sábado, 31 de janeiro de 2009

Darwin na Nature


Amanhã a BBC estreia um especial da Nature Video protagonizado por David Attenborough, que discute os mais recentes desenvolvimentos científicos que não só confirmam a teoria proposta há 150 anos por Darwin como ditaram a sua própria evolução.
British broadcaster Sir David Attenborough presents his views on Charles Darwin, natural selection, and how the Bible has put the natural world in peril in an exclusive interview for Nature Video.

To celebrate Darwin's bicentenary Nature is also providing selected content FREE online, including continuously updated news, research and analysis on Darwin's life, his science and his legacy.

5 comentários:

  1. Os desenvolvimentos científicos estão longe de confirmar o darwinismo. A "árvore da vida" evolucionista tem vindo a ser refutada pelas novas investigações da genética, depois de ter sido considerada imaginária por paleontologistas como Stephen Jay Gould.

    Acresce que o facto de a genética ser hoje essencialmente teoria da informação, como lembra Richard Dawkins, confere toda actualidade à ideia de que não existe informação e código sem inteligência.

    Em todos os sistemas conhecidos, a presença de informação codificada é sempre evidência da sua origem inteligente.

    Ora, no DNA existe informação codificada em qualidade, quantidade, densidade e complexidade que transcendem toda a capacidade humana e cuja origem ainda não foi conveniente explicada por qualquer modelo naturalista.

    Não foi, nem será, porque a isso se opõe uma lei natural da informação nunca desmentida por uma única observação: não existe informação codificada sem origem inteligente.

    ResponderEliminar
  2. ATENÇÃO: MAIS UM RUDE GOLPE NA HIPÓTESE NEBULAR

    Dizem os manuais que os nossos estudantes estudam que os planetas gigantes gasosos se formam a partir do colapso de um disco de poeira e gás por causa da instabilidade gravitacional.

    Um novo sistema de simulação computacional 3D demonstra que se trata de um cenário completamente impossível.

    A notícia é de 27 de Janeiro de 2009, e vem da Universidade de São Francisco Califórnia. Veja-se também a entrevista de Joseph Barranco à Space.com

    Os criacionistas bem chamavam a atenção para isso. Ainda o fizeram no célebre debate de Oeiras. Afinal, tinham razão também nesta matéria.

    Resta saber até quando é que os nossos alunos continuarão a ser induzidos em erro pelos "cientistas" da nossa praça.

    Os criacionistas afirmam categoricamente: as estrelas, as galáxias, o sistema solar, a Terra e a Lua revelam uma sintonia só explicável mediante design inteligente.

    De acordo com o astrofísico Joseph Barranco, a teoria da formação de planetas é um domínio incrivelmente desafiador ("It's an incredibly challenging field,)

    Mas pelos vistos, a única coisa que de que se pode ter a certeza nessa teoria é que existem planetas e, portanto, que eles se formam.

    Nas suas palavras,

    "We can't observe planetary formation, but we know that planets form because we're standing on one."

    Isso também sabem os criacionistas. Tudo está em saber se modelos naturalistas aleatórios conseguem explicar a sua existência. Pelos visto, não.

    Passa-se com os planetas, o que se passa com a vida. Sabemos que uns e outra existem. Mas ainda não se conseguiu um modelo explicativo naturalista para a sua origem.

    Esse modelo naturalista não existe. A sintonia precisa do Universo é inexplicável sem inteligência. A informação codificada de que a vida depende é inexplicável sem inteligência.

    ResponderEliminar
  3. Caro Jónatas:

    Ainda dá em louco, com tanto copy & past. Descanse e tente ler outras coisas ou prepare umas aulas, pois os seus regougos, de tão repetidos, nem são lidos...

    ResponderEliminar
  4. perspectiva

    Vossa Senhoria é padre não é?

    A minha inteligência fez-me agora um desenho. Deixei-me lá ver: - É V. Senhoria jesuíta? Intuição? Não, quis o acaso, que eu, pó de estrelas, na minha infinita genialidade pudesse no seu traço limpo, asséptico e sábio, ler (intus + legere)o pendor das letras de um homem santo.

    Que sabe o Sr. de Deus, que deus não saiba de si próprio?

    D. Frederico ( o desaparecido)

    ResponderEliminar
  5. Achega para uma redefinição da enciclopédia do saber.

    Darwinismo biológico (e o seu sucedâneo, social): banda desenhada para entreter quem não reflete.

    Ciência: dogma (o novo Deus do pós-modernismo) que com as suas homilias e, sobretudo, com o seu braço armado (leia-se tecnologia), têm vindo acentuadamente a distanciar o ser humano da sua verdadeira natureza.

    Método: volátil e caprichoso, é uma espécie de tábua de salvação de quem não vê para além da matéria quantificada em teorias e teoremas e outros quejandos.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.