sábado, 24 de setembro de 2022

SONETO RESUMINDO UMA ENTREVISTA A GONÇALO M.TAVARES

Gonçalo não escreve com a cabeça,
escreve, diz ele, só com as mãos:
a cabeça, bons deuses, não interessa,
as mãos e os pés são bons artesãos.

“Escrever” sem complemento directo
é sempre a marca de um grande génio:
para estes, o acto predilecto
é tirar ao cérebro o oxigénio

porque, dele, nada que preste vem.
A si mesmo, escreve-se bem o texto
e as mãos sabem fazê-lo também.

Mas o cérebro é só um pretexto
e a linguagem vive só de si própria,
porque “querer dizer” é coisa imprópria. 

Eugénio Lisboa

Sem comentários:

A ESCOLA PÚBLICA, 50 ANOS DEPOIS DA LIBERDADE, EM DEMOCRACIA

Escrevi, há dias, que a luta dos professores, numa intensidade nunca vista, com grande destaque no passado ano de 2023, trouxe ao de cima a ...