quinta-feira, 24 de setembro de 2009

ROBERT CRUMB SOBRE DEUS


A Folha de S. Paulo de 16/09/2009 inclui uma entrevista com Robert Crumb, o cartunista norte-americano cuja versão do "Genesis" em banda desenhada está quase, quase a ser lançada. Transcrevemos o início da peça e indicamos o sítio do jornal para ver o resto:

"Robert Crumb fala sobre sua versão ilustrada do primeiro livro da Bíblia
Publicidade

RAQUEL COZER
da Folha de S.Paulo

Crumb descansou no quarto ano. Antes, criou Deus, o paraíso, Adão e Eva. E viu que Eva era boa. Ou melhor, avantajada. Após extensa pesquisa, o cartunista Robert Crumb, 66, lança em outubro aquela que é considerada a principal publicação em HQ no ano. "Gênesis", versão ilustrada do primeiro livro da Bíblia, respeitou "palavra por palavra" do texto original. O livro deve sair logo depois no Brasil, pela Conrad.

O autor de "Fritz the Cat" e "Mr. Natural", símbolo da contracultura nos anos 60, conversou com a Folha por telefone na sexta-feira, com a voz tranquila e a ironia que lhe são características. Falou sobre o novo trabalho e sobre não saber (quase) nada de francês após 18 anos vivendo na França - mora no sul do país com a mulher, a cartunista Aline Kominsky-Crumb -, deu opiniões como sempre ácidas sobre sua terra natal, defendeu teorias conspiratórias e comentou o uso de sua obra. Veja trechos a seguir.

Folha - Foi difícil definir como desenharia Deus?
Robert Crumb - Bem, tive esse sonho em que vi Deus, em 2000. Foi intenso e vívido, teve efeito profundo em mim. Mas não pude olhar por muito tempo. A forma como o desenhei lembra só vagamente como era no sonho. Também me baseei em imagens de Deus na cultura ocidental, o patriarca de barba branca e expressão severa."

1 comentário:

  1. Porque nao transcreveram isto:

    "Folha - Faz oito anos que os EUA sofreram os ataques de 11 de Setembro. Acredita que o país mudou?
    Crumb - É complicado. Foi a primeira vez que houve um ataque daquelas proporções nos EUA, supostamente de fora. Pessoalmente, acho que o governo americano estava envolvido. Muita coisa não foi contada. Aquilo não poderia ser feito sem a ajuda de alguém de dentro. Com todos os livros que li, sabendo o que sei sobre o mundo financeiro, militar... Não duvido de que tenham feito isso, ao custo de milhares de vidas."

    A credibilidade do senhor vai lago por agua abaixo..

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.