quarta-feira, 21 de março de 2007

HÁ TESOUROS NO QUIOSQUE 2

Há muitos tesouros no quiosque. Encontram-se, sem procurar muito, autênticas pérolas de ignorância e, por vezes mesmo, idiotia.

Basta abrir o nº 1 da “Revista Espírita. Verdade e Luz”, que acaba de sair entre nós. A redacção está em Algés, mas tem muitos artigos vindos directamente do Brasil. Mas se calhar vêm do além de puros espíritos: a revista pode ser toda ela psicografada (a fonte será o próprio Kardec, o espírita fundador).

O primeiro texto de uma oradora de Algés ilumina-nos tanto que ficamos logo encadeados: “Fala-se muito em mundos superiores, melhores e mais adiantados espiritualmente do que o nosso planeta e esperamos que pela bondade do Pai Celestial possamos alcançar rapidamente essas esferas mais evoluídas.” Esta oradora parece um pouco confusa, mas pelo menos acredita na evolução... Oxalá evolua.

Mais adiante o Prof. Sérgio Filipe de Oliveira, auto-intitulado médico e mestre em Neurociências, disserta sobre a “A Pineal, a Mediunidade e as suas implicações terapêuticas” para concluir: “A medicina e a psicologia deverão desenvolver modelos semiológicos para o diagnóstico exacto dos problemas espirituais que afectam o indivíduo através da sua sensibilidade mediúnica que, sem contrôle e distante da boa sintonia mental (distante do amor e da solidariedade) potencia, não só os disturbios psiquiátricos, mas também os outros problemas clínicos e os reflexos orgânicos.” É caso para um doente perguntar: Senhor Doutor, o Senhor Doutor está bom?

A seguir uma médica ginecologista arenga sobre a eutanásia para concluir (poupemos de novo os preliminares): “Com base na fé raciocinada, o médico espírita [sic] tem a certeza de que a eutanásia é um gesto de insubordinação, de rebeldia, da criatura perante o Criador, e que, a seu devido tempo, responderá por essa rebeldia, assim como por todos os outros envolvidos”. Um médico espírita? Sic é pouco, talvez seja mais adequado tvi (a estação que, depois do "Big Brother", nos dá a "Bela e o Mestre”). Mas é mesmo o que lá está!

O tema de capa é “Tsunami na visão do espiritismo”. Sobre a tragédia natural ocorrida na Indonésia em 2004 escreve um anónimo: “Para essas pessoas [as que perguntam a razão das tragédias colectivas] trata-se de uma coisa inexplicável, porque desconhecem os mecanismos da Justiça Divina, de que a lei de Causa e Efeito (ou de Acção e Reacção) é parte integrante”. Lei de Acção e Reacção? Na Física é outra coisa... Mas vamos à conclusão: “Deus, na sua justiça e perfeição não erra e, no futuro, todos os envolvidos irão recolher os benefícios deste evento”. Deus pode não errar, mas temos de esperar para conhecer os benefícios do evento e ver se o anónimo errou...

Por último a mesma médica ginecologista, de seu nome Marlene Nobre (não falta o Drªa antes) responde à pergunta: “haverá 3ª Guerra Mundial?”. Dispensando de novo os longos entretantos, vamos aos finalmentes: “A Terra viveu o doloroso crepúsculo da civilização ocidental no século XX e começa agora o mergulho na noite profunda, devendo deixar o campo das trevas num tempo não determinado, quando então emergirá para uma nova aurora”. Está claro? Não: só vai ficar claro mais tarde... Vamos ter de esperar de novo, não sabemos é quanto.

Chega? Talvez chegue, mas há mais. O Eng.º Vítor Carvalho discorre sob o título “Sublime Médico das Almas”. Não é preciso ir até ao fim porque o destaque esclarece quem ainda tiver dúvidas: “A doença mais comum de todas as que atingem a humanidade é, sem dúvida, a obsessão (influência de espíritos malignos) que, infelizmente, ainda não é aceite pela ciência médica”. É o engenheiro que se queixa dos médicos: não era melhor ele ir queixar-se ao médico? Mas, não sendo a obsessão aceite, não se pode queixar desse mal de que manifestamente demonstra...

5 comentários:

  1. Foi sempre uma coisa que me intrigou: o que têm as religiões a dizer dos desastres naturais. A Visão chegou a escrever sobre isso na altura do tsunami, mas soube a pouco... as respostas era evasivas e não havia "contra-perguntas"

    ResponderEliminar
  2. Pois bem, o que eu vou conhecendo por aqui!!!

