terça-feira, 8 de maio de 2007

James Randi desmascara Uri Geller

James Randi e Richard Dawkins discutem o paranormal no Amazing Meeting de Janeiro de 2005.

No livro «O Mistério do Bilhete de Identidade e Outras Histórias», o Jorge fala-nos de James Randi, um activista céptico que ajudou a fundar movimentos como o Committee for Skeptical Inquiry (CSI), e está à frente da JREF, James Randi Educational Foundation. A JREF é uma fundação dedicada a «combater a desinformação, a pseudociência e a fraude», que tem em aberto o «Desafio de um milhão de dólares». Qualquer um que acredite ter poderes «sobrenaturais», «mediúnicos» e afins só tem de se inscrever para o desafio: pode ficar com o dinheiro ou doá-lo à instituição de caridade favorita (para não alegar desapego a bens materiais como desculpa para não se submeter ao desafio). A JREF não participa nos testes, apenas os desenha com a concordância dos candidatos. A única coisa que Randi e a sua instituição pedem é a possibilidade de usar livremente os registos das experiências realizadas. Até hoje ninguém passou os testes preliminares...

James Randi já desmascarou o suposto telecinético James Hydrick, pretensos praticantes de cirurgia psíquica e expôs a verdadeira face da suposta detective paranormal Sylvia Browne (vídeo aqui). Mas o feito mais importante, para mim pelo menos, é a desmontagem dos poderes «mentais» de Uri Geller.

Uri Geller foi um fenómeno nos media há cerca de 20 anos. Durante muitos anos, os seus «poderes paranormais», nomeadamente o fenómeno que o tornou famoso, dobrar colheres, mas também os seus «poderes» de telepatia e detecção «mística» de minerais preciosos tornaram-no presença constante no pequeno écran um pouco por todo o mundo. O seu «poder» mental inspirou ainda dezenas de livros e inúmeros artigos - mesmo em respeitáveis jornais e revistas de circulação internacional, tais como o Times, The New York Times ou o Los Angeles Times - e permitiu-lhe ganhar milhões e milhões de dólares em exibições públicas, inclusive em programas de TV assistidos por milhões.

Uri Geller continuaria a vender os seus pretensos poderes paranormais, não fora James Randi, que demonstrou a facilidade com que este charlatão sem escrúpulos ludibriou até cientistas. Uri Geller ainda tentou processar os cépticos que desmascararam em livro as suas fraudes, mas perdeu todas as acções. Continua enganando os mais incautos fora da ribalta dos media, numa página da internet onde vende bugigangas psíquicas e livros «místicos» como «Life Signs» - recomendado por outro charlatão já aqui abordado, Deepak Chopra -, ou «Mind Medicine».

Uri Geller voltou a ser notícia há pouco mais de um mês, agora porque exige que sejam retirados do You Tube os vídeos que desmascaram as suas fraudes. Enquanto os vídeos não forem (se forem) retirados podem apreciar o fantástico Randi em acção.


16 comentários:

  1. Oh! A trick of the sleeve... how can I believe? :)

    Bem, pelo menos estes posts são bem suculentos, tanto haveria de facto a documentar sobre eles...

    De facto, fala-se aqui de imensas coisas diferentes, cada uma das quais merecia só por si um comentário detalhado.

    Mas como o título refere Uri Geller, vamos lá então focar só o controverso psíquico ou paranormal ou o que se lhe quiser chamar... since words are just mere sounds that are supposed to convey meaning and not to confound us even more!

    Ora bem, aqui, tal como em muitíssimos outros exemplos - as NDE e OBE antes também focadas são outro caso típico - dá-se uma suposta explicação ou demonstração de alguns fenómenos ou "truques"... et voilà!... tudo explicado na hora, é crendice sem demora!

    Obviamente seria impensável que todos os casos "paranormais" e respectivos protagonistas fossem 100% autênticos e verídicos. O que não significa, note-se, que aqueles que não o são caiam necessariamente na categoria de fraudes, como James Randi parece afirmar. Aliás, no vídeo acima, Dawkins de novo me surpreende positivamente... I really like this guy!... :) ao enquadrar algumas das "paranormalidades" actuais em futuras normalidades, quando houver explicação para tal. Certo, só que... qual será o paradigma então, eis a questão?!

