quinta-feira, 12 de janeiro de 2023

Tanta água doce e nenhuma poesia

Tanta água doce e nenhuma poesia.

E só imaginando vejo as aves!

Um toque álgido sinto todo o dia:

No céu ninguém cicia nem nas árvores.


Não sinto os braços, só sinto a partida.

Quero o lugar ou júbilo onde outrora,

No tempo hibernal, tanta água corria

Como o pranto que hoje em mim se demora.   


Em meu chão é que as aves são abraços,

É que o canto é desejo e é porvir.

Era aí que levantavas, pai, os braços, 


Até tocarem o céu e o chão se abrir,  

E a lágrima brotar dos olhos baços...

E eu morrer para como tu sorrir.   

 

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

MAIS RECHERCHE DE MAIS TEMPS PERDU

(NUM DIA DE PÁSCOA, EM MOÇAMBIQUE)  Quando era Páscoa, em Moçambique,  eu lia NOTRE DAME DE PARIS  e achava a matemática chique: que belos e...