sábado, 17 de março de 2007

O insustentável peso da religião

Decorreu hoje a 1ª sessão do II Colóquio «A Religião fora dos Templos», no Centro Ismaili, organizado pela Comissão de Liberdade Religiosa, um organismo governamental criado pela Lei da Liberdade Religiosa. Infelizmente não tive possibilidade de assistir mas tenho um relato fidedigno do que aconteceu naquele que pode ser um dia negro na educação nacional.

Mesmo a propósito do tema a que temos consagrado os últimos posts, as intervenções num dos paineis da manhã, devotado ao tema «Religião e Educação», corroboram o que escrevemos sobre as ofensivas criacionistas cá no burgo.

Assim, a tónica das referidas intervenções assentou no lamento da valorização do iluminismo (e consequente humanismo) e da verdade «secular» no sistema de ensino público nacional e na verberação da necessidade da correcção dos manuais escolares no sentido de reporem a «verdade» religiosa dos factos.

Nas respectivas intervenções, Esther Mucznick, Guilherme Oliveira Martins e Alfredo Teixeira (Univ. Católica) exigiram do Ministério da Educação a criação de uma comissão tripartida para corrigir manuais escolares de História e Língua Portuguesa, eliminando tudo o que as confissões religiosas considerem discordante da «verdade» religiosa.

No período de perguntas, uma senhora evangélica foi um pouco mais longe e defendeu que também deveriam ser religiosamente corrigidos os manuais de Ciências da Natureza, concretamente de Biologia - para introduzir o criacionismo - e de Geografia - para explicar que o que os cientistas vendem como tectónica de placas, erosão ao longo de milhões de anos , etc. é afinal resultado do Dilúvio. Efabulando uma inexistente controvérsia nestes temas científicos a senhora exigiu o ensino da «ciência» biblíca a par do ensino da ciência «secular». Não sei se a senhora se esqueceu dos manuais de Física e da correcção do «secular» heliocentrismo, entre outras heresias «seculares»...

Que um organismo governamental permita sequer que fundamentalistas sortidos se sintam autorizados a imiscuirem-se no ensino público de um país supostamente laico é mau, mas especialmente preocupante foi a intervenção de Vera Jardim, deputado da nação, que se afirmou favorável à correcção religiosa dos manuais escolares, de Biologia e Geografia inclusive.

Amanhã fala o mesmo Jónatas Machado que foi convidado pela Universidade de Lisboa para defender atavismos aberrantes num colóquio que apenas dará mais fôlego à ofensiva criacionista.
Diria que as guerras da evolução vieram para ficar e que o timing do dito colóquio na Faculdade de Ciências me parece tudo menos inocente.

35 comentários:

  1. Estes romanos são loucos!

    E o Vera Jardim devia ter mais juízo e não dar cobertura a estes delírios religiosos!!

    A seguir a beatada quer o quê? Que sejam despedidos com justa causa os professores que ensinem o evolucionismo como quer o cromo evangélico do Cameira?

    Depois querem a volta das fogueiras da Inquisição para queimar hereges evolucionistas?

    Ai o choque tecnológico do Sócrates que não tarda é o choque do regresso ao passado!

    ResponderEliminar
  2. Olá Rita:

    Não tarda temos aqui outro romano que pretende que nós somos a mesma pessoa. Vê lá que acha impossível existirem duas biólogas "crentes" no evolucionismo que acompanham a primeira pessoa que alertou o país para os perigos do criacionismo.

    Ah! Esse romano é o António Parente aka João Dias aka mais não sei mais quantas centenas de nicks. O católico fundamentalista que criou não sei quantos blogs para rebater pateticamente os posts da Palmira :)

    Voltando ao post, ele só confirma o que a Palmira vem avisando há 3 anos.

    Eu não acredito em sibilas mas que todas as previsões da Palmira se estão a verificar lá isso estão...

    ResponderEliminar
  3. La voltamos às cenas do Galileu!

    Teremos de ser obrigados a dizer que a Terra está fixa, parada e é o centro do universo!...

