sábado, 31 de março de 2007

Criacionismo puro e duro

Um dos nossos leitores teve a gentileza de nos informar que o Ciência Hoje, supostamente um jornal online de ciência, publicou os delírios criacionistas de Jónatas Machado, uma pérola redonda de exegese evangélica pomposamente intitulada «O paradigma naturalista».

A publicação deste dislate deu-me ensejo para continuar a expôr o criacionismo puro e duro, versão Terra jovem, como defendida pelo devoto jurista. Depois de explicada a génese do criacionismo verificaremos agora que este não evoluiu, apenas embrulhou a «visão» original de Ellen Gould White num invólucro mais atraente, o criacionismo anti científico.

Como já referi, os mentores da primeira ofensiva criacionista disfarçada de ciência, o oxímoro criacionismo científico, são o primeiro presidente do Institute for Creation Research, ICR, Henry Morris, e John C. Whitcomb, Jr., o teólogo que o arregimentou para a causa criacionista.

Em 1961, Morris e Whitcomb publicaram o livro «The Genesis Flood», designado por Stephen Jay Gould como «o documento fundador do movimento criacionista», em que é citado George McCready Price, o tal autodidacta que traduziu em livro o transe da fundadora dos Adventistas do 7º dia. O livro é uma demonstração do empenho de Morris em «provar» que o Génesis é factual, «um livro da verdade histórica, independentemente dos problemas científicos ou cronológicos que tal acarreta». Morris acreditava que os cristãos que consideram alegórico o Génesis não se apercebem que tal «mina o resto das Escrituras. Se Adão não é um personagem real, então o 2º Adão não é real e não há necessidade de um Salvador».

Para dar conta dos tais «problemas científicos e cronológicos» no que à geologia diz respeito, os autores inventam um nonsense a que chamam «catastrofismo bíblico», propagado até hoje em imbecilidades nunca antes imaginadas como a Tectónica de Placas Catastrófica - que, de forma absolutamente hilariante, pretende explicar como em meia dúzia de dias se separaram os continentes e se formaram cadeias montanhosas como os Alpes ou os Himalaias - ou a sismografia apocaliptíca.

Mas a pérola de todos os dislates é talvez a forma «airosa» como os autores resolveram Génesis I: 6-7: 6- E disse Deus: haja um firmamento no meio das águas, e haja separação entre águas e águas; 7- Fez, pois, Deus o firmamento, e separou as águas que estavam debaixo do firmamento das que estavam por cima do firmamento. E assim foi.

Que levantava um problema sobre o que cargas de água seriam aquelas que ficavam debaixo do firmamento. Especialmente porque a leitura literal do Génesis nos seus pontos 2:5 e 2:6 excluía nuvens, já que as referidas revelações dizem claramente que «o Senhor Deus não tinha feito chover sobre a terra» e que era «um vapor» que «subia da terra» o responsável pela rega de «toda a face da terra».

A solução encontrada por Morris foi rodear a Terra por uma bolha gigantesca e invísivel de água «divina» que assumiu essa disposição mercê da «criatividade» igualmente divina, que supostamente só sujeitou a água às leis da física no pós-dilúvio. Uma alfinetada na dita bolha foi quanto bastou a Deus para despoletar o Dilúvio, naqueles tempos em que o criador brincava com a gravidade, forças intermoleculares e demais leis naturais que hoje enganam os mais cientificamente informados.

Aliás, a inexplicável insistência dos cientistas nas continuidades histórica e das leis da física - com que, por exemplo, datam biblicamente «impossíveis» rochas e fósseis - é carpida por Morris como sendo assente em «pressupostos tão dogmáticos como os nossos». Dogmas que não aceitam, por exemplo, que a segunda lei da termodinâmica só tenha sido «inventada» por Deus pós-Criação ou que as constantes físicas, como a velocidade da luz, constante de Planck ou a constante de Newton tenham variado por milagre. E especialmente não aceitam que Deus pode intervir a nível das forças nucleares, aumentando vertiginosamente o tempo de meia vida, isto é, diminuindo muitas ordens de grandeza a constante de decaimento radioactivo, dos isótopos utilizados nos métodos de datação. Só não percebo se esta intervenção na interacção nuclear fraca se verificou só na Terra pré-diluviana ou se Deus até ao Dilúvio andou a dar uma ajudinha às estrelas consubstanciado imaterialmente em bosões de vector...

