domingo, 25 de janeiro de 2009

O QUE JORGE BUESCU SABE SOBRE AS MULHERES

Da revista "Pública" de hoje transcrevemos o texto da jornalista Ana Sousa Dias (na foto)) baseado numa conversa com o matemático Jorge Buescu sobre o que ele sabe sobre as mulheres:

Sei muito pouco sobre as mulheres, mas isso é um lugar-comum. Teoricamente, teria obrigação de saber mais porque cresci numa família de mulheres: a minha mãe e três irmãs mais velhas. O meu pai faleceu quando eu tinha seis anos, tenho umas memórias muito longínquas dele. Meio a brincar, digo que tive quatro mães.

Há uma questão de comunicação. Tendencialmente, os homens são animais do hemisfério esquerdo, ligado às questões da lógica, do espírito analítico, do raciocínio numérico, aritmético. O hemisfério direito está ligado a outras questões - à intuição, à comunicação não verbal, à linguagem dentro de contexto. Felizmente, todos temos hemisfério esquerdo e direito. Mas as mulheres são mais intuitivas, de decisão mais rápida e imediata, com uma comunicação não verbal dentro de contexto mais perceptível. Os homens precisam de mais tempo e mais dados para tomar decisões, são mais racionais, se as coisas não estão preto no branco não são capazes de se aventurar.

Na casa da minha mãe, às vezes parecia que elas estavam a falar entre si em código. Diziam uma coisa imprecisa, entendiam-se e eu ficava sempre de fora. Quando a minha mulher foi lá pela primeira vez, a minha mãe a certa altura disse-lhe - "Ó Catarina, passa aí o coiso dos coisos." Ela percebeu: era a base para pôr os tachos quentes. Eu vivia lá em casa e não sabia. E a ela bastou-lhe olhar para perceber o contexto. Ainda hoje falamos sobre isso. Isso faz parte da comunicação informal que funciona via hemisfério direito. Nós devemos ter umas ligações menos eficientes.

Acho que se aplica aqui o princípio de Pareto [Vilfredo Pareto, 1848-1923], estabelecido por um economista que viu que 80 por cento da riqueza em Itália era detida por 20 por cento das pessoas. A regra dos 80-20 funciona bem em muitos contextos. Por exemplo, 80 por cento do nosso trabalho é feito em 20 por cento do tempo. As mulheres funcionam assim: tomam decisões com 20 por cento dos dados e 80 por cento das vezes a decisão está certa. Os homens são mais analíticos, mais chatos, precisam de mais dados, correm o risco de paralisar por excesso de análise.

O maior prémio mundial da Matemática, a medalha Fields, nunca foi atribuído a uma mulher. É espantoso, porque as ciências duras - Física, Química, Biologia - precisam de material, de laboratórios, e há mulheres com Nobel nessas áreas. A Matemática é papel e lápis, pode ser feita em casa. Em Portugal, sempre houve muitas estudantes mas depois ficavam no ensino, não iam para a investigação. Talvez seja um fenómeno geracional. Isto tem raízes históricas, evidentemente.

A francesa Sophie Germain [1776-1831] queria fazer Matemática mas não podia inscrever-se na École Polytechnique por ser mulher. Fez-se passar por um homem para ter acesso aos apontamentos, tomou um lugar de um aluno chamado Antoine-Auguste Le Blanc que deixou de ir às aulas. Estudava em casa, submetia os trabalhos resolvidos. O maior matemático da altura, Joseph Lagrange, chamou o Monsieur Le Blanc porque as soluções eram extraordinárias: apareceu-lhe à frente uma mulher. Ela fez contribuições importantes em Matemática mas, quando faleceu, o epitáfio identificava-a simplesmente como "rentière-annuitante", uma mulher que vivia de rendimentos.

A alemã Emmy Noether [1882-1935] foi uma matemática de primeira linha. Em 1915, David Hilbert, o mais destacado matemático de então, convidou-a para trabalhar com ele em Gottingen mas o departamento não aceitou, por ser uma mulher. Ficou quatro anos a dar aulas e a fazer investigação sem ser paga, até aceitarem contratá-la. O Hilbert perguntava, com muita graça: "Mas isto é um departamento de Matemática ou é um balneário?" Não foi há tanto tempo assim, foi há 90 anos!

