sexta-feira, 25 de novembro de 2022

Dois poemas

I)

Se eu amar, se houver amor,
E o amor por vezes é um rio veloz
Ficando aquém da razão de florir,
Canto, como se fossem mar
Até as águas que não foram foz.

II)
A noite longe de ti, mãe.
Longe do teu colo e do brilho.
Tenho o quarto, ninguém.
Tenho o rio, ninguém.
Olho ao redor, ninguém.
Estou só, longe de ti, mãe.
Apenas o coração ainda faz
Com que eu chame retiro
A este quartinho e ao rio.
Oh, o peito perseguido pela dor!
A noite longe de ti, mãe.
E jazem o quartinho e o rio.
E jaz o sonho latente.
Jaz tudo em mim e ao redor.
O teu passo estugado persigo
Na terra dura do trilho, mãe.
Então começa, no amplo silêncio, 
Do menino o amplo sopor.
Ao teu colo, me retiro,
Em paz, do mundo, onde
Ainda nada sei sobre o amor.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

"A VOSSA VOZ CONTA" PORQUE ELA É A NOSSA VOZ, QUE QUEREMOS QUE SEJA VOSSA

Saiu no  Expresso   online de ontem, sábado, um texto muito esclarecedor do jornalista Rui Duarte Silva sobre as terceiras Jornadas da Juven...