Claro que são igualmente dogmas ateus que impedem os cientistas de aceitar que o registo fóssil é uma consequência do Dilúvio, e apenas um milagre, estranhamente em completa discordância com o proposto por Morris , justifica, por exemplo, que todas as trilobites surjam nos estratos inferiores sem vestígios do Homo Diluvii testis. Não importa que um dos mais vocais denunciadores destes dislates fósseis seja o biólogo católico Kenneth R. Miller...

Não obstante no livro de 1974 «Troubled Waters of Evolution» Morris considerar que «É mais produtivo encarar a Bíblia literalmente e depois interpretar os factos reais da ciência dentro do seu enquadramento de revelação» já que, como tinha apontado em 1961, «O cristão instruído sabe que as evidências para uma completa inspiração divina das Escrituras têm muito mais peso do que as evidências para qualquer facto da ciência», Morris tentou vender o seu livro Scientific Creationism como puramente secular e científico e como tal perfeitamente apropriado para uso nas salas de aula das escolas públicas americanas.

Isto é, expurgou Deus do texto original substituindo-o por um «criador» anónimo, transformando «No princípio, Deus criou os céus e a terra» em «No princípio, um certo Criador cujo nome a 1ª Emenda não nos permite mencionar criou os céus e a terra», o que, segundo os criacionistas, transforma igualmente este amontoado de inanidades num livro científico. A mesma táctica usada umas décadas depois com a IDiotia ou desenho inteligente, como iremos ver.

29 comentários:

  1. É completamente inconcebível que uma revista com Ciência no nome publique esta estupidez pegada! O paradigma da estupidez como lhe chama o Fernando Martins.

    Parti-me a rir com o catastrofismo bíblico. Mas a bolha de água furada por Deus e a suspensão das leis da física não lhe ficam atrás!

    Esta gente tem os neurónios totalmente fundidos!

    ResponderEliminar
  2. É uma bolha conceptual.

    Alguém versado em teoria de cordas, ou seja, com suficientes conhecimentos matemáticos, para converter aquilo numa teoria consistente?

    Poderia, por exemplo, ser uma bolha com 200 dimensões, 4 delas "normais" para abarcar a física empírica. Depois outras dimensões para tentar unificar tudo, e depois deduziam-se todas as leis empíricas de forma consistente, assumindo-se apenas uma determinada álgebra.

    Já seria uma teoria científica?

    ResponderEliminar
  3. Cara Palmira
    Obrigada pela publicação de tais dislates, que são uma verdadeira afronta à verdadeira religião. Digo-lhe, sou licenciada em Ciência Religiosas pela Universidade Católica e, por lá, nunca tal ouvi dizer que o livro do Génesis é factual. Não é! O livro do Génesis não é um livro histórico ou de verdades históricas. É um livro de relatos da criação, que podemos designar por mitos de origem, sublinho, mitos de origem e não verdades históricas. Podemos dizer que é um livro de fé. Por isso, não me admiro nada que tenha sido um biólogo católico - Kenneth R. Miller, a manifestar-se como opositor ao criacionismo. Prova que há católicos inteligentes, que sabem pensar.
    Para os leitores que desejem aprofundar este tema, católicos ou não, remeto para uma leitura de um especialista, meu ex-professor na UC - Doutor Armindo Vaz, que explica muito bem este tema em:
    Vaz, A. (2003). Origem da terra, segundo a bíblia - mito e fé, in Bíblica, série científica, nº 12, Difusora Bíblica.

