sábado, 31 de julho de 2010

CAMINHOS NEURONAIS


Nova crónica de António Piedade saída no "Diário de Coimbra":

Caminho adentro um trilho florestal debruado por pinheiros e eucaliptos. As folhas acompanham-me com os versos do poeta andaluz, Manuel Machado: “…caminante no hay camino, se hace el camino al andar”. De facto, só ao caminhar desvendo o fluir do caminho, os seus trilhos efluentes, as suas sendas que ficam inexoráveis para trás.

Caminho à beira-mar com a água salina a ondular a areia em vagas pulsantes. A cada onda, desaparecem os rastos dos meus passos. É como se a água levasse o caminho feito. A cada onda, renova-se o areal horizonte de meus passos futuros, como se uma nova folha se esbranquiçasse para receber, novamente virgem, o traço seguinte.

Caminho ao longo de um axónio imaginário, prolongamento celular nervoso que nasce do corpo neuronal e se espraia até à enseada da sua ligação, ou sinapse, com o neurónio a quem passa o testemunho de uma mensagem que flui. Flui como uma onda salina de potássio e sódio, propulsionada por uma acção potencial de natureza electroquímica. A passagem de testemunho tem cambiantes químicos que modelam a mensagem com neurotransmissores específicos: serotonina e noradrenalina associadas ao “humor”; dopamina ao controlo motor; acetilcolina à aprendizagem e memória; ácido gama-aminobutírico à inibição; glutamato e aspartato à estimulação; et cetera.

A vaga neurotransmissora banha o neurónio pós-sináptico, passo seguinte, e uma nova onda se espoleta e conflui com milhares de outras vindas de tantos outros neurónios, numa raiz dendrítica que encorpa no integrante corpo celular.

E assim, de sinapse em sinapse, passo a passo, a mensagem faz o seu caminho e a via neuronal se estabelece, consequente, numa acção causal de efeitos complexos ainda pouco estabelecidos, porque muitos são os caminhos e muitas as suas intercomunicações em rede.

Constelações neuronais em estruturas cerebrais específicas, delineiam caminhos e destinos ainda por identificar e relacionar com acções e sensações, com pensamentos e palavras.

Alguns peregrinos, como Xim Jin e Rui M. Costa, encontraram em faróis banhados por vagas dopaminérgicas, os contornos iniciais e finais de gestos sequenciais (aqui).

Outros peregrinos, como Vivien Chevaleyre e Steven A. Siegelbaum, percorreram os caminhos definidos por diferentes tipos de neurónios piramidais que se alinham no hipocampo e que se sabiam estarem envolvidos, de alguma forma, no estabelecimento de uma memória espacial essencial à repetição do gesto (aqui). Especificamente, identificaram que neurónios piramidais, do tipo CA2, desempenham um papel que inverte a força das vagas no palco sináptico: “dão” mais ímpeto às mensagens longínquas vindas do córtex e “abafam” as dos seus vizinhos piramidais do tipo CA3, neurónios também do hipocampo.

Um dia, se o sonho tiver natureza neuronal, peço emprestado o verso ao poeta luso António Gedeão e digo que “Eles nem sabem nem sonham, que o sonho comanda à vida” e que é pelo sonho que caminhamos!

11 comentários:

  1. A VIDA COMANDA O SONHO

    Mais do que o sonho a comandar a vida
    está minha vontade, o meu querer,
    que à sua frente leva de vencida
    quanto se oponha à força do meu ser.

    É bonito sonhar de olhos abertos
    perante a mais banal realidade,
    mas é preciso dar os passos certos
    para atingir qualquer finalidade.

    Venha o sonho dourar em cada dia
    meus actos, meus projectos pessoais
    como se fossem pura fantasia!

    As coisas mais concretas e reais
    não devem prescindir da Poesia
    que lhes confere a luz dos Ideais!

    JOÃO DE CASTRO NUNES

    ResponderEliminar
  2. Queiram seguir o seguinte link:
    http://www.technologyreview.com/video/index.aspx?id=21175&brightcove=1709866689&iframe=biotech&autoplay=true

    e visualizar vias neuronais identificadas pelas mais modernas técnicas de Imagiologia por Ressonância Magnética (IRM). Neste caso, a Imagiologia de Tensores de Difusão, permite identificar as principais, ou melhor, as mais activas vias neuronais. Funciona detectando a difusão de moléculas de água ao longo das vias neuronais activas. Lá está a água, mais uma vez, a desvendar-nos os caminhos...

    António Piedade

    ResponderEliminar
  3. Em linguagem neuronal, agora entendo a poderosa eficácia da água-benta! JCN

    ResponderEliminar
  4. Repare meu Caro Castro Nunes, que passamos quase 40 semanas numa "gravidade" amniótica. Os primeiros gestos aquáticos. Ontológicamente, não vimos do pó: vimos da água.
    Abraço,

    António Piedade

    ResponderEliminar
  5. este senhor deve saber mesmo muito
    ah, e se fala bem

    dá gosto

    ResponderEliminar
  6. Por isso vossemecê, senhor Platero, mudou de arraial, assentando praça aqui. Chegue-se aos bons, meu caro Amigo! JCN

    ResponderEliminar
  7. Que grande e científica verdade, Caro Dr. António Piedade! Tenho de reconhecer que, em termos ontológicos, cravou um par de bandarilhas com suprema elegância, sem mãos na rédea. Não é para todos: razão tem Platero ao gabar-lhe o saber com saber dizer! JCN

    ResponderEliminar
  8. Agradeço a todos pelas palavras elogiosas que, acreditem, são estímulo para fazer melhor.
    Abraço

    António Piedade

    ResponderEliminar
  9. Deu-me prazer ler o seu artigo porque está muito longe da minha área e consegue agarrar o leitor, sem que este saiba alguma coisa sobre o assunto.
    A analogia da árvore com os neurónios é bela. É mais fácil para um leigo ver a ciência desta forma.
    Parabéns!

    ResponderEliminar
  10. Que linda é a BIOLOGIA. Este texto científico é tão poético como as poesias do nosso Gedeão, ´Professor de Física e Poeta.
    Os meus cumprientos com sincera admiração.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.