domingo, 26 de abril de 2009

O dever de educar para a Música

Décima segunda sessão do ciclo O dever de educar, no próximo dia 28 de Abril, pelas 18h15, na Livraria Minerva Coimbra.

Mudando um pouco a rota deste ciclo, propomo-nos, agora, pensar no dever de educar em áreas específicas do saber.
Começamos pela Música, um dos primeiros ensinamentos da escola, e delineamos algumas perguntas para a próxima sessão: Como tem sido encarado esse ensinamento ao longo do tempo? Para que serve? Que ligações estabelece com outras aprendizagens? Qual o seu lugar nos nossos currículos? O que se pode fazer para se educar musicalmente as crianças e os jovens?

O convidado é Manuel Rocha, músico com formação clássica e carreira diversificada, é membro da Brigada Victor Jara e professor de violino no Conservatório de Música de Coimbra. A sua cultura musical e o seu empenho na aprendizagem da Música, têm-no envolvido em vários projectos educativos.

Local: Livraria Minerva (Rua de Macau, n.º 52 - Bairro Norton de Matos), em Coimbra.

Próxima sessão: 12 de Maio.

As sessões deste ciclo são quinzenais e estão abertas ao público.

3 comentários:

  1. Educar? Enquanto teimarmos em utilizar esta palavra tão abrangente o ensino continuará para quem o puder pagar e a tal "educação" ficará para os outros!

    ResponderEliminar
  2. Boa tarde Helena Damião,

    Não haverá por aí alguém com disponibilidade para nos resumir o conteúdo dessas tão interessantes sessões quinzenais da Livraria Minerva?

    ResponderEliminar
  3. Cara Helena Ribeiro
    Muito obrigada pelo seu interesse por este ciclo de conferências, interesse que outros leitores também evidenciaram.
    Todas as sessões são gravadas em áudio e estão a ser passadas a papel. Ainda que a intenção final seja a publicação em forma de livro, delas daremos proximamente conta no "De Rerum Natura".
    Poderá ver a síntese que a jornalista Paula Almeida têm realizado de cada uma no blogue da Livraria Minerva, que é o seguinte: http://minervacoimbra.blogspot.com/
    Helena Damião

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.