    ResponderEliminar
  4. Fui ler o tal texto do Sr. Jonatas Machado. É do mais rasteiro e básico paleio à advogado barato. Usa os argumentos que seriam aplicáveis à sua teoria criacionista, para condenar a Teoria Evolucionista. Que ele creia num Deus à sua imagem, burro e pouco elaborado é lá com ele. Mas que não venha para aqui tentar vender banha da cobra, deitar areia para os olhos de todos, eliminar pura e simplesmente toda a investigação científica que foi feita ao longo de muitos anos e que ele desconhece completamente. Um Deus inteligente criaria um sistema com capacidade para evoluir por si próprio. Um Deus simplório e burro, à imagem deste advogado, cria apenas as obras prontas e acabadas.
    Para os evolucionistas que acreditam em Deus há que perceber como foi feita essa obra. Tarefa difícil e longa, porque é uma obra complexa e elaborada. Para os simplistas e pobres de espírito, como este advogado, basta acreditar que Deus colocou uma por uma as diversas criaturas na terra, como quem põe as figurinhas num presépio. Não é preciso estudar nem perceber nada. Segundo ele, os telemóveis e os computadores surgiram do nada, tal como existem actualmente. Não passaram por um processo de evolução e aperfeiçoamento. Para ele, ciência e crença em Deus, são incompatíveis. Uma pessoa “não tem outra alternativa se não aceitar, pela fé, a autoridade… “ A electricidade chega-lhe a casa porque Deus quer, já que os cientistas mais não fazem do que “validar os axiomas pré-estabelecidos…”
    Este senhor, ao pretender divulgar a bíblia, mais não faz do que afastar irremediavelmente possíveis crentes, tal é a monstruosidade das patranhas que apresenta neste texto. Presta um péssimo serviço aquilo que pretende defender. Está ao nível de um charlatão, dos mais rascas. Se não me dissessem, eu não acreditava que este senhor ensina numa universidade. E é um erro grave incluir textos destes num site que se diz de Ciência.

    ResponderEliminar
  5. Palmira,

    Por favor defina "oxímero". Obrigado.

    ResponderEliminar
  6. gostava de perceber porque é que o criacionismo suscita tanta atenção. sinceramente. é que penso ser uma teoria tão disparatada que não percebo que alguém minimamente sério a possa considerar. os que acham que sim, que é uma grande teoria, que fiquem com ela, não deverá ser possível mudar as suas crenças. mas a minha dúvida é porque é que "nos" damos ao trabalho de responder? não estamos com isso a criar atenção inapropriada para ela. precisamos de nos defender?

    ResponderEliminar
  7. Um rebatezinho de vez em quando não faz mal nenhum, mas é verdade não vale a pena gastar energias...

    ResponderEliminar
  8. Cara Sofia
    Não serei a pessoa mais indicada para lhe responder, mas aqui fica uma achega, a minha opinião pessoal:
    Disparates ou não, as ideias precisam ser discutidas e se não concordamos com elas, devemos refutá-las com os argumentos que julgamos válidos para aquele tempo, aquela situação, aquele tema... Caso contrário, lá diz o ditado popular "quem cala, consente". Eu até posso tolerar o criacionismo, mas, discordando de algumas ideias, tenho o dever moral de refutar tais dislates. Se o não fizermos, ficamos a devê-lo à nossa consciência. Penso que é este um principio adoptado pelo DE RERUM NATURA, e particularmente, pela Palmira, neste texto «Criacionismo puro e duro» e noutros que já escreveu.
    O tema está em voga em Portugal, é verdade. Se o merece ou não, não discuto, mas imagine que ninguém se mainfestava... e levando as coisas ao exagero, mais dia menos dia o evolucionismo, pode muito bem ser abolido dos programas escolares, para dar lugar ao criacionismo puro e duro. Nada que não aconteça neste planeta. Por exemplo, nos EUA, pelo menos num Estado, a ciência, mais precisamente a biologia e geologia não entra nos curricula, porque está em desacordo com a cultura e as crenças criacionistas das pessoas... Sendo o currículo contextualizado a expressão do desejo educativo da comunidade a que os alunos pertencem... talvez também tenham razão. A questão anda em tribunal há anos.
    Não sei o que lhe diga mais, mas acho que devemos continuar a discutir ideias, isso sim, é importante para o conhecimento e para a educação.

