segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Para denunciar uma mentira

A obra ensaística de George Orwell é de extrema actualidade. Infelizmente, muitas pessoas parecem desconhecer o seu ensaísmo, pensando por isso que se trata apenas de um novelista relativamente menor, que escreveu duas parábolas memoráveis, Animal Farm (1945) e Mil Novecentos e Oitenta e Quatro (1949), além de Homenagem à Catalunha (1938), que narra as suas experiências na guerra civil espanhola.

O ensaísmo de George Orwell, pseudónimo literário de Eric Arthur Blair (1903-1950), é um caso raro de sofisticação intelectual, sem deixar contudo de ser firmemente popular: os seus ensaios não foram publicados em revistas académicas, mas sim na imprensa popular. E envergonham muitos artigos das revistas académicas pela precisão da linguagem, sofisticação do pensamento e originalidade de posições. Na verdade, um dos traços emblemáticos de Orwell é a recusa em deixar-se levar pelos preconceitos do seu tempo — pelo pensamento já mastigado e pronto a usar, a que tantos intelectuais, nas universidades e na imprensa popular, deitam mão. A lucidez e a sinceridade são marcas de Orwell que cativam qualquer leitor preocupado com a descoberta da verdade das coisas. Num dos últimos artigos que publicou antes de morrer, "Reflexões sobre Gandhi" (1949), Orwell começa por afirmar que "Os santos devem sempre ser considerados culpados até se provar que são inocentes". Esta surpreendente declaração é o princípio de uma análise das ideias e da actuação política de Gandhi, análise que prima pela procura da verdade. Orwell parte da ideia de que quando um político surge como um santo, sincero e absolutamente honesto, algo de profundamente errado pode estar a acontecer — porque estas são armas retóricas que funcionam demasiado bem junto do povo para podermos aceitá-las sem desconfiança. Mas no decorrer da sua análise Orwell conclui, contra a sua expectativa inicial, que Gandhi é realmente um grande estadista, que deixa atrás de si uma atmosfera política mais límpida.

Orwell expôs-se com uma sinceridade rara ao olhar público, e concentrou como ninguém a atenção no exterior — e não em si mesmo e na sua promoção. Nunca teve gestos que visassem o auto-engrandecimento, como tantos ensaístas vaidosos, talvez em parte porque sempre esteve demasiado ocupado a tentar melhorar o mundo da política com a arma da palavra escrita. A sua sinceridade é particularmente manifesta no ensaio "Por Que Escrevo", de 1946, no qual confessa a vaidade de ver as suas palavras impressas, e que todo o escritor é parcialmente vaidoso. Mas explica também a motivação descentrada que o faz escrever: a preocupação com a verdade e a justiça. "Escrevo porque há uma mentira qualquer que quero denunciar", declara Orwell numa passagem memorável.

No célebre ensaio "Política e a Língua Inglesa" (1946), Orwell desmascara com implacável lucidez a manipulação política que ocorre na escrita lamacenta, obscura, desnecessariamente complicada. Mas mostra também como o uso de uma linguagem com lugares-comuns e metáforas agonizantes denuncia a falta de pensamento do autor, que se limita a reafirmar os preconceitos do seu tempo, sem parar por instantes para se perguntar se tais preconceitos serão realmente defensáveis. O espírito de manada é um dos grandes pecadilhos da humanidade e Orwell um dos seus mais elegantes antídotos. Ao fazer uma lista de seis regras para escrever de modo lúcido, Orwell revela a sua lucidez na última das regras: "Viole qualquer destas regras de preferência a dizer algo obviamente bárbaro". O pensamento de Orwell dá uma prioridade tal à realidade que não se deixa render a regras automáticas que podem sempre falhar em casos concretos.

Numa recensão do livro O Poder: Uma Nova Análise Social, de Bertrand Russell, Orwell começa por declarar que "descemos a um ponto tal que a reafirmação do óbvio é o primeiro dever dos homens inteligentes". Efectivamente, a defesa lúcida e rigorosa da justiça e da verdade parece insípida quando se desceu a um ponto tal de confusão mental que só declarações tonitruantes, e parvas, parecem atrair as atenções. A este respeito, não estamos hoje melhor do que no tempo de Orwell, e estamos talvez pior. Alguns pensadores pretensamente libertários no nosso tempo têm um pensamento em tudo semelhante ao pensamento nazi, mas nem se apercebem disso. Ao elevar a identidade comunitária acima da racionalidade, ao desprezar a verdade e ao defender que toda a argumentação é manipulação, fazem o serviço dos que sempre defenderam os privilégios, a tradição e a autoridade, contra os valores iluministas da razão e da verdade.

