segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

Pensamento Racional


Na véspera do lançamento na Amazon de mais uma série de Richard Dawkins, na realidade duas séries reunidas em «Rational Thought: The Richard Dawkins Collection», relembro a série «Break the Science Barrier», emitida originalmente no Channel 4 da BBC em 1996. Na série acompanhamos Dawkins em conversas com o astronómo que descobriu os pulsars, Douglas Adams ou David Attenborough. Mais apontamentos podem ser encontrados no Google Video.

Parte 1, Parte 2, Parte 3

4 comentários:

  1. Pal,

    Veja o trabalho de um obreiro de Deus nas mãos de um primata misantropo e supersticioso. (esperar pelos 1:30 min)

    Dawkins vende uma questiúncula que pode muito bem não interessar ao próprio menino Jesus. Não compro.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Mira,

    Aproveitei o seu silêncio para repensar o seu comentário e reconheço que é útil alguém se interessar pela alfabetização de certos americanos. Por outro lado, enquanto cogitava, tive o azar de ouvir um jornalista da Sic a desculpar-se pelo desfasamento das suas perguntas e respostas da enviada especial ao Paquistão que, segundo a sua explicação, se deve à velocidade do SOM, e do tempo que este leva a viajar de Lisboa a Islamabad.

    Ditto.

    ResponderEliminar
  4. Richard Dawkins é frequentemente apresentado como um doutrinador do naturalismo. E com alguma razão. As suas fantasias sobre uma infinitude de universos, anteriores ou paralelos, lembra as fantasias análogas de Lucrécio, o Santo Padroeiro deste blogue, discípulo de Epicuro.

    O argumento de Richard Dawkins acerca da "complexidade" de Deus (e consequente improbabilidade), desenvolvido no seu livro The God Delusion, longe de ser racional, é apenas absurdo.

    De acordo com este argumento, se o Universo e a vida são altamente improváveis, por serem complexos, Deus só pode ser ainda mais improvável, por ser ainda mais complexo.

    Qual é o ponto fraco deste argumento?

    É simples. Ele supõe que Deus, à semelhança do que sucede com o Universo e a vida, é o resultado de combinações improváveis de matéria e energia. M

    as Deus é o criador da matéria e da energia. A Bíblia apresenta-o como AQUELE QUE É O QUE É, eterno, espiritual, omnisciente, omnipotente, pessoal, racional e moral.

    O argumento de Dawkins é inócuo perante um Deus que se revela como tendo estes atributos.

    Na verdade, diferentemente do que se passa com o Universo e a Vida, o Deus da Bíblia não é constituído por um conjunto de "peças" externas e independentes, de combinação altamente improvável.

    Ele não é composto por matéria e energia pré-existentes, como sucede com a vida.

    De resto, a própria vida não é só matéria e energia, mas também informação, uma grandeza imaterial que não tem uma origem material, mas sim mental.

    O DNA tem uma componente imaterial (informação codificada, código) e material (compostos químicos).

    Ele é inteiramente consistente com a ideia de que um Deus sobrenatural criou a vida num mundo material.

    A vida não é só matéria e energia. Ela também é informação. E a informação não surge por processos naturalísticos. Tal nunca foi observado.

    Deus não tem as propriedades da natureza. Deus é sobrenatural. Ele é Espírito.

    Pelo que não faz qualquer sentido tentar averiguar estatisticamente a complexidade de Deus, como se ele fosse o resultado de uma combinação acidental de peças componentes (hipótese sobre a qual Dawkins chega mesmo a fantasiar).

    Tentar comparar a probabilidade da existência de Deus com a probabilidade do Universo e da Vida é comparar grandezas qualitativamente incomensuráveis entre si, sendo que Deus é espiritual, eterno, infinito, omnipotente e omnisciente.

    Em toda a sua aparente racionalidade, o argumento de Richard Dawkins manifesta toda a sua estultícia.

    Considerando que este pretendia ser o argumento irrespondível e decisivo do livro The God Delusion, imediatamente vemos que se trata de um exercício de profunda ingenuidade intelectual, destituído de qualquer plausibilidade, deitando por terra todo o esforço de Richard Dawkins.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.