segunda-feira, 30 de abril de 2012

À abordagem!

Novo post de António Mouzinho:
 
O que é que me leva ao abuso de abordar o professor Desidério Murcho? As qualidades evidentes daquilo que faz.
Só nos últimos dias, tropecei num post («posta», em Português? conota correio e pescada) desviado do TED, com uma pequena e engraçadíssima palestra de uma senhora que não conhecia e dá pelo nome de Susan Cain e, no mesmo dia 28 de abril, Em defesa do pluralismo educativo.
Sobre a palestra: trata de introversão e extroversão. A autora é uma introvertida — extrovertida pelas circunstâncias da vida e da palestra — confessa estar casada com um extrovertido, etc. Fala de ensino e do trabalho na empresa; aponta tiques do ensino e da sociedade que sobrevalorizam a extroversão, o trabalho coletivo, e por aí fora. Trouxe-me para a frente as memórias de uma vida inteira de aulas, a lidar com miúdos introvertidos que alguns professores assinalam como casos problemáticos. Nunca me deixei levar por essa! Sou filho de um introvertido, e cedo aprendi o valor da coisa. Mas reconheci de imediato o estigma: «que é que o conselho de turma poderá fazer por esta criança?» Deixá-la sossegada, talvez…
Agora, o osso pior de roer: é uma insistência minha, mas quando discuto também quero entender — e ainda não entendi…
Diga-me lá: afirma que «o melhor que podemos fazer por qualquer jovem, pobre ou rico, é ensinar-lhe seriamente física, história, filosofia, matemática, artes, com rigor, esforço, e avaliações que constituam desafios a vencer». Sem dúvida!
Afirma, depois, que «a melhor maneira que temos de ver o que resulta melhor no ensino é ter professores diferentes a fazer escolhas diferentes, com manuais diferentes». Aqui sobejam-me alguns comentários, que ficam para mais logo, porque, em geral, também penso assim.
Remata dizendo que «o que funciona melhor para alguns alunos pode não ser o melhor para outros». Bom…
Aqui estão três razões, defende, que explicam a necessidade de pluralismo educativo.
Ora travo há algum tempo uma guerra que se reflete, à evidência, nos meus textos publicados no seu blogue: a guerra de não aceitar que uma direção iluminada se encarregue de refletir tanta e tão capaz iluminação para as minhas aulas.
É uma tarefa dura, porque me deixa algo isolado — naturalmente — a pelejar com o rabo encostado a uma parede.
Mas é uma tarefa gratificante, porque nada me diz que não tenho razão, porque sou responsável pelo que faço profissionalmente, e porque a dita parede é a da minha sala de aula: lá dentro, tenho os meus alunos, que me são entregues pelo Estado, após um conjunto de creditações científicas e técnicas, para lhes ensinar uma disciplina. Serviço público certificado, portanto.
Uma das armas que me assegura a lei é um currículo nacional. Expresso em programas.
Outra das armas é, com a certificação profissional, a responsabilização profissional.
Com as duas, Winchester e Colt, sou o Gary Cooper, e o comboio pode apitar as vezes que quiser.
Mesmo os idiotas mais acabados têm vergonha de esvaziar por completo, perante a pressão da opinião pública, os programas das disciplinas; ou o currículo nacional. Já não têm vergonha de produzir textos internos, em conselhos pedagógicos pequeninos, para atormentar quem não pensa segundo as regras que acham catitas.
Deixe-me, sem a autonomia científica e técnica, e sobretudo sem os programas, entregue às direções de escolas que por aí abundam, e está a deixar-me — sem armas, no Texas.
Pum! Estou morto!

António Mouzinho

7 comentários:

  1. Ola,

    O comboio não sei, mas eu apito de bom grado, em sinal de admiração e concordância. Total.

    Gostava de poder dizer que a conclusão é imaginaria, mas infelizmente, quem esta desarmado encontra-se à mercê de todos, mesmo, ou talvez sobretudo, daqueles que precisam de disparar a sua furia apos terem dado um tiro no pé !

    Boas

    joão viegas

    ResponderEliminar
  2. Caro Mouzinho

    Já a Sara manifestou essa preocupação; e eu sei que ela é genuína e séria. Mas pense um pouco fora da caixa. Por que razão isso não me acontece na universidade? A melhor maneira é você compreender as coisas ao contrário: por que razão nas escolas há quem possa arrogar-se o poder de mandar no que você faz nas aulas?

    A resposta é: porque não há pluralismo educativo. Porque há uma máquina central montada, que se arroga o direito de dizer aos professores o que eles têm de ensinar -- coisa que não existe na universidade. E porque essa máquina tem inúmeras instâncias hierárquicas, desde o Ministro da Educação até aos seus colegas que mexem os cordelinhos na escola e lhe fazem a vida negra. Tire a autoridade ilegítima do Ministério da Educação e toda a autoridade ilegítima cai como um baralho de cartas -- e nenhum colega na sua escola terá a autoridade para interferir no que você faz.

    Se você luta hoje com colegas que tudo fazem para que você ensine pior, isso é apenas o reflexo do centralismo que temos. Desde há anos que o maior obstáculo à excelência do ensino em Portugal é o Ministério da Educação, com todas as suas instâncias de poder, até aos colegas. A grande ilusão de quem tem ideais e práticas de excelência educativa, como você, é pensar que algum dia esses ideais terão expressão em programas, directrizes e exames nacionais. Desengane-se: isso não acontece desde o 25 de Abril, nunca aconteceu e nunca acontecerá.

