quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Wordpress bloqueado na Turquia


David Berlinski, um «senior fellow» do templo do neo-criacionismo ou desenho (pouco) inteligente, alucina sobre a implausibilidade da evolução de ... vacas em baleias ... o que segundo a luminária criacionista, confirma que a evolução não passa de uma anedota! Esta incrível anedota coisa foi disponibilizada na página do Discovery Institute por Robert Crowther, que certamente considera este um argumento irrefutável para a necessidade de um «designer». Um excelente vídeo sobre a evolução das baleias pode ser encontrado aqui.

A Scientific American informa-nos que o senhor Harun Yahya ou Adnan Oktar, autor do tijolo criacionista que tem sido enviado em massa para escolas na Europa e Estados Unidos, conseguiu que o governo turco interditasse o domínio wordpress.com. Numa manobra que demonstra a completa incoerência dos criacionistas de todos os flavours, que carpem serem «censurados» pela ciência e se apresentam como vítimas da «ortodoxia» científica, o senhor Yahya conseguiu bloquear na Turquia os cerca de 1 milhão de blogs alojados no wordpress, que segundo Matt Mullenweg, mereciam mais de 12 milhões de visitas por mês da Turquia.

Por outras palavras, o dito senhor, que afirma no seu tijolo que se devem aos «darwinistas» todos os males do mundo, não gostou que alguns blogs deste domínio desmontassem o amontoado de inanidades que constituem o «Atlas da Criação», e usou o seu poder político e económico para censurar todo um domínio.

Aparentemente o senhor Yahya considera não ser ofensivo - só para dar alguns exemplos - colocar nos seus museus do disparate da criação retratos de Darwin emoldurados em sangue, plagiar descaradamente os satânicos evolucionistas (as únicas «originalidades» nas imagens apelativas do tijolo foram inscritas a vermelho) aos mesmo tempo que os denuncia como terroristas, fascistas e comunistas, aliados de Satã que urdiram «a conspiração ateia que estabeleceu a evolução». Mas alguns bloggers chamarem os bois pelos nomes e avaliarem o tijolo criacionista pelo que é - um monte de disparates anti-científicos - constitui uma ofensa tal que só pode ter como resposta a que decidiu o novo governo islâmico: a interdição total do wordpress na Turquia!

13 comentários:

  1. A teoria da evolução não é a causa do pecado, mas sim uma das suas consequências. As filosofias evolutivas são tão antigas como o pensamento humano decaído.

    O pecado consistiu precisamente em o homem dar mais importância à criação do que ao Criador.

    Longe de ter sido comprovada pelas várias disciplinas científicas, a teoria da evolução consiste essencialmente num tumor ideológico cujas metástases contaminaram todas as disciplinas científicas.

    Isto, com todo o respeito por todos que partilham essa crença.

    À medida em que este blog for avançando com as supostas "evidências" da evolução, teremos muito gosto em comentá-las e mostrar a verdade do que acabamos de afirmar.

    Nem todos os criacionistas são tolerantes. Torquemada era criacionista. Nem todos os criacionistas são intolerantes. John Milton, John Locke e Isaac Newton eram criacionistas.

    O criacionismo é essencialmente a afirmação de que não existe qualquer evidência científica de que o Universo e a Vida surgiram por acaso, a partir do nada, com base em leis naturais surgidas do nada por mero acaso.

    Diferentemente, o criacionismo bíblico assenta na convicção da inspiração do Génesis, sendo que este afirma que a vida surge da vida e que o homem, os animais e as plantas se reproduzem de acordo com a sua espécie, tal como é amplamente demonstrado pela observação científica.

    A razão de Deus está perfeitamente incorporada no Universo.

    Daí que este não seja arbitrário. Antes obedece a várias leis naturais, criadas por Deus.

    As leis da química são logicamente derivadas das leis da física e da matemática.

    As leis mais fundamentais da natureza existem precisamente porque Deus as criou.

    Elas correspondem ao modo racional, lógico e ordenado como Deus, o supremo LOGOS, sustenta o Universo.

    Por si só, elas não explicam a criação do Universo e da Vida, mas explicam o seu funcionamento.

    O ateu não pode explicar logicamente a sua expectativa de inteligibilidade do cosmos.

    Se o Universo é produto do acaso, porque funciona de acordo com leis altamente precisas e sintonizadas?

    Se o DNA é produto do acaso, como surgiram as quantidades exponenciais de informação e meta-informação nele contidas?


    Porque é que o Universo deveria obedecer a leis se não existe um legislador?

    Como é que a vida é possível de acordo com processos aleatórios?

