domingo, 26 de setembro de 2010

Já não há armários onde nos escondamos

Na revista Única do semanário Expresso da passada semana fazia parte de um trabalho alargado um pequeno artigo intitulado A internet vai acabar com a nossa liberdade e privacidade?, da autoria de Bernardo Mendonça e Christiana Martins (páginas 28 a 30). Pelo interesse que as ideias nele contidas têm para pensar este assunto tão pouco pensado, transcrevemos o que nele entendemos ser essencial.

“A tendência nas redes sociais já não é fazer amigos, mas «desamigar», banir pessoas das nossas listas de contactos. Tudo porque os excessos de realidade virtual já começaram a chamar-nos à razão. A privacidade é a pedra de toque desta discussão, embora a maioria das pessoas ainda se exponha de tal forma que deixou de ser segredo o que comem, sonham ou fazem na cama (…)

A festa da adesão às redes sociais continua a ser de arromba e os pudores ficam à porta. A ideia que persiste é que quem não está na rede está fora do mundo. E quem trata as redes sociais por tu, acaba por se sentir pressionado a escrever e a publicar imagens o mais sugestivas e reveladoras possíveis, para captar a atenção dos outros.

A fasquia vai ficando cada vez mais alta e a capacidade de controlo cada vez mais reduzida. Ser visto, ser conhecido, alargar o grupo de conhecimentos, ganhar estatuto e visibilidade social são elementos de forte sedução (…).

Os portugueses, por exemplo, têm uma média de cem «amigos» na internet. Visto que praticamente ninguém tem cem amigos na vida real, com quem nos andamos a relacionar?
.
A primeira característica dos relacionamentos virtuais é a sua quantidade. São muitos, demasiados, rápidos e fáceis de fazer. Quanto tempo demoramos a fazer um amigo, fora dos computadores? Quase uma vida! Mas nos écrans está à distância de um click no botão “add a friend”. E é comum engordarmos a nossa lista de “amigos” com conhecidos dos conhecidos. Só para ver no que dá. Até descobrir que o pecado mora ao lado. Na internet podemos tirar partido do dom da ubiquidade. Uma só pessoa pode estar presente em várias redes sociais em simultâneo. A história de muitos de nós começa cedo.

Ainda crianças, começamos a aceder ao hi5 para namorar e fazer amigos, depois passamos a partilhar gostos e pensamentos no Facebook e ligámo-nos ao Twitter para seguir as novidades, notícias e contactar com os «famosos». Quem quis fortalecer contactos profissionais alistou-se nas fileiras do Linkedin. A nova mania dos utilizadores das redes sociais é o Foursquare, um programa que localiza geograficamente, passo a passo, os nossos conhecidos. Basta ter um iPhone ou um Blackberry. Já não há armários onde nos escondamos.

É fácil cair na rede e ficar preso nas aliciantes teias da notoriedade global. A questão é o utilizador-tipo, o homem ou mulher comuns, com conhecimentos gerais de utilização na internet, não tem consciência plena dos mecanismos automáticos destas redes sociais. Por exemplo, quando uma fotografia ou um comentário inocente é «postado» no nosso perfil do Facebook, não sabemos qual o seu destino final. De repente, uma imagem ingénua da nossa vida privada pode transformar-se num pesadelo. Basta ser retirada do seu contexto, quando partilhada com centenas de pessoas, desde o amigo de infância ao vagamente conhecido, passando pelo contacto de verão, que, afinal, mais não é do que um desconhecido. Sem esquecer o chefe que também pode lá estar a ver o que não deve.

São fragmentos das nossas vidas que publicados sem critérios por nós definidos e descontextualizados, transformam-nos noutra pessoa, com intenções diferentes das originais. Afinal, qual o valor da nossa privacidade? Quais as consequências futuras de uma geração que já nasceu com a sua privacidade exposta nas montras virtuais? Que valores vão balizar a nossa sociedade? O problema é que a definição e os limites da nossa vida privada estão a ser redefinidos, mas nós não estamos a participar activa e conscientemente neste processo.”

Bernardo Mendonça e Christiana Martins

3 comentários:

  1. José Batista da Ascenção26 de setembro de 2010 às 22:02

    E ficamos cada vez mais expostos e vazios e desprotegidos e solitários no meio da multidão.
    Desde há muito conheço um dito que diz que quem tem muitos muitos amigos não tem verdadeiros amigos, porque esses são sempre poucos. Agora as amizades virtuais terminam frequentemente como os afogamentos nas praias "superpovoadas".
    Como nos havemos de prevenir? E socorrer?

    ResponderEliminar
  2. "São fragmentos das nossas vidas que publicados sem critérios por nós definidos e descontextualizados, transformam-nos noutra pessoa, com intenções diferentes das originais."

    - e alguns de nós aprendemo-lo da pior maneira... :(

    ResponderEliminar
  3. Eu não tenho Facebook. Não tenho Twitter. Não tenho Hi5. Fui apanhado à boleia no LinkedIn mas não vou lá.

    Nada disto me faz falta nenhuma. Tenho amigos.

    Fazer perceber isto aos mais novos é complicado. Sou irreversivelmente cota. Hão-de sobreviver.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.