    ResponderEliminar
  9. Eu lembro-me de um aluno caloiro de Ciências Religiosas na Católica que insistia em fazer interpretações literais da Bíblia ter levado uma "descasca" de um professor.

    O que é pena é que em vez de se perder tempo com estas interpretações literais, podia-se comparar este tipo de narrativas com outras tradições orais e textos de povos vizinhos, da mesma época.

    Para não falar na identificação dos simbolismo do texto...

    ResponderEliminar
  10. Caloiro, não entede de exegese biblica, mas isso pouco importa. Se pensa de maneira diferente agora, também é irrelevante. Importa esclarecer que, fazer uma leitura literal da Biblia, no senso comum, é afirmar que aquilo que está escrito aconteceu exactamente daquela forma e naquelas circustâncias... É diferente quando falamos de Exegese Bíblica - esta, faz um estudo cuidadoso e sistemático das Escrituras para descobrir o significado original que foi pretendido, ou seja, procura a intenção original das palavras da Bíblia. Isso, tem sido possível, graças ao facto de se considerar o contexto histórico e literário da época, a cultura, os factores socio-geográficos, topográficos, políticos... ou seja, a exegese bíblica, na interpretação, socorre-se de tudo o que o Marco refere, as tradições orais, os outros escritos, os achados arqueológicos, os mitos... só assim entendo o termo literal, como um método rigoroso da busca da compreensão e sentido das palavras.

    ResponderEliminar
  11. E vivam católicos como a Fátima!

    É mesmo preciso expôr as patetadas criacionistas e desta forma, mostrando que são mesmo patetadas sem ponta por onde se lhe pegue e sem cheiro de ciência.

    Só mesmo fé acéfala, burra e pouco imaginativa.

    Não tenho nada contra os burros, mas não posso tolerar que queiram impor a sua burrice aos outros.

    Esta coisa publicada no Ciência Hoje é do mais burro possível. Também me faz impressão que tenha sido escrita por um prof. universitário, que devia pelo menos saber que cada macaco no seu galho.

    e evolução e ciência não são mesmo os galhos dele...

    ResponderEliminar
  12. Aqueles que dizem que é desperdício desmascarar estas patetadas das duas umas ou são ingénuos que não se apercebm do que se passa no mundo ou então são burros criacionistas que não querem que as pessoas percebam os disparates acéfalos que defendem para quando tiverem força para os impor os protestos não serem muito altos.

    Barulho é o que os burros criacionistos sabem fazer melhor. Zurram, zurram mas só chateiam e não se aproveita nada. Mas os ouvidos dos nossos políticos são mais sensíveis ao nível de barulho do que ao que é dito por isso não podemos baixar a guarda

    ResponderEliminar
  13. Oops! Joana "...fé acéfala, burra e pouco imaginativa"? Eu não queria chegar tão longe, porque no fundo aquilo é bem imaginativo!...
    A Palmira fez bem trazer aqui este texto de rebate, mas não sei se a ideia era dar tempo de antena para a continuação do dislate.

    ResponderEliminar
  14. " Fátima said...
    Cara Palmira
    Obrigada pela publicação de tais dislates, que são uma verdadeira afronta à verdadeira religião. Digo-lhe, sou licenciada em Ciência Religiosas pela Universidade Católica "

    Desconhecia que a Fatima era discipula do padre MÁRIO DE oLIVEIRA ...DIGA-ME SE FAZ FAVOR o livro desse senhor ( ao qual me recususarei doravante a chamar padre pq não o é na verdade )" NEM ADÃO E EVA , NEM PECADO ORIGINAL " é manual de alguma cadeira do seu curso nessa Uni ???