    As leis da natureza são perfeitamente consistentes com a criação bíblica.

    Na verdade, a Bíblia, ao avançar com um Universo racional, criado por um Deus racional, é um fundamento muito sólido para as leis naturais.

    Daí que os criacionistas não neguem qualquer lei natural.

    Pelo contrário. A sua existência corrobora inteiramente a doutrina bíblica de que o Universo é racional.

    ResponderEliminar
  2. Ó anónimo Jónatas Machado:

    Se é assim tão difícil dar a cara por estes disparates não conspurque as caixas de comentários de blogs de ciência.

    Fique lá com as suas certezas absolutas mas não despeje lixo aqui! Aprenda qualquer coisita de biologia para ver se escreve coisas com um mínimo de nexo.

    Para um biólogo comentar os seus textos é como um físico comentar o factor UAU do Segredo. Ou o texto de uma criança de 6 anos sobre teoria da relatividade. É que nem sequer se pode dizer que estão erradas: não fazem sentido!

    ResponderEliminar
  3. Agradeço à Palmira esta notícia que me deixou boquiaberta mas de gente que deixa os neurónios de molho quando abre as páginas do livro "sagrado" é de esperar tudo, especialmente o mais vil e mais baixo!

    Dá para ver bem o conceito de liberdade para os fanáticos de qualquer religião: liberdade para imporem a todos os seus disparates e liberdade para calarem os que não engolem esses disparates.

    Muçulmanos ou cristãos, os fanáticos seguem a mesma cartilha.

    ResponderEliminar
  4. Tomara a Joana saber metade do que sabe este anónimo sobre Biologia

    Rui

    ResponderEliminar
  5. Caro Rui,

    Estou disposto a aprender a outra metade que o anónimo não expôs.
    É que a amostra que revelou não abona muito em favor quer da sua sapiência (dele, claro) quer da própria Biologia.

    Cumprimentos

    Luís Azevedo Rodrigues

    ResponderEliminar
  6. "Fique lá com as suas certezas absolutas mas não despeje lixo aqui! Aprenda qualquer coisita de biologia para ver se escreve coisas com um mínimo de nexo."

    Então vejamos.

    A lei da biogénese é uma conhecida lei da vida. A mesma afirma simplesmente que a vida sempre vem da vida. Isso é o que a ciência observável nos diz.

    Os organismos reproduzem-se de acordo com a sua espécie, também como a Bíblia afirma 10 vezes no primeiro capítulo de Génesis.

    Louis Pasteur, por sinal um criacionista, refutou a tese da geração espontânea. Ele demonstrou que a vida surge de vida pré-existente.

    Desde então pudemos concluir que esta lei é universal, não se conhecendo quaisquer excepções.

    Isto, claro, está inteiramente de acordo com o que a Bíblia afirma no Génesis.

    A lei da biogénese corrobora inteiramente o relato Bíblico. Os evolucionistas é que precisam de violar essa lei para o seu modelo naturalista e evolucionista ser minimamente plausível.

    Mas até agora o modelo naturalista de origem natural e acidental da vida não funciona.

    Deus criou a vida de forma sobrenatural e instantânea, a única explicação racional para a sua extrema complexidade e para as quantidades exponenciais de informação e meta-informação contidas, em vários níveis, no DNA.

    Não é racional e razoável pensar que o DNA surgiu por acaso. O próprio Francis Crick afirmou que a possibilidade de a molécula de DNA se sintetizar por acaso é zero. Nem mais, nem menos.


    A partir das primeiras espécies, carregadas de um grande conteúdo informativo e de grande potencial genómico é que se formaram as diferentes sub-espécies, todas elas especializando informação genética pré-existente.

    A selecção natural e a especiação não criam informação genética pré-existente, antes eliminam essa informação.

    Os evolucionistas acreditam que, pelo menos uma vez, a vida surgiu da não vida espontaneamente, violando a lei da biogénese.

    É claro que não existe nenhuma evidência nesse sentido, nem se percebe como é que isso possa ter acontecido por processos aleatórios.

    Mas sobre isto poderemos ir falando com calma, ao longo dos próximos anos, aqui mesmo neste blog.

    Também em matéria de biogénese a verdadeira ciência confirma a Bíblia e desmente a teoria da evolução naturalista.

    A Joana só tem que dizer que parte disto é que esta está cientificamente errada ou não faz sentido para si, fundamentando as suas afirmações.

    ResponderEliminar
  7. A Joana disse:

    "Para um biólogo comentar os seus textos é como um físico comentar o factor UAU do Segredo. Ou o texto de uma criança de 6 anos sobre teoria da relatividade. É que nem sequer se pode dizer que estão erradas: não fazem sentido!"

