quarta-feira, 26 de novembro de 2008

EINSTEIN SOBRE OS PROFESSORES (1936)


"Há que conceder aos professores a maior das liberdades no que respeita aos conteúdos a ensinar, assim como aos métodos a utilizar. Pois é verdade que também para estes o prazer na execução do seu trabalho pode ser aniquilado pela força ou pela pressão exterior”.

Albert Einstein

9 comentários:

  1. Vá lá dizer isso à Maria de Lurdes. Professor à beira de um ataque de nervos agradecia. obrigado e shalom.

    ResponderEliminar
  2. Nunca umas palavras foram tao certas.
    A sra. deveria ler mais sobre os grandes céberos.
    De facto os professores sim deveriam ter toda a liberdade para fazerem o que mais gostam, ensinar!!
    Eles sim, conhecem os seus alunos, convivem diariamente com eles, mas mais que isso, sao estes docentes que os formam para que no futuro estes alunos sejam um dos pilares do nosso país.
    Agora quando existe opressao aos docentes, como está actualmente acontecer no nosso país, jamais estes poderam exercer a sua verdadeira funçao, ensinar!!
    Se a sra. ministra deixar estas demagogias todas, e fosse dar umas aulas para ver o que é a realidade, poderia ser que veja o quao esta errada com todas estas democracias.
    Fica o conselho!!

    ResponderEliminar
  3. diz o tipo com a lingua de fora...

    http://fogodeletras.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  4. Parabéns. Excelente exemplo da falácia do «apelo à autoridade».

    ResponderEliminar
  5. Ofertas de livros relacionados com o tema deste post:

    «E=mc^2 - A Biografia da Equação Mais Famosa do Mundo», de David Bodanis - [v. aqui].

    «A Peste», de Camus e «O Que é Ser Professor de Literatura», de Carlos Ceia - [v. aqui]

    «A Civilidade Pueril», de Erasmo - [v. aqui]

    ResponderEliminar
  6. O problema está no equilibrio entre a autoridade e a liberdade de ensinar.

    Te de haver uma critério minimo essencial na escolha de conteudos pois muitos professores tem crenças pessoais que não pertencem na sala de aula do ensino publico.

    Como exemplo basta ver a quantidade (proporcional é certo)de professores que apareceu a defender o espiritismo no artigo "masfias Psiquicas".

    Se eles consideram que isso é uma realidade, quem me garante que não vão ensinar isso nas escolas? Ou quem diz o espiritismo diz o reiki ou os cristais, ou criacionismo ou seja o que for.

    Não creio, com todo o respeito que a classe merece, que este seja um problema infundado.

    Criticas?

    ResponderEliminar
  7. Liberdade nos métodos, talvez, mas nos conteúdos nem pensar!

    ResponderEliminar
  8. Naquele tempo eram muito poucos os "cientistas" da educação e ainda menos aqueles que os ouviam e menos ainda aqueles que os ouviam e tinham poder para OBRIGAR os professores a colocar em prática as "práticas pedagógicas" por eles defendidas...!

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.