    Pois parece é q qualquer cientista com C maiusculo ( o q é raro em Portugal mas não no estrangeiro - por Ex em Roma um cientista sério substituio o " aldrabão " que tinha a seu cargo dicastério das questãoes científicas do Vaticano )desaprova as " tolices " que aqui foram escritas e para quem se diz , ao menos aparentemente católica devia ter em mais atenção o ensino da Igreja

    Será q o Papa aprova que essas coisas sejam ensinadanuma uni Católica ?

    Será que essas mentiras e falsidades não são, só por si, motivo para fazer penitencia '

    Ou será q de católicos alguns so´tem mm o nome...olhe mais católico foi o seu colega... esse sim é q é um católico

    Aprenda-mos todos a fazer ciencia com consciencia e depois veremos melhor as bases cientificas do CRIACIONISMO BIBLICO

    ResponderEliminar
  15. Caro David:

    Como não é membro da Igreja Católica, limite-se a falar do que sabe e da sua Igreja...

    Há muito que os católicos têm poder de discernir por si próprios, de forma que na Igreja há padres com opiniões como as do P.e Mário ou como aquelas que Universidade Católica ensina (e a Igreja Católica, no seu todo, em união com o Bispo de Roma, diz a esta Universidade o que deve e pode ensinar...).

    O Criacionismo, seja a versão terra jovem, versão terra antiga ou versão ID, não são teorias científicas. A ciência tem regras e estas ideias, que não são teorias científicas, ultrapassam tudo o que a Ciência sabe, além de não se puderem provar. Existe, em ciência, a chamada regra (ou espada ou navalha) de Occam, para decidir que hipótese (quando há escolha) é a mais provável - aplicando este princípio o Criacionismo, como hipótese científica, fica reduzido a zero...

    ResponderEliminar
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  17. Caro Fernando Martins,

    Eu sei bem do q falo pq já tive de corrigir 2 ou 3 catecistas ( ou ex catecistas ) acólitos e sei lá mais o que, que estão em frontal rota de colisão com o catecismo católico - com coisas deste genero e outras mais - por isso digo-lhe que sei do q estou a falar e que tudo o q disse posso prova-lo

    Digo-lhe ainda que há cientistas católicos que assinavam por baixo de tudo o q eu disse acima e isso me basta.

    Até pq nã minha igreja tb há resses tresmalhadas, ovelhas negras e não praticantes.

    Agora o Sr Fernando Martins tb pode falar da minha igreja...desde que saiba...

    Continuando, de estranhar seria que o positivismo não desse pulos sempre que há um falso padre " arrota " estas asneiras...
    Mais uma vez se prova a ditadura do poder exemónico do paradigma naturalista.

    Por último, e para quem interessasr, eu já recebi parabéns ( embora noutro contexto ) por - apesar de evangélico - defender tão fielmente a doutrina católica

    Este é q é o verdadeiro ecumenismo. a unidade nas causas comuns

    ResponderEliminar
  18. Não conheço NENHUM cientista católico que seja criacionista - sei que há alguns católicos que defendem a ID, mas nenhum é um cientista na verdadeira acepção da palavra...

    Quanto a catecismo católico, sugiro-lhe a leitura dos artigos 156 a 159 (A Fé e a Inteligência) e 282 a 289 (e seguintes), n'A Catequese sobre a Criação.

    Quem acredita no Criacionismo está fora da Igreja Católica...

    ResponderEliminar
  19. Respondo neste excerto a todo o seu comentário, pois ele vai todo na mm toada.

    " Quem acredita no Criacionismo está fora da Igreja Católica... "

    Julga que sim ?....então eu digo-lhe q julgo que não

    ResponderEliminar
  20. Mas o David é católico...?

    Se quiser, tenho todo o prazer em lhe enviar, em documento Adobe Acrobat Reader, o Catecismo Católico actual (só para ler, que eu não aprecio o proselitismo religioso entre cristãos...) com indicação dos artigos que falam de Criação, Evolução e relação Religião-Ciência.

