sexta-feira, 12 de março de 2021

CULTURA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA NA IMPRENSA REGIONAL

 



Num estudo efectuado em2009 pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social e pela Marktest sobre a imprensa regional, verificava-se que o espaço dedicado a temáticas relacionadas com ciência e tecnologia foi inferior a 0,7% em 2009, no universo composto por toda a temática publicada no universo da imprensa local e regional estudada, incluindo todas as temáticas de manchete, chamadas na primeira página, textos e/ou crónicas de informação e/ou opinião. Este valor sobe para 0,9% quando a temática saúde era incorporada na análise.

De facto, numa primeira formulação, pode dizer-se que a insignificante publicação podia encontrar explicação, mesmo que parcial, na dificuldade da imprensa regional em ter acesso a conteúdos sobre ciência e tecnologia dedicados e ajustados às suas especificidades. Se esta for uma pergunta, temos de verificar o que aconteceria se o acesso a conteúdos, atractivos mas cientificamente rigorosos, de boa escrita, em bom português, fosse, de alguma forma, facilitado.

Para fazer face a essa realidade propus em 2011 a criação do que viria a ser o projecto “Ciência na Imprensa Regional”, que coordenei, o qual terminou em Janeiro de 2021. Ao longo de dez anos constatou-se um grande interesse e regularidade na publicação de conteúdos de divulgação científica por parte da imprensa regional. Foram publicados mais de onze mil artigos ao longo desse período sob a égide daquele projecto, único em Portugal.

Findo o “Ciência na Imprensa Regional”, a ciência não podia ficar de novo afastada da imprensa regional. E foi com muito agrado que Associação Portuguesa de Imprensa (APImprensa) iniciou no dia 25 de Fevereiro de 2021 um projecto de divulgação, junto dos jornais portugueses, de artigos de Cultura, Ciência e Tecnologia, da autoria de reputados especialistas em cada uma das áreas versadas. Este projecto visa também assinalar 2021 como o Ano da Imprensa Regional.

O novo projecto “Cultura, Ciência e Tecnologia” do qual me honro de ser colaborador, há muito que está a ser preparado por uma equipa liderada pelo jornalista Jorge Castilho, Director da APImprensa. Este projecto é “um verdadeiro serviço público, uma vez que os artigos serão fornecidos gratuitamente aos jornais de todo o País (e também aos de língua portuguesa no estrangeiro que nisso manifestem interesse), com o objectivo de valorização e diversificação dos respectivos conteúdos, mas também como contributo para difusão da literacia mediática”, pode ler-se num comunicado da APImprensa.

Este projecto é patrocinado pelo “Media Veritas”, um outro programa que a APImprensa tem em marcha com o apoio da fundação Tides, que promove a literacia junto dos públicos mais vulneráveis (adolescentes e seniores), lutando contra a desinformação e as chamadas “fake news” (notícias falsas). Um aspecto sempre importante em todos os tempos, mas que nesta altura em que continuamos a nos confrontar com um severo problema de saúde pública ganha ainda mais pertinência

No âmbito deste projecto “Cultura, Ciência e Tecnologia na Imprensa” será divulgada a “Cultura, nas suas diversas vertentes (Artes, Literatura, História, Sociologia, Música, etc), as descobertas da Ciência e os avanços da Tecnologia. Praticamente todos os dias iremos disponibilizar aos jornais textos de todas essas áreas, da autoria de especialistas dos principais Centros de Investigação e de Universidades de todo o País e do estrangeiro”, pode ler-se no comunicado já referido. Os assuntos serão abordados sempre de uma forma acessível e cativante para o público em geral, mantendo, contudo, o rigor científico.

Todos reconhecemos que a Imprensa é um pilar essencial da Democracia e da promoção da cultura no seu sentido mais lato. Numa altura em que o sector da Imprensa atravessa a sua maior crise de sempre, esta é uma iniciativa que da Associação Portuguesa de Imprensa que é preciso louvar, para apoiar a insubstituível Imprensa regional do nosso País.

António Piedade

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.