terça-feira, 12 de junho de 2007

A GLOBALIZAÇÃO DO EDUQUÊS NO SEU ESPLENDOR

Para quem vive na doce ilusão de que o "eduquês" a que se referem o Desidério e o Carlos é uma moda-portuguesa-com-certeza, um delírio ou insanidade passageira deste jardim à beira-mar plantado, que mais dia menos dia passará, podendo nós então voltar a falar a sério, tomo a liberdade de recordar o caso francês no meu post sobre o caso Lafforgue.

Talvez mais impressionante ainda é esta carta aberta, que transcrevo na íntegra, de um professor de Física inglês do ensino secundário, Wellington Grey, ao Departamento de Educação do Reino Unido e ao AQA (Assessment and Qualifications Alliance). É o eduquês globalizado em todo o seu esplendor!

Aqui vai, sem comentários. (O original está aqui.)

"A PHYSICS TEACHER ASKS FOR HIS SUBJECT BACK

I am a physics teacher. Or, at least I used to be. My subject is still called physics. My pupils will sit an exam and earn a GCSE in physics, but that exam doesn’t cover anything I recognize as physics. Over the past year the UK Department for Education and the AQA board changed the subject. They took the physics out of physics and replaced it with… something else, something nebulous and ill defined. I worry about this change. I worry about my pupils, I worry about the state of science education in this country, and I worry about the future physics teachers — if there will be any.

I graduated from a prestigious university with a degree in physics and pursued a lucrative career in economics which I eventually abandoned to teach. Economics and business, though vastly easier than my subject, and more financially rewarding, bored me. I went into teaching to return to the world of science and to, in what extent I could, convey to pupils why one would love a subject so difficult.

For a time I did. For a time, I was happy.

But this past academic year things changed. The Department for Education and the AQA board brought in a new syllabus for the sciences. One which greatly increased the teaching of `how science works.’ While my colleagues expressed scepticism, I was hopeful. After all, most pupils will not follow science at a higher level, so we should at least impart them with a sense of what it can tell us about our universe.

That did not happen

The result is a fiasco that will destroy physics in England.

The thing that attracts pupils to physics is its precision. Here, at last, is a discipline that gives real answers that apply to the physical world. But that precision is now gone. Calculations — the very soul of physics — are absent from the new GCSE. Physics is a subject unpolluted by a torrent of malleable words, but now everything must be described in words.

In this course, pupils debate topics like global warming and nuclear power. Debate drives science, but pupils do not learn meaningful information about the topics they debate. Scientific argument is based on quantifiable evidence. The person with the better evidence, not the better rhetoric or talking points, wins. But my pupils now discuss the benefits and drawbacks of nuclear power plants, without any real understanding of how they work or what radiation is.

I want to teach my subject, to pass on my love of physics to those few who would appreciate it. But I can’t. There is nothing to love in the new course. I see no reason that anyone taking this new GCSE would want to pursue the subject. This is the death of physics.

Specific Complaints:

My complaints about the new syllabus fall into four categories: the vague, the stupid, the political, and the non-science.

The Vague:

The specification provided by the AQA (available at their website) is vaguely worded. Every section starts with either the phrase ‘to evaluate the possible hazards and uses of…’ or ‘to compare the advantages and disadvantages of…’ without listing exactly what hazards, uses, advantages or disadvantages the board actually requires pupils to learn. The amount of knowledge on any given topic, such as the electromagnetic spectrum, could fill an entire year at the university level. But no guidance is given to teachers and, as a result, the exam blindsides pupils with questions like:

Suggest why he [a dark skinned person] can sunbathe with less risk of getting skin cancer than a fair skinned person.

To get the mark, pupils must answer:

  • More UV absorbed by dark skin (more melanin)
  • Less UV penetrates deep to damage living cells / tissue

Nowhere does the specification mention the words sunscreen or melanin. It doesn’t say pupils need to know the difference between surface dead skin and deeper living tissue. There is no reason any physics teacher would cover such material, or why any pupil should expect to be tested on it.