    Mas, se quiser, leia um comentário meu anterior, onde faço referência a alguns desses pontos...

    ResponderEliminar
  21. Bem eu nao9 preciso de ser drogado para conhecer , em, abstrato as varias drogas, nem de ser pornografo para conhecer os danos , por vezes irreversiveis , da pornografia , nem de ser portestante para ler a BIBLIA ou católico para ler catecismo
    Que aliás tenho comigo, em versao0 papel, mas pode mandar a versão pdf, com as suas anotações q eu gostava de a comparar com as Sagradas Escrituras tb adoptadas pela Igreja Católica.

    Sim porque por alguma razão eles lêem a BIBLIA ( sabe, já se pode ser católico e er a BÍBLIA há uns anos )e sabe que a BÍBLIA é, em princípio, a fonte do catecismo

    Mas não se engane, não me mande o Catecismo Holandês que esse é hereje ( e ai, com certeza, o Fernando Martins provará q quizer )e como tal não releva para nada.

    ResponderEliminar
  22. Caro David:

    A Igreja Católica só tem um Catecismo (a palavra católico provem do termo universal...). Não há nenhuma Igreja Católica da Holanda (ou dos Países Baixos...) pois a Igreja Católica é um todo, com um só Chefe e uma só Regra.


    Tenho todo o prazer em lhe enviar a tradução brasileira do Catecismo Católico, feito em grande parte pelo actual Papa, Bento XVI e aprovado pelo Papa João Paulo II.

    Os católicos lêem a Bíblia há muito tempo e a tradução portuguesa católica da é pouco posterior à tradução protestante da mesma. Eu, que embora de formação católica, estou afastado da Igreja, há muito que leio textos de diversas Igrejas (inclusive as traduções protestantes da Bíblia e de outros textos). Mas eu do que não sei ou sei pouco não falo...

    Sugiro-lhe que, quando receber o meu e-mail com o Catecismo Católico, faça uma pesquisa usando a palavra ciência e procure que a Igreja Católica diz sobre a Criação, a Ciência e a procura da Verdade.

    É que a Igreja Católica, no passado, lia literalmente a Bíblia, mas quando percebeu que a Ciência tinha provas de era impossível fazer-se tal coisa, aprendeu e mudou a sua opinião. Aliás a maioria das Igrejas Cristãs (e mais de 90 dos cristãos) não lêem literalmente Bíblia - porque motivo um mito babilónio, politeísta, de uma grande inundação que afectou a Mesopotâmia, iria ser tornado universal... Ou por que motivo Deus inspiraria livros científicos, se nos deu discernimento para descobrir a Ciência...?

    ResponderEliminar
  23. Caro Fernando Martins,

    É ÓBVIO que DEUS é só um 1, a fé é só uma e o catecismo é só um ( mas olhe que eu tenho, em pdf, o catecismo da OPUS DEI que acresce ao catecismo católico " geral " )
    Para quem sabe de ciencia estranho que desconeça o " famoso " catecismo Holandes ( proponente de todas as falácias do liberalismo teológico e q quase originava uma divisão entre a igreja católica fiel ao papa e a " seita " holandesa que inspirou esse livro

    Eu mando-lhe cópia da capa se me der um mail.

    Depois deu o Fernando Martins um fenomenal tiro no pé ao dizer que na OPUS DEI temos pessoas que defendem o ID ( mas não são criacionistas ??? ) então o ID é do q ??? do Darwinismo ?

    Mas , para culminar , saiu-se com a questão da BÍBLIA...

