domingo, 27 de julho de 2014

Os erros de uma avaliação

Artigo de opinião publicado na última edição do Expresso, em que vários investigadores contestam os resultados da avaliação do CIC.Digital, feita por um painel sem qualquer especialista da área:

Criado na área da comunicação, e no contexto da candidatura a financiamento 2015-20 da FCT - o CIC.Digital reúne investigadores integrados de pólos de quatro Universidades (Porto, Aveiro, Nova e Lusófona). Reúne os dois mais antigos centros das ciências da comunicação em Portugal (CECL e CIMJ), fundadores da área no País, a que se juntaram os dois mais novos da área com maior potencial inovador (CETAC.Media e CICANT).

Foi, nesta avaliação da ESF/FCT, avaliado por peritos da área no patamar Muito Bom/Excelente’ (17,3/20), tendo passado, semanas depois, a "Razoável" (12/20).

O CIC.Digital possui 117 investigadores e integra o maior e mais qualificado número de doutorandos da área. Único centro de investigação no país que corresponde ao perfil definido pelo  Conselho Científico da FCT, integrando as Ciências da Comunicação e Informação (CCI), foi impropriamente avaliado por um painel de Humanidades, sem qualquer especialista da área de CCI.

No período 2008-2012, em avaliação neste concurso,  a unidade teve 69 teses de doutoramento defendidas;  325 artigos em revistas com "peer-review"; 179 livros; 625 capítulos de livros; 14 modelos; 2 patentes; 44 protótipos; 19 contratos de investigação com a indústria; 47 contratos de investigação competitivos com entidades nacionais e internacionais; 1557 outros "outputs" de investigação e esteve envolvido em 6 programas de doutoramento em Comunicação a nível nacional (um deles em parceria com a UTAustin, a UNL e a UPorto, em Digital Media).
Uma das coordenadoras do CIC.Digital preside actualmente à principal associação europeia da área (ECREA - European Communication Research and Education Association).
O CIC.Digital publica regularmente 6 revistas científicas. Desde 1984, conta mais de um milhar de artigos científicos na área, com a contribuição de muitos dos melhores especialistas portugueses e estrangeiros.

Face a isto, o avaliador final considerou a unidade "prematura", etiquetou-a com "fair" e assinou  a sua morte: não deve ser financiada… 

Denegriu a sua forte estratégia no campo da Lusofonia, como sabemos, central para a nossa economia, tecnologia, ciência, língua e cultura do país. E menorizou tudo o que a unidade conquistou  até aqui no âmbito europeu e luso-americano (projetos competitivos UE/FP7, formação avançada e percentagem significativa de publicações em inglês).

Não quis perceber que o CIC.Digital está integrado na plataforma de disseminação do conhecimento científico ROSSIO (gerida pela FCSH/NOVA) consolidada como referência nacional, futura antena da plataforma europeia DARIAH-EU. E ignorou o seu enquadramento no eixo estratégico de investigação da Agenda Digital da UE.

Esta foi uma avaliação enviesada, com erros grosseiros, que introduziu uma alteração radical de valoração no decurso de um mesmo processo e em função da mesmíssima proposta, com avaliadores da mesma entidade avaliadora - o que veio afetar a credibilidade da instância de avaliação. 

O projecto do CIC.Digital  está alicerçado em investigação de várias décadas, realizada no âmbito das melhores universidades do país, responde à exigência de visão estratégica e inovadora suscitada por este concurso e dá verdadeira sustentabilidade à área científica das CCI. 
Os signatários esperam que a FCT reavalie então de modo justo e transparente o que tem que ser reavaliado, admitindo os erros flagrantes e graves aqui cometidos.

Cláudia Álvares (ULHT); Estrela Serrano (CIMJ); F. Rui Cádima (FCSH/NOVA); Fernanda Ribeiro (FL/UPorto); Isabel Ferin (CIMJ); José Bragança de Miranda (FCSH/NOVA); Lídia Oliveira (UAveiro); Manuel José Damásio (ULHT); Teresa Cruz (FCSH/NOVA)

3 comentários:

  1. Tendo por base o estudo bibliométrico da ELSEVIER/SCOPUS disponível no sítio da FCT para a área científica “Ciências da Comunicação e da Informação” (*) em que são analisadas 3 Unidades da área constata-se que o CIC.Digital (unidade 4667) no período 2008-2012 publicou 71 artigos em revistas internacionais de referência (longe dos referidos 325) que originaram 56 citações.

    Fazendo uma análise comparativa com a unidade 736 (centro CECS da Univ do Minho) que passou à 2ª fase, tem-se:

    Number of outputs per FTE (Full-time Equivalent): 0,75 para o CIC-Digital versus 0,91 para o CECS;
    Number of citations per output: 0.79 versus 4.64
    Number of citations per FTE: 0.59 versus 4.24
    h-index: 4 versus 6
    Field-Weighted Citation Impact: 0.417 versus 1.211
    % of total outputs in in Top 1% percentile: 0% versus 2%
    % of total outputs in in Top 5% percentile: 0% versus 4%
    % of total outputs in in Top 10% percentile: 0% versus 4%
    % of total outputs in in Top 25% percentile: 4% versus 15%
    % of total outputs in National Collaboration: 25% versus 11%
    % of total outputs in International Collaboration: 11% versus 36%

    Ou seja no caso do CIC.Digital verifica-se a ausência de publicações de qualidade e reduzida colaboração internacional.

    (*) Consultar http://www.fct.pt/apoios/unidades/avaliacoes/2013/docs/communication_and_information_sciences.xlsx

    ResponderEliminar
  2. 1) atraso nos pagamentos dos bolseiros contractados pelos projectos aprovados pela fct
    2) diminuição trágica das bolsas de doutoramento atribuídas
    3) Diminuição trágica dos centros de investigação aprovados para terem financiamento
    4) Diminuição trágica do nº de centros de investigação em Portugal por falta de financiamento
    5) Diminuição trágica do financiamento atribuído aos centros de investigação aprovados
    6) Extinção da fct e passagem das suas competências para um orgão europeu
    7) Colonialismo europeu / Alemão da ciência em Portugal a fim que lhes satisfaça as suas necessidades económicas, científicas e industriais!

    ResponderEliminar
  3. Tendo a FCT corrigido os dados dos FTE nos ficheiros EXCEL inicialmente disponibilizados verifica-se no caso em apreço a alteração dos seguintes indicadores (não altera o sentido):

    Number of outputs per FTE (Full-time Equivalent): 1,5 para o CIC-Digital versus 1,82 para o CECS;
    Number of citations per FTE: 1,18 versus 8,48.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.