terça-feira, 20 de janeiro de 2015

David Marçal: “Os remédios homeopáticos só têm água e açúcar”

Minha entrevista à Teresa Firmino, publicada no PÚBLICO de hoje.


Doutorado em bioquímica pela Universidade Nova de Lisboa, aos 38 anos David Marçal tem uma bolsa de pós-doutoramento em comunicação de ciência e desenvolve projectos nesta área, por exemplo para o Pavilhão do Conhecimento e a Fundação Calouste Gulbenkian. Depois de três livros em parceria — Darwin aos Tiros & Outras Histórias de Ciência, de 2011, Pipocas com Telemóvel & Outras Histórias de Falsa Ciência, de 2012, e Toda a Ciência (Menos as Partes Chatas), de 2013, na Gradiva —, no final de 2014 publicou o primeiro a solo, Pseudociência, editado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos (já vendeu mais de 3000 exemplares). Pretexto para uma entrevista com o cientista-humorista.

Carl Sagan falava num mundo cheio de demónios quando lançou o seu último livro, há 18 anos, precisamente O Mundo Infestado de Demónios, em que refere movimentos anticiência e pseudocientíficos. O mundo tem hoje ainda mais demónios desses?
O mundo continua infestado pelos mesmos demónios, agora com novos acessórios para combinar melhor com a moda actual. Se nos anos 1980 havia as famosas pulseiras Tucson, com alegadas propriedades magnéticas, recentemente tivemos as pulseiras Power Balance, supostamente com um holograma quântico. As pulseiras Tucson eram anunciadas na rádio e na televisão, as Power Balance fizeram campanhas nas redes sociais, porque os demónios agora têm Internet de banda larga e telemóveis espectaculares. Ironicamente, coisas só possíveis graças à ciência e não à pseudociência.

A pseudociência é diferente da simples charlatanice? 
Sim. Há muitas charlatanices, mas nem todas alegam ter um fundamento científico. Só é pseudociência alguma teoria ou actividade para a qual se alegue haver fundamento científico, sem que isso seja verdade.

O seu livro Pseudociência suscitou polémica, em particular pelo que é dito sobre a homeopatia, que é só um dos aspectos de falsa ciência abordados. Essas reacções também chegaram ao PÚBLICO, quando Carlos Fiolhais publicou um artigo de opinião (Ciência diluída) sobre o livro, em que considera a homeopatia “a mais disparatada das assim chamadas medicinas alternativas”. Por que acha que este assunto provoca tantas emoções? Isso surpreendeu-o?
A reacção não me surpreendeu porque a homeopatia é uma grande indústria, que abarca desde as multinacionais farmacêuticas, que produzem os remédios homeopáticos, até aos homeopatas que os receitam. Todos os envolvidos têm de agir como se aquilo fizesse sentido, até os pacientes. Há muita gente convencida de que a homeopatia tem algum fundamento científico, o que, pura e simplesmente, não é verdade. E essa falsa ideia foi criada através de um grande conjunto de argumentos de autoridade, que começa pela venda dos remédios homeopáticos em farmácias. Para muitas pessoas, isto é um sinal de que a homeopatia é uma coisa séria. Mas não é e as farmácias não deviam vendê-los, pois deste modo minam a confiança que nelas é depositada.

Os partidários da homeopatia, como não têm provas, reagem cada vez que alguém põe em causa a sua autoridade. Basta ver que grande parte das críticas a Carlos Fiolhais se baseia em minar a sua autoridade, dizendo que é um físico que não percebe nada do assunto. Não interessa quem ele é, não interessa quem eu sou e não interessa quem eles são. Interessam as provas.

E por que é que a homeopatia não é ciência?
Porque não há provas científicas que demonstrem que os remédios homeopáticos tenham mais eficácia terapêutica do que um comprimido de açúcar. E a razão é muito simples: são comprimidos de açúcar. Preparados a partir de uma “tintura-mãe”, que pode ser qualquer coisa desde leite de cadela até cicuta, tanto faz, que depois é diluída dezenas de vezes, de modo que, no final, não sobra nada. A probabilidade de encontrar uma única molécula da tintura-mãe num preparado homeopático vulgar é equivalente à de ganhar o Euromilhões várias vezes seguidas.