    A melhor maneira de ver isto é pensar em sapatarias. Imagine-se que tínhamos um Ministério dos Sapatos. Este determinaria a maneira de fazer sapatos, os materiais, o modo de os vender, como dar assistência ao comprador, etc. Pergunta de retórica: estaríamos melhor ou pior do que estamos hoje, em que cada qual faz sapatos como lhe apetece e vende como entender?

    Há casos em que precisamos de centralismo; mas em todos os que não precisamos, o centralismo gera ineficiência, falta de qualidade, conflito social (porque pessoas com ideias diferentes querem mandar nos colegas por via da força da lei e não da qualidade dos seus livros livremente publicados e comprados), e desorientação. No ensino não precisamos de centralismo.

    Deixe-me dar-lhe outro exemplo: onde se aprende a ser romancista? Não é na escola, apesar de nela se fingir que se ensina literatura. Mas, na verdade, como lhe dirá qualquer romancista português, se ele aprendeu o seu mister foi fora da escola e muitas vezes contra a escola. Na escola centralizada, nada se cria, nada se transforma: tudo se perde.

    E um terceiro exemplo: onde está o centralismo no ensino do futebol? Em lugar algum. E no entanto as pessoas que querem aprendem futebol e aprendem-no suficientemente bem para fazer boa figura internacional. Agora imagine que amanhã fazíamos o Ministério do Ensino do Futebol. E eu digo-lhe já o que aconteceria: deixaríamos de ter futebolistas no dia seguinte.

    Faça a si mesmo um favor: leia com muita atenção o Sobre a Liberdade, de John Stuart Mill; todo. E depois releia o último capítulo.

    ResponderEliminar
  3. Ola Desidério e bom regresso ao blog,

    Penso que não respondes à objecção do Mouzinho.

    Ninguém é contra a liberdade de ensino, que implica diversidade. Apenas se aponta que sem programas gerais pré-definidos (que também existem na universidade e sem os quais seria de todo impossivel reconhecer às ditas universidades o direito de conferir graus académicos publicos), a liberdade de ensino seria completamente desprovida de conteudo.

    O grau de pormenor dos programas pode, e deve, ser debatido, mas contestar a sua existência, ou defender que cada professor, ou mesmo cada instituição, devia ter plena liberdade de os definir, é negar a propria essência do serviço publico educativo.

    A analogia com os sapatos é disparatada. Ninguém defende a existência de um serviço publico do calçado, porque é ponto assente que não existe diparidade entre os cidadãos nesta matéria e que existe oferta espontânea que chega para satisfazer as necessidades basicas de todos nesta matéria. Isto não sucede com o ensino.

    Se, por absurdo, chegassemos à conclusão que cabe ao Estado intervir por forma a que nenhum cidadão seja obrigado a andar descalço, então seria logico que os fabricantes de calçado obedecessem a regras gerais publicas, entre as quais teriamos certamente regras a definir o que é um sapato. So assim poderiamos ter a certeza de que as verbas publicas atribuidas à confecção de sapatos são bem repartidas e utilizadas de acordo com o principio de igualdade, sem termos por ai tratantes a utiliza-las para fabricar sapatos sem sola...

    Um abraço !

    joão viegas

    ResponderEliminar
  4. Uma posta não é simplesmente um artigo? O problema é que há tontos (e ainda bem, o mundo sem tontos seria monótono) que preferem palavróides como posta, adição (não se trata de adicionar), e outras tonterias igualmente engraçadas.

    ResponderEliminar
  5. Como esta segunda-feira é o primeiro Dia Internacional do Jazz, data atribuída pela UNESCO, para realçar a importância do estilo musical para a liberdade de expressão e para o diálogo intercultural ao longo dos séculos, sugiro o Dias Internacional do Professor para realçar a importância do estilo do Professor para a liberdade do magistério e para o diálogo intercultural entre os Professores e os alunos, ao longo dos séculos.

    Ao congratular-me pelo regresso de Desidério, e ao precioso conselho que nos dá de nos debruçarmos na leitura "Da Liberdade" de John Stuart Mill, atrever-me-ia a juntar "Le droit d'ignorer l'État", de Herbert Spencer.

    Cordialment

    ResponderEliminar
  6. Como esta segunda-feira é o primeiro Dia Internacional do Jazz, data atribuída pela UNESCO, para realçar a importância do estilo musical para a liberdade de expressão e para o diálogo intercultural ao longo dos séculos, sugiro o Dias Internacional do Professor para realçar a importância do estilo do Professor para a liberdade do magistério e para o diálogo intercultural entre os Professores e os alunos, ao longo dos séculos.

    Ao congratular-me pelo regresso de Desidério, e ao precioso conselho que nos dá de nos debruçarmos na leitura "Da Liberdade" de John Stuart Mill, atrever-me-ia a juntar "Le droit d'ignorer l'État", de Herbert Spencer.

    Cordialment

    ResponderEliminar
  7. Era mesmo eu que me dava ao trabalho de discutir com alguém oriundo das (pseudo) ciências da educação.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.