quinta-feira, 18 de outubro de 2007

Nano iPod para breve?



No próximo número da revista «Nano Letters», disponibilizado online hoje, podemos ver a descrição do primeiro nanosistema funcional que recebe ondas de rádio e as converte em som através de um dispositivo feito de nanotubos de carbono. A espessura do AM demodulador desenvolvido por dois cientistas da UCIrvine (entre San Diego e Los Angeles) é milhares de vezes menor que o diâmetro de um cabelo humano.

Embora outros cientistas tenham desenvolvido demoduladores de rádio à escala nano, o dispositivo de Peter Burke e Chris Rutherglen é o primeiro a ser incorporado com sucesso num sistema rádio completo.

Uma possível fonte de energia de um eventual nanorádio que utilize este demodulador foi apresentada hoje na revista Nature. O artigo «Coaxial silicon nanowires as solar cells and nanoelectronic power sources» descreve uma nano célula solar que usa fios de silício 200 vezes mais finos que um cabelo humano. Estas nanocélulas fotovoltaicas desenvolvidas em Harvard podem produzir energia quer para nanoaplicações quer para aplicações a escalas macro. Aliás, outra equipa do CalTech mostrou recentemente que os nanofios de silício são muito promissores na produção de energia renovável em técnicas de baixo custo.

A equipa de Harvard pretende focar a investigação futura nas potencialidades de integração das suas células solares em nanocircuitos. Agora é só desenvolver os restantes nanocomponentes e teremos «um nanosistema de comunicações wireless verdadeiramente integrado» cujas aplicações não se restringem à que dá título ao post.

1 comentário:

Anónimo disse...

Em vez do Ipod Nano da Apple vamos ter em breve um nanoIpod a sério :)

Só espero que o preço também seja nano...

A da nova tecnologia para produzir células fotovoltaicas de silício mais baratas é bem interessante! Neste momento não há silício para as encomendas e o preço upa, upa...

NOVOS CLASSICA DIGITALIA

  Os  Classica Digitalia  têm o gosto de anunciar 2  novas publicações  com chancela editorial da Imprensa da Universidade de Coimbra. Os vo...