quinta-feira, 5 de abril de 2007

FÍSICA E POESIA

Para muita gente a física está nos antípodas da poesia. São evidentemente diferentes: a física provém do mundo exterior ao passo que a poesia provém do mundo interior. Mas, por outro lado, têm coisas em comum: ambas são expressões da criatividade humana e ambas têm, embora cada uma à sua maneira, um ideal estético.

Não é muito comum mas ocorre haver pessoas que são ao mesmo tempo físicos e poetas. O caso mais conhecido é o do professor de Ciências Físico-Químicas Rómulo de Carvalho que adoptou o pseudónimo literário de António Gedeão. Sob o seu patronato foi instituído o Dia Nacional da Cultura Científica, que tem lugar todos os anos em 24 de Novembro. Mas Rómulo de Carvalho/ António Gedeão não está sozinho...

Uma professora de Ciências Físico-Químicas do ensino secundário numa escola do Porto, Regina Gouveia, faz interessantes poemas de inspiração científica tal como António Gedeão. O seu trabalho pedagógico na área da Física valeu-lhe em 2005 o Prémio Rómulo de Carvalho atribuído pela Sociedade Portuguesa de Física.

De Regina Gouveia escolhi o seguinte poema, onde parece clara a influência de Gedeão:

IMPULSÃO


Arquimedes
não descobriu Ganimedes,
que é uma lua.
Diz a lenda que saiu nu para a rua,
Gritando Eureka, Eureka,
Com enorme satisfação.
Acabara de descobrir a impulsão.
E é essa a principal razão
Por que, volvidos mais de dois mil anos,
Navios continuam a cruzar os oceanos.

5 comentários:

  1. Sugestão - vão publicando mais Poesia desta ou de António Gedeão (ou porque não, de Miguel Torga ou de outros autores que unem harmoniosamente Ciência e Poesia...).

    ResponderEliminar
  2. eu que pensava que Einstein, por fim, fazia poesia com linguagem matemática. Seria possível ?

    ResponderEliminar
  3. A poesia deve ser tão"humana", que sou capaz de não conhecer ninguém que nunca tenha feito um poema na vida, físico, maquinista, coveiro, professor, aluno...Porquê este "corte" e "raridade" ?

    ResponderEliminar
  4. Estará a fazer afirmações provocativas ao separar exterior/interior? Talvez a física provenha mesmo de uma grande imaginação/intuição interior (?) à qual eu, por exemplo, nunca chegaria.

    ResponderEliminar
  5. Duas personagens agem ao infinito
    evoluídas a do verso, outra o mito
    sinfonias do contido ao desencanto
    surgem como vento, alma e lamento

    que plenitudes tivera a face por lida
    singela e vestida tam farta esperança
    nos outeiros a terra soçobra, inventa
    ecoa no gesto dos canoros a herança

    na chama do tempo e como agiganta
    rumor é lamento e a forja privilegia
    na dança das horas a flauta da relva

    e no céu o termo vibrando eleva
    ouvindo o eco na melodia a elegia
    que a orquestra régia, fogosa canta.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.