUADOS PORTUGUESES NO ESTRANGEIRO REÚNEM EM LISBOA


Informação recebida do Fórum Anual de Graduados Portugueses no Estrangeiro (GraPE):

"A Comissão Organizadora do GraPE2014, em nome da AGRAFr, da ASPPA, da PAPS e da PARSUK prepararam o GraPE2014, 3º Fórum Anual de Graduados Portugueses no Estrangeiro, a realizar sábado, dia 20 de Dezembro de 2014, no Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa das 14h00 às 19h30. As inscrições encontram-se abertas no website http://www.grape.pt

O GraPE2014 surge no seguimento dos colóquios ‘Percursos em Ciência: Diversidade contra a Adversidade’ (Lisboa, 2012) e ‘Migrações Científicas: Ir e Voltar’ (Porto, 2013) que acolheram cerca de 150 participantes, tendo contado com a presença de oradores ilustres como António Coutinho (antigo Diretor do Instituto Gulbenkian de Ciência), Nuno Crato (Ministro da Educação e Ciência) e Miguel Seabra (Presidente da Fundação para a Ciência e Tecnologia).

Na edição deste ano o tema do colóquio é “Portugueses sem Fronteiras: Criatividade e Inovacão”. Partindo de casos de sucesso, de inovadores portugueses que saíram à descoberta de oportunidades no mundo nas mais variadas áreas profissionais (ciência, cultura, gestão, tecnologias), pretende-se que o GraPE2014 seja uma plataforma para reflexão sobre o estado actual do empreendedorismo em Portugal e como podem as boas práticas identificadas no estrangeiro contribuir para um ainda maior crescimento do potencial inovador do nosso país. Entre os vários convidados, contamos com a presença de Jorge Portugal (Presidência da República), Ana Ventura Miranda (Arte Institute, EUA), Joana Moscoso (Native Scientist, UK), Maria Pereira (Gecko Biomedical, França), Pedro Santos Vieira (GoodGuide, EUA), Francisco Veloso (Católica-Lisbon School of Business and Economics), Tiago Carvalho (LabOrders), José Franca (Portugal Ventures), Carlos Vinhas Pereira (Câmara de Comércio e Industria Franco-Portuguesa, França), António Câmara (YDreams) e contará com a moderação do jornalista Nicolau Santos (Expresso).

Para mais informações consulte o nosso website em http://www.grape.pt."

CONCERTO CÓSMICO EM COIMBRA



LANÇAMENTO DE TRÊS LIVROS INFANTIS NO RÓMULO


VICTOR HUGO FORJAZ FALA SOBRE VULCÕES NO EXPRESSO


UM JOTA ENTRE OS JOTAS


É já sabido que o actual primeiro-ministro tem muita dificuldade em exprimir-se, em resultado talvez da sua prolongada estada na JSD e de por isso ter concluído os estudos fora do prazo normal. Sempre que fala de ciência experimenta naturais dificuldades. Não percebe praticamente nada do assunto (nem tem nenhum assessor bem informado para o socorrer) e improvisa umas frases desalinhadas. Nas duas transcrições de baixo do discurso de Passos Coelho, um ex Presidente dos Jotas, aos actuais Jotas, reunidos em congresso em Braga este fim de semana, para além da gramática infeliz ("é  infalível que o que não é devidamente auditado e avaliado,  dá asneira pela certa") há erros substanciais. Assim:

1) Não é verdade que só as instituições científicas "muito boas ou excelentes" terão financiamento estatal. As excepcionais e as boas também terão, segundo a FCT. Ou o primeiro-ministro desconhece o esquema de financiamento da FCT ou a FCT está a desobedecer às instruções do primeiro-ministro. 

2) Uma avaliação não é uma auditoria: os dois instrumentos têm finalidades e métodos completamente distintos. Quererá Passos Coelho fazer uma auditoria à ciência nacional? Muito bem, pode começar pela FCT, que tem mostrado comportamentos ilegais, incluindo a não divulgação atempada nos lugares de estilo dos seus contratos. Além disso a dita avaliação (para ele auditoria) não é universal pois não abrange, por exemplo, os Laboratórios de Estado.

3) A actuação do governo na área da ciência é precisamente o oposto de exemplar e, por isso, a avaliação que está a realizar tem sido sujeita a uma chuva incessante de críticas nacionais e internacionais. Será que Passos Coelho não leu a carta dos Reitores? Ou não lê jornais nem tem ninguém que os leia e lhe faça um resumo? Aparentemente, o seu ministro da Educação (da Ciência não há ministro) não o tem informado devidamente.

4) A ciência não tem que estar ao serviço das empresas. As empresas podem decerto retirar benefícios da ciência mas essa visão utilitarista da ciência não faz qualquer sentido nem aqui nem noutro lado. Nem aliás a referida "avaliação" levou isso em conta através de parâmetros justos e credíveis. Quanto à ciência dever estar ao serviço dos portugueses é uma afirmação correcta, mas seria ainda mais correcta se tivesse dito "ao serviço da humanidade". Os cientistas portugueses podem ajudar a resolver problemas específicos dos portugueses, mas acima de tudo o seu fito deve ser resolver problemas que a humanidade enfrenta. 

Enfim, tivemos apenas um Jota que, entusiasmado por estar entre os seus, nem reparou que estava a ser ouvido pelos portugueses.  As juventudes partidárias têm assegurado a lamentável perpetuação de uma classe política sem suficiente preparação intelectual  nem, o que é pior, sem o adequado sentido de Estado. E, sobre a regeneração dos partidos políticos, a começar pelas respectivas juventudes, o líder não disse uma única palavra.

VISÃO:

Braga, 14 dez (Lusa) - O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, avisou hoje que apenas as instituições de investigação científica classificadas como "muito boas ou excelentes" pela auditoria externa que está a ser realizada vão ter financiamento.
"Recorremos a peritos internacionais (...) para fazerem a avaliação externa das nossas instituições científicas e decidimos que aquelas que não forem muito boas ou excelentes terão apenas apoio para funcionamento e que só aquelas que forem muito boas ou excelentes terão mesmo financiamento", afirmou Pedro Passos Coelho em Braga, para encerrar o XXIII congresso da JSD.
O líder do PSD, que garantiu que nenhuma instituição está "acima" daquela auditoria, justificou a opção de financiar apenas as melhores instituições com a necessidade de ter "garantias" que o dinheiro disponível será utilizado para "produzir a melhor" investigação.

http://visao.sapo.pt/passos-coelho-avisa-que-so-investigacao-muito-boa-ou-excelente-sera-financiada=f804494#ixzz3M0pxWZmN


PÚBLICO:

Passos Coelho apontou a área da investigação científica com o exemplar (sic)  da visão do executivo para o país. “Estamos a conseguir aplicar melhor o nosso dinheiro e a avaliar melhor as instituições”, defendendo que a muito critica  (sic) avaliação internacional dos centros de investigação promovida pela Fundação para a Ciência e Tecnologia. “Não há sistemas infalíveis, mas é infalível que o que não é devidamente auditado e avaliado, (sic a vírgula) dá asneira pela certa”. O país precisa de “melhores garantias” de que o dinheiro do país vai ser aplicado para fazer melhor investigação, defendendo ainda que a ciência deve estar “ao serviço das empresas e dos portugueses”.http://www.publico.pt/politica/noticia/passos-volta-a-desafiar-ps-para-discutir-sustentabilidade-das-pensoes-antes-das-legislativas-1679386

(na imagem, Passos Coelho no seu tempo da JSD, quando combatia a "tecnocracia" de Cavaco Silva)