Orwell foi um dos primeiros intelectuais de tendência socialista a denunciar o regime soviético. Quando alguns intelectuais defendiam ainda a gloriosa revolução do proletariado, Orwell viu com incrível lucidez o tipo de regime totalitário, inimigo da liberdade e da justiça, que as ideias de Marx inspiravam. E este é outro dos traços distintivos de Orwell: nunca trocou as voltas à realidade para tentar encaixá-la nas suas ideias políticas. Neste sentido, Orwell foi um ensaísta anti-ideológico, pois o pensamento ideológico, marxista ou mercantilista, caracteriza-se por distorcer a realidade para que possa bater certo com as ideias, e é indiferente às consequências concretas que resultam da aplicação das suas teorias preferidas. Compare-se isto com o ensaísmo contemporâneo, em que tantas vezes nem vale a pena ler os artigos dos mais conhecidos ensaístas porque já sabemos de antemão o que vão dizer, pois tudo distorcem para fazer encaixar a realidade na sua ideologia preferida. Orwell era socialista não no sentido de defender qualquer corpo de dogmas, mas no sentido de defender a dignidade das pessoas, a justiça, a verdade e a liberdade.

Mais surpreendente poderá ser para alguns leitores deste blog a lucidez da sua compreensão da ciência — e do disparatado uso retórico que se faz da palavra "ciência". No ensaio "O Que é a Ciência?" (1945), Orwell começa por distinguir lucidamente dois sentidos da palavra: o sentido experimental restrito, que aponta apenas para os resultados de ciências como a química ou a física. Neste sentido da palavra, pensamos num cientista como alguém com uma bata branca a fazer experiências num laboratório. Noutro sentido, a palavra quer dizer algo como um método de pensar criticamente sobre qualquer problema. É neste sentido que a ciência é realmente importante, e não tanto no primeiro, mas a confusão de ambos os sentidos tem um efeito perverso no ensino: Orwell defende que no segundo sentido da palavra precisamos de mais ciência no ensino, mas que geralmente os políticos entendem que mais ciência no ensino é mais ciência no primeiro sentido da palavra. E o argumento de Orwell é que uma besta ignara, sabendo todavia muitos factos científicos, continuará a ser uma besta ignara se desconhecer a filosofia, a literatura, a história ou a sociologia.

A Antígona está a proceder à edição das obras de Orwell. Publicadas estão já Recordando a Guerra de Espanha, Na Penúria em Paris e em Londres, Mil Novecentos e Oitenta e Quatro, O Caminho para Wigan Pier e Homenagem à Catalunha. Anuncia ainda para breve uma recolha de alguns ensaios, assim como um importante estudo do seu pensamento político, da autoria de John Newsinger, Orwell's Politics. Para quem lê inglês, há uma edição deliciosa e barata da Everyman Library, organizada e prefaciada por John Carey, que contém todos os seus ensaios.

16 comentários:

  1. Orwell era de facto um acutilante vigilante do poder das palavras, e sobretudo quando usadas em contexto político. 1984 é uma obra brilhante.

    Precisamente por achar, tal como o Desidério Murcho, que Orwell era um escritor sem ideologia, nunca procurei saber quais tinha na vida privada. Mas depois de ver a sua definição de «socialismo» («defender a dignidade das pessoas, a justiça, a verdade e a liberdade»), fico curiosa por saber em que texto se baseia para dizer que Orwell era socialista?

    ResponderEliminar
  2. Deliciei-me.
    Obrigado Desidério Murcho.

    ResponderEliminar
  3. Li e reli Animal Farm e 1984, mas nem sabia dos ensaios de Orwell. Depois deste artigo, fiquei condenado a procurá-los.

    ResponderEliminar
  4. Caros leitores

    Obrigado pelos vossos comentários. Elisabete, Orwell defende o socialismo em variadíssimos textos. No citado "Por Que Escrevo", pouco antes da passagem que citei, afirma:

    "Todas as linhas de trabalhos sérios que escrevi desde 1936 foram escritas, directa ou indirectamente, contra o totalitarismo e a favor do socialismo democrático, tal como eu o entendo".

    Note-se que nesse tempo, os intelectuais não tinham medo, como hoje, de se declarar socialistas. Pessoas como Russell declaravam-se tranquilamente socialistas, e nunca confundiram isso com o comunismo soviético ou chinês, tal como não o confundiam com o nacional socialismo alemão -- o nazismo.

    ResponderEliminar
  5. Também gosto muito de Orwel embora nunca tivesse conhecido os seus ensaios.