    Deixe-me dar-lhe uma palavrinha:

    A Igreja Católica, embora já desde 18e tal tenha tenha edições bíblicas em portugues vernáculo ( que já não apenas em latim )só começou a incentivar genéricamente os seus fieis á leitura das Sagradas Escrituras apartir do pontificado do Papa Joao XXIII ( Concílio Vaticano II )

    Depois dá-me a conhecer a sua profissão de fé naturalistae proclama que a maioria dos cristãos é evolucionista ..eu , como não corri o mundo todo não lhe posso dar tanta certeza disso mas tb lhe digo que a maioria dos cristãos BIBLICOS ( sejam de q denominacão da Igreja forem ) não são Darwinistas , ora se não há um " tertium genus " ..

    Já agora cabe lembrar que JESUS CRISTO, o único homem PERFEITO em toda a História, era criacionista e isso me basta.

    Enfim, uma santa PASCOA !

    ResponderEliminar
  24. Caro David:

    "É ÓBVIO que DEUS é só um 1, a fé é só uma e o catecismo é só um"


    Isso do catecismo ser só um quer dizer que o David aceita o Catecismo Católico que ontem eu lhe mandei como verdadeiro...?
    "Para quem sabe de ciencia estranho que desconeça o " famoso " catecismo Holandes ( proponente de todas as falácias do liberalismo teológico e q quase originava uma divisão entre a igreja católica fiel ao papa e a " seita " holandesa que inspirou esse livro"

    Cada conjunto de Bispos de um país forma uma Conferência Episcopal que pode, dentro das regras da Igreja Católica, fazer as adaptações ao seu país e à sua realidade social concreta - é o caso dos católicos dos Países Baixos, que estão em perfeita união com o resto Igreja Católica (embora houvesse uma fase em que teve de haver diálogo ente a Cúria Romana e os Bispos Neerlandeses...). Pode-me mandar a cópia para o meu e-mail (clique no link do meu nome, neste comentário, que abre os meus dados de Blogger, e tem lá um dos meus e-mails - mas penso que já recebeu um e-mail meu, com o Catecismo Católico actual).


    "Depois deu o Fernando Martins um fenomenal tiro no pé ao dizer que na OPUS DEI temos pessoas que defendem o ID ( mas não são criacionistas ??? ) então o ID é do q ??? do Darwinismo ?"

    É óbvio que o ID não é darwinista, mas quem deu o tiro no pé foi o David - o ID é uma invenção de alguns grupos criacionistas para poderem ensinar nas Escolas o criacionismo disfarçado, mas sem nunca fazerem referência a Deus e ao criacionismo... Ao dizer o que diz dá razão a quem afirma que não se deve ensinar o ID - vede o caso dos Kansas, recentemente nos USA... Além disso, dentro da Igreja Católica, não se é obrigado a acreditar na Ciência. As pessoas podem acreditar no que quiserem, desde que obedecem e acreditem nas verdades de Fé, que não interferem nas verdades científicas. Se há, de facto, membros da Opus Dei que acreditam no Design Inteligente, a Igreja Católica nada tem a dizer. Agora não diga que a Igreja Católica acredita no criacionismo, diga antes que alguns grupos radicais acreditam no ID... Mas, por contraponto a estes, há os Jesuítas, que ligam religião a Ciência de forma harmónica e correcta e que têm imensos cientista evolucionistas. Aliás um deles (o Padre Doutor Luís Archer) falou no Colóquio em que o Doutor Jónatas participou em Março.


    Quanto à leitura da Bíblia e a Igreja Católica tem razão, mas estamos a discutir Ciência...


    "Depois dá-me a conhecer a sua profissão de fé naturalista e proclama que a maioria dos cristãos é evolucionista "
    A Igreja Católica advoga que a Ciência e a Fé são diversas e completam-se, pelo que não se imiscui na Ciência e aceita o Evolucionismo. O mesmo fazem grande parte dos Ortodoxos, os Anglicanos/Episcopalistas e muitas das Igrejas Luteranas e Calvinistas. Criacionistas são os Adventistas de 7º Dia, alguns Baptistas, as Testemunhas de Jeová e certas Igrejas ligadas aos Tele-evangelistas americanos (e seus ideais...). É fácil perceber onde estão os 90% de que eu falo.


