quarta-feira, 29 de setembro de 2010

O BAPTISMO DOS ET


Carlos Oliveira comenta no blogue astro.pt a vontade da Igreja Católica de baptizar extraterrestres: aqui.

3 comentários:

  1. Por acaso, não acho nada boa ideia, esta do padre Guy.
    E não acho, porque, antes de "proceder" ao baptismo, o padre-astrónomo... (ou será astrónomo-padre?!) vai ter de os evangelizar e catequizar.
    Partindo do princípio que essa missão possa decorrer pacífica, vai ser forçoso que o padre Guy, fale aos extra-terrestres de um homem que recebeu de Deus, no cimo de um monte, um conjunto de távuas, onde se encontram gravadas 10 leis de conduta humana e universal. Leis essas, que o homem não observou (e ainda não observa) o que levou a que Deus, enviasse à Terra o Seu Filho, que em Seu nome, reafirmou à humanidade a necessidade de observar essas tais Leis, o que lhe valeu a morte por crucifixação.
    O padre Guy, vai ter de explicar também, aos extra-terrestres, que até hoje, o homem, filho de Deus, irmão do outro rapaz que foi crucificado, após vários milénios, ainda não se habituou a observar as tais simples 10 Leis, continuando por isso, a matar-se, a roubar-se, a catrapiscar a mulher do outro, a desonrar o nome de toda a gente, a trabalhar fora de horas (sábados inclusivé), a idolatrar qualquer coisa que lhe pareça capaz de lhe promover a imágem, a cobiçar aquilo que não lhe pertence e a evocar à balda o Seu santo nome, até para convencer... mesmo que sejam extra-terrestres...

    ResponderEliminar
  2. Na verdade, falta referir um aspecto essencial. Guy Consolmagno estaria disposto a baptizar um ET, se ele assim desejasse, o que faz toda a diferença (embora deixe uma questão em aberto: a do porquê baptizar crianças, que não manifestam desejo...). Ver http://tribodejacob.blogspot.com/2010/09/lendo-uns-blogues-uns-jornais-uns.html

    ResponderEliminar
  3. Perdoe-me Jorge Pires, questiona-lo directamente... em sua opinião, o que, ou o quê, moveria a vontade de um ET, a ser baptizado na fé Cristã, passando a fazer parte de uma vasta comunidade dictómica, na medida em que, na sua grande parte, é também católica?

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.