quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

MARIA DE SOUSA AO JL


Maria de Sousa, a bióloga que ganhou o Prémio Universidade de Coimbra 2011, declarou numa recente entrevista ao JL (a Maria Leonor Nunes e Luís Ricardo Duarte):

"JL- A Ciência não está separada da Literatura?

MA- Nem pode estar. Se temos uma aproximação ao mundo com alguma profunsdidade e sensibiklidade, sabe-se que o que vai durar são as palavras. E quem faz ciência, sabe que o quie faz é transitório. E há alguma sede de perdurar. Só se sabe o que não se sabe. Vai-se sabendo algumas coisas, mas podem durar ou não. Mas uma coisa que escrevemos fica.

(...) JL- A poesia pode "inspirar" a ciência?

MS- A melhor ciência é aquela que se aproxima da poesia.

JL- Em que sentido?

MS- Faz-se investigação para saber, por exemplo, por que razão o vinho está no copo, pequenas coisas que vão constituindo o edifício do conhecimento. E, de repente, chega um tipo como Einstein, que muda o mundo pela sua percepção de uma coisa. É uma criatividade tão forte que se aproximna de um ato poético. Aí fica como uma palavra, como um verso de Shakespeare."

3 comentários:

  1. E porque não... como um verso de Camões?! JCN

    ResponderEliminar
  2. A leitura deste post levou-me a ler a entrevista integral, e vou levar este pequeno excerto para o nosso blogue, Voxnostra, pela pertinência do momento: estão a decorrer as correntes de escrita, um dos momentos de grande interacção entre os escritores e as escolas do nosso Concelho!

    ResponderEliminar
  3. Para Shakespeare chegar
    de Camões ao calcanhar
    teria muito que andar
    para a ele se igualar!

    JCN

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.