    Eppur si Muove !!!

    ResponderEliminar
  4. O António Parente tem-se esquecido da medicação ou de apertar o cilício é o que é.

    Esqueci-me de dizer que simplesmente amei a figura do post! O peso da religião na sociedade secularizada europeia é um peso artificial conseguido com injecções massivas de esteróides.

    É rídiculo que meia dúzia de gatos pingados, os fundamentalistas cristãos evangélicos e católicos, que só se representam a si próprios tenha tanto poder.

    Não é preciso ir mais longe, só lembrar o que aconteceu em 1998 com a tentativa de despenalização do aborto. Um telefonemazito da sacristia para o Guterres e para o Marcelo "Assim Não" de Sousa e lá foi ignorada uma decisão do paralamento.

    Uma palavrinha do Vaticano fez cair o governo de Prodi e boicotou a lei que reconhecia alguns direitos às uniões de facto; a Merkel anda histérica com a referência ao cristianismo na Constituição europeia, o Blair e a Opus Dei Kelly introduziram o criacionismo nas escolas públicas inglesas, a Polónia está a trasnformar-se num paraíso neo-nazi com os fanáticos ultra-católicos da Liga das Famílias..

    ResponderEliminar
  5. Como aluno finalista de uma Licenciatura em Ensino Básico-1º Ciclo, a desenvolver um projecto final de curso na área de Filosofia da Educação, este tema (DOUTRINAÇÃO), é para mim particularmente interessante. Espero por isso contribuir de forma séria para esta discussão.

    Por doutrinação entende-se a imposição, por meios vários (tais como a lavagem cerebral). É ensinar uma doutrina como se fosse a única possível e plausível, ou usar o termo "científico" para justificar posições que nada têm de científico, entre outras.

    Ao querer transmitir dogmas religiosos aos alunos, não lhes deixamos espaço à consciência crítica, além de que, em vez de abrir horizontes, deixando que mais tarde possam fazer escolhas livres, conscientes e informadas. Não formamos seres humanos nos pleno sentido da palavra, mas autómatos que perpetuam uma devoção, porque simplesmente nunca lhes ensinaram que esse não é o único caminho possível.

    José Oliveira
    Tomar

    ResponderEliminar
  6. Imposição de ideias ou doutrinas. Peço desculpa pelo erro.

    José Oliveira
    Tomar.

    ResponderEliminar
  7. "Diria que as guerras da evolução vieram para ficar e que o timing do dito colóquio na Faculdade de Ciências me parece tudo menos inocente."

    É claro que sim - e não vale a pena fugir à guerra - daí que o Colóquio de Lisboa e o esforço merece todo meu respeito.

    ResponderEliminar
  8. Caro Fernando Martins:

    O colóquio da F. de Ciências merecer-me-ia respeito se:

    1- O título fosse diferente;
    2- Não tivessem convidado criacionistas para o dito.

    De facto, a comunidade científica deve investir e muito na desmistificação das cretinices criacionistas. Começar convidando um charlatão para um colóquio com um título dúbio é mais que um tiro no pé: é todo um carregador nos dois pés!

    Demonstra no mínimo uma ingenuidade muito perigosa nesta altura dos acontecimentos e é oferecer de bandeja aaos fanáticos religiosos cá do burgo um filão que, pode acreditar, vão explorar até à última com as tácticas habituais.

    Em primeiro lugar apostaria que o tal Jónatas vai levar uma claque fanática, acéfala que vai monopolizar o espaço de debate. Em segundo lugar, o discurso científico não é demagógico nem tão assertivo como o discurso dos fundamentalistas.

    O mais ígnaro dos fanáticos debita um discurso pomposo de certezas absolutas que o discurso científico, por definição, não está habituado.

    Mas engana os mais incautos...

    Depois, esta gente não é gente racional: são fanáticos acéfalos que simplesmente se recusam a dar uso aos neurónios para algo que não religião. Aconselho o Courier Internacional desta semana e o seu especial sobre religião para começar a perceber a dimensão do problema...

