domingo, 22 de janeiro de 2023

UM POETA NO ALENTEJO

Soneto dedicado a José Régio, que li, no dia 19, na Casa-Museu do escritor, em Portalegre, por ocasião da sessão que ali lhe foi dedicada.

Caro poeta do Alto Alentejo,
nesta pátria que à força escolheste,
teu magnífico e forçado ensejo,
de descobertas em que te escondeste,

neste fértil desespero, viveste
uma vida de solidão fecunda:
em magna aventura, tu cresceste,
dando-nos obra vasta e profunda.

Neste Alentejo, teu nobre brasão,
esculpiste grande parte dessa obra,
que preservar é nossa obrigação.

Dessa solidão criativa, sobra
um património cheio de memórias
de aflições que se volveram vitórias!

Eugénio Lisboa 
04.01.2023


Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.

MAIS RECHERCHE DE MAIS TEMPS PERDU

(NUM DIA DE PÁSCOA, EM MOÇAMBIQUE)  Quando era Páscoa, em Moçambique,  eu lia NOTRE DAME DE PARIS  e achava a matemática chique: que belos e...