    Mas basta de teoria e vamos lá aos factos! Ah, não li o livro de Randi sobre Geller, de facto apenas conheço ambos os sites aqui referidos, os quais já explorei com muito interesse há um par de anos atrás. Quite interesting stuff, I must agree! E sim, as objecções racionais de uma mente céptica são importantes para a comprovação deste tipo de estudos acerca da influência da mente ou consciência sobre o universo físico.

    So... let's start the show... off we go! :)

    (Ah, e deixemos até de parte a adjectivação algo virulenta da irada ou indignada Palmira, afinal são apenas palavras, nada mais... ponto de mira da Professora bem gira! ;))

    Comecemos logo pelo mais importante, a referência de que Geller ludibriou até cientistas. Se o fez, não foi por certo o primeiro, já que William Crookes e Oliver Lodge terão também incorrido em erro na avaliação dos poderes extra-sensoriais de alguns médiuns, então. Ena, o que haveria igualmente a dizer sobre isto! Bem, os homens de ciência também são humanos... e alguns até religiosos ou espiritualistas, safa!!! :)

    O cientista focado no link é o Professor John Taylor, da Universidade de Londres, e autor de 3 livros sobre a consciência, em que defende que esta depends solely on brain activity ("The Race for Consciousness", 1999). Isto não deve dar muito espaço à paranormalidade, parece-me, embora mesmo numa base puramente biológica talvez seja possível explicar fenómenos repetidamente registados experimentalmente, como a telepatia ou a sincronização de padrões EEG em diversos sujeitos independentes, por exemplo. Só que outros há que parecem ossos mais duros de roer, vamos ver...

    A questão das chaves e colheres é, tecnicamente falando, um exemplo de telecinesia, ou mais genericamente psicocinesia (PK), do grego kinesis, movimento. Tais fenómenos podem também ocorrer espontaneamente, como nos casos dos chamados "poltergeist", muito popularizados no cinema, que de facto tem aqui uma bela mina.

    Anyway... há mesmo uma série de cientistas que validaram as experiências de Geller e, note-se, continuam a fazê-lo ainda hoje! Uri não é somente um fenómeno do passado, muito embora seja natural que não atraia hoje a mesma atenção que suscitava há 30 anos atrás, mas as suas qualidade permanecem intactas, afinal. De facto, creio que até refinadas e mesmo ampliadas! :)

    So, I guess Randi will have to work much harder indeed in order to be able to repiclate Geller again.

    Faço notar que inclusive a "Nature" deve ter sido "aldrabada", já para não falar na "New Scientist", pois ambas publicaram, em 1974, artigos científicos sobre as experiências em ambiente controlado a que Uri Geller foi repetidamente submetido. Aliás, a lista de cientistas de topo que o "mágico" israelita "fintou" é mesmo MUITO apreciável, ó se é! Será então mesmo tudo assim tão falso... meros truques de café?!

    OK... toca a terminar! Esta contínua questão do "paranormal" está muitíssimo para além de individualidades específicas, prove-se ou não que se trata de fraudes, já que ela continua a ser um sério objecto de estudo por parte de cientistas acreditados, pelo menos desde finais do séc. XIX e até hoje.

    Note-se ainda que, se de facto estamos a lidar mesmo com fenómenos genuínos que ultrapassam de qualquer modo a fronteira do real material conhecido mas cognoscível, é também provável que não estejam ainda suficientemente desenvolvidos os aparelhos de medição e as técnicas apropriadas para os detectar e comprovar. A este respeito, basta só relembrar que a existência dos átomos foi postulada mais de 2 milénios antes que a sua existência pudesse ser efectivamente demonstrada. O mesmo se passou com os organismos patogénicos unicelulares, na teoria do contágio, por exemplo, que tiveram de esperar até à invenção do microscópio para serem experimentalmente observados.

    Yes! It all boils down to... what is the true nature of Reality...