    O resultado vai ser desastroso: os fanáticos presentes vão certamente debitar em tudo quanto é canto que venceram o colóquio, que arrumaram os ateus cientifistas, que o criacionismo é de facto uma alternativa cientifica à evolução mas que uma conspiração ateia e laicista, uma perseguição ao cristianismo inadmíssivel impede que se reconheça esse facto óbvio. Não importa que nada disso tenha acontecido...

    Não sei se lembra da inventada Guerra ao Natal que os fanáticos católicos importaram dos US em altura de pré-referendo, alardoada com grandes fanfarras no Público.

    Vão armar uma semelhante com o criacionismo: é uma perseguição ao cristianismo não reconhecer o criacionismo, etc...

    Aliás, um dos pais do neo-criacionismo ou IDiotia, William Dembski, é um bom exemplo da cristianovitimização que podemos esperar para os próximos tempos.

    Dembski ulula no seu blog contra os «fascistas» darwinistas que o pressionam tanto (?) que o pobre Dembski em cinco anos de sabática da sua posição no Center for Science and Theology do Southern Baptist Theological Seminary não conseguiu produzir um único artigo, um único modelo, enfim, nada tirando vacuidades IDiotas.

    Ou seja, carpe que a única razão porque a IDiotia continua a ser de facto idiota e escarnecida como tal por todos os cientistas, a única razão porque os IDiotas não publicam em revistas científicas é devido não à total falta de qualidade do que debitam mas... aos «fascistas» darwinistas!

    Acresce a tudo isso que Bento XVI e os seus teólogos mais próximos defendem que o evolucionismo é irracional e incompatível com o catolicismo. Já há muitos criacionistas católicos cá no burgo, nomeadamente no Comunhão e Libertação.

    Aliás, Bento XVI despediu o jesuíta George Coyne, um evolucionista director do observatório do Vaticano, em Agosto, umas semanas antes do Schulerkreis, um encontro anual de Ratzinger com os seus ex-alunos de doutoramento, devotado a examinar a teoria da evolução e o seu impacto no catolicismo.

    Nesse encontro um dos oradores principais foi o bispo de Viena Christoph Schönborn. Que tinha afirmado num artigo no New York Times que a teoria da evolução não é compatível com o catolicismo. Artigo imediatamente contestado por Coyne.

    Isto é, a ocasião é propícia para uma encenação de uma vitimização que encontra sempre eco mesmo nos crentes normais.

    Este colóquio vai ser lenha para a fogueira da cristianovitimização que vai anteceder a guerra da evolução. Vão usá-lo para tudo e mais umas botas, nomeadamente para pressionar o ME a introduzir o criacionismo como alternativa à evolução.

    Afinal, dirão, como a própria Universidade de Lisboa reconheceu com a organização deste colóquio, há limites às «teorias» científicas e esses limites estão a ser ultrapassados com a «perseguição» ao criacionismo...

    ResponderEliminar
  9. Cara Palmira F. Silva:

    Discordo em absoluto de si. O título parece-me equilibrado (nos dias de hoje, em que há uma fortíssima dos Criacionistas e similares, tipo ID) e facto de apenas um criacionista estar envolvido (depois de levar com quatro horas de evolucionismo e terminar com um padre católico, como Luís Archer, a falar de Teilhard de Chardin...). Parece-me que os criacionistas são gente como a outra, que podem, dentro das regras que a Ciência impõe, falar das suas ideias, para que a Ciência as desmistifique... Aliás a presença de Luís Archer, Mário Cachão, Octávio Mateus e muitos cientistas portugueses leva-me a pensar que esta actividade pode ser útil para a Ciência e para a Divulgação Científica.

    Aliás, foi publicado em 2003 um livro (Questionar a Evolução - por Américo J. Marcelino, um Juiz Desembargador do Tribunal de Relação de Lisboa) que teve um prefácio de...Marcelo Rebelo de Sousa! E a criação de um museu criacionista em Mafra, com as implicações que tal facto provoca, deve merecer um rápida resposta, sem tabus, da comunidade científica.

