quarta-feira, 24 de outubro de 2007

BEIJO ARDENTE

Transcrevo, do livro de Luís Bernardo, "Histórias da Luz e das Cores", vol. 2, Editora da Universidade do Porto, que acaba de sair, um delicioso trecho da autoria de um jornalista francês, Henri de Parville, que em 1862 fez o relato da sua visita ao laboratório dos químicos alemães Robert Bunsen e Gustav Kirchhoff:

"Diante de nós abre-se uma grande sala cheia de instrumentos bizarros, de garrafas e de retortas. Lunetas e telescópios elevam-se nos seus tripés; espelhos deslumbrantes enviam de todas as partes a sua claridade fantástica; pequenos fogos vermelhos de fogo crepitante na sombra e de clarões estranhos correm ao longo dos muros. Um ruído surdo e lúgubre escapa-se, por instantes, da abóbada sombria e lança, sobre vós, como que o estertor de um moribundo. Esferas cheias de líquidos de diferentes cores exalam um odor penetrante que se agarra à garganta e que vos provoca deslumbramentos. Metais em fusão arrefecem sobre as lajes e, com um tão ardente beijo, a pedra contorce-se".

Na foto: o famoso beijo de Deborah Kerr e Burt Lancaster, de que falou a Helena.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

A DIFÍCIL ARTE DE ADMIRAR

Por Eugénio Lisboa Aquele que deseja a rosa deve respeitar o seu espinho André Gide  A admiração é algo de nobre, mas esconde compartimentos...