quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Ladainha dos Póstumos Natais

Ladainha dos Póstumos Natais, poema de David Mourão-Ferreira recentemente escolhido pelo classicista e também poeta José Ribeiro Ferreira para integrar a antologia que organizou - Dois poetas e um Natal - e para a dizer, porque a poesia é (também) para ser dita.

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que se veja à mesa o meu lugar vazio

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que hão-de me lembrar de modo menos nítido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que só uma voz me evoque a sós consigo

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que não viva já ninguém meu conhecido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que nem vivo esteja um verso deste livro

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que terei de novo o Nada a sós comigo

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que nem o Natal terá qualquer sentido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que o Nada retome a cor do Infinito


Cancioneiro de Natal in Obra Poética, 1996, páginas 244-245.

9 comentários:

  1. Também do Miguel Torga

    Natal divino ao rés-do-chão humano,
    Sem um anjo a cantar a cada ouvido.
    Encolhido
    À lareira,
    Ao que pergunto
    Respondo
    Com as achas que vou pondo
    Na fogueira.

    O mito apenas velado
    Como um cadáver
    Familiar…
    E neve, neve, a caiar
    De triste melancolia
    Os caminhos onde um dia
    Vi os Magos galopar…

    Miguel Torga

    ResponderEliminar
  2. Natal

    Neste caminho cortado
    Entre pureza e pecado
    Que chamo vida,
    Nesta vertigem de altura
    Que me absorve e depura
    De tanta queda caída,
    É que Tu nasces ainda
    Como nasceste
    Do ventre da Tua mãe.
    Bendita a Tua candura.
    Bendita a minha também.

    Mas se me perco e Te perco,
    Quando me afogo no esterco
    Do meu destino cumprido,
    À hora em que Te rejeito
    E sangra e dói no Teu peito
    A chaga de eu ter esquecido,
    É que Tu jazes por mim
    Como jazeste
    No colo da Tua mãe.
    Bendita a Tua amargura
    Bendita a minha também.

    Reinaldo Ferreira

    ResponderEliminar
  3. LUGAR VAZIO

    (Inédito)

    Não há Natal este ano a vez primeira
    em nossa casa, eivada de tristeza,
    porque no teu lugar, à cabeceira,
    não há ninguém para ocupar a mesa.

    Acabou-se contigo a tradição
    que vigorou no nosso nosso extinto lar,
    cabendo agora à nova geração
    não a deixar morrer ou se alterrar.

    Os filhos saibam, netos e bisnetos,
    no íntimo aconchego dos seus tectos,
    viver no mesmo espírito essa festa!

    A mim, por consoada, só me resta
    buscar no céu contigo algum contacto
    por ti rezando em frente ao teu retrato!

    JOÃO DE CASTRO NUNES

    Coimbra, Dezembro de 2002.

    ResponderEliminar
  4. Talvez se possa conjugar a poesia com as canções do Natal, como esta dos Cavaquinhos de Marrazes, ou o agradável fado Canção de Natal, do fadista Alfredo Farinha.

    ResponderEliminar
  5. NATAL CIGANO

    Dado o seu nomadismo secular,
    de terra em terra, com a tenda às costas,
    por montes, vales, quelhas e cangostas,
    não vejo onde é que podem colocar

    o seu presépio, como é tradição,
    as famílias ciganas, para as quais,
    bem como para o resto dos mortais,
    veio Jesus também na ocasião.

    Não quer isto dizer que não festejem
    o cíclico retorno de Jesus
    para por todos nós morrer na cruz.

    Sem pátria, nada impede que desejem
    umas às outras um Feliz Natal
    mesmo que seja em pleno pantanal!

    JOÃO DE CASTRO NUNES

    ResponderEliminar
  6. PRESÉPIO DE FAMÍLIA

    Na sala principal do nosso lar
    era hábito, na quadra do Natal,
    fazermos o presépio, para o qual
    cada um trazia o que quisesse dar.

    Como eram numerosas as crianças,
    chegavam-se a juntar em triplicado
    os Meninos Jesus e, lado a lado,
    vários rebanhos de ovelhinhas mansas.

    Todos os anos aumentando os filhod,
    era preciso pormos espartilhos
    para o presépio não crescer demais.

    O curiosoé que, condescendendo,
    a par e passo que ele ia crescendo,
    eram mais os Meninos do que as Mães!

    JOÃO DE CASTRO NUNES

    ResponderEliminar
  7. Consoante a sua cruz,
    mente devota ou ateia,
    tem cada qual sua ideia
    sobre o Menino Jesus!

    JCN

    ResponderEliminar
  8. ELEGIA DOS IDOS NATAIS

    Ao calor da lareira, no borralho,
    da sala de jantar, era um prazer,
    após um longo dia de trabalho,
    na mesa o bacalhau ver a ferver.

    Era Natal, era a denominada
    noite de consoada, entre a família,
    que se estendia até de madrugada,
    em santa e cristianíssima vigília.

    No seu prersépio, todo engalanado,
    o Menino Jesus sobre as palhinhas
    fazia que dormia, entre ovelhinhas,

    enquanto sua Mãe sorria ao lado,
    prestando-lhe homenagem na certeza
    de Ele um parto não ser da natureza!

    JOÃO DE CASTRO NUNES

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.