sábado, 5 de novembro de 2022

As antíteses são belos motores de arranque

Por Eugénio Lisboa

MORRER

(Para desmentir a máxima de La Rochefoucauld, segundo a qual, os homens não conseguem olhar de frente nem o sol nem a morte).

Morrer é nunca mais ir conhecer
tanta coisa bela que se vai criar, 
é dizer adeus ao que vai haver, 
é ir estar ausente do abrasar.

Estar morto é não ter acontecido,
é o estado de antes de nascer,
é o retorno ao ainda não ter sido,
é o que quer que seja o não ser.

Para o morto, não há qualquer recurso,
não existem, na morte, tribunais.
Está fechado qualquer percurso,

naqueles territórios radicais!
O morto é muito mais que esquecido,
tornou-se um fantasma descabido. 

A ARTE DE VIVER 

(Depois de um soneto sobre a morte - que se não tema -, um sobre o gosto de viver e de brincar! As antíteses são belos motores de arranque).

E quanto se vive, quando se vive?
E quanto se vê que não é declive
gozarmos o calor em que se vive?
O prazer é coisa que se arquive?

Será de contratar um detective,
para vigiar o quanto se vive?
Pois não é melhor que se reactive, 
em Pisa, Florença ou Telavive,

o fogo que, com gosto, se adjective?
A verdade é que, até hoje, mantive
o gozo que, sem custo, entretive,

a mastigar os frutos que obtive,
a afagar a vida que em mim vive
e, com bom cuidado, sempre detive!

Eugénio Lisboa

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

"A VOSSA VOZ CONTA" PORQUE ELA É A NOSSA VOZ, QUE QUEREMOS QUE SEJA VOSSA

Saiu no  Expresso   online de ontem, sábado, um texto muito esclarecedor do jornalista Rui Duarte Silva sobre as terceiras Jornadas da Juven...