The Stupid:

On topics that are covered by the specification, the exam board has answers that indicate a lack of knowledge on the writer’s part. One question asks `why would radio stations broadcast digital signals rather than analogue signals?’ An acceptable answer is:

  • Can be processed by computer / ipod [sic]

Aside from the stupidity of the answer, (iPods, at the time of this writing, don’t have radio tuners and computers can process analogue signals) writing the mark scheme in this way is thoughtless, as teachers can only give marks that exactly match its language. So does the pupil get the mark if they mention any other mp3 player? Technically, no. Wikipedia currently lists 63 different players. Is it safe to assume that the examiner will be familiar with all of them? Doubtful.

If the question is not poorly worded, or not covered in the specification, it will be insultingly easy. The first question on a sample paper started:

A newspaper article has the heading: ‘Are mobiles putting our children at risk?’ A recent report said that children under the age of nine should not use mobile phones…

The first question on the paper was:

Below which age is it recommended that children use a mobile phone in emergencies only?

This is the kind of reading comprehension question I would expect in a primary school English lesson, not a secondary school GCSE.

The Political:

The number of questions that relate to global warming is appalling. I do not deny that pupils should know about the topic, nor do I deny its importance. However, it should not be the main focus of every topic. The pupils (and their teachers) are growing apathetic from overexposure.

A paper question asked: `Why must we develop renewable energy sources?’ This is a political question. Worse yet, a political statement. I’m not saying I disagree with it, just that it has no place on a physics GCSE paper.

Pupils are taught to poke holes in scientific experiments, to constantly find what is wrong. However, never are the pupils given ways to determine when an experiment is reliable, to know when an experiment yields information about the world that we can trust. This encourages the belief that all quantitative data is unreliable and untrustworthy. Some of my pupils, after a year of the course, have gone from scientifically minded individuals to thinking, “It’s not possible to know anything, so why bother?” Combining distrust of scientific evidence with debates won on style and presentation alone is an unnerving trend that will lead society astray.

The Non-scientific:

Lastly, I present the final question on the January physics exam in its entirety:

Electricity can also be generated using renewable energy sources. Look at this information from a newspaper report.

  • The energy from burning bio-fuels, such as woodchip and straw, can be used to generate electricity.
  • Plants for bio-fuels use up carbon dioxide as they grow.
  • Farmers get grants to grow plants for bio-fuels.
  • Electricity generated from bio-fuels can be sold at a higher price than electricity generated from burning fossil fuels.
  • Growing plants for bio-fuels offers new opportunities for rural communities.

Suggest why, apart from the declining reserves of fossil fuels, power companies should use more bio-fuels and less fossil fuels to generate electricity.

The only marks that a pupil can get are for saying:

  • Overall add no carbon dioxide to the environment
  • Power companies make more profit
  • Opportunity to grew new type of crop (growing plants in swamps)
  • More Jobs

None of this material is in the specification, nor can a pupil reliably deduce the answers from the given information. Physics isn’t a pedestrian subject about power companies and increasing their profits, or jobs in a rural community, it’s is about far grander and broader ideas.

Conclusion:

My pupils complained that the exam did not test the material they were given to study, and they are largely correct. The information tested was not in the specification given to the teachers, nor in the approved resources suggested by the AQA board. When I asked AQA about the issues with their exam they told me to write a letter of complaint, and this I have done. But, rather than mail it to AQA to sit ignored on a desk, I am making it public in the hope that more attention can be brought to this problem.

There is a teacher shortage in this country, but if a physicist asked my advice on becoming a teacher, I would have to say: don’t. Don’t unless you want to watch a subject you love dismantled.

I am a young and once-enthusiastic physics teacher. I despair at what I am forced to teach. I have potentially thirty years of lessons to give, but I didn’t sign up for this — and the business world still calls. There I won’t have to endure the pain of trying to animate a crippled subject. The rigors of physics have been torn down and replaced with impotent science media studies.