    No 1984 também está presente essa mensagem: as armas que o regime usa para oprimir são aquilo que Orwell critica nos ensaios, tanto quanto leio.

    O espírito de manada, o duplipensar, o alheamento da realidade, a falta de espírito científico, racional, tudo isso são as armas da opressão.
    2+2=4 é óbvio, mas é parte do caminho para a liberdade.

    Pode ser um livro "simples", mas o 1984 não deixa de estar entre os meus favoritos.

    ResponderEliminar
  6. Se n�o estou em erro, o Russel tamb�m acabou por denunciar - desiludido - os erros do regime de Estaline.

    Outro socialista muito conhecido, mas pouco enquanto tal, foi Einstein.

    ResponderEliminar
  7. George Orwell era Socialista, como bem afirma tanto no ensaio que menciona desiderio, como no livro Homenagem A catalunha(alias, quando combateu na gera cvil espanhola pertenceu ao Partido Obrero de Unificacion Marxista). No entanto tem algumas peculiaridades no seu percurso como escritor...Aquando do centenario do seu nascimento, foi publicada uma lista de nome de pseudo-comunistas, que George Orwell cedeu a um membro dos servicos secretos britanicos. A lista foi divulgada a 21 de junho de 2003 no Guardian.
    No que concerne aos ensaios, estao igualmente publicados em ligua espanhola- edicoes unicornio. E recomendo vivamente Uma edicao da Peguin Books "George Orwell and Politics"

    ResponderEliminar
  8. George Orwell é um exemplo raro de jornalista, escritor e ensaísta que escreveu com conhecimento de causa. Por isso era tão incisivo, dramático e objectivo. Só alguém que a tenha sentido na carne, pode ter descrito com tanto realismo a experiência de ser atingido por uma bala. Essa descrição que li em "Homage to Catalonia", já vão muitos, permanece vívida na minha memória. Já não recordo as palavras exactas de Orwell à cerca dessa descrição, mas eram algo como "being hit by a bullet is an experience worth describing". O mesmo se pode dizer de quase todos os seus escritos, em particular de "Down and Out in Paris and London" ou "Down the Mine".

    Luis Alcacer

    ResponderEliminar
  9. Mas Desidério Murcho

    O que separa um regime totalitário de um democrático é um formalismo. Ideologicamente podem até coincidir.

    Se por «Socialismo democrático» Orwell entende o mesmo que hoje entendemos por socialismo, então nada garante que um 1984 não pudesse voltar a acontecer desde que tivesse ganho as eleições, o que seria inconsistente com a mensagem orwelliana.

    ResponderEliminar
  10. Salve, Desidério,

    descobri este blog hoje. Ótimo. Já vai para a lista de prediletos do meu blog ranzinza.

    abração, Orlando

    P.s.: vou voltar para ler tudo devagar...

    ResponderEliminar
  11. Desidério.
    Uma pequena provocação, ainda para mais inofensiva: o que é isso do socialismo ou do socialismo democrático?
    Decorre de que ciência? De que argumentação escorreita? De que ideologia? Propugna a justiça? Contra que crimes?
    Ah, Desidério, Desidério...

    ResponderEliminar
  12. Caros leitores
    Obrigado pelos vossos comentários.
    Bem-vindo, Orlando!
    Elisabete, está a entender o adjectivo “democrático” no sentido meramente formal (haver eleições livres, talvez) e não no sentido substancial discutido nas teorias da cidadania, por exemplo, e certamente que não no sentido atribuído por Orwell ao termo. Democrático significava não um mero formalismo, mas incluía também para Orwell o respeito pelas liberdades, por exemplo, o que exclui portanto o totalitarismo.

    ResponderEliminar
  13. Desidério, parabéns por este Blog.
    Abraço.
    Sá Couto
    S.Miguel-Açores

    ResponderEliminar
  14. socialista = defender a dignidade das pessoas, a justiça, a verdade e a liberdade.

    libertário = nazi

    Esclarecedor.

    Não esperava ver por aqui uma defesa do "verdadeiro socialismo".
    Já agora, a que pensadores libertários de inspiração nazi se refere?

    ResponderEliminar
  15. Caro Luís,

    vá-se habituando ao estilo e às analogias do Dério. E boa sorte.

    Q. Rico (Xó)

    ResponderEliminar
  16. VANE
    SOCIALISMO= NAO SO DEVENDER OS DIREITOS DAA PESSOA
    É SER VERDADEIRO LUTAT DO LADO DA JUSTIÇA CERTA E FORTE

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.