    Aliás, como disse ao Doutor Paulo Gama (não a trato por Doutora pois não sei qual o seu grau académico...) faz falta neste Blog um Geólogo (e o Doutor Paulo Gamo tem vários, na Universidade de Coimbra, que poderiam falar deste assunto, até porque é a Geologia que mais está preparada para falar dele...).

    No que diz respeita a Igreja Católica, vejo com preocupação os sinais que algumas hierarquias estão a dar - mas a esmagadora maioria da ICAR está com a Ciência e com a Teoria Evolucionista.

    ResponderEliminar
  10. Caro Fernando:

    Não percebo muito bem porque considera ser a Geologia a que está mais preparada para tratar o assunto... só a versão Terra jovem, que é absolutamente acéfala e se destina a um público mais ignorante, insiste que a Terra tem menos de 10 000 anos.

    Os argumentos são tão cretinos, tenho já uns posts preparados sobre o assunto e pode confirmar a idiotice das pretensões, que não é necessária grande formação em Geologia para os desmascarar.

    Em relação à sua discordância é a sua opinião.

    Eu acho não só profundamente errado dar tempo de antena a palermas criacionistas como extremamente perigoso.

    Volto a insistir: não faz qualquer sentido no século XXI este tipo de discussões numa Universidade a não ser como curiosidade histórica. Nunca para dar importância a atavismos medievais!

    A única coisa que os criacionistas querem é publicidade para poderem vir para os jornais, que dão cobertura a todas as inanidades religiosas, ulular perseguição e intolerância religiosa.

    Este colóquio é ouro sobre azul: dá publicidade e dá um pretexto à cristianovitimização.

    Em relação à esmagadora maioria da ICAR estar com a evolução depende do que considera ICAR. De acordo com a doutrina católica a ICAR é a hierarquia da Igreja e o rebanho segue as instruções do Vaticano acriticamente. Como lembrou o cardeal Policarpo aquando dos resultados do referendo...

    E se é verdade que a maioria dos crentes está com a evolução nesta altura tenha a certeza que tal não é verdade com a hierarquia

    A ICAR do Vaticano II acabou com a eleição de Bento XVI, como a recente revogação da Novo Ordo Missae de Paulo VI confirmou. A ICAR actual é mais a ICAR do Vaticano I e Pio IX, por sua vez uma confirmação da doutrina tridentina.

    E Bento XVI tem estado a limpar a hierarquia católica das vozes dissidentes. O Papa Negro dos jesuítas vai passar a ser nomeado por Bento XVI, Coyne foi despedido, foi despedido o director do periódico jesuíta «America», o padre Thomas Reese, foi declarado herético o padre jesuita Roger Haight, autor do livro Jesus Symbol of God, foi reintegrada a Fraternidade Sacerdotal São Pio X (FSSPX), uma seita integrista que reúne dissidentes de extrema direita da ICAR e que foi fundada por Marcel Lefebvre.

    ResponderEliminar
  11. Palmira:

    O naipe de colaboradores augura para o presente blog a qualidade de o mais qualificado do seu segmento.

    Parabéns e felicidades.

    Serei um leitor atento.

    ResponderEliminar
  12. Em relação aos geólogos, posso de qualquer forma pedir uma contribuição a algum dos meus colegas do Técnico, talvez ao João Fonseca que é físico mas trabalha em geologia

    ResponderEliminar
  13. Caro Doutora Palmira:

    Antes de mais, os meus parabéns pelo vosso Blog e pela luta contra o Criacionismo neste belo espaço... Discordando pontualmente de si, acho que a luta contra as aldrabices de alguns grupelhos fundamentalistas (e há-os nos cristãos evangélicos, nos muçulmanos, nos judeus, isto para além de pequenas minorias católicas e das Testemunhas de Jeová...) se faz em muitos campos, até no debate científico, recorrendo a debates públicos e à explicação de métodos de datação, como os há na Biologia e Geologia (e daí achar que faz aqui falta um geólogo...).

