terça-feira, 8 de novembro de 2022

Que tuas mãos esqueçam de sol a sol

Que tuas mãos esqueçam de sol a sol,

Do sol que se põe ao sol que se levanta,

De água turva a turva água,  

E de estrela a estrela, a minha mão trêmula

E o rosto esquecido por tanta lágrima.

Sem comentários:

Rushdie e a decência humana

Imagem recolhida no jornal El País : aqui Depois de Segunda Grande Guerra, o Ocidente declarou "nunca mais": nunca mais à destruiç...