Há estudos científicos – no sentido da palavra “científicos” – sobre a homeopatia? E o que concluíram?
Há. Para além da ciência fundamental, que mostra que os remédios homeopáticos são só água e o açúcar do excipiente, há ensaios clínicos. Num ensaio clínico, é comparada a eficácia terapêutica de um medicamento em teste com a eficácia de um tratamento em tudo igual, mas sem o princípio activo, ou seja, com um placebo. Os remédios homeopáticos comportam-se como placebos nos ensaios clínicos bem concebidos. Produzem uma sensação de melhoras subjectiva e transitória, mas nenhum problema sério de saúde se trata com placebos. Para os que não são sérios, um chá de limão com mel sai mais barato e tem mais efeito fisiológico.

Diria que a homeopatia, como outras áreas, usa termos científicos para ter credibilidade, mas depois recusa os resultados dos estudos científicos sobre ela?
Sem dúvida. Por exemplo, os partidários da homeopatia habitualmente reconhecem que não resta qualquer molécula da tintura-mãe nos preparados homeopáticos. Mas dizem que a água retém a memória das moléculas que teve dissolvidas. Essa memória da água é inventada. Mas, para a justificar, os homeopatas recorrem a todo o tipo de explicações delirantes com termos científicos, desde a física quântica à teoria da relatividade. Só que isso não é verdade, não há nada na física quântica que justifique uma memória da água. A palavra “quântica” é simplesmente evocada sem qualquer sentido, tal como no caso das pulseiras Power Balance.

O que diria a quem conta as suas histórias pessoais e diz ter melhorado de doenças graves devido à homeopatia?
Que fico muito contente com as melhoras, mas que isso não significa que elas sejam devidas à homeopatia. Em ciência, para atribuirmos uma causa a um efeito temos que excluir todas as outras causas possíveis. Pode ser o efeito de tratamentos convencionais que tenham feito ou que ainda estejam a fazer. Pode ser que a evolução da doença tenha sido mais favorável do que a média dos casos semelhantes. Num caso particular é difícil tirar conclusões, porque há muita coisa que pode acontecer. Por isso se fazem ensaios clínicos, que procuram encontrar numa amostra, e não apenas numa pessoa, um efeito estatisticamente mensurável. E não podem ser feitos de qualquer forma. Por exemplo: a divisão dos pacientes entre o grupo que recebe o tratamento com o medicamento em teste e o grupo que recebe o placebo tem de ser feita às cegas, senão os médicos, mesmo que inconscientemente, irão colocar as pessoas com aspecto mais saudável no grupo que é tratado com o medicamento em teste.

No livro, traça alguns aspectos comuns às pseudociências: uso de termos científicos, argumentos de autoridade e a criação de controvérsias artificiais. Pode explicar estes aspectos?
A pseudociência não tem provas experimentais, passíveis de serem replicadas por grupos de investigação independentes, mas procura parecer-se ao máximo com a ciência. Para isso copia a aparência da ciência, usando a sua linguagem, embora sem qualquer significado. São habituais as referências às “energias”, aos “campos”, às “frequências”, embora nunca se perceba de que energias, campos ou frequências se está a falar. Para nos ajudar a acreditar numa coisa que não se percebe, é preciso uma ajuda, é aí que entra a figura de autoridade, que pode ser um alegado cientista da NASA ou um guru quântico, por exemplo. Mas os argumentos de autoridade podem ir muito mais longe. No Havai, existe uma Universidade Quântica que dá cursos por correspondência e depois envia certificados para os gurus quânticos colarem nas paredes dos consultórios.

A táctica da controvérsia é uma aplicação particular das duas anteriores. Quando toda a ciência publicada demonstra cabalmente que uma coisa é um disparate, arranjam-se figuras de autoridade que usam a linguagem científica sem sentido para dizer que há uma corrente científica alternativa. É o caso da controvérsia que alguns agentes procuram criar à volta das alterações climáticas. O engano é que essa controvérsia social não tem nenhuma correspondência no plano científico.