    Quanto à ICAR, eu que sou católico não-praticante (vulgo com dúvidas...) acho que as dúvidas de alguns sectores da Igreja rapidamente desaparecerão - basta ver a idade do Papa...

    ResponderEliminar
  14. Caro Fernando:

    O meu nome é Palmira e é assim que todos, com excepção dos meus alunos - enquanto são meus alunos - me tratam.

    Especialmente num blog que se quer de debate, anteceder o nome com um grau académico parece quasi um argumento de autoridade.

    Um dos objectivos do blog é também o desmontar de falácias. Recorrer mesmo que involuntariamente a uma para o fazer parece-me contraproducente...

    Aliás, basta ver que passou de «Discordo em absoluto de si» para «Discordando pontualmente de si» no espaço de um vocábulo :-)

    Não quero que concordem comigo por isso...

    ResponderEliminar
  15. Cara Palmira:

    A minha discordância é pontual e tem a ver com a metodologia a aplicar ao problema criacionista em Portugal. Já organizei congressos científicos e nunca convidei ninguém que defendesse pseudoteorias não-científicas. Acontece que o evento em causa é organizado por um "Centro de Filosofia das Ciências", pelo que a lista de participantes, a presença de criacionistas e as temáticas apresentadas ficaram bastante equilibradas - e nada mais direi sobre este assunto.

    Já agora, porque não pede um comentário, para explicar a presenta no evento aos Géólogos Doutores Mário Cachão ou Octávio Mateus (se quiser eu faço-o...)?

    ResponderEliminar
  16. António Parente:

    Já discutimos q.b. os assuntos que refere. Sabe perfeitamente que Coyne se encontrava em sabática nos Estados Unidos quando foi apanhado de surpresa pela notícia que se tinha «demitido» por razões de saúde. Claro que a versão oficial é outra mas foi amplamente divulgada a reacção inicial de Coyne... Mas este não é o local indicado para isso.

    Em relação colóquio, o criacionismo, especialmente a versão Terra jovem defendida por Jónatas, não é nem filosofia nem ciência: é puro disparate!

    Não faz qualquer sentido convidar um defensor de um disparate anti-ciência e anti-filosofia para um colóquio de Filosofia das Ciências.

    Em relação à apregoada irrelevante dimensão da ameaça criacionista na Europa - suponho que ninguém a menospreze em relação aos Estados Unidos - é apenas areia para os olhos dos mais desatentos para fazer baixar a guarda. Ela existe e tem de ser eliminada quanto antes. A penas de vermos transposto para a Europa o surrealismo que aconteceu e acontece nos Estados Unidos...

    ResponderEliminar
  17. Palmira

    Nem parece seu falar daquilo que não presenciou.

    No colóquio abordaram-se imensos temas. A história do criacionismo foi ignorada pela maioria dos presentes (aliás é sempre a mesma senhora que levanta essa questão).

    Conhece o estudo feito pela Esther Mucznick? Ou será que também está a falar do que não sabe? Acha correcto um manual escolar onde se diz que o Cristianismo foi a primeira religião monoteísta? É esse tipo de asneiras que deve ser corrigido.

    ResponderEliminar
  18. Caro Marco:

    Como referi não assisti mas tenho o relato de uma pessoa que considero fidedigna.

    O estudo que refere é «A religião nos manuais escolares»? Pensaria que não concordava pelo menos com a parte que carpe a romantização dos «mouros».

    Já entendo que partilhe as queixas sobre a pouca importância que os manuais escolares dão à religião (judaica no caso concreto) ou sobre a excessiva valorização do iluminismo :-)

    ResponderEliminar
  19. Em relação a erros nos manuais escolares aconselho a leitura do post do Desidério:

    Manuais escolares: hipocrisia ou estupidez?
    http://dererummundi.blogspot.com/2007/03/manuais-escolares-hipocrisia-ou.html

    ResponderEliminar
  20. Colóquio sobre o criacionismo ? O problema é que já não há tomates como há 30 anos. Então (embora houvesse toda a estupidez do PREC), estas provocações resolviam-se a murro e à paulada em 5 minutos. Qual colóquio, qual carapuça ? A charlatanice intelectual só merece pau de marmeleiro !