I beg of the government and the AQA board, please, give me back my subject and let me do my job.

Sincerely,

Wellington Grey"

16 comentários:

  1. Depois da etnomatemática a etnofísica :))

    ResponderEliminar
  2. Concordo com o autor, não há, decididamente, nenhum comentário que se possa fazer perante a enormidade desta realidade. É mais do que irrisório.

    ResponderEliminar
  3. A situação descrita é exactamente paralela ao que se passa com o programa de filosofia português do 10.º-11.º anos. Tem muita coisa, mas nenhuma filosofia. Voltarei a este assunto num próximo post. O importante é compreender por que razão os burocratas da educação pensam que é uma boa ideia retirar os "hard subjects" do currículo, e compreender por que razão eles não têm razão.

    ResponderEliminar
  4. Estou sem palavras... pensei que isto não pudesse acontecer em nenhuma parte do mundo. Respondam-me só a uma coisa: quem ganha com isto? Porquê tudo isto? Quem quer implementar estas ideias que objectivos tem?

    ResponderEliminar
  5. Eu diria que, mais do que a globalização do eduquês (que surge com múltiplo tentáculos nas mais diversas disciplinas), esta carta aberta retrata bem o estado de um currículo entregue ao fundamentalismo da auto-denominada "perspectiva Ciência, Tecnologia, Sociedade, Ambiente" - CTSA.
    Eu vejo enormes vantagens em integrar os contextos tecnológico, social e ambiental no ensino da ciência. O problema é que, na ânsia desta integração, os fundamentalistas desta perspectiva atropelam o objectivo primeiro - aprendizagem da ciência - para dar largas à exploração dos contextos.
    O fenómeno retratado nesta carta pode ser reconhecido em alguns exames aplicados, em Portugal, no ano lectivo 2005/06, embora de forma menos preocupante do que a descrita. Lembro-me, por exemplo, que no exame de Química do 12º ano, primeira fase, o aluno tinha de saber que o primeiro polímero produzido a nível industrial foi a baquelite. Isto é uma pergunta de Química? Terão os alunos que saber qual foi o segundo?
    Por este caminho acabamos por criar uma geração de "cientistas" com capacidade para ter uma boa discussão de mesa de café sobre as vantagens ou desvantagens da energia nuclear, mas sem a mínima capacidade para explicar do que é que estão, realmente, a falar.

    ResponderEliminar
  6. É sabido que Inglaterra tem um grande problema com o seu sistema de ensino, já há uma percentagem de pessoas que não sabem ler, com 11 anos, maior do que na Índia. Parece que a percentagem de alunos a estudar ciências, Química, Física, e outras, diminuiu 40% (salvo erro), nos últimos 10 anos, e houve também muitos departamentos de física e química que fecharam nas universidades, onde nalguns deles se tinham formada e trabalhado alguns prémios nobel!
    O que safa o prestígio das universidades inglesas é a boa investigação que é feita lá, mas à custa de muitos muitos milhões de libras investidos!
    luis

