sábado, 12 de novembro de 2022

Vila Franca de Xira

Volto ao estore e ao colchão.

Caiu o dia do rio.

O sol levou pela mão as crianças

Que pulavam na escadaria.

Os homens partiram da praça

E esqueceram-se do pelourinho.

Os risos partiram da alma.

A luz é fria como uma carcaça.

Sozinho abandono a órbita do clarão!

Volto ao campo e ao silêncio.

Volto ao estore e ao colchão.

Na gare, dormem os sem-abrigo.

Com eles, está o meu coração.

Sem comentários:

A ESCOLA PÚBLICA, 50 ANOS DEPOIS DA LIBERDADE, EM DEMOCRACIA

Escrevi, há dias, que a luta dos professores, numa intensidade nunca vista, com grande destaque no passado ano de 2023, trouxe ao de cima a ...