A par do rigor lógico, a investigação matemática tem uma componente de intuição que é subvalorizada. São necessários os dois hemisférios: o direito para adivinhar os resultados e o esquerdo para prová-los. À partida, as mulheres não têm qualquer handicap para a profissão matemática.

Sou casado há mais de 18 anos e às vezes descobrimos coisas inesperadas um no outro. Temos interesses comuns, às vezes dizemos a mesma coisa ao mesmo tempo, sabemos que gostamos do mesmo tipo de filmes, exposições, literatura. Conhecemo-nos cada vez melhor. Não obstante, o universo feminino para mim é bestialmente misterioso. Quando vejo nas revistas femininas coisas como os jogos de sedução, parece-me a descrição da vida em Marte. Não me considero um nerd, mas penso - onde é que isto acontece?

Ana Sousa Dias (a partir de uma conversa com Jorge Buescu)

6 comentários:

  1. Ó Buesco, se uma mulher está com um tacho nas mãos, uma coisa a ferver, e está atrapalhada com a coisa, é evidente que saem coisas como: o coiso dos coisos, e é evidente que o coiso só pode ser o coiso, não venhas cá inventar teorias malucas de que só uma mulher é que perceberia isso.
    Teoria muito fraquinha, porra! Que nabice!
    luis

    ResponderEliminar
  2. Realmente! É perigoso e pouco inteligente querer naturalizar características que são mais bem explicadas por motivos sociais. Se as mulheres são confinadas socialmente a espaços e papeis onde domina o afectivo, não é de espantar que se desenvolva uma feminilidade.

    ResponderEliminar
  3. Acho que o Antonio (Luis) foi bem no primeiro comentário, mas no segundo, falhou!

    ResponderEliminar
  4. Eu sou mulher e "luto" exactamente com as características que aqui são apresentadas como tipicamente masculinas, por exemplo:
    "Os homens precisam de mais tempo e mais dados para tomar decisões, são mais racionais, se as coisas não estão preto no branco não são capazes de se aventurar."
    "Os homens são mais analíticos, mais chatos, precisam de mais dados, correm o risco de paralisar por excesso de análise."
    Será que sou menos mulher, ou será que isto é mais um traço de personalidade que uma característica masculina ou feminina?

    Não quero com isto dizer que a generalização não esteja correcta, acredito que tendencialmente isso acontece assim. Fica a sugestão para o prof. Buescu de ler o livro "Os Homens são de Marte, as Mulheres de Vénus" de John Gray, se ainda não o fez. Este livro e outros trabalhos no mesmo sentido são interessantes, embora eu pessoalmente não seja apologista de generalizações. Se por vezes nos ajudam a compreender as atitudes daqueles que conhecemos mal, outras vezes impedem-nos de perceber/aceitar cada pessoa como um indivíduo.

    Quero ainda acrescentar que, na minha opinião, a cumplicidade feminina nas lides caseiras se prende muito mais com o facto de elas se movimentarem nesse meio do que com as suas capacidades inatas. Contudo, acredito que as mulheres possam ter uma maior facilidade nas tarefas domésticas devido a características que lhe são mais naturais como o multitasking e a atenção às necessidades dos outros, que muitos justificam por questões evolucionistas.

    Em qualquer dos casos, todos temos o direito a explorar aquilo para o qual estamos mais aptos ou temos mais gosto em fazer, sejamos homens ou mulheres, mas também temos que aprender a fazer um esforço para sermos mais completos.

    ResponderEliminar
  5. Esta neurologia sexista assimetrica - lado direito / lado esquerdo do cerebro - é um bocado simplista. Vale pelo humor.

    ResponderEliminar
  6. vim "parar" a este artigo do jorge buescu e fiquei surpreendida com tudo.
    sou leitora/admiradora dos artigos escritos pelo do jorge buescu, geralmente sobre matemática e não estava à espera deste "parecer" sobre mulheres.
    partilho a opinião da MunaS, se as mulheres ainda têm o papel social/economico/politico/familiar q têm obviamente isso tb se reflete na intervenção matematica.
    qto aos comentários anónimos sobre o lado esquerdo/direito do cerebro valia a pena informar-se, não têm piada nenhuma :DD

    continuo fã do jorge buescu não conheço ninguém melhor do que ele a explicar matematica

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.