quarta-feira, 29 de abril de 2009

Vale a pena ler

O Culto do Amador, de Andrew Keen
Tradução de Maria Luiza X. de A. Borges
Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009, 208 pp.
What you may not realize is that what is free is actually costing us a fortune,” Mr. Keen writes. “The new winners — Google, YouTube, MySpace, Craigslist, and the hundreds of start-ups hungry for a piece of the Web 2.0 pie — are unlikely to fill the shoes of the industries they are helping to undermine, in terms of products produced, jobs created, revenue generated or benefits conferred. By stealing away our eyeballs, the blogs and wikis are decimating the publishing, music and news-gathering industries that created the original content those Web sites ‘aggregate.’ Our culture is essentially cannibalizing its young, destroying the very sources of the content they crave.” Recensão no NYT.

15 comentários:

  1. Desidratado e Murcho29 de abril de 2009 às 21:45

    Notícia de última hora:

    MICROSOFT começa a dar garantia nos seus produtos.De modo a garantir a sua competitividade contra sistemas operativos livres como o Linux ou os BSD, a MICROSOFT vai começar a dar garantia de todo o seu software especificando exactamente aquilo que é suposto fazer e indemnizando o consumidor quando o fim para o qual está previsto não é cumprido.

    Com esta garantia espera distanciar-se de produtos amadores e de qualidade inferior que nem sequer admitem qualquer tipo de aplicabilidade explícita ou implícita e muito menos se responsabilizam por danos.

    ResponderEliminar
  2. Em que medida um comentário destes permite uma discussão honesta?

    ResponderEliminar
  3. São as tais creças dos crentes...
    E não é por essa merda ser escrita por camones que vai bater certo, basta ler o que vai por aí escrito em camonês para ver que eles própros não se entendem sobre o assunto, não é preciso mais um tuga ir meter o nariz.

    Numbers, numbers... encontrei alguns rapidamente:

    Livros - no UK os livros cada vez vendem mais, embora haja uma paragem de crescimento em 2008, mas é a crise, que é que se vai fazer, porque de resto tem vindo sempre a crescer, desde 2001, e o filho da puta do google já por aí andava a tentar roubar os autores. Não me apeteceu pesquisar outros paises, acho suficiente.

    http://www.booksellers.org.uk/industry/display_report.asp?id=3260

    Discos - Nos USA's parece que os cd's estão a levar um tombo do caralho, o que é normal, estamos na era do digital, digital que cresceu... 32%!!! Tó diabo! Ó Desidério, então os putos não iam roubar tudo e deixar de comprar música?! Ó pá, se calhar estás enganado! Há estimativas que dizem que mesmo que a venda de cd's continuar a descer assim, mas que se o digital continuar a crescer como tem crescido, dentro de 5 anos as vendas vão bater todos os records de sempre.
    Toma lá os numbers:
    http://www.cookiemarenco.com/index.php?option=com_content&view=article&catid=38:news&id=78:music-sales-by-nielsen-soundscan-2008&Itemid=77

    E as opinions:
    http://mashable.com/2008/06/20/cd-sales-fall-faster-than-digital-music-sales-rise-or-do-they/

    Mas isto são só previsões, claro, e como eu não tenho queda para bruxo, não digo nada, só tenho o presentimento que tudo vai correr bem, que é evidente que a indústria discográfica (digitalográfica?) não vai morrer, antes pelo contrário.
    Os livros continuam de boa saúde, não sei porque é que andas tão preocupado, porque nunca se venderam tantos!
    Ó Desidério, e se te deixasses disto, e se fosses fazer uma traduçãozinha, porque olha que eu acho que tu percebes pouco disto. Não te atrapalhes, homem, os livos lá se irão vendendo, não os teus, claro.
    Até logo, chavalo!

    Como é que vão as chavalas? Vale a pena ir a Ouro Preto, ou quê?

    Rolando, Victor, Bobi, larguem as calças, chô, chô, voltem para as casotas!

    luis

    ResponderEliminar
  4. «Anónimo disse...

