segunda-feira, 21 de outubro de 2019

ELOGIO DA SÍLVIA CURADO


Na sexta feira passada tive a honra de apresentar a Sílvia Curado, que recebeu o Prémio Bento Pessoa Personalidade da Figueira do Ano no casino da Figueira da Foz. Deixo aqui o texto:

A Figueira da Foz é a terra de grandes figuras do desporto – como o ciclista José Bento Pessoa e a basquetebolista Ticha Penicheiro. E é a terra de figuras históricas como Manuel Fernandes Tomaz, Joaquim de Carvalho e  João Gaspar Simoes, e de escritores actuais como os meus amigos Afonso Cruz e Nuno Camarneiro. É a terra de Sílvia Curado, Doutorada em Genética, Biologia Molecular e Biologia do Desenvolvimento que se tem dedicado ao estudo dos genes e das suas aplicações. Os seus genes são daqui.

Foi toda uma preparação escolar realizada aqui na foz do Mondego, desde o Jardim-Escola  ao Ensino Secundário (uma parte dele na Escola Doutor Joaquim de Carvalho) – que lhe serviu de base a um notável percurso académico-profissional internacional. Foi durante a realização do seu estágio de Licenciatura na Universidade de Bergen, Noruega, integrado na Licenciatura em Bioquímica pela Universidade de Coimbra, que nasceu o seu gosto pela investigação científica. Realizou, de seguida, o Mestrado em Biologia Celular, numa colaboração entre aquela Universidade e o Hammersmith Hospital, Londres. Neste trabalho aplicou o seu conhecimento dos genes à deteção de células cancerígenas (em leucemia). Prosseguiu a sua formação académica no European Molecular Biology Laboratory, Heidelberg, Alemanha) para realizar o seu doutoramento. Foi aí que aprofundou a sua ligação à Genética, a sua grande paixão. A mosca-do-vinagre serviu-lhe como modelo  para estudar mecanismos biológicos que são semelhantes àqueles que têm lugar no ser humano. Seguiu-se, num salto sobre o Atlântico, o pós-doutoramento na Universidade da Califórnia, São Francisco, Califórnia, na área de Medicina Regenerativa e Organogénese. Aí usou como modelo o peixe-zebra para estudar o processo de formação e de regenlvia!eração de órgãos como o coração e fígado. Obteve então o Certificado em Business Administration pela University of California, Berkeley. Mais tarde assumiu uma posição na Universidae de Nova Ioqrue, Faculdade de Medicina, para co-liderar o Centro de Investigação Nanomedicine Development Center. Actualmente,  nessa Universidade,  é Diretora de um Programa de investigação multidisciplinar na área da obesidade e outras patologias que afligem o mundo de hoje. A Silvia é também um dos primeiros membros da Singularity University em Portugal, uma instituição global focada em tecnologias do futuro. Tal como o extraordinário ciclista Bento Pessoa, que foi campeão lá fora, a Silvia é uma vencedora com carreira internacional. Ela pedala muito bem na sua área!

A Silvia é autora do livro Engenharia Genética – o Futuro Já Começou editado em Portugal em 2017  e que tem por objetivo desmistificar a genética e fazer-nos pensar sobre o potencial que a engenharia genética tem.. Conforme diz o subtítulo, o futuro é já hoje e a nossa jovem premiada preocupa-se com o futuro!  O nosso futuro individual está em grande medida nos genes: conhecê-los melhor é conhecer o nosso futuro. Confessou-me que lhe dá enorme satisfação saber que tem influenciado alguns jovens a seguir o caminho da ciência, ou ter sido abordada pelo Teatro Aberto de Lisboa para usar  alguns dos seus textos.

Além do mais, a Silvia é Presidente da PAPS - Portuguese American Postgraduate Society, organização que visa apoiar o desenvolvimento académico-profissional de Portugueses licenciados e pós-graduados nos Estados Unidos ou Canadá, e que procura estabelecer pontes entre Portugal e a América do Norte. Neste âmbito tem sido responsável pela organização de várias conferências não só nos EUA como em Portugal. Tive a oportunidade de estar numa na Universidade de Harvard. A Sílvia ajudou a fortalecer a rede GPS – Global Portugueses Scientists que fundei na  Fundação Francisco Manuel dos Santos e  esteve presente numa conferência GPS sobre “Os Humanos do Futuro”. Aí disse que ela é uma “força da Natureza” . Tenho testemunhado o seu extraordinário entusiasmo na congregação da diáspora científica do outro lado do Atlântico. Hoje há toda uma geração de brilhantes cientistas portuguesas lá fora, que a Sílvia tão bem representa. Temos de lhes dar atenção.

Impulsionada pela busca da verdade como cientista, a Sílvia é também uma artista: usa outra das suas grandes paixões – a fotografia – para reflectir sobre o que é de facto a verdade. Viveremos  “entre verdades”?  Este é o tema da sua recente exposição de fotografia na Embaixada de Portugal em Washington. Entre verdades, entre a verdade da biologia e a verdade da medicina, entre Portugal e outros países, mas transportando sempre consigo – garante-me e, porque acredito nela, eu posso também garanti-lo - o grande orgulho de ser, para além de portuguesa, figueirense. Uma figueirense do coração. Proponho que a Figueira da Foz, que agora tão justamente lhe atribui o prémio de personalidade  do ano, mostre aqui no Casino as suas fotografias, mostrando como arte e ciência podem estar juntas, como arte e ciência nos podem ajudar a sermos mais humanos. Muitos parabéns Sílvia!

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

A História dos Paladares ou Saberes e Sabores

  Meu artigo mais recente no As Artes entre as Letras: Saiu no final de 2021, do prelo da Prime Books, o segundo volume da monumental tril...