    A noção de medicina espiritual ou espírita é muito antiga, e obviamente controversa. É claro que se insere numa visão teísta do mundo, logo pode não fazer muito sentido a um espírito puramente racional e materialista.

    Ainda assim, e dado que o domínio da psique humana permanece bem obscuro, até pode haver alguns pontos de contacto. Ou seja, estamos talvez em alguns casos perante explicações diferentes para os mesmos fenómenos, mas o mais importante do ponto de vista prático é sempre o aspecto terapêutico!

    Por exemplo, e pegando num assunto muitíssimo controverso - o da regressão a vidas passadas - um psiquiatra norte-americano convencional, Dr. Brian Weiss, adquiriu grande notoriedade ao relatar o sucesso obtido perante os seus pacientes com um tipo de hipnose regressiva, digamos assim, que revelava memórias de acontecimentos supostamente vividos há centenas de anos atrás.

    É claro que uma interpretação literal - as tais vidas passadas - não faz sentido algum segundo o paradigma médico e científico convencional. Mas, deixando os considerandos teóricos de parte, que resultados obteve Weiss com a tal terapia de regressão?!

    O mesmo raciocínio, aliás, se pode aplicar às medicinas paralelas ou complementares ou alternativas - naturopatia, homeopatia, medicina chinesa e ayurvédica, etc. - cujos fundamentos são vistos com suspeição pela medicina quimioterapêutica reinante. Mas e quanto a resultados, que é isso que mais interessa a quem está doente?!

    Sim, é uma óptica empírica e utilitarista, mas temos de começar por aí antes de avançar teoricamente em explicações mais abstrusas...

    Pessoalmente, e embora isto possa não agradar muito aos doutos escribas do pedaço, ;) creio que a discussão aberta entre a visão materialista - que fundamenta a ciência - e a idealista ou espiritual do nosso mundo só agora está a começar... devagar! Mas com o idealismo monista a fazer a sua entrada, em bicos de pés, no edifício da ciência actual, talvez nada disto seja tão surpreendente assim dentro em pouco, afinal!

    Que a Utopia é real...

    Rui leprechaun

    (...neste sonho ideal! :))

    ResponderEliminar
  3. É pena que neste espaço dedicado á ciência digam mal do espiritismo que é também ele uma ciência. Para quem quiser saber de que trata o espiritismo, aconselho visitarem o site da adep (www.adeportugal.org). Agora por favor não falem daquilo que não conhecem.

    ResponderEliminar
  4. No post «Homeopatetices - A componente mística», deixei comentário acerca da vossa "abordagem" do Espiritismo.

    Este artigo de Carlos Fiolhais é apenas uma enfiada de graçolas, em que não rebate argumentos, limitando-se a chamar estúpidos e ignorantes a pessoas que não conhece.

    Do alto da sua prosápia de dono da verdae, o carlos Fiolhais duvida até das habilitações académicas de profissionais respeitados, investigadores científicos, professores universitários, que o põem a um canto.

    Mais palavras para quê? 150 anos depois, os "iluminados" continuam a ter como únicos argumentos a zombaria e a má-fé...

    Humildade e muito estudo, recomenda-se a todo aquele que se queira pronunciar sobre qualquer assunto que desconheça.

    Afonso Pereira

    ResponderEliminar
  5. Sérgio Felipe de Oliveira é um psiquiatra brasileiro, mestre em Ciências pela USP (Universidade de São Paulo) e destacado pesquisador na área da Psicobiofísica. A sua pesquisa reúne conceitos de Psicologia, de Física e de Biologia.

    Desenvolve estudos sobre a glândula pineal, estabelecendo relações com atividades psíquicas. Realiza um trabalho junto à AMESP e possui a clínica Pineal Mind, onde faz seus atendimentos e aplica suas pesquisas.

    Segundo o mesmo, a pineal forma os cristais de apatita que, em indivíduos adultos, facilita a captura do campo magnético que chega e repele outros cristais. Esses cristais são apontados através de exames de tomografia em pacientes com facilidade no fenômeno da incorporação. Já em outros pacientes, em que os exames não apontam tais cristais, foi observado que o desdobramento fora facilmente apontado.

    Afonso Pereira

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.