    ResponderEliminar
  7. Tanto queixume por não poderem ensinar Física! Puxa vida, o que dirão os que não podem ensinar outras coisas, como latim, grego ou alemão (e não são poucos, hoje em dia...). E, convenhamos, tanta sanha contra o eduquês já soa um pouco a eduquês, não?! Então porque é que é tão raro, neste blogue, ler-se coisas mesmo-mesmo-mesmo-mesmo-mesmo sobre física? Por exemplo, eu necessito de perceber, de preferência duma forma simples (pois não sou de física, e o que vejo na wikipedia é pouquinho), por que razão a teoria do steady state (ou lá como se chama... não me recordo agora) se opõe à do big bang, e qual a relevância das duas no momento actual. E não me importava também de tentar perceber até que ponto a string theory pode até ser mais do que uma bela (belíssima!) metáfora. E finalmente, um apelo aos físicos, e à sua imaginação: o mundo à nossa volta está cheinho de contas por fazer. A gente tropeça numa pedra e lembra-se logo duma. Contas que fazia falta fazer. Mas olho em redor e já estou como o autor deste post: só vejo blá-blá. Eu, que até venho da área do blá-blá, começo a sentir que me roubaram o subject :-), mas o que acontece é que fico às vezes tão esmorecida (apesar de haver muito blá-blá *extremamente* interessante neste blogue, que de resto até é bem mais de história, ou de literatura, ou de filosofia!)que me dá vontade é de voltar aos temas duros. A mim, vejam só, que nem tenho queda nenhuma para eles, confesso! (Bom... dependendo da definição, claro). Ao fazer estas perguntas sobre física (e não sobre um tema duro como alguma escatologia, por exemplo), não me levem a mal, portanto! É que há tanta, mas tanta continha jeitosa por fazer!!!! Eu às vezes adormeço a sonhar com algumas, e de manhã acordo com a ressaca de um enorme ponto de interrogação nos miolos. Experimentem esta: quantos átomos de tinta ecológica (exclusivamente de origem biológica, não geradora de resíduos tóxicos, portanto ;-)) teriam que ser usados para revitalizar a fachada do edifício das Físicas da FCTUC? E quanto tempo essa tinta iria durar, ou seja, quantas vezes seria necessário em dez anos proceder a obras de manutenção? Em que medida (estão a ver, foi com as continhas que surgiu a expressão, não?), dizia eu, em que medida a escolha da cor iria influenciar a absorção da energia solar, etc. etc., ou se em vez de tinta não acabaria a prazo por ficar mais barato cobrir a fachada com células fotovoltaicas? Juro-vos que eram contas giras, coloridas, verdadeiramente apelativas, porque teriam os ingredientes que a sociedade (e muitos físicos, pelos vistos) estão realmente a pedir aos físicos. Bom, e depois de fazerem as contas para a fachada das Físicas olhem em volta: o que há mais por aí é fachadas, telhados, auto-estradas, etc. Abraço
    Adelaide Chichorro Ferreira

    ResponderEliminar
  8. Depois de ler a carta aberta deste professor Inglês, a primeira coisa que me ocorreu foi que finalmente tínhamos começado a exportar os doutos Doutores (não é pleonasmo, é sarcasmo...) em ciências da educação que por aí abundam.
    Afinal, depois de ler um dos comentários anteriores, que julgo não ser preciso discriminar, chego à conclusão que ainda temos muita «sabedoria» remanescente.
    É bem verdade que "o que há mais por aí é fachadas", infelizmente, o conteúdo parece estar tão mau como o invólucro.

    ResponderEliminar
  9. O problema, quanto a mim, é mais vasto e tem a ver com a dificuldade número 1 da democracia, que é como vender escolhas difíceis a uma população que é, simultaneamente, o alvo das decisões de um governo e o seu patrão, com poder de despedimento.

    Todos sabemos como, no mundo ocidental, é difícil tomar decisões difíceis e impopulares que se impõem, como aumentar as contribuições sociais para sustentar uma população envelhecida, reduzir as emissões de carbono diminuindo os consumos energéticos (o Prof. Jorge Buescu que me perdoe), impor níveis de excelência à população para que ela possa competir globalmente, deixar entrar imigrantes, para que estes cubram o défice populacional, etc.

    São xaropes que ninguém quer tomar e que custam aos governos os votos de que vão necessitar para ser reeleitos.

    É tentador, portanto, varrer os problemas para baixo do tapete, dizer à população que está tudo bem, que podem continuar com todos os seus vícios e não sofrer as consequências. Quem fala a verdade neste jogo, é mais depressa eliminado.

    E, no entanto, Churcill lá foi dizendo que a democracia é o pior sistema político, com excepção de todos os outros.