    Então vejamos, mais uma vez:


    A vida requer uma química específica.

    Os nossos corpos são o produto de reacções químicas e dependem de leis da química funcionado de maneira uniforme.

    Cada ser vivo contém informação armazenada na longa molécula de DNA.

    A vida, tal como a conhecemos, seria impossível se as leis da química fossem diferentes, ou mesmo ligeiramente diferentes.

    Deus criou as leis da química da maneira adequada para tornar a vida possível.

    As leis da química conferem diferentes propriedades aos diferentes elementos (cada um feito de um tipo de átomo) e compostos mokeculares (feitos de dois ou mais diferentes tipos de átomos ligados entre si) no Universo.

    Por exemplo, quando sujeito a uma activação energética suficiente, elemento mais leve (hidrogénio) reage com o oxigénio para formar água.

    A água tem diferentes propriedades interessantes, como seja a capacidade de armazenar uma quantidade invulgarmente elevada de energia térmica.

    Sobre isto poderíamos dizer mais coisas, mas penso que não é necessário.

    Importa apenas salientar que as propriedades dos elementos não são arbitrárias.

    Na verdade, os mesmos podem ser logicamente ordenados numa tabela periódica, de acordo com as suas propriedades físicas.

    As substâncias na mesma coluna tendem a ter propriedades semelhantes.

    Assim sucede, em virtude de os elementos da coluna vertical terem a mesma estrutura, no que toca aos electrões externos.

    Os criacionistas entendem que a tabela periódica não é o produto do acaso.

    Os átomos e as moléculas têm as suas várias propriedades porque os seus electrões estão sujeitos às leis da física quântica.

    Se estas fossem ligeiramente diferentes, a existência de átomos não seria sequer possível.

    Deus concebeu as leis da física de uma forma precisa e sintonizada, de forma a permitir que as leis da química funcionassem da forma mais adequada aos seus propósitos criadores.

    À Joana caberá dizer o que é que, no que se escreveu, está cientificamente errado ou não faz sentido, fundamentando as suas afirmações.

    ResponderEliminar
  8. No fundo, os criacionistas não rejeitam qualquer dado da ciência observável, mas apenas as especulações naturalistas abusivamente penduradas, como “free riders”, na ciência.

    O problema dos criacionistas não é com a ciência, mas com a religião naturalista mascarada de ciência.

    O Universo depende de leis da natureza, sendo que estas dependem de outras leis da natureza, que por sua vez dependem da vontade de Deus.

    Deus criou as leis da física de uma forma adequada ao funcionamento das leis da química, de forma a tornar a vida possível.

    Duvido que algum cientista ou toda a comunidade científica junta conseguissem resolver um problema tão difícil como este. No entanto, Deus conseguiu.

    Os ateus não têm explicação para a existência das leis da natureza, mesmo tendo que concordar com a sua existência.

    Esta é inconsistente com um a visão naturalista do mundo, já que as leis da natureza não se podem justificar, em última análise, com base noutras leis da natureza, ad infinitum.

    As mesmas só podem ter sido estabelecidas por um Deus vivo, pessoal, eterno, omnipotente e omnisciente, tal como o que se revela na Bíblia e em Jesus Cristo.

    Com efeito, as leis da natureza são perfeitamente consistentes com as afirmações bíblicas.

    Elas articulam-se logicamente com um Deus que se auto-apresenta como "Eu Sou", como LOGOS, como VERBO.

    De resto, a própria Bíblia afirma que Deus sustenta o Universo através de “leis fixas”.

    Quem acredita em Deus espera, logicamente, que o Universo esteja estruturado de forma lógica, racional e ordenada, obedecendo a leis uniformes, porque o Universo foi criado pelo poder de um Deus racional.

    A existência das leis naturais não é um argumento contra a existência de Deus, antes corrobora inteiramente a crença em Deus.

    Se, por hipótese absurda e inacreditável, o Universo tivesse sido o fruto do acaso ou criado por um "deus" arbitrário e caprichoso como Zeus e a sua companhia, as coisas seriam certamente muito diferentes.