    Em que medida um comentário destes permite uma discussão honesta?
    29 de Abril de 2009 21:51»
    Na exacta mesma medida em que os últimos POSTs do Desidério sobre este assunto permitem.

    Percebe?

    ResponderEliminar
  5. Sem estes posts não poderíamos discutir estes assuntos aqui. Mas com este nível realmente não apetece vir aqui discutir.

    Percebe?

    ResponderEliminar
  6. Olha, o nível (social, de erudição ou de outra treta qualquer) não tem relevância para a qualidade da discussão.

    Podes ler um dos vários POSTs que o Desidério já escreveu (e bem) sobre isso. (aconselho os sobre o insulto).

    Por isso mantenho, o comentário é tão relevante e completamente ajustado aos últimos POSTs do Desidério sobre isto.

    ResponderEliminar
  7. A edição portuguesa deste livro já foi referida num post no DRN:
    http://dererummundi.blogspot.com/2008/05/o-culto-do-amadorismo.html
    Carlos Fiolhais

    ResponderEliminar
  8. Caros,

    Embora perceba que o luis tenha perdido a paciência (eu também), vejo alguns méritos nas criticas feitas à forma do seu comentario ai em cima, na medida em que os excessos formais acabam por ocultar o essencial :

    Ele tem perfeitamente razão quanto ao fundo e os numeros que ele da permitem responder definitivamente às objecções mencionadas no post. O que é certo é que existem obvios interesses em manter algumas rendas de situação. Enquanto isto existir, havera livros como este, e reacções como a do Desidério.

    ResponderEliminar
  9. Não li o livro e por isso não vou comentar apenas baseado no pedaço escolhido de certo a dedo pelo Desidério.
    No entanto duas notas, a primeira para dizer que confunde :
    Google--> Motor de busca
    YouTub --> parilha de vídeos legais e respeitando direitos de autor
    MySpace  redes sociais onde as pessoas publicam o que querem sobre elas e amigos, fotos, vídeos
    Craigslist  centralizador de blogs, anuncios etc
    and the hundreds of start-ups hungry for a piece of the Web 2.0 pie

    A forma de apresentação da suposta “lista do mal” , o grupo de canibais não podia ser mais heterogéneo , aliás mais meia dúzia de exemplos e seria a internet toda.
    No fundo é apenas a velha argumentação de que o que se faz não tem qualidade, são todos amadores ( grande novidade) e depois fica-se primeiro com a sensação de que ele acha que aquilo deveria ser só para profissionais ( para pessoas como ele) e depois que não faz ideia nenhuma da solução.
    Para ouvir esta argumentação basta entrar no primeiro café que temos o material para livros sobre justiça, politica, agora até a economia, banca, distribuição, informática com o Magalhães, temos opiniões destrutivas, ácidas, negativas e sem futuro para todos os gostos. Soluções ? para evitar o lugar comum dos sete Salazares , das prisões e afins digo que nunca ouvi nada que tivesse pés e cabeça. Todos tem em comum a ideia do “antigamente era melhor”.
    Francamente a mediocridade intelectual não pode descer muito mais.

    Fui ver e numa entrevista este imbecil revela-se “I fully admit to being an elitist. I believe in a strictly meritocratic society of experts, one is which creative ability is rewarded.”
    É o que eu disse desde o início um sublime elitista que despreza todos os outros , apenas que ele parte do princípio ser um dos eleitos : ))), um imbecil que escreve cito:
    I am not alone in joining up the dots between Karl Marx and Web 2.0. Slavoj Zizek, the brilliant scholar of Alfred Hitchcock and Sigmund Freud, also recently drew the parallel between technology utopians and Marxists who he calls "liberal communists:"
    “So who are these liberal communists? The usual gang of suspects: Bill Gates and George Soros, the CEOs of Google, IBM, Intel, eBay, as well as court-philosophers like Thomas Friedman.”

