quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Foi João Jacinto Magalhães um cientista?


Na palestra que dei ontem em Coimbra sobre "Membros portugueses da Royal Society - Contribuições para a Astronomia no século das luzes" referi o encontro entre o físico português João Jacinto Magalhães, famoso instrumentista do século XVIII e criador da expressão "calor específico", e o grande astrónomo inglês nascido na Alemanha William Herschel (na figura). Eis como Rómulo de Carvalho expõe o encontro no artigo "Saber e personalidade de João Jacinto Magalhães apreciados através da sua Collection des Differents Traités", in Memória da Academia das Ciências, Classe de Ciências, tomo XXXI, 1990/1991 (está compilado num livro da Universidade de Évora de 1996):

"Põe-nos tudo isto uma interrogação: deveremos considerar Magalhães como um cientista?

Joaquim de Carvalho, que nos anos 50 se interessou pela actividade de Magalhães, chamou-lhe "sábio", o que é aceitável no sentido amplo do vocábulo. Houve contudo quem não gostasse do termo escolhido. não por estar na posse de melhor informação sobre a obra de Magalhães, mas por atitude filosófica. Magalhães estivera (...) em casa de Herschel. Nessa noite o céu apresentava-se límpido, estrelado, bem ao gosto do célebre astrónomo que o observava através da lente do seu telescópio de 20 pés de foco instalado no seu jardim, acompanhado de Carolina, sua irmã, tão apaixonada como ele pelas observações celestes. Já passava da meia-.noite quando Magalhães resolveu ir deitar-se e ao levantar-se de manhã, cerca das 9 h, foi encontrar Herschel e a sua irmã no mesmo lugar em que os deixara. Tinham permanecido de vigília a noite inteira, observando o céu, tomando as suas notas, fazendo os seus cálculos. "Quelle espece d'ardeur pour observer...!", escreve Magalhães na carta endereçada a [Alessandro] Volta (...)

Sant'Anna Dionísio, professor de Filosofia e ensaista de temas desse pelouro cultural, considerou, em apreciação feita à citada obra de Joaquim de Carvalho, que esta cometera um "lapsus linguae" (talvez fosse melhor "lapsus calami") ao chamar "sábio" a Magalhães. Dionísio ficou chocado com a exclamação de Magalhães: "Quelle espece d'ardeur pour observer...!", ao referir-se à vigília de Herschel todo entregue à observação do firmamento, e escreve: "Esta exclamação não se pode interpretar senão como uma implícita confissão de incapacidade para realizar qualquer coisa análogo. Ficar admirado com a vigília de uma noite inteira, ao ar livre, de um astrónomo e ir para a cama, sendo seu hóspede e seu visitante - diz tudo".

"Sábio" lhe chamou entretanto Lavoisier, que deixou escrito, referindo-se a Magalhães, "un savant très connu en France", e com mais pormenorização, outros lhe têm chamado "físico" ."

Rómulo de Carvalho

2 comentários:

  1. Curiosas informações. Muito interessantese cheias de pormenor e de vida.

    Mas há um outro pormenor que tem de ser referido. O William Herschel NUNCa poderia ter observado o céu através "da sua lente de 20 pés de distÂncia focal"(o que pressupõe um telescópio refractor), o que não pode ser verdade, pois não era de forma alguma o caso. Tratava-se de um telescópio reflector newtoniano, com espelho de metal polido, feito com o famoso "speculum metal" (uma liga metálica bem estudada que nesse tempo facultava o elevado factor de reflexão de 60%). Por isso, o correcto seria "[Herschel]observava através do seu ESPELHO de 20 pés de distância focal",

    E esse mesmo telescópio está aqui,como prova:
    http://www.nasm.si.edu/exploretheuniverse/images/herschel330-P7.jpg

    GA

    ResponderEliminar
  2. Chamo-me António Pereira e trabalho na Direção-Geral do Território.
    Esta instituição mais conhecida por Instituto Geográfico e Cadastral, tem origens a 1790 e devido à sua antiguidade herdamos um espólio vasto de vários objectos relacionados com a geodesia, cartografia e hidrografia. No nosso espólio existe uma das pêndulas que J. J. Magalhães construiu mas não temos nenhuma imagem do autor. Na minha pesquisa encontrei este blog com uma imagem do JJ Magalhães.
    Esta imagem, é mesmo de J. J. Magalhães? Se sim será que é possivel utiliza-la numa legenda identificadora que queremos associar à sua pêndula dentro da nossa instituição?.

    Cordialmente,
    António Pereira

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.