As medicinas alternativas foram reconhecidas legalmente em Portugal. Por que é que não concorda com isso?
A regulamentação é mais um argumento de autoridade, que vai fazer com que a Administração Central do Sistema de Saúde faça o mesmo que a Universidade Quântica no Havai, ou seja, que envie certificados pelo correio para serem colados nas paredes dos consultórios. Que sentido é que faz haver profissionais com um certificado para exercer uma medicina que não funciona, como a homeopatia? Como escrevi num artigo de opinião aqui, no PÚBLICO, é o mesmo que a Direcção-Geral de Veterinária definir as regras de bem-estar animal para a amestração de dragões.

Basta ver a linguagem utilizada nessas portarias que regulamentam as medicinas alternativas: fala de coisas como “desarmonias energéticas”, “concepção holística, dialéctica e energética do ser humano”, tudo coisas que não significam nada, é constrangedor. E não há nada na regulamentação que proteja os doentes. Por exemplo, os terapeutas alternativos podem fazer diagnósticos próprios, podem dizer a uma pessoa com uma doença séria que ela tem os chacras desalinhados. E abre a porta a coisas mais graves. Por exemplo, o Bloco de Esquerda fez uma proposta de alteração ao Orçamento do Estado para 2015 que visava a isenção de IVA para os tratamentos de medicinas alternativas. Felizmente, não foi aprovada. Mas a intenção é a de um dia haver tratamentos vudu comparticipados pelo Serviço Nacional de Saúde. E, francamente, o dinheiro público na saúde tem de ser gasto em coisas com provas científicas de que funcionam.

Também há ciência que não é séria, como aconteceu com um artigo publicado em 1998 na revista médica The Lancet sobre uma suposta ligação da vacina tríplice ao autismo e que lançou um movimento antivacinas…
Sim, é verdade. Esse caso é uma fraude científica: descobriu-se que o principal autor desse artigo, o médico inglês Andrew Wakefield, falsificou os dados hospitalares e recebeu muito dinheiro de uma empresa de advogados que pretendia processar os fabricantes de vacinas. Mas mostra bem a diferença entre a ciência e a pseudociência. É certo que demorou algum tempo, mas, do ponto de vista da ciência, o erro foi encontrado e corrigido pela comunidade científica. Esse artigo foi retirado, aparece hoje em dia nas bases de dados de literatura científica com um grande risco vermelho de alto a baixo. Wakefield perdeu toda a credibilidade e até foi expulso da Ordem dos Médicos inglesa. Mas, para os militantes antivacinas, Wakefield continua um herói. Ignoram toda a ciência publicada, agarram-se a um artigo fraudulento e a uma figura de autoridade. E as consequências são muito graves. Não apenas para os filhos dos militantes antivacinas. Enquanto houver elevadas taxas de vacinação, as crianças não-vacinadas beneficiam da imunidade de grupo, mas não contribuem para a imunidade de grupo, o que é uma situação muito egoísta e anti-social. Se as taxas de vacinação baixam significativamente, isso é um problema grave de saúde pública.

E houve o Tamiflu, um medicamento da Roche contra uma eventual pandemia da gripe A. Este caso é ciência, não pseudociência, mas o que falhou aqui?
Também o considero pseudociência, porque o conhecimento científico foi distorcido. A Roche escondeu os dados de vários ensaios clínicos do Tamiflu e apenas revelou os que eram mais favoráveis. É como se um vidente fechasse as previsões para 2015 em vários envelopes e daqui a um ano abrisse e mostrasse só as previsões em que acertou e mantivesse as outras fechadas. Ficaríamos com uma ideia errada sobre o seu poder divinatório.

Os governos de vários países, incluindo Portugal, também ficaram com uma ideia errada sobre a eficácia do Tamiflu para reagir às pandemias de gripe de 2005 e 2009, e por isso gastaram milhares de milhões de euros em Tamiflu. Quando a Roche, no ano passado, finalmente revelou os ensaios clínicos escondidos, ficámos a saber que o Tamiflu apenas diminui os sintomas de gripe em algumas horas, e à custa de muitos efeitos secundários. A indústria farmacêutica convencional também tem um cadastro de alguma má conduta científica, falhas que se procuram detectar e corrigir. Mas as falhas da medicina convencional não legitimam de modo nenhum práticas que não têm nenhuma validade científica.

