segunda-feira, 21 de outubro de 2019

DE CARL PHILIP BACH A JOSEPH HAYDN: MUDA-SE A MÚSICA E MUDA-SE A CIÊNCIA



Meu resumo da conferência que amanhã estreio na Guarda antes do concerto da Orquestra Metropolitana de Ciência, no ciclo "Música e Ciência" que irá também a Viseu, Porto e Coimbra (na figura C.P.E. Bach e Joseph Haydn):


Entre a sinfonia em Sol maior n.º 64 da alemão Carl Philipp Bach (1714-1788), um dos filhos músicos de Johann Sebastian Bach  (1685 - 1750), que foi escrita em Berlim em 1741, na corte de Frederico II,  e a sinfonia n.º 64 do austríaco Franz Joseph Haydn (1732-1809), escrita no palácio dos Eszterházy em 1773, medeiam pouco mais de 30 anos nesse século extraordinário da arte e da ciência que foi o Século das Luzes. No entanto, as mudanças são patentes na música – passa-se do barroco, onde o pai de Carl Philips é um verdadeiro gigante, para o período que ficou chamado por classicismo, onde dominam, para além de Haydn outros dois gigantes (que de resto com ele contactaram na Áustria) que são Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791)  e Ludwig van Beethoven (1770-1827). Do ornamentado que caracteriza o barroco passou-se para um estilo de maior simplicidade e clareza. Mudam-se os tempos, como diz se resto o epigrama latino que está associado à sinfonia de Haydn Tempora mutantur. Como diz hoje o Nobel Bob Dylan “The times they are a-changing”.

A ciência do tempo também muda. O século XVIII dá-se o triunfo do método científico, que Galileu, Newton e outros tinham proposto no século anterior. A mecânica encontra numerosas aplicações bem sucedidas tanto no céu como na Terra. Novos fenómenos – como os da electricidade e magnetismo – são admirados nos gabinetes de curiosidades, indo o seu estudo desembocar no electromagnetismo do século XIX. A química aparece a partir da alquimia, sendo claros os progressos no estudo dos gases. A história natural conhece um grande impulso que viria a dar na teoria da evolução no século seguinte.

Em Portugal chega o ensino experimental, com as aulas experimentais dos Oratorianos na Casa das Necessidade em Lisboa em 1750 (ano em que morre Bach pai e também D. João V) e a reforma da Universidade de Coimbra em 1773, por ordem do marquês de Pombal depois da sua tentativa falhada de criar o Colégio dos Nobres em Lisboa. Em Portugal também “the times were a-changing.”

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.