    Rui leprechaun

    (...mind or matter... what ARE WE?! :))


    PS: Como sempre, uma prenda para os curiosos. Princeton de novo, claro! Bem, pelo menos é uma Universidade consagrada... com ou sem gnose!... just because! ;)

    http://www.boundaryinstitute.org/articles/rngma.pdf

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, my oh... yes, yes, yes!
      Querido Rui Leprechaun: você mesmo já se constitui num caso paranormal. Ora parece um "rapariga, ora, pois, portuga falando" e, de repente, baixa um espírito anglo-saxão que parece concordar com sua opinião. Ou, quem sabe, esse "espírito" está lhe orientando o raciocínio. Entretanto, não lhe critico, pois morro de raiva de mim mesmo quando percebo que fui pedante aqui ou ali quando expresso minhas ideias. By the way, ich bin müde, e não tenho mais nada para dizer. Isso é um mistério. Não sei porque eu estou tão cansado se há tanta energia disponível no universo. Acabei de acordar e quero voltar para cama. O médico diz que é depressão. Eu concordo com o Eclesiastes: "Vaidade das vaidades, é tudo vaidade"! Mas tenho que continuar vivo, enquanto respiro. Oxalá vivesse todos os dias com muita alegria!

      Eliminar
  2. Pal,

    Sou um adepto incondicional das teses do Uri, mas como o paranormal também está sujeito ao erro dediquei-me há pouco a uma ampla cogitação que ofereço agora à sua análise. Vinha eu a sair de casa (hoje na condição de Presidente da Associação de Moradores do Meu Apartamento) e dou comigo a lançar esta pergunta a mim próprio:
    -Bruce, será possível chegar à fala com o primeiro ser humano deste planeta para percebermos afinal como cá chegou? Será o Uri capaz de, em aramaico-saxónico, desempatar o velho derbi evolucionismo vs. criacionismo?

    Foram estas as palavras que me dirigi, e a resposta não tardou:

    Bruce, minha besta:
    Sabes perfeitamente que não tens sofisticação bastante para esse tipo de averiguações e eu vou ajudar-te. Na verdade, não é fácil saber se o Homem chegou à Terra na forma de modelo acabado tipo, sei lá, Senhor Prudêncio que sem maldade guarda os pesticidas com cuidado, ou como uma gosma de DNA que, à vista de outros animais incrédulos, se foi transformando em cima da rocha, puxa daqui, estica dali, em estádios metamórficos até à Liv Ullmann.
    Portanto, meu amigo a verdade é que...
    espera...zzz....roger...delta...
    estou a receber a informação de que as universidades vão poder passar a fundações...
    Lamento. Desconcentrei-me.

    ResponderEliminar
  3. Caro Bruce,
    Do seu comentário deduzo que você também aprecia bastante o trabalho dos forcados :))

    Ou, estarei eu demasiado de esguelha para o monitor?
    Artur Figueiredo

    ResponderEliminar
  4. Artur,

    A tauromaquia interessa-me se for de plástico.

    ResponderEliminar
  5. Eu, "só lá vou" com gado metafórico.
    Artur Figueiredo

    ResponderEliminar
  6. Num desenvolvimento interessante a esta notícia, Uri Geller depois de desmascarado na internet e na televisão ainda teve uma palavra a dizer. Pediu ao YouTube que retirasse o vídeo de circulação alegando que tinha direitos sobre um trecho do filme, neste momento está a ser processado pela Electronic Frontier Foundation por fazer alegações falsas! Pode ser que ainda o mandem dobrar colheres para a prisão, ou melhor ainda, apanhar sabonetes com a mente :P

    ResponderEliminar
  7. Sou mágico(ilusionista) a muitos anos.O pior é que os truques de mágica feitas pelo uri gueller são feitos por milhares de mágicos no mundo muito antes dele, só que por consciência e moral ninguem se proclama "paranormal". Para piorar tudo estes truques estão a venda a muitas décadas e podem ser ensinados a qualquer um, claro se a pessoa vai conseguir fazer ou não é outra coisa.