Alguém pediu uma indemnização à Roche?
Que eu saiba, não, mas seria justo. O problema é que a cultura de esconder ensaios clínicos em nome do interesse comercial está bastante enraizada na indústria farmacêutica e mesmo nas autoridades reguladoras. Este tipo de comportamento tem sido tacitamente aceite. Há neste momento uma campanha na Europa que visa a divulgação dos dados de todos os ensaios clínicos realizados nos últimos 20 anos. A transparência é um importante pilar da ciência.

No livro, a astrologia ficou de fora…
Centrei o livro nas estratégias habituais das várias pseudociências, dando alguns exemplos, sem ser exaustivo. Mas esta é uma excelente oportunidade para falar de astrologia. Penso que os jornais que publicam horóscopos deviam acrescentar um aviso: “Esta secção serve apenas para entretenimento e não tem nenhuma base racional, divirta-se!”

Costuma fazer humor recorrendo à ciência. Mas a pseudociência é séria de mais para isso?
Não, de modo nenhum! Não escrevi piadas, mas conto algumas histórias que considero divertidas. Por exemplo, o caso das mamografias por satélite em S. Bartolomeu de Messines ou, no final, a descrição de um artigo científico acerca do estudo epidemiológico de traumatismos cranianos nos livros do Astérix. Deixo ao leitor o prazer de encontrar a piada nas histórias delirantes da pseudociência.

Nesta discussão, onde entram os meios de comunicação social na divulgação tanto da ciência como da pseudociência?
Devem entrar fazendo bem o seu papel, de acordo com os bons princípios do jornalismo. Seria o suficiente. Mas frequentemente há notícias que têm como base uma única fonte, que pode ser um único artigo científico ou uma única pessoa, cujas ideias são publicadas sem qualquer contraditório ou espírito crítico. Vive-se num regime de ditadura do “engraçadismo” em muitas redacções: que importa se isto tem fundamento científico ou não, é muito engraçado! E assim publicam-se notícias com títulos como “Dormir nu pode reduzir o risco de diabetes” ou “Homens que cuidam dos filhos têm os testículos mais pequenos”. Isto retrata a ciência como um conjunto de curiosidades avulsas, em que tudo é possível, ou seja, o terreno fértil para a pseudociência. Claro que também há bom jornalismo de ciência e muito bons jornalistas de ciência.

O que o levou então a escrever sobre pseudociência?
A comunicação de ciência é um assunto a que me dedico já há algum tempo. Apercebi-me de que um dos objectivos fundamentais da comunicação de ciência é explicar o que é a ciência. Circulam muitas ideias erradas e distorcidas no discurso de massas sobre o que é a ciência e o processo científico. Falar de pseudociência é falar de ciência e das características da ciência. Se as pessoas souberem bem o que é a ciência, mais dificilmente se deixarão enganar pelas pseudociências. O objectivo deste livro é ajudar os leitores a melhor distinguirem a ciência da pseudociência.

O que é que cada um de nós pode fazer para examinar o mundo de forma céptica, como disse Carl Sagan, e não ser uma presa fácil do próximo charlatão?
Se tivesse que escolher apenas uma coisa: perceber a importância da experiência e das provas reprodutíveis. Há uns anos, circulou um vídeo em que se viam vários telemóveis à volta de grãos de milho, que depois se transformavam em pipocas, supostamente por causa da radiação. Bastava fazer a experiência para verificar que era treta.

2 comentários:

  1. Justíssimo vencedor do Prémio COMCEPT 2014, David Marçal contribui com a sua presença nos média para o aumento da literacia científica. Esta é uma tarefa "hercúlea" e que, por isso mesmo, necessita de todos. Luís Monteiro (Médico de família)

    ResponderEliminar
  2. Fiquei com vontade de te dar um aperto de mão. Fico feliz por saber que há alguém a espalhar juizo pelas pessoas cá em Portugal.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.