    ResponderEliminar
  21. EUROLIBERAL,
    Se ouvesse c.... de macho como no tempo do Goncalvismo o q se fazia a si era dar uma ragadelas de gasolina ne polo aos pinatos á nossa frente a fugir a fente dum facho a rder...

    ha e em pelota para ser mais exato!

    Rita,

    Aqui o "cromo " evangélico do cameira esta a gostar de ver a ruina das vossas falacias mentirosas

    Vc obrigaram-me a cuspir nos pontos as MER... eas filhas da put... do evolucionismo mas ja nao enganao ninguem

    GLÓRIA A CIENCIA E AO MINISTERIO DA EDUCAÇÃO DE PORTUGAL

    ResponderEliminar
  22. rITA,

    dEPOIS E PARA EXCLARECIMENTO DOS SIMPÁTICOS LEITORES, O Q EU DISSE NAO E Q QUERIA DAR UM PONTAPE NOR... DOS STORES EVOLUCIONISTAS ( SE ELES O MERECEM OU NAO DEIXO AS ESCOLAS Q OS CONTRATAM DECIDIR )

    O Q EU APELEI, APELO E APELAREI- ATE Q A VOZ ME DOA - É Q SEJA EXONERADOS DA ADMINISTRAÇAO PUBLICA E QUE SEJAM ANULADOS OS DIPLOMAS CIENTIFICOS EMANADOS DE QQ UNIVERSIDADE PORTUGUESA A TODOS OS Q OS USEM PARA MAIPULAR A CIENCIA E só ENSINEM O DARWINISMO

    Bons dias

    ResponderEliminar
  23. Caro David Cameira:

    Sou um professor, licenciado em Geologia, que só aprendeu Teoria Evolucionista e só a ensina Escola (quando tenho alunos criacionistas tenho todo o prazer, fora de aula, de lhes explicar porque estão errados...). As aulas de Ciência são só para as Ciências, não são para pseudoteorias (não científicas) - eu também não peço para os pastores de algumas Seitas e Igrejas me deixem falar nos seus momentos de culto...

    Já agora, da próxima vez, tenha cuidado em não usar a tecla Caps Lock, pois parece mal estar para aí a gritar.

    ResponderEliminar
  24. Corrijo:

    Sou um professor, licenciado em Geologia, que só aprendeu Teoria Evolucionista e só a ensina NA Escola (quando tenho alunos criacionistas tenho todo o prazer, fora de aula, de lhes explicar porque estão errados...).

    ResponderEliminar
  25. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  26. Caro Dr Fernando Martins,

    Eu agradeço a atenção que dispensou aos meus comentários
    É que eu, apesar de ter sempre andado na escola laica e racionalista, entendo q o meu pais( mormente o ministério da educação do meu pais ) falhou ao tentar promover a estreiteza de ideias e a imoposição das vistas curtas aos alunos.

    Onde ja se viu um cientista fanático...ou um intelectual " obtuso " para não dizer " burro "

    Por isso é q Portugal não avança cientificamente...
    Veja lá o Sr Dr se no MIT ou em HAWARD não há Criacionistas e evangélicos fundamentalistas ???
    E é capaz de afirmar que estes contribuem menos q os seus colegas para o desenvolvimento da ciencia nessas instituições ??

    Qt ás " seitas " não me ofende nada pq o próprio Cristianismo começou por ser uma seita...

    LOL


    Agora julgo pouco científico se um seu aluno criacionista, numa aula, lhe fizer uma pergunta ou apresentar um argumento q refute, racional concreta e objectivamente, a sua orientação racionalista o sr Dr lhe responda qq coisa do estilo: pois concerteza eu tenho o mair gosto em conversar ctg , ate pq esse assunto é muito pertinente, mas só fora da sala de aula...
    Parece-me q sera uma atitude de medo, ora um cientista não deve ter medo de ser vencido racionalmente....

