quarta-feira, 21 de dezembro de 2022

O natal era um ramo de azevinho

O natal era um ramo de azevinho

E arbustos redolentes enraizados   

Nas ruínas de pedra de um musgoso muro.

O natal era um ramo de azevinho,

O verdor das ervas húmidas, sob um nimbo,

E o coração no caminho de volta ao mundo.

Sem comentários:

A ESTUPIDEZ REVISITADA

A estupidez é a mercadoria mais bem distribuída deste mundo: ela veste-se de demagogia ou do que quer que seja de imundo. A estupidez é...