    "Já agora cabe lembrar que JESUS CRISTO, o único homem PERFEITO em toda a História, era criacionista e isso me basta"

    Esta afirmação é fantástica - a minha Bíblia não diz nada disto (lembro-me de uma afirmação de Cristo, em que ele dizia "Dai a César o que é de César e a Deis o que é de Deus", que parece enquadrar-se nesta discussão, mas mais nada).

    ResponderEliminar
  25. Não vale a pena continuar pq o Fernando Martins fica na sua e eu fico na minha,

    Qu DEUS o abençoe nesta PASCOA

    E que possa, nas escoas portuguesas haver verdadeira liberdade cientifica para se ensinar as duas teorias , quer o evolucionismo quer criacionismo bíblico

    "( ... ) JESUS CRISTO, o único homem PERFEITO em toda a História, era criacionista e isso me basta"

    " Esta afirmação é fantástica - a minha Bíblia não diz nada disto (...)"

    Bem então ou o Fernando Martins tem uma Biblia diferente de todas as outras do mundo - mm católico .-ou então...desculpe-me a frontalidade... mas está tão cego que não lé o q lá está mas apenas o q queria que lá estivesse.

    "Dai a César o que é de César e a Deis o que é de Deus" não é uma aspirina q serve para tudo ( aliás para quem lhe é alérgico a aspirina não serve para nada a nao ser para lhe hospitalizar e matar eventualmente nos casos mais agudos ) e garanto-lhe que estou a fazer a segur este imperativo divino nos dialogs que teve a amabidade de travar cmg

    Por último, ainda nã recebi nada seu... mandou para david.cameira@netcabo.pt ?

    Qt ao catecsmo Holandes, vou fazer confrme me dsse e depois pesquizará melor mas lhe q já pode fazer através deste mm nome - catecismo holandés - e que eu só tive conhecimento da sua hexistencia qd fui a um alfarrabista comprar um catecism católico para poder estudar essa religião pelos seus próprios textos e depois de ver que tinha sid enganado ...estive quase para o deitar fora

    ResponderEliminar
  26. Caro Fernando Martins,

    Já vi para que e-mail me enviou, para quele que asparece associado á minha conta do Gmail

    OBg, vou ler e depois digo-lhe qq coisa

    ResponderEliminar
  27. "Bem então ou o Fernando Martins tem uma Biblia diferente de todas as outras do mundo - mm católico .-ou então...desculpe-me a frontalidade... mas está tão cego que não lé o q lá está mas apenas o q queria que lá estivesse."

    Fico à espera, então do seu e-mail e de uma ÚNICA frase dos evangelhos que mostre que Cristo era criacionista...

    ResponderEliminar
  28. Muito me impressiona uma pessoa que se diz interessada por ciência não aceitar o fato de que a ciencia é falha, digna de ser colocada a prova, e teorias como as evolucionistas não serem únicas. se uma teoria não é a unica maneira de explicar um fato, ela deve ser comparada à outras. digo-lhe que acredito haver teorias que explicam o catastrofismo bíblico com ciência pura, e fatos provaveis empiricamente.

    goastaria de lhe mostras tais teorias as respectivas pesquizas que as comprovam, realizadas tanto por pesquisadores criacionistas quanto evolucionistas. afirmo-lhe porém que não são todos os criacionistas são cristãos, mas que todos defendem um Desgner Inteligente, tratado pelos cristãos como Deus.

    caso queiram me contactar, favor utilizar o email: lucasbigode@gmail.com

    ResponderEliminar
  29. Todos a "malhar" no Criacionismo, na Bíblia e na sua literalidade.
    Só para início de debate, alguém que me Responda:
    Quem precisa de mais ou maior FÉ, quem acredita no Criacionismo, ou quem acredita no Evolucionismo/Big Bang.
    Só para que fique claro, SOU DEFENSOR DO CRIACIONISMO E DA LITERALIDADE BÍBLICA.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.