    Por último mas não menos importante,

    Eu desconheço o q é que impede a Sinagoga , a Mesquita Central de Lisboa ou a Aliança Evangélica Portuguesa de o convidarem a si para ir a esses locais dar uma palestra sobre o evolucionismo...

    E eles depois refutavam as suas ideias com as ideias deles

    Ou julgará q vai " solapar " a fé dos crentes se lá concordar em ir ?

    ResponderEliminar
  27. Dr Fernando Martins,
    As maiusculas foram mm de propósito e não por erro, como tb já me tem acontecido, é q estavam a querer distorcer o q eu disse

    Sabia o sr Dr q alunos foram prejudicados nas suas classificações e q profs como o sr dr foram fortemente presionados a demitir-se por nao serem cientifica e éticamente reprobos e por nao terem vergonha de se assumir como cientistas e estudantes cristãs ?

    Pois é,
    Infelizmente este blog e todos os q lhe gravitam na órbita desconhece ou finge desconhecer esse facto

    ResponderEliminar
  28. Caro David:

    Lamentavelmente continua a dizer coisas que não entendo (já agora, o David não falará melhor o Inglês...? - é que, se for o caso podemos conversar nessa língua ou, eventualmente, em espanhol ou francês, linguas que eu também uso e conheço na forma escrita).

    Quando tenho alunos meus que acreditam no Criacionismo, nunca os obrigo a acreditar nas teorias evolucionistas - se eu fizer perguntas sobre estas, eles têm de dizer o que lhes ensinei, podendo dizer que não acreditam naquilo, sem nunca serem obrigados a acreditar nestas teorias. Nunca prejudico um alunos pelas suas convicções - agora a Ciência tem regras e estas têm de ser cumpridas. É claro que eu também não vou às Igrejas dizer aquilo em que acredito, do ponto de vista científico (ou de outro ponto de vista qualquer...). Não conheço nenhum caso de um aluno ter sido prejudicado por ser de qualquer confissão religiosa - sei é de países em que a Religião tenta impor à Ciências as suas posições dogmáticas e a prejudica.

    ResponderEliminar
  29. "Eu desconheço o q é que impede a Sinagoga , a Mesquita Central de Lisboa ou a Aliança Evangélica Portuguesa de o convidarem a si para ir a esses locais dar uma palestra sobre o evolucionismo..."

    Eu discordo dos autores deste Blogue neste aspecto - eu tenho todo prazer em discutir (como já o fiz...) o que é Teoria Evolucionista (nas suas várias vertentes...) e Criacionismo - aliás tenho muito material sobre o assunto. Acho que se deve debater estes assuntos, mas com regras...

    ResponderEliminar
  30. "Por isso é q Portugal não avança cientificamente...
    Veja lá o Sr Dr se no MIT ou em HAWARD não há Criacionistas e evangélicos fundamentalistas ??? "

    Há-os em muitos locais - menos nos sítios onde se estuda Biologia, Geologia e Evolução...

    ResponderEliminar
  31. " eu tenho todo prazer em discutir (como já o fiz...) o que é Teoria Evolucionista (nas suas várias vertentes...) e Criacionismo - aliás tenho muito material sobre o assunto. Acho que se deve debater estes assuntos, mas com regras... "

    Caro Doutor Fernando Martins,

    Temos que ver isso pq eu fiquei curioso para o ouvir.

    Pq a si e ao Filósofo Desidério Murcho gosto, cada vez mais , de vos ouvir

    ResponderEliminar
  32. Estou siderado; não sabia que o problema do criacionismo, que conhecia como algo exótico, de terras distantes (EUA, Reino Unido e Austrália), vindo através de podcasts e blogs, afinal tem defensores aqui em Portugal, e que existe um museu criacionista, e professores a leccionarem este lixo anti-científico.

    Um pedacinho de mim morreu hoje :(

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.