segunda-feira, 18 de julho de 2011

VIVA O JORGE LIMA BARRETO !


Texto chegado a este blogue do poeta E. M. de Melo e Castro sobre a morte do músico Jorge Lima Barreto:

A MORTE DOI, MAS ALIVIA, MAS DOI E NADA FICA NA MESMA!

No entanto, oh! Jorge, não era preciso ir tão longe ... não tinhas apoios, mas em Portugal quem os tem? Sinto por mim, que não tinhas o direito de morrer... pelo menos por enquanto... porque a todos nos tocará a HORA. Não tinhas esse direito porque neste momento quem é válido e grande excede as fronteiras do país, seja de que modo for. Portugal fica um deserto, e no deserto nem as lágrimas medram. – Uma merda !

Se estavas só, tu sabias muito bem que todos estamos sós e esquecidos, a olharmos uns para os outros, uns tantos muito poucos, cada vez menos, a resistir ao desgaste que a mediocridade do tempo e das pseudo-pessoas-circulantes nos querem impor... Mas enganam-se porque o poder que julgam deter é ainda mais estúpido que elas!

Sei muito bem que a morte é uma forma de resistência. Mas aos que ainda não chegamos lá, compete-nos VIVER !

Viver com a tua música nos olhos !

E.M. de Melo e Castro
15 de julho de 2011 / São Paulo

1 comentário:

  1. Em memória ao músico Jorge Lima Barreto.


    Não devas ser deserto descampado
    nem o sejais medos que medrados
    por serventias, são alambrados
    que da brisa tantas ventanias
    trazem o sol da perseverança
    eis que Portugal é renascer
    quer ser a ponta da lança
    quanto sonho realizado!

    Não só de lembranças
    vivem os homens, mas
    deste amor na música
    são vigor e a bonança!

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.