segunda-feira, 31 de maio de 2010

TRÊS POEMAS DE FERRREIRA GULLAR


Do poeta brasileiro Ferreira GuLlar, galardoado hoje com o Prémio Camões, escolhi três poemas (do livro "Toda a Poesia", 7ª edição, José Olympio Editor, 1999):

PRIMEIROS ANOS

Para uma vida de merda
nasci em 1930
na rua dos prazeres

Nas tábuas velhas do assoalho
por onde me arrastei
conheci baratas, formigas carregando espadas
caranguejeiras
que nada me ensinaram
exceto o terror

Em frente ao muro negro no quintal
as galinhas ciscavam, o girassol
Gritava asfixiado
longe longe do mar
(longe do amor)

E no entanto o mar jazia perto
detrás de mirantes e palmeiras
embrulhado em seu barulho azul

E as tardes sonoras
rolavam
sobre nossos telhados
sobre nossas vidas.
Do meu quarto
ouvia o século XX
farfalhando nas árvores lá fora.

Depois me suspenderam pela gola
me esfregaram na lama
me chutaram os colhões
e me soltaram zonzo
em plena capital do país
sem ter sequer uma arma na mão.

DOIS E DOIS: QUATRO

Como dois e dois são quatro
Sei que a vida vale a pena
Embora o pão seja caro
E a liberdade pequena
Como teus olhos são claros
E a tua pele, morena
como é azul o oceano
E a lagoa, serena

Como um tempo de alegria
Por trás do terror me acena
E a noite carrega o dia
No seu colo de açucena

- sei que dois e dois são quatro
sei que a vida vale a pena
mesmo que o pão seja caro
e a liberdade pequena.

VENDO A NOITE

Júpiter, Saturno.
De dentro do meu corpo
estou vendo
o universo noturno

Velhas explosões de gás
que meu corpo não ouve:
vejo a noite que houve
e não existe mais -

a mesma, veloz, em Tróia,
no rosto de Heitor
- hoje na pele de meu rosto
no Arpoador.

Ferreira Gullar

12 comentários:

  1. Sensacional!
    Visto assim parece que não há nada a temer pela língua portuguesa.
    cumprimentos

    ResponderEliminar
  2. Incontestavelmente, isto... é Poesia! JCN

    ResponderEliminar
  3. Ferreira Gullar é muito melhor que o prémio Camões e a treta da lusofonia.

    É tão bom que JCN e outros comentadores deste blog que se julgam poetas poderiam ganhar muito se lessem alguns poemas dele. E com eles ganhariam os leitores do De Reum Natura, isentos que ficariam de ler as suas tentativas poéticas.

    ResponderEliminar
  4. Excelente conselho... pelas boas intenções que o motivaram! Só que, meu caro sr. Jaime Ferreira Valente, já li e reli... todos os poemas de Ferreira Gullar, mas... "não vou por aí!". JCN

    ResponderEliminar
  5. Parece... mas não é! JCN

    ResponderEliminar
  6. Mas não dexo de reconhecer... que parece mesmo! JCN

    ResponderEliminar
  7. Desculpe, sr. Jaime Valente, tratá-lo por Ferreira, quando afinal vossemecê é Piedade. Já são Ferreiras... a mais! JCN

    ResponderEliminar
  8. Parece ser sem que seja
    aquilo que ser parece:
    isto às vezes acontece
    a quem fingir-se deseja!

    JCN

    ResponderEliminar
  9. Ferreira com Piedade
    não sei por que confundi
    quando na realidade
    nada os congrega entre si!

    JCN

    ResponderEliminar
  10. Se acaso vossemecê,
    sem que isso seja um dever,
    os meus versos diz que lê,
    é porque gosta de os ler!

    ResponderEliminar
  11. Não se esgota a Poesia
    nos poemas de Gullar:
    se assim fosse, eu deixaria
    de Poeta me chamar!

    JCN

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.