    Não é por acaso que os níveis de excelência científica eram e são atingidos em países sem grandes veleidades democráticas, como a China, os países do antigo bloco de Leste e outros países da orla do Pacífico ou por países com grandes dificuldades económicas, como a Índia, onde uma boa formação científica é a chave para sair da pobreza.

    Mas também é verdade que esses grandes talentos científicos depois florescem nos centros de investigação dos Estados Unidos e da Europa Ocidental, onde a liberdade de pensamento de que gozam, lhes retira as grilhetas que ainda travam o desenvolvimento do seu potencial.

    Assim, a resposta à pergunta sobre porque é que o nível científico do ensino ocidental está em queda livre tem a ver com essa ilusão de facilidade. Um sistema educativo exigente vai filtrar os mais fracos, que nunca deveriam sequer estar ali, vai exigir muito mais do aluno médio, que vai ter de estudar muitas horas, para aguentar o ritmo, em vez de estar a jogar na Playstation. E vai distinguir, sem medo de incorrecção política, aqueles cujo esforço E brilhantismo os distingue do comum dos mortais. Esses serão tratados como os antigos atletas da Alemanha de Leste, num programa intensíssimo que os transformará em "cromos" capazes de liderar os grandes projectos de inovação. Ora, nada disto é popular, nada disto é sexy, nem mesmo num reality show de Belas e Mestres. E como ninguém gosta que se lhes mande fazer coisas difíceis quando podem fazer coisas fáceis, a resposta é "despedir o patrão", conforme a democracia nos permite. Não gostamos das escolhas, despedimos o governante e esperamos por um outro que nos diga que está tudo muito bem assim e que somos o máximo.

    Se alguém encontrar uma saída para este dilema, por favor digam-me. Acho que seria a verdadeira Pedra Filosofal do mundo ocidental: conseguir impor decisões impopulares mas necessárias a uma população que detém a chave do futuro dos governantes que lhe tentam impor essas decisões.

    ResponderEliminar
  10. If you are going to reprint my *entire* article in full, could you at least link to my site?

    ResponderEliminar
  11. Caramba!

    Aquilo é física?
    Sabia que o eduquês não era um problema só nosso, mas não fazia ideia que as coisas tivessem chegado a este ponto no Reino Unido...

    ResponderEliminar
  12. Muito sinceramente, o que me deixa de boca aberta é este espanto que todos nós frequentemente demonstramos em relação ao estado actual das coisas.
    Depois da "lindíssima idade média que atravessámos" (será que atravessámos?) surpreendemo-nos com os resultados que estão à vista?

    O que nos deve surpreender, na minha opinião, são os propósitos de quem há muito pretende passar a mensagem de que acabou a monarquia, o clero, a nobreza, o povo e, claro a escravatura?

    O Bushinho, viu-se a braços com o álcool, abraçou o cristianismo. Lindo!
    Viu-se a braços com a perda de popularidade e a religião do poder económico não lhe garantiu a imagem que pretendia, vira-se de alma e coração para a preservação do planeta. Sublime!

    Podemos sempre seguir o exemplo que vem de cima e, sei lá, a educação vai mal! Não é problema, atiramo-nos de cabeça para o desporto e a cultura do físico!
    A política anda pelas ruas da amargura! Simples, vamos todos plantar batatas e talvez asseguremos a nossa sobrevivência e integridade.

    Não tenhamos nós a preocupação diária de aguçar o nosso sentido crítico e o dos nossos filhos, de lhes ensinar que a maioria dos jornalistas são palhaços, pagos (pelo poder mais importante actualmente) para nos fazerem rir, que a escola é uma loja como outra qualquer, onde pagamos, não para aprender, mas para sairmos com um canudinho, porque aprender, hoje é algo que se consegue sim, mas a expensas próprias com muito esforço e empenhamento da nossa parte e, sobretudo, a preocupação de lhes ensinar que o mais importante é um ser humano conseguir ser coerente e integro.