    ResponderEliminar
  9. Caro Jónatas,

    Antes já, fora aconselhado a não fazer passar por parvos quem lê as suas falácias adocicadas pela retórica de tão ilustre Professor de Direito.
    Apesar da verborreia ser de agradável consumo para quem se atola nas suas recensões da Amazon, a maioria dos leitores dos seus comentários neste blog conseguem filtrar os seus ardis.
    Apenas breves comentários a alguns dos seus "argumentos":

    -"Os organismos reproduzem-se de acordo com a sua espécie, também como a Bíblia afirma 10 vezes no primeiro capítulo de Génesis."
    Ver por favor , artigo ontem publicado (por favor tente na biblioteca da Direito, embora duvide) e onde é descrito que ADN bacteriano foi descoberto quer em Drosophila ananassae quer noutros insectos. Pelos visto o material genético de várias espécies é "contaminado" pelo de outras mais frequentemente do que se pensava.
    e igualmente aqui , e aqui também , alguns modestos exemplos em que poderá ter uma melhor perspectiva sobre a Evolução.

    - "Importa apenas salientar que as propriedades dos elementos não são arbitrárias."
    Gostaria, apenas, que mantivesse e observasse esta sua afirmação quando, por exemplo, põe em causa as datações isotópicas das rochas, afirmando por isso que a Terra não tem mais do uns míseros milhares de anos de existência.
    Apenas.

    Não me alongo mais que os argumentos que utiliza já foram mais do que rebatidos, em diversos locais.

    Cumprimentos

    Luís Azevedo Rodrigues

    ResponderEliminar
  10. Meu caro anónimo (Leia-se Jónatas Machado):

    Tanto quanto sei, LOGOS é uma palavra Grega bastante polissémica. Significa, pelo menos palavra, raciocínio, discurso, Razão.

    A forma como usa a palavra é a forma como alguns filósofos da Idade Média, tentando - desesperadamente - conjugar a visão bíblica com a Filosofia Grega identificaram o LOGOS com deus.

    Ora Logos eram as leis universais inteligíveis que regulavam o Cosmos. Curiosamente, também o antigo testamento constitui uma série de leis que tinham por objectivo manter a "malta" na ordem (semelhanças!?). O facto de existirem leis que regulam o mundo não quer dizer que as leis sejam deus - por muito que o repita, não fará com que isso seja mais verdade.

    E nunca é demais repetir que a ciência parte do que não sabe para tentar encontrar respostas. Não parte de uma, suposta, verdade à partida para que todas as observações se encaixem nela.

    Já agora, essa ideia peregrina de fazer comentários muito grandes, até pode servir para convencer as pessoas da sua igreja, mas qualquer pessoa que pense pela sua cabeça logo vê que é só a mesma conversa vazia e palavrosa de sempre...

    Cumprimentos,

    José Oliveira.

    ResponderEliminar
  11. Se estivesse a treinar psiquiatria, este video devía ser uma boa "ferramente", ou melhor, o próprio mundo é uma boa "ferramenta".



    Seres vivos comparados com carros anfíbios.


    Já tinha visionado outros videos onde são incluidas partes do discurso de cientistas como Chris Stringer.

    A religião parece mais um delírio colectivo, talvez assim tenha sido sempre, mas , neste momento, já está a ser estudada "científicamente" .

    ResponderEliminar
  12. Alguém disse:

    "E nunca é demais repetir que a ciência parte do que não sabe para tentar encontrar respostas. Não parte de uma, suposta, verdade à partida para que todas as observações se encaixem nela."

    Existe alguma experiência científica que ateste a verdade desta afirmação? Claro que não. Ela é uma construção ideológica.

    O autor da referida citação está a falar certamente de uma particular concepção de ciência, que, como tudo o mais, é controversa. Essa visão da ciência é claramente humanista e naturalista, sendo acima de tudo ideologia.

    Trata-se da visão da ciência própria de uma determinada visão do mundo que exclui Deus e a sua Palavra a priori, partindo do princípio de que são grandezas irrelevantes no mundo real.

    Puro erro.

    Tal concepção é uma construção humana, altamente falível.

    Os criacionistas nada têm contra a ciência que lida com o observável e o repetível. Essa ciência baseia-se em inteligência e informação, por sinal os mesmos ingredientes do criacionismo.

    A mesma supõe um Universo inteligível, e indivíduos racionais, premissas inteiramente compatíveis com uma visão criacionista do mundo, mas que não encaixam numa visão acidentalista do Universo, da Vida e do Homem.

    A origem do Universo e da Vida não foram observados por ninguém, a não ser por Deus.

    Daí que a ciência das origens tenha necessariamente que começar com a revelação de Deus, sob pena de se basear nas especulações e extrapolações de cientístas falíveis, que existem no presente e fazem observações no presente e que não presenciaram nenhuma ocorrência causadora do Universo e da Vida.

    ResponderEliminar
  13. A ignorância não sabe que o é!

    Milhares de livros sobre física e biologia... mas só lêem um...

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.