sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Vale a pena ler

Título: Escritos sobre uma Vida Ética
Autor: Peter Singer
Tradução de Pedro Galvão, Maria Teresa Castanheira e Diogo Fernandes
Edição: Dom Quixote, 2008, 359 pp.

Peter Singer apresenta neste livro uma recolha de artigos, capítulos de livros e uma entrevista, que visam esclarecer o leitor que só conhece o pensamento de Singer superficialmente. Publicado na sequência da imensa polémica que se seguiu à sua contratação pela Universidade de Princeton, este livro aborda os principais temas de reflexão de Singer: a eutanásia, a obrigação de ajudar os mais pobres, o sofrimento dos animais e o vegetarianismo ético. Sempre servido por uma escrita clara, organizada e fluente, este livro permite conhecer melhor o pensamento do autor sem ter de ler os seus diversos livros e artigos que constituem já uma pequena biblioteca de ética aplicada.

1 comentário:

  1. Obrigado pela sugestão, Desidério!
    É pena é que a "ética aplicada" do Peter Singer seja uma falsa ética. Mas isso levava-nos muito longe!

    Eu louvo a clareza de escrita do Peter Singer, e elogio a sua excelente capacidade de síntese de exposição de temas complexos para principiantes.

    A sua obra "Ética Prática", a única que li por inteiro, está muito bem organizada e exposta.

    No entanto, traz-nos uma ética errada em muitas partes. Ou seja, as capacidades de expressão do orador, ou do autor, não impedem que o conteúdo seja falso.

    No entanto, o Peter Singer deve ser estudado, bem como a sua obra: são um excelente exemplo das conclusões dramáticas às quais se tem que se chegar logicamente quando se opta por construir uma ética utilitarista coerente, sem ponta de deontologia.

    A ética utilitarista desumaniza a verdadeira ética (que deve ser humanista). Curiosamente, há efeitos colaterais paradoxais: a desumanização do homem leva à humanização dos animais.

    Um abraço,

    Bernardo Motta

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.