sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

O SOL: UMA ESTRELA AQUI TÃO PERTO

No Ano Internacional da Luz, "O Sol: uma estrela aqui tão perto", com João Fernandes, Professor do Departamento de Matemática da Universidade de Coimbra é a primeira do novo ciclo de palestras "À luz da Ciência", dinamizado pelo Bioquímico António Piedade.


RESUMO: 
O Sol é a estrela mais perto da Terra. Disso ninguém tem dúvida. Porém, por vezes, esquecemos que o Sol é ... uma estrela, pois associamos as estrela (só) aos "pontinhos luminosos" que à noite avistamos. O Sol, aqui tão perto, foi e é fundamental para evolução da Terra e da Humanidade. Nesta palestra, apresentaremos o Sol nas suas diferentes componentes (a estrela, o "centro" do Sistema Solar, a fonte de luz e calor, etc.), discutindo, em particular, as pontes entre o astro-Rei e o que hoje somos e sabemos.

Entrada Livre
Público-alvo: Público em geral

2 comentários:

  1. Claro, no ano internacional da luz vale acrescentar que aprender com simples exemplos o modo especial e agradável em compartilhar conhecimento.

    ResponderEliminar
  2. Razão tinham os antigos para divinizar o SOL. Talvez rezassem assim, a cada manhã que se levanta:
    «Obrigado, ó Sol, por mais um dia!
    Obrigado por esta luz que me ilumina e me dá vida
    Obrigado pelo calor que me inebria corpo e alma
    Obrigado porque és a luz dos meus olhos, olhos que me dão o prazer de tudo admirar na Natureza que é bela porque Tu existes!
    Se tu não és Deus, quem o será?»
    Nota: Não será o Sol uma partícula do Deus preconizado por Espinoza e Einstein: A HARMONIA UNIVERSAL DO TUDO EXISTENTE? Um Deus muito mais credível do que qualquer Deus que as religiões, tanto antigas como actuais, nos apresentaram? Nesse Deus, nós também temos lugar, como mini-partículas divinas que, por acaso da Natureza, têm vida e... uma inteligência capaz de pensar tudo isto. Fantástico!

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.