    Entortar metais(garfos,facas,pregos,metais grandes), reviver relógios(este é muito tosco), acertar um número que a pessoa vai pensar quantos dígitos forem, saber um nome de um ente querido que morreu, colocar cartas ESP e acertar qual símbolo ESP a pessoa pensou, telepatia entre duas pessoas e outros eu sei fazer e qualquer um pode aprender.A mídia claro ganha mais lucro com o charlatão do que com o mágico, por isto eles existem até hoje, mais o uri gueller ja cometeu muitos erros em apresentações na TV sem falar quando ele sente que tão querendo pegar ele , ele simplesmente não faz nada alegando que seus "poderes" estão fracos no dia...neste conceito é muito mais facil ser charlatão do que mágico, porque o mágico não pode errar o charlatão pode.

    ResponderEliminar
  8. James Randi é mágico e ilusionista, notadamente cético caracteriza-se na busca de fraudes paranormais.
    Um paradoxo nessa história é que o próprio James Randi é um charlatão, na busca por desmascarar fenômenos inexplicáveis, Randi usa mão de truques de ilusionismo desonestos
    para desqualificar aquilo que ele não consegue rebater.

    ResponderEliminar
  9. epa pra tudo tem uma explicaçao vamos deixar ele tentar se explicar

    ResponderEliminar
  10. Sou brasileiro. Gosto muito da forma como vocês escrevem. O Português fica mais interessante em português.

    Ah, o Uri Geller? Só acho estranho que tantos se deixem iludir por alguém que nasceu com "vigarista" escrito na testa.

    ResponderEliminar
  11. ha ha ainda me lembro das horas passadas a olhar para uma colher e a pensar dobra, dobra... (em minha defesa tinha para ai 10 anitos)

    ResponderEliminar
  12. Desafio de 1 milhão de dólares... e ninguém conseguiu esse dinheiro... ? É bom sempre lembrar que, quando se trata de desmascarar fraudes, e fraude é sinônimo de desonestidade, devemos ficar atentos na honestidade daquele que se propõem a investigar. Nem sempre ela existe... Quando se diz que alguém oferece 1 milhão e "até hoje ninguém passou os testes preliminares..." está implícito que James Randi é fera... Mas as coisas não são tão simples. Já há material suficiente para calar James Randi e semelhantes, mas a questão é que eles não são honestos. O assunto é complexo demais, mas faço aqui só um apontamento : conseguir realizar com truque o que um paranormal realiza, não invalida o feito. Nesse caso, não basta "revelar um truque que produza o mesmo efeito", mas sim "apontar no ato o truque sendo realizado". Isso não vejo ninguém fazer. Estranho, não ? Deixarei mais claro. Médium Dr. Edson e o DR. Fritz. Experiência ao vivo diante das câmeras mostrava em close cortes na carne e retirada de tumores sem anestesia e sem dor. Padre Quevedo presenciou. Posteriormente, o padre mostrou como isso pode ser feito com miúdos de galinha, ludibriando o público... Pena. O padre perdeu a oportunidade de, na hora em que estava diante do Dr. Fritz, pedir licença, intervir, e mostrar ao público que tratava-se de miúdo de galinha, mostrar que o sangue não era real, mostrar que não havia corte... mas isso ele não fez. O Dr. Fritz ficou anos realizando esse trabalho, e ninguém o desmascarou no ato. Pode ficar com seu dinheiro, James Randi. Já há pesquisas realizadas por indivíduos conscientes, que estudam não por querer desmascarar alguém, mas para saber porque determinados fenômenos ocorrem. Isso contribui. O resto, é resto.

    ResponderEliminar
  13. O fenômeno de efeitos físicos, Kardec já dizia, não é um fenômeno unicamente paranormal, ou de uma mente, mas de uma intervenção espiritual, portanto Uri não teve "seus" poderes "desmascarados" como falsos, simplesmente, os espíritos pararam de lhe usar, pararam de se submeter aos seus caprichos...

    ResponderEliminar
  14. Falta agora desmascarar o novo esperto Lior Suchard. Não à toa, se diz amigo de Uri Geller de longa data.

    ResponderEliminar
  15. Do fato de você conseguir dobrar uma colher usando um truque não se segue que a outra pessoa a dobrou usando o mesmo truque. Muito falacioso isso. Pode até indicar fraude, mas não prova a fraude. Agora, tem o outro lado, né. Para quem não quer acreditar, qualquer prova serva, ainda que falaciosa.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.