terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Newton e a filosofia

A ideia de que é possível evitar a filosofia é uma ilusão comum. A única coisa que se pode fazer é pressupor teses filosóficas sem grande consciência disso. Isto não significa, contudo, que a filosofia tenha qualquer tipo de prioridade sobre a ciência; significa apenas que os pressupostos filosóficos são ubíquos e que cientistas e filósofos devem prestar atenção aos trabalhos que uns e outros desenvolvem, pois os dois domínios não são estanques. Os cientistas desenvolvem competências e conhecimentos próprios, tal como os filósofos, e é tão palerma fazer especulações científicas ingénuas quanto filosóficas (isto é, desconhecendo a bibliografia especializada).

Newton foi um dos responsáveis pela ciência tal como hoje a concebemos. Os seus pressupostos filosóficos, contudo, têm sido cuidadosamente estudados pelos especialistas em história da filosofia e da ciência. Andrew Janiak, em Newton as Philosopher (Cambridge University Press, 2008), discute as ideias filosóficas de Newton, e Richard Arthur recenseia o livro na NDPR.

6 comentários:

  1. Mesmo conhecendo a bibliografia especializada faz-se muita especulação.
    Veja-se o caso do alegado "Aquecimento Global".

    ResponderEliminar
  2. Como será possível manter essa convivência entre Ciência e Filosofia, se a Filosofia dura (infelizmente) apenas 2 anos no actual curriculo de ciências e tecnologias? E regra geral é sempre vista pelos alunos (e alguns professores) como um passatempo inócuo, quase que um tempo morto entre português e matemática!
    A maioria dos alunos médios repudiam pensamentos profundos, não se questionam. Quando fiz 6 anos perguntei o que era uma estrela, colegas meus (universitários) não sabem o que é uma estrela!
    Não faltam teorias, mas a realidade, essa noção tão indelével, flui impiedosamente.

    ResponderEliminar
  3. Isaack Newton é justamente considerado um dos maiores cientistas de todos os tempos.

    E, no entanto, era convictamente criacionista, acreditando que o conhecimento científico conduz a um maior e mais profundo conhecimento do Criador do Universo.

    A sua tentativa de descobrir e formular leis naturais andava a par e passo com a sua crença num Legislador Sobrenatural.


    Isaac Newton combinava uma grande capacidade e curiosidade intelectual com um vastíssimo conhecimento da Bíblia. Isso só deu profundidade ao seu pensamento.

    Embora as filosofias científicas dominassem a epistemologia científica do seu tempo, Newton aproximou-se do conhecimento científico a partir de bases preponderantemente judaico-cristãs.

    Não é que não existisse alternativa à crença em Deus na época de Newton.

    Pelo contrário.

    As correntes naturalistas e evolucionistas existem desde há muito.

    Elas foram expostas e defendidas por muitos filósofos antes de Cristo, como Empédocles, Demócrito, Epicuro ou Lucrécio, que inspirou este blogue.

    A noção grega da “grande cadeia do ser” já influenciava os intelectuais ingleses muito antes de Charles Darwin, como mostra o caso do avô de Darwin, Erasmus Darwin, que especulou sobre a origem naturalista da vida e a evolução das espécies. O ateísmo já existia muito antes de Newton ou Darwin.

    A fé bíblica de Newton estava longe de constituir a única opção de Isaac Newton.

    Com base no estudo da Bíblia, Isaac Newton previu o retorno dos judeus à Terra prometida (o que viria a consumar-se em 1948) e dedicou muita atenção ao estudo do Terceiro Templo.

    Também avançou com uma data para o fim do mundo, em 2060, mas fê-lo não tanto por convicção da sua correcção, mas mais para pôr fim à especulação que se desenvolvia no seu tempo em torno de tal tema, como teve o cuidado de explicar.

    O conhecimento da Bíblia de Isaac Newton não era o produto da sua ignorância do pensamento grego ou de qualquer apetência infantil para a crença em mitos ou lendas, mas sim da sua convicção profunda acerca da inspiração da Bíblia.

    Nas suas palavras, ‘I have a fundamental belief in the Bible as the Word of God, written by men who were inspired. I study the Bible daily.’

    ResponderEliminar
  4. Olá Perspectiva.

    juntastes-te aos anónimos?

    ResponderEliminar
  5. Newton podia ter sido criacionista mas também era alquimista e defendia uma teoria da refracção hoje em dia falsificada experimentalmente.

    Mesmo "génios" (e Newton é do mais próximo que os humanos chegaram a isso) dizem e acreditam em coisas erradas.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.