sábado, 29 de dezembro de 2007

HELIOSFERA - VOYAGER 2 MERGULHA NA HELIOSFERA


Minha crónica publicada hoje no semanário "Sol":

Embora esta coluna tenha o título genérico de heliosfera, literalmente esfera do Sol, que designa o casulo envolvente do sistema solar onde os ventos solares (chuveiro de partículas carregadas, ou plasma, emitidas pelo Sol) chegam ao espaço interestelar, pouco tenho falado dela. Mas agora há um bom motivo. A sonda Voyager 2, que foi lançada pela NASA de Cabo Canaveral há trinta anos (mais exactamente a 20 de Agosto de 1977), acaba de chegar à heliosfera. No longo caminho até lá passou sucessivamente por Júpiter, Saturno, Urano e Neptuno, aproveitando uma rara conjugação destes planetas, tendo enviado espectaculares reportagens desse grande “tour” planetário.

A sonda sua irmã Voyager 1 já tinha chegado à heliosfera no ano passado, apesar de ter sido lançada pouco depois. Acontece que as órbitas das duas naves são bastante diferentes, dirigindo-se a Voyager 1 para cima do plano do equador e a Voyager 2 para baixo desse plano. A heliosfera não é bem uma esfera, devido à influência de campos magnéticos interestelares. Ao contrário da Voyager 1, a Voyager 2 tem os seus detectores de plasma em pleno funcionamento, pelo que nos está a enviar informações preciosas sobre uma zona remota do nosso sistema planetário neste final do Ano Heliofísico Internacional. Não haveria decerto melhor maneira de fechar esse ano.

Enquanto fecha um ano e abre outro as duas naves continuam a sua prodigiosa viagem, à velocidade de 50 000 quilómetros por hora. Ambas mergulhadas na heliosfera, lá irão continuar durante vários anos dada a vastidão dessa zona. O limite exterior da heliosfera, que se chama heliopausa, está a pelo menos dez anos de viagem. Com alguma sorte, a Voyager 2 enviar-nos-á registos da travessia dessa última fronteira solar. É preciso sorte, pois em 2020 acabar-se-á a energia da sonda, pelo que os seus instrumentos deixarão de funcionar.

Por sugestão do astrofísico Carl Sagan, cada uma das naves transporta uma placa com saudações em várias línguas, incluindo o português...

7 comentários:

  1. Eu estava convencido que já tinha havido uma sonda espacial que passara a heliopausa, afinal ainda não, penso que se ainda n o fizerem seria altura de se enviar uma nova sonda mais moderna porque as outras não deverão atingir o fim pretendido, pena que a guerra do iraque esteja a desviar os fundos e a atenção da administração americana dai que se deve terminar com esta dependencia face aos americanos.
    Não tenho a certeza e gostava de saber, quando uma sonda passar a heliopausa mesmo que contenha energia pra funcionar torna-se incomunicavel com a terra não é? Será pela distância?

    ResponderEliminar
  2. Carlos Fiolhais informa:

    "Por sugestão do astrofísico Carl Sagan, cada uma das naves transporta uma placa com saudações em várias línguas, incluindo o português..."

    Aí está uma sugestão digna de nota. Só espero é que a Palmira Silva não venha dizer que os criacionistas é que acreditam em Aliens e OVNIS.

    ResponderEliminar
  3. Que perspectiva enviesada!

    Pelo que sei do assunto -- que não é muito, nem tenho curiosidade que chegue pelo tema --, a acepção religiosa do criacionismo (um criador inteligente do Universo parece-me uma definição de Deus), os criacionistas de preferência bíblica privilegiam a noção da exclusividade da inteligência humana. De qualquer modo, não me parece que um criacionista tenha de ser contra a possibilidade de vida extra-terrestre, já que o suposto "criador inteligente" podia esgalhá-la tão bem como a nossa.

    Mas não percebo o comentário: a inclusão da placa admite apenas a possibilidade de vida inteligente, não a postula. E, diga-se, é um modo pouco prático e moroso de contactá-la, dada a vastidão do espaço: mais que uma tentativa concreta (para isso há o SETI), foi uma declaração, lírica até, da vontade de descobrir se não estamos sós.

    Onde entra o debate evolucionista, afinal?

    ResponderEliminar
  4. tal como disse o armando quintas, trata-se da heliopausa, não da heliosfera. imagino o que o Prof. Carlos Fiolhais diria se um dos seus alunos escrevesse isto num teste...

    ResponderEliminar
  5. Olá,

    Segundo aquilo que o Prof. Carlos Fiolhais disse a Voyager 1 chegou à heliosfera no ano anterior, ou seja 2006. Contudo, segundo li, que a Voyager 1 chegou à heliosfera 3 anos antes da irmã 1, ou seja, 2004.

    "Voyager 1 entered the heliosheath in Dec. 2004; Voyager 2 followed almost 3 years later in Aug. 2007."

    Fonte: http://science.nasa.gov/headlines/y2009/23dec_voyager.htm

    Cumprimentos,
    Diogo Freitas

    ResponderEliminar
  6. *enganei quando escrevi, "Voyager 1 chegou à heliosfera 3 anos antes da irmã 1, ou seja, 2004.
    "
    o correcto é "irmã 2"

    Diogo Freitas

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.