quinta-feira, 5 de janeiro de 2023

Um professor não é...

Por Cátia Delgado 

Num momento particular em que se vê de novo o fervilhar da classe docente – dotada de capacidade intelectual e consciência crítica, capaz de fazer valer princípios que, por inerência, são os da escola pública e que concordam com o bem superior dos nossos alunos –, destaco um ponto que deveria estar na primeira linha das contestações: a identidade profissional do professor.

Os mal-entendidos que a rodeiam comprometem todos os outros tópicos em discussão. Para os que a pretendam rever, um bom começo será o esclarecimento do que o professor não é. 

De modo ilustrativo, recorro à negação, tão bem colocada por Jorge Larrosa, na sua obra de 2019 “Esperando no se sabe qué: Sobre el oficio de profesor” (p. 329): 
Um professor não é um guru.../ Um professor não é um iniciador.../ Um professor não é um mediador.../ Um professor não é um autor.../ Um professor não é um treinador.../ Um professor não é um produtor.../ Um professor não é um gestor.../ Um professor não é um prestador de serviços.../ Um professor não é um pai (nem uma mãe).../ Um professor não é um companheiro.../ Um professor não é um amigo.../ Um professor não é um líder.../ Um professor não é um ativista.../ Um professor não é um conselheiro espiritual.../ Um professor não é um conselheiro emocional.../ Um professor não é um sedutor.../ Um professor não é um motorista.../ Um professor não é um guia.../ Um professor não é um comunicador.../ Um professor não é um moderador.../ Um professor é um professor...

1 comentário:

  1. Um indivíduo, sem autonomia técnica e pedagógica, obrigado a ensinar por grelhas, tendo por base a filosofia ubuntu, não é um professor!

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

MAIS RECHERCHE DE MAIS TEMPS PERDU

(NUM DIA DE PÁSCOA, EM MOÇAMBIQUE)  Quando era Páscoa, em Moçambique,  eu lia NOTRE DAME DE PARIS  e achava a matemática chique: que belos e...