sexta-feira, 4 de novembro de 2022

Regresso ao firmamento e à terra

Regresso ao firmamento e à terra,

À temperança, ao almejo dos braços da mãe,

À geada tenazmente aderida à vidraça,

Ao horizonte a norte embranquecendo,

À criança macérrima, às botas azuis de borracha,

Ao rasto matinal no barro batido,

Aos charcos inquebrantáveis cor de arminho,

Ao padecimento das ervas escarchadas de gelo,

Ao coração, trêmulo e desguarnecido,

Nas botas azuis de borracha se escondendo.

Sem esperança, regresso ao que um dia era,

Como se em mim o gelo não fosse ainda derretido

Pelo tremeluzente e primeiro raio de sol

Escorrendo nas derribadas ervas do caminho.

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

"A VOSSA VOZ CONTA" PORQUE ELA É A NOSSA VOZ, QUE QUEREMOS QUE SEJA VOSSA

Saiu no  Expresso   online de ontem, sábado, um texto muito esclarecedor do jornalista Rui Duarte Silva sobre as terceiras Jornadas da Juven...