terça-feira, 31 de julho de 2012

O que não é permitido no comportamento do estudante

Em 24 do corrente mês de Julho foi publicado o Regulamento Disciplinar dos Estudantes da Universidade de Coimbra que “visa a clarificação do que não é permitido no comportamento do estudante”.

Centrando-nos na fraude académica, que tem tido destaque neste blogue, o documento afirma a importância de a instituição académica se pautar pela honestidade e determina que não é permitida a cópia, a falsificação e o plágio.

"O percurso de aprendizagem [deve ser] marcado pelo trabalho honesto, esforçado, perseverante e promotor das suas próprias capacidades” e, nessa medida, não é permitido “falsear os resultados de provas e trabalhos académicos, nomeadamente através da utilização de práticas de plágio, obtenção fraudulenta do enunciado da prova a realizar, substituição e obtenção fraudulenta de respostas, simulação de identidade pessoal ou falsificação de pautas e enunciados".

Esta explicitação de regras é positiva porque constitui um instrumento que, se divulgado, prevenirá e deterá comportamentos fraudulentos, apoiando também decisões em caso de prevaricação.

Mas há algo no documento que me incomoda... Efectivamente, ele decorre da necessidade que se foi acentuando de tratar casos concretos, e, em sequência, do reconhecimento que alguns (muitos?) alunos do ensino superior não integraram no seu percurso escolar o valor da honestidade académica.

1 comentário:

  1. José Batista da Ascenção31 de julho de 2012 às 22:40

    Parabéns à Universidade de Coimbra.

    É um exemplo.

    Esperando eu que as alíneas b), c) e d) do

    artigo 2 se apliquem sem subterfúgios a certos

    comportamentos que alguns dizem da "praxe"...

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.