quinta-feira, 17 de julho de 2014

MAIS UM CASO ESCANDALOSO NA FÍSICA


Chegou-me ao conhecimento mais um caso escandaloso da avaliação da FCT - Fundação para a Ciência e Tecnolologia. O LIBPHys, coordenado por Joaquim Santos, um dos físicos portugueses com mais publicações (tem trabalhado em Física Experimental com um Nobel alemão, tendo os seus trabalhos sobre o raio do protão chegado recentemente à capa da Nature) é o resultado da fusão do Centro de Física Atómica de Lisboa (Universidade de Lisboa e Universidade Nova de Lisboa) e do Centro de Instrumentação da Universidade de Coimbra. Dois centros pequenos e bem classificados juntaram-se para formar um maior, de acordo com as recomendações da FCT. A ele juntaram-se quase todos os restantes membros doutorados do Departamento de Física da UNL e os seis membros principais da UICOB - Unidade de Investigação em Ciências Orais e Biomédicas (da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa).. 

O caso parece ainda mais escandaloso do que aqueles que vieram a lume até agora. O primeiro painel da ESF - European Science Foundation  deu as notas de 18, 16 e 20 (no total de 20 valores). A média é de 18 valores. Dos três especialistas anónimos, um deles deu o máximo possível, um caso muito raro. Pois não serviu para nada. O painel, onde a Física estava subrepresentada (estava não só pouco como mal representada) anulou aquelas notas e impediu aquele centro excelente ou talvez mesmo excepcional de passar à segunda fase. Deu-lhe "Bom", o que significa Péssimo na escala da FCT, com uma esmola de 20.000 euros (que não dá nem para apurar o raio do protão, no consórcio internacional, nem para participar nos outros projectos internacionais em que os investigadores estão envolvidos). O painel ignorou quase completamente o valor e sucesso do centro e menosprezou a sua evidente visibilidade internacional. Há erros grosseiros no que respeita à contagem do número de publicações: deve ter sido feita à pressa, pois o erro é de um factor de dois (2). Perguntei aos investigadores o que se passava exactamente e eles disseram-me: 

 "O parâmetro bibliométrico das nossas publicações por investigador (naturalmente com doutoramento) está mal calculado. Em vez de ser 0,62 como o painel refere é 0,97, se o painel o calcular correctamente a partir do número de membros efectivos do centro, sendo mesmo 1,39 se tivermos em conta que todos os membros doutorados mantêm actividade lectiva, sendo, em média, cerca de 70% a percentagem de tempo dedicada à actividade de R&D, tal como a FCT aceita. Há, portanto, um factor de cerca de 2 a ter em conta na produção científica do LIBPhys. Mais ainda, no estudo bibliométrico relativo a 2007-2011, feito pela universidade de Leiden para a FCT, o CI e o CFA, que são os “core” do LIBPhys, apresentam parâmetros que os situam ao mais alto nível, similares aos obtidos por laboratórios associados cujo financiamento global é mais de uma ordem de grandeza superior. Isto não pode ser escamoteado. Por outro lado, por uma questão de justiça, a produção científica dos centros relativamente ao seu financiamento global não pode ser ignorada, análise que parece ser completamente posta de lado pelo painel."

Confio neles, cientistas rigorosos e exigentes, e não na European Science Foundation, uma entidade sem provas dadas na avaliação institucional, e muito menos na actual FCT, uma entidade que até agora foi absolutamente incapaz de reconhecer os sucessivos erros que lhe têm sido apresentados. Há uma FCT a.C. (antes de Crato) e outra d.C. (depois de Crato) e a segunda é muito pior do que a primeira, tanto na qualidade do trabalho como na lisura com que trata os investigadores. A FCT pratica o acto mais anti-científico que se pode imaginar: é incapaz de reconhecer grandes erros que saltam à vista. Com isso retira o país dos consórcios internacionais em que está envolvido e enfraquece o sistema científico-tecnológico nacional. O ministro Nuno Crato sabe isso muito bem, mas uma vez que os seus interesses são neste momento políticos e não científicos, finge que não sabe. 

1 comentário:

Isabel Duarte disse...

Começa a parecer-me, perante tanto atropelo grosseiro, que só há uma solução: exigir a anulação da avaliação. Se não for a bem, por meio dos tribunais, já que, ao que parece, haverá várias falhas mesmo de tipo processual. Por exemplo: pode uma "Audiência prévia" ter limite de palavras? Consta que não. Pode ser exigido que seja redigida em inglês? Consta que não.

MEU DISCURSO NA ESTAÇÃO ELEVATÓRIA DE COIMBRA

Meu discurso inaugural na cerimónia de doação da minha biblioteca a 17/Julho/2024: Coimbra, até pela ancestral presença da Universidade, é u...