segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Põe sempre os nomes aos bois...


Este poema de Heinrich Heine foi-nos enviado pelo nosso leitura João Boaventura. Reproduzimo-lo aqui com os agradecimentos pela lembrança:

"Põe sempre os nomes aos bois
Nas histórias que contares.
Ou logo os burros depois
Se queixam de os retratares:
«Mas são as minhas orelhas!
Este azurrar é o meu!
Se estas são minhas guedelhas!
Ai este burro sou eu!
Não me nomeie ele embora,
Toda a Pátria vai agora
Saber-me por burro, hin-hã!
Ai que eu, hin-hã, hin-hã!»
- Quiseste a um burro poupar
Logo doze hão-de zurrar."

[Heinrich Heine, in Bom Conselho, tradução de Jorge de Sena]

Heinrich Heine [nascido 13 Dezembro 1797 - 1856]

2 comentários:

  1. Não sei se é assim tão boa ideia. Hoje em dia os burros não gostam de assumir o que fazem e são capazes de fazer uma pessoa perder muito tempo em tribunal.

    ResponderEliminar
  2. Nesta terra tão pequena
    há burros a dar c'um pau
    a começar pelo Sena
    que é burro como um calhau!

    JCN

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.