    Duas notas finais, primeiro este é mais uma rasteira do Desidério que deveria ler coisas com mais nível, segundo é um recado para o Desidério e este elitista: “ A net é feita pelo Internautas, não pelas vossas opiniões, e nós , o povo, somos quem manda aqui. Escrevemos mal, arrotamos digitalmente e até largamos as flatulências da nossa falta de cultura. Mas, ao menos sabemos pesquisar e cruzar informação e descobrir o que se publica sobre o mesmo tema e torna-se difícil engrupir o pobão com acesso à net.”

    Deixo o contraditório, do fundo da minha profunda ignorância

    http://www.mathewingram.com/work/2006/02/17/nick-carr-is-a-smart-guy-but-hes-wrong/

    ResponderEliminar
  10. Um equídeo que mete no mesmo saco Soros e Bill gates só quer mesmo ser desonesto , ao menos tem alguma piada.

    ResponderEliminar
  11. Mas tem um blog, claro que como tudo é defensável diz do alto do púlpito
    :
    A: I'm certainly not being hypocritical. I think I'm being very provocative in a sense. It gives me great satisfaction to be arguing against blogs, have a blog and be pointed out as this profound hypocrite.

    Claro claro, se só publicasse livros não chegaria tão longe,

    But I think there is a more serious element to it as well. I think the Internet is great for self promotion. I think it's an ideal vehicle for an author like myself who has a physical book to sell and use that medium to promote themselves to sell their book.

    sem palavras....

    E parece papel cópia do Desidério ( ou será ao contrário ?)

    In the book I focused on the fact that Wikipedia was riddled with errors. I think it probably is. To me there is a more important problem with Wikipedia: It has no context.


    e pronto, podemos saber op que o Desiderio pensa ao lermos este livro.....

    ResponderEliminar
  12. Nuvens de Fumo, concordo com a tua análise. Ainda não é desta que chegamos aos famigerados Numbers, mas vemos que o Desidério se preocupa um bocadinho mais em fazer o trabalho de casa, ao invés de nos presentear com castelos de nuvens.

    Quanto a esta notícia "requentada" com que o Desidério nos presenteou, apenas faço meu o comentário do Ludwig ao post original de há um ano:

    "E se é verdade que qualquer um pode escrever tretas na internet, qualquer outro pode apontá-las como tal também. No fim, parece-me uma solução melhor que ter só acesso às tretas dos profissionais..."

    que a meu ver serve perfeitamente para desmontar mais esta falácia do Desidério. Imaginemos por exemplo que eu afirmava que o homem nunca foi à Lua, e que aquilo foi tudo filmado pelo Kubrik num estudio qualquer. Quanto tempo é que acham que eu me safava com uma afirmação destas? Certamente que não muito.

    Outro pequeno exercício que eu sugeriria para os mais cépticos em relação à wikipédia, aqueles que nem uma análise rigorosa, utilizando o método científico convence, seria o de encontrarem algum artigo da wikipédia e de lá colocarem erros factuais. Depois podiam cronometrar o tempo que essas incorrecções conseguem permanecer no artigo, e partilhar os "Numbers" connosco.

    Não fosse esta meu intenso e continuado palpite de que toda esta algarviada não passa de uma magistral provocação do Desidério (ao nível de um bom artista da vanguarda dos anos 20), e até lhe deixaria este repto. Ao invês prefiro pedir encarecidamente ao Desidério que nos continue a presentear com posts de qualidade a bom ritmo, porque reparei que o software do blogger tem dificuldade em gerir caixas de comentários com mais de 200 entradas (será por o software ser gratuito?).

    Um bem haja a todos.

    ResponderEliminar
  13. Em Ouro negro não são as chavalas que valem a pena.. são as chavalitas, frescas e novinhas... Aliás parece que há grande deslocação de portugueses a aumentar a procura ou o "cala a boca que é outra cultura", por parte de muito bolseiro e deslocado para aqueles lados, com os hábitos dos seus professores e colegas...

    ResponderEliminar
  14. Embora, quem conheça o local não consiga distingui-lo de uma "Coimbra tropical", tal a arquitectura de pedra e mental.

    Até não faltam "repúblicas" e taras a vulso.

    ResponderEliminar
  15. Não é estranho o Murcho falar de uma edição brasileira e depois citar em inglês???

    Copy and paste, talvez??

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.