    Não tenhamos nós este esforço diário, dizia eu, ou corremos o risco de, nós e os nossos, sermos só mais uns corpos amorfos nesta sociedade mentecapta e intelectualmente autista.

    Artur Figueiredo

    ResponderEliminar
  13. Nos discursos políticos, nas conferências e colóquios, em artigos de jornal ou nos nossos serviços, todos nós nos confrontamos quase diariamente com esta questão do "eduquês" em que um qualquer infeliz fala durante meia hora sobre um assunto do qual não percebe nada nem tem nada para dizer...
    Parabéns ao Jorge Buesco por remar contra esta maré (e também pelo novo livro) e ao Artur Figueiredo pelo último coment, o qual subscrevo na íntegra.

    ResponderEliminar
  14. Dear Wellington Grey:

    the post had always linked to your site (in the link "esta carta aberta", meaning "this open letter"). The post now links directly to your site twice (also in the link ("aqui", meaning "here").

    ResponderEliminar
  15. É impressionante, mas esta "carta aberta" até parece descrever a situação em Portugal. Também por cá nos confrontamos com os mesmos problemas em relação aos programas, com a mesma dificuldade em saber com que profundidade se devem desenvolver os diferentes tópicos programáticos, com a "obrigatoriedade" de a toda a hora fazer ligações aos problemas ambientais, com especial relevo para o aquecimento global e o seu ÚNICO culpado, o CO2 proveniente da queima de combustíveis fósseis.
    Para a semana realizam-se os exames de FQ dos 10º/11º anos. Temo o pior. No ano passado os resultados foram catastróficos, estimo em mais de 80% a percentagem de resultados negativos, e tenho de fazer estimativas (com os resultados que conheço da minha região e de outras onde tenho amigos também professores) porque, para a comunicação social, esses exames nunca existiram, esses resultados (e os igualmente maus dos exames de Biologia/Geologia) não entraram no cálculo do "ranking" das escolas publicado em vários jornais.
    Também em relação à estrutura dos exames, a semelhança com Inglaterra é arrepiante. A mesma rigidez nos tópicos a desenvolver nas questões de resposta aberta, as mesmas questões que só testam capacidades elementares no domínio da leitura.
    É mesmo a globalização da estupidez, travestida de linguagens rebuscadas.
    Se alguma vantagem poderíamos tirar do atraso que temos em relação a outros países, era aprender com os seus erros.
    Infelizmente, apesar de vermos o precipício que se abre à nossa frente, para lá caminhamos alegremente (ou somos empurrados...). É o "eduquês" globalizado em todo o seu esplendor.

    FRM

    ResponderEliminar
  16. Ora, aqui está claramente provado: o fenómeno que em slogan se chama "eduquês" não é uma originalidade portuguesa. Antes pelo contrário, é um chorrilho de disparates de quem leu mal autores essenciais. Estou a referir-me concretamente a Vygotsky. A maioria do que se lê, aparentemente fundamentado em Vygotksky nada tem a ver com ele. São-lhe frequentemente atribuídas ideias posteriores, designadamente de Dewey, são-lhe atribuídos conceitos que ele nunca utilizou, como o de "scaffolding". E agora andam uma série de pessoas com grandes elaborações teóricas sobre o conceito; em português chegam a traduzi-lo por "andaimar" (dá para acreditar?!?) As pessoas simplesmente NÃO O LERAM (perdoem as maiúsculas); assim como não leram Piaget. A isto, acresce o problema de ambos nunca se terem encontrado - na sua época não havia net... - e de Vygotksky ter morrido precocemente.
    Por outro lado, em educação, os movimentos são pendulares.É necessária alguma reactividade a toda uma utopia que se gerou, baseada ainda no mito do bom selvagem. É então de esperar que o movimento contrário cometa os seus excessos, assim como é de esperar que no meio desta confusão conceptual e epistemológica haja pessoas